24 de ago de 2012

Tiroteio em Nova York: dois mortos, nove feridos

ESTADOS UNIDOS – Violência
Tiroteio em Nova York: dois mortos, nove feridos
Um homem matou a tiros um ex-colega de trabalho nesta sexta-feira, 24, perto do edifício Empire State, na Quinta Avenida, entre West 33 e Ruas 34, e, em seguida, foi morto pela polícia num tiroteio que também feriu nove pedestres, criando caos e perplexidade entre moradores e turistas num dos mais movimentados e conhecidos marcos de Nova York

Foto: Chang W. Lee/The New York Times

A cena do tiroteio no Empire State, vê-se, ao centro, o corpo do atirador, identificado como Jeffrey Johnson, sendo examinado por peritos

Postado por Toinho de Passira
Fontes: BBC Brasil, O Globo, Daily Mail, Reuters, The New York Times

Um tiroteio deixou duas pessoas mortas e pelo menos outros nove feridos nas proximidades do Empire State Building, em Nova York, num dos mais movimentados locais , visitado por turistas de todo o mundo, na mais povoada cidade do planeta.

O episódio ocorreu pouco depois das 9h da manhã (10h de Brasília), na parte de fora do edifício de 102 andares, um dos principais pontos turísticos de Manhattan e próximo a outros destinos populares entre os visitantes, como a Times Square e a loja de departamentos Macy's.

Autoridades disseram que Jeffrey Johnson, de 58 anos, designer de acessórios de moda, o atirador, havia sido demitido há um ano da Hazan Imports, localizada perto do Empire State. Entrou na empresa e deu três tiros, à queima-roupa, com uma pistola semiautomática calibre 45, em um colega, Steve Ercolino, 41 anos, que já tinha uma ordem de proteção policial contra Johnson, segundo o jornal “New York Times”.

Quando dois policiais o abordaram na calçada em frente ao prédio de 102 andares, Johnson começou a atirar, e foi morto.

Uma investigação inicial, com base em imagens das câmeras de segurança, pelo número de vítimas e a capacidade da arma do atirador, tudo indica que a maioria ou, mesmo, todas as vítimas feridas foram atingidas por disparos dos policiais.

Foto: J.B. Nicholas/Splash News

Com a área isolada, turistas, jornalistas e curiosos se aglomeravam próximo ao cordão de isolamento para tentar conseguir mais notícias sobre o incidente.

O incidente em Nova York ocorre pouco menos de 20 dias após um homem ter aberto fogo em um templo sikh na cidade de Oak Creek, no Estado americano de Wisconsin, matando seis pessoas.

Pouco antes, no dia 20 de julho, 12 pessoas foram mortas quando um atirador abriu fogo contra os espectadores de um cinema na cidade de Aurora, no Estado do Colorado, que assistiam ao novo filme de Batman.

Embora as autoridades até o momento não tenham relacionado o incidente a "terrorismo doméstico", como nos casos anteriores, em entrevista após o tiroteio, o prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, disse que, apesar de ser segura, a cidade não está imune ao que chamou de "problema nacional de violência de armas".

Diferente dos outros casos, o atirador do Empire State, ao que parece, queria apenas alvejar uma vítima específica. As outras pessoas feridas no incidente foram consequência do seu embate com a polícia, quando ele negou-se a obedecer a largar a arma e se entregar.

O prefeito Michael Bloomberg é uma das autoridades americanas que tem pressionado o presidente Barack Obama e o candidato republicano à Presidência dos EUA, Mitt Romney, a alterar a legislação que permite o porte de armas de fogo no país.

De acordo com a Segunda Emenda da Constituição dos Estados Unidos, as pessoas possuem o direito de portar armas para sua proteção, desde que sempre as usem dentro da lei. Para muitos americanos o Estado não tem o direito de impedir uma pessoa de carregar uma arma para a sua própria defesa, associam isso aos principios da liberdade do cidadão.

"Não estamos imunes ao problema nacional da violência com armas", disse Bloomberg, que defende o controle de armas e fundou o grupo Prefeitos Contra as Armas Ilegais.

Bloomberg costuma se gabar do fato de Nova York ser a metrópole mais segura dos EUA. Em 2012, a cidade deve novamente registrar o menor índice de homicídios da sua história.


Não é a primeira vez que o Empire State é palco de um tiroteio. Em 1997, um homem, de 69 anos, matou uma pessoa e feriu outras seis, antes de se matar, no icônico prédio de Manhattan.

Não se pode esperar que os candidatos Mitt Romney ou Barack Obama façam qualquer pronunciamento favorável ao controle de armas, por medo de perder eleitores. Lamentarão as vítimas e se solidarizarão com as famílias e ponto final. Quem sabe no futuro?

Foto: The Daily Mail

A cada ano cerca de 4 milhões de pessoas visitam o Empire State Building, que foi o edifício mais alto do mundo durante 40 anos. Depois dos atentados que derrubaram o WTC, em 2001, o Empire State voltou a ser o prédio mais alto da cidade, mas recentemente foi superado por um dos arranha-céus que estão sendo erguidos no local das antigas torres gêmeas.


Nenhum comentário: