28 de ago de 2012

Explosão da refinaria ameaça re-reeleição da Chávez

VENEZUELA
Explosão da refinaria ameaça re-reeleição da Chávez
Mesmo antes do grave acidente na refinaria, que matou quase meia centena de venezuelanos, a candidatura de Hugo Chávez sofria sérios reveses registrados nas pesquisas eleitorais. Os índices de intenção de votos, do opositor Henriques Capriles, subiram vertiginosamente e chegou a superar levemente, o antes imbatível Chávez. Não se sabe o que ele fará para reverter à situação, nesse mês e meio que o separa das urnas, nem mesmo se entregará pacificamente o poder, no caso de uma derrota.

Foto: Reuters

Arde mais um tanque de combustível da refinaria venezuelana, transformando em fumaça a popularidade de Hugo Chávez

Postado por
Toinho de Passira
Fontes: Ultimo Segundo, Estadão, Estadão, Reuters, El Mundo, O Globo

Subiu para 48 o número de mortos pela explosão do fim de semana na principal refinaria da Venezuela, a usina de Amuay, no Centro de Refinación Paraguaná (CRP) no Estado de Falcón, a oeste da Venezuela.

A maioria dos óbitos foram de membros da Guarda Nacional e de seus familiares, que se encontravam nas instalações do Destacamento 44, que faz a segurança da refinaria.

A governadora do estado de Falcón, Stella Lugo disse que cerca de 520 construções, entre casas e estabelecimentos comerciais, foram danificadas pela explosão.

Alguns números ainda são desencontrados, o governo informou que pelo menos 86 pessoas precisaram receber algum tipo de atendimento médico e que quase todos já receberam alta, exceto 18 feridos que seguem internados em hospitais de Punto Fijo e Maracaibo. O ministério Público diz que forma 151 feridos, dos quais 33 ainda estão hospitalizadas. Alguns dos feridos internados ainda correm sérios riscos de óbito.

Em número de mortos este já o maior acidente na indústria petrolífera mundial, nos últimos 25 anos.

Hugo Cháves teme que as críticas de qua o acidente tenha ocorrido por falta de manutenção, por parte da PDVSA, a companhia estatal petrolifera venezuelana, afete o seu desempenho eleitoral, na sua tentativa de nova reeleição em 7 de outubro.

Para tanto determinou que todas as informações oficiais sobre o acidente sejam passadas por Elías Jaua, o vice-presidente da República. Chávez não quer ver seu nome associado à catástrofe. Ele aparece como salvador, anunciando verbas para ajudar os desabrigados, visitando feridos nos hospitais, e avisando que mandou fazer uma investigação profunda.

A sua situação eleitoral nesse momento é delicada.

Desde que se lançou candidato Chávez vinha mantendo uma superioridade avassaladora, nas pesquisas eleitorais, com vantagens que chegaram a 18%.

Um dia antes do acidente com a refinaria, dia 24, porém, havia sido divulgado o resultado de uma pesquisa eleitoral feita pelo conceituado instituto Consultores 21, supreendentemente mostrando o candidato da oposição à presidência, Henrique Capriles, à frente, na disputa pelo cargo, com 47,7% da preferência do eleitorado, enquanto o presidente Hugo Chávez, que disputa um terceiro mandato, estava com 45,9% da intenção de voto.

Há um empate técnico, pois, a margem de erro da pesquisa é de 3,2 pontos porcentuais. Mesmo assim, esses números são impressionantes, e faz imaginar que há sim a possibilidade de Chávez ser derrotado nas eleições.

A explosão na refinaria só veio aumentar essas chances, pois expos mais ainda, os problemas estruturais do país, onde há problema de abastecimento alimentar, falta d’ água e luz na capital, pontes desabam, os índices de violência batem recordes e há toda uma deficiência de infraestrutura rodoviária, de saúde e de educação.

Chávez compensa isso com programas sociais generosos, bancados pelos petrodólares.

No momento o candidato presidencial da oposição Henrique Capriles, suspendeu a campanha eleitoral, respeitando o luto decretado pela morte dos venezuelanos no acidente.

Esta usando sim, o acidente para realçar os problemas do país, nas mãos de Chaves desede 02 de fevereiro de 2009.

Capriles, porém, tem que ser cauteloso, para não ser acusado de estar usando os cadáveres para ganhar votos. Tenta mostrar que o governo é o culpado natural pela tragédia, exigir uma investigação rigorosa, ao mesmo tempo em que se solidariza com as famílias enlutadas.

Capriles sabe, que Chávez acuado é perigoso como um javali ferido. Não se sabe qual vai ser sua reação diante de fatos tão graves, ocorridos a um mês da eleição. Sabe-se, porém, por experiência que ele é capaz de tudo. Como culpar a oposição ou os americanos pela explosão, dizendo que houve sabotagem ou atentado.

Resta saber se o povo vai continuar acreditando em Chávez e se derrotado nas eleições ele vai passar a faixa e o bastão presidencial para Capriles pacificamente.

Foto: Reuters

Hugo Chávez consolando familiares das vítimas do acidente


Leia no “thepassiranews”: Explosão na maior refinaria da Venezuela, 26 mortos

Nenhum comentário: