6 de ago de 2012

Robô, "Curiosity”, da NASA, chega a Marte

ESTADOS UNIDOS – Ciência
Robô, "Curiosity”, da NASA, chega a Marte
O veículo especial chega ao planeta vermelho em busca de rastros de vida. NASA comemorou euforia o sucesso inicial da missão

Foto: Curiosity/NASA

Um das primeira imagens enviadas pelo Curiosity, em marte, mostrando sua própria sombra. Essa imagem foi clicada à 565 milhões de quilômetros da Terra

Postado por Toinho de Passira
Fontes: INFO, Terra, The New York Times, Band , NASA

O jipe-robô “Curiosity”, da NASA, conseguiu pousar em Marte com sucesso após uma complexa manobra que ficou conhecida como "Os 7 minutos de terror". O veículo chegou ao planeta vermelho às 2h32 (horário de Brasília) na madrugada desta segunda-feira (6).

Os cientistas e controladores da agencia espacial americana, no Laboratório de Propulsão a Jato (JPL), em Pasadena, Califórnia comemoraram o feito, como torcedores vitoriosos em fim de campeonato.

O site oficial da NASA transmitiu toda a operação de abordagem e aterrisagem do Curiosity, ao vivo.

Um dia antes a agencia espacial conseguiu precisar a hora exata da chegada do veículo.

Havia uma expectativa com o clima em Marte, porque na madrugada que antecedeu o pouso, aconteceu uma tempestade de poeira no hemisfério sul do planeta, que para a alegria dos cientista, dissipou-se, permitindo a conclusão da aterrisagem com sucesso.
O Curiosity tocou a superfície do planeta vermelho quando Marte se encontrar a cerca de 248 milhões de quilômetros da Terra, pondo fim a uma viagem de mais de 565 milhões de quilômetros.

A sonda robot foi lançada em 26 de novembro de 2011 em um foguete Atlas V 541 de Cabo Canaveral (Flórida). Durante a viagem a sonda viajou a uma velocidade de 12.800 quilômetros por hora, e quando atingiu a órbita do planeta, chegou a 21.200 km/h.

Ao entrar na atmosfera de Marte, cem vezes menos densa que a da Terra, começou uma complicada missão de aterrissagem, conhecida como os "sete minutos de terror".

O atrito atmosférica sozinho não é suficiente para frear a velocidade da queda, por isso a cerca de 11 quilômetros da superfície foi ativado um paraquedas supersônico de 16 metros de diâmetro, o maior já feito pela Nasa.

Nesse momento, o paraquedas, que pesava 45 quilos, diminuiu a velocidade da queda para 320 quilômetros por hora.

A conclusão do pouso aconteceu quando um guindaste voador depositou o jipe-robô no solo e voltou para o espaço rapidamente para evitar colisões.

O Curiosity, lançada em 26 de novembro de 2011, terá uma missão de dois anos em Marte e seu objetivo é descobrir se o planeta já foi capaz de abrigar formas de vida.

Arte : NASA

Um arte da NASA mostra o jeep robot “Curiosity”, em Marte

Por causa de seu tamanho parecido com o de um carro pequeno e o peso de 900 quilos, o veículo não pode pousar como seus antecessores, o Spirit e o Opportunity.

Além disso, o intervalo de comunicação de 14 minutos entre a Terra e Marte fez com que o jipe-robô pousasse sem ajuda do controle da missão e a aterrisagem fosse apelidada de "Os 7 minutos de terror".

Curiosity, a maior construção humana já levada para Marte, seguiu 500 mil linhas de código de computador que os engenheiros da Nasa programaram para dirigir todos os movimentos do veículo. O pouso mais complexo já feito em Marte também contou com um escudo de proteção térmica. Ele ajudou a nave a entrar na atmosfera de Marte em um impacto a 21 mil quilômetros por hora.

Foto: Reuters


Foto: Getty Images

Clima de festa dominou a central de controle do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa, em Pasadena, Califórnia

Após o pouso, foi feita uma conexão com a sonda. Porém, não houve troca de dados, o que deixou todos na central de controle da Nasa em estado de tensão. Mas foi por pouco tempo. Em seguida, o sucesso no pouso mais ambicioso de toda a exploração espacial foi confirmado por Allen Chen, chefe de dinâmica de voo e operações da missão, assim que recebeu um sinal da sonda Mars Odyssey, responsável por retransmitir as informações de Curiosity.

Pouco tempo após o pouso, a sonda Curiosity já começou a trabalhar. Ela enviou duas imagens em alta resolução para o JPL. Uma delas era da própria sombra do veículo no solo marciano.

Primeiro, veio uma imagem com bastante poeira. Mesmo assim, a alegria na central de controle da Nasa foi grande. Todos esperavam que a poeira fosse do pouso, o que foi confirmado nas imagens seguintes.

Agora, Curiosity vai explorar durante dois anos a região marciana conhecida como Cratera Gale. O objetivo é tentar descobrir se Marte já teve um ambiente capaz de suportar vida microscópica e se tem condições que preservaram os seus indícios.

A expedição foi um investimento de US$ 2,5 bilhões. Alguns cientistas carregavam amuletos e outros invocavam o espírito nacionalista, como um integrante da equipe de voo, que tingiu seus cabelos com as cores da bandeira americana.

De fato, menos da metade das tentativas realizadas por agências espaciais mundiais para chegar a Marte foram bem-sucedidas desde 1960.

"É um grande dia para a nação (americana), um grande dia para todos os nossos sócios que têm material (no veículo) e um grande dia para o povo americano", declarou o administrador da Nasa, Charles Bolden.

Sabe-se que a NASA prepara-se para fazer o primeiro voo tripulado ao planeta vermelho em 2030.

Foto: Getty Images
Foto: Reuters


MOICANO DA NASA - O cientista da NASA, Bobak Ferdowsi, tornou-se um sucesso na web depois que sua imagem apareceu na sala de controle da missão do “Curiosity”. O penteado do diretor de voo da missão “Mars Curiosity”, feito especialmente para a data, chamou a atenção das internautas, que elogiaram também a sua aparência. O corte estilo moicano, exibia as cores vermelho e azul, com estrelas do lado, à semelhança da bandeira dos Estados Unidos.

Nenhum comentário: