1 de ago de 2012

RECIFE: Polêmica que brota do mangue

BRASIL – Recife - URBANISMO
Polêmica que brota do mangue
Paisagistas defendem a poda de árvores e do mangue para deixar mais visíveis o Capibaribe e o casario histórico ao longo do rio, junto ao projeto de drenagem do rio, que começa em outubro

Foto: Divulgação

Casa da Cultura, no Bairro de Santo Antônio, uma imponente edificação do século XIX, antiga Casa de Detenção, transformada em centro cultural e mercado de artesanato, escondida pela vegetação do manguezal

Postado por Toinho de Passira
Texto de Cleide Alves.
Fonte: Jornal do Comércio Edição Online

O projeto de dragagem do Capibaribe, anunciado pelo governo do Estado semana passada e previsto para começar em outubro próximo, abre no Recife debate sobre a vegetação de mangue plantada na margem do rio no fim da década de 80. Arquitetos paisagistas defendem a poda das árvores ou, até mesmo, a erradicação de trechos do manguezal no Centro, para deixar mais visíveis tanto o Capibaribe quanto o casario histórico ao longo do curso d’água.

É preciso fazer um estudo para definir onde preservar e onde retirar o mangue no Centro do Recife, diz o vice-presidente da Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas e professor do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Luiz Vieira. Ele sugere a supressão das árvores nas imediações da Casa da Cultura, no cais da Rua da Aurora e atrás do jardim do Palácio do Campo das Princesas. O mangue cresceu, ficou muito alto e esconde os prédios históricos do Centro. ”

Foto: Toinho de Passira/Passiranews

Manguezais na Ilha do Leite, próximo ao Forum do Recife

A vegetação poderia ser mantida, na avaliação de Luiz Vieira, na parte mais larga do Rio Beberibe, logo após o Palácio do Governo até a Ponte do Limoeiro, que liga o Bairro do Recife à Avenida Norte. “Nesse trecho, o efeito do mangue é positivo na paisagem, comenta. A dragagem do rio, para criar um canal de navegação no Capibaribe, seria a oportunidade ideal para debater o assunto na cidade, argumenta.

Francisco Cunha, arquiteto e integrante do Observatório do Recife, entidade que monitora indicadores de qualidade de vida da cidade, propõe a erradicação da planta no Centro. Além de esconder os prédios, a vegetação estaria impedindo a contemplação do Capibaribe. O rio é um componente fundamental da paisagem do Recife, diz. “É justo condenar a Casa da Cultura a ficar ocultada atrás de uma floresta de mangue? A árvore cresceu daquela forma porque o rio está cheio de matéria orgânica.

Ele defende a poda do mangue nos bairros do Derby, Madalena, Torre e Casa Forte, fora do Centro. Coordenadora do Laboratório da Paisagem da UFPE, a arquiteta Ana Rita Sá Carneiro discorda da supressão do mangue. Os edifícios precisam ser vistos, mas o mangue tem uma história e uma identidade com o Recife, pondera a professora.


Frans Post e os manguezais do Recife

O manguezal do Capibaribe, diz Ana Rita, foi registrado no século 17 pelo pintor holandês Frans Post (1612-1680), primeiro europeu a retratar as paisagens brasileiras. A pesquisadora concorda com a poda de manutenção de trechos da vegetação, para permitir a abertura de grandes janelas e dar mais visibilidade aos edifícios históricos.

Uma das janelas tornaria mais aparente os jardins do Palácio do Campo das Princesas, que será restaurado numa parceria do governo como o Laboratório da Paisagem da UFPE e terá de volta o projeto do paisagista Roberto Burle Marx (1909-1994). A proposta seria cortar as árvores na altura da balaustrada do palácio e do guarda-corpo do cais próximo à Casa da Cultura. “O mangue continuaria existindo, sem encobrir as edificações históricas, diz ela.

Foto: Geovani Xiru/Flickr
Biólogo e pesquisador do Laboratório da Paisagem da UFPE, Joelmir Silva propõe a substituição gradual do mangue branco (Laguncularia racemosa) plantado na década de 80, que pode atingir 20 metros de altura, por outra espécie de menor porte. “Um estudo de impacto ambiental pode orientar a substituição. Embora a contemplação dos monumentos esteja prejudicada, o mangue tem a função de limpeza do rio, afirma o biólogo.

Peixes, caranguejos e garças se alimentam no manguezal do Capibaribe. “Há uma cadeia alimentar formada há cerca de 20 anos e que será prejudicada com a retirada da vegetação, alerta o biólogo. O mangue (coletado na área próxima à Igreja de Santo Amaro das Salinas, no Centro) foi plantado na gestão do então prefeito Jarbas Vasconcelos (1986-1988) na lateral da Casa da Cultura. Com o passar dos anos, espalhou-se pelo rio.

Protegido por lei federal, o manguezal é uma Área de Preservação Permanente (APP) e não pode ser derrubado ou sofrer intervenções, exceto em caso de utilidade pública. (A Lei Federal nº 4.771/65 cria a APP e a Resolução nº 369/2006, do Conselho Nacional do Meio Ambiente, proíbe a derrubada da vegetação). Desde o século 16 havia mangue no Capibaribe, o ecossistema desapareceu com os aterros do rio, informa José Zanon Passavante, professor do Departamento de Oceanografia da UFPE.

O mangue, diz ele, fornece alimento para crustáceos, peixe-boi e peixes de modo geral, contribui para a limpeza do rio e embeleza a cidade. A vegetação é típica do estuário, área onde a água do mar é diluída pela do rio. No Recife, o estuário vai do Centro até a Madalena, afirma Zanon.

Secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Estado, Sérgio Xavier aposta no equilíbrio. Os arquitetos poderiam apresentar um projeto que preservasse a área verde e abrisse a paisagem para os monumentos históricos. É possível ter o mangue e o casario, diz ele. “O mangue na cidade captura dez vezes mais gás carbônico do que a vegetação terrestre e o Recife precisa melhorar a qualidade do ar. ”

O projeto de dragagem do Capibaribe prevê a abertura de um canal com 36 metros de largura (o serviço não será feito de uma margem à outra) e 2,5 metros de profundidade, para criação do transporte fluvial. Uma rota de 11 quilômetros ligará o Centro até a BR-101. Outra, de 2,9 quilômetros, vai da Rua Sol à Tacaruna.

A dragagem prevê estudos prévios e o mangue está contemplado, diz Ana Suassuna, secretária-executiva das Cidades. Segundo ela, o Plano de Controle Ambiental, que será licitado e levado a público, vai orientar a intervenções. “É cedo para se falar em poda ou supressão do mangue.
*Acrescentamos subtítulo, fotos e legendas ao texto original

Nenhum comentário: