17 de nov de 2011

EUA: Vítima obrigada a pagar pensão ao marido estuprador

06/11/2011

ESTADOS UNIDOS
Vítima obrigada a pagar pensão ao marido estuprador
A americana Crystal Harris lidera uma campanha na Califórnia para mudar a legislação do código de família, que a obriga a pagar pensão alimentícia ao seu ex-marido estrupador.

Foto: Captura de video/ABC

Crystal Harris a mulher abusada pelo marido e pela justiça da Califórnia

Postado por Toinho de Passira
Fontes:Blog Reason Online, Care 2, Época - Marcela Buscato, Daily Mail,ABC News

A americana Crystal Harris, 32 anos, passa por uma situação ao mesmo tempo inusitada e vexatória: está sendo forçada, pela justiça de San Diego, Califórnia, a pagar uma pensão mensal de mil dólares ao ex-marido, Shawn Harris, 40 anos, anteriormente, condenado por agressão e estrupo doméstico, contra ela.

O fato ganhou as manchetes dos principais noticiários americanos, pois revoltada com a obrigação de pagar mensalmente um cheque a seu agressor, Crystal está liderando uma campanha para mudar a esdruxula lei.

Cansada de sofrer nas mãos do marido, Crystal, em 2008, resolveu reunir provas das agressões e humilhação que sofria durante um casamento pesadelo que, aos trancos, durou de 12 anos. Entre outras coisas gravou um áudio, sem que ele soubesse, onde o vexame por que era obrigada a passar, nas noites, em que o marido resolvia fazer sexo, quer ela quisesse ou não, da maneira que ele desejasse. Só naquele evento registrado Crystal disse mais de 50 vezes que não queria fazer sexo oral e ele a obrigou. A acusação incluía também sexo forçado e sodomia.

Baseada na gravação e nas contradições do depoimento do marido agressor a justiça condenou Shawn Harris, em 2008, a seis anos de prisão.

Então Crystal entrou formalmente com um pedido de divórcio, que iria se tornar seu pesadelo.

Foto: Album de familia/Captura de video/ABC

Crystal e Shawn no dia do casamento. Problemas desde o princípio.

Não era a primeira vez que ela tentou desfazer o casamento. O casal começou a ter dificuldades conjugais desde o início. Em 1998, com dois anos de casada Crystal pediu, pela primeira vez, formalmente o divórcio, por agressão fisica (fora esbofeteada por Shawn), mas, o processo não foi adiante: o marido a convenceu de que estava arrependido e segundo ela, por quatro anos comportou-se de forma a fazê-la acreditar que havia controlado, pelo menos de forma extremada, seus baixos instintos de agressor.

“As coisas ficaram boas durante muito tempo. - disse ela numa entrevista a televisão – até o nascimento do nosso primeiro filho em 2002”.

Numa escalada progressiva o marido foi se transformando novamento no individuo violento e selvagem não vacilando em agredir, sempre que se sentisse desagradado, somado a constância de abusos sexuais, mediante ameças ou violência física.

A polícia foi chamada inúmeras vezes, por Crystal, durante os 12 anos de duração do casamento. As gravações do telefone 911, a emergência americana, forma exibidas, como provas, no julgamento.

“As coisas realmente ficaram ruins em 2005 com o nascimento de nosso segundo filho", disse Crystal.

Ela pediu o divórcio novamente em 2007, mas teve que recuar: ele a ameaçou de morte, “se ela o deixasse ou tentasse deixá-lo."

Finalmente, sentindo-se segura, diante da situação de encarcerado do marido, Crystal Harris levou o divórcio adiante, até que foi finalizado em 2010. Mas para sua surpresa a setença final, proferida pelo Juiz Gregory Pollack, que presidia o processo, não foi agradável: ela estava obrigada a pagar US$ 46 mil, de honorários do advogado do ex-marido e ordenada a uma pensão alimentícia conjugal a Shawn Harris, no valor de US$ 1 mil.

Crystal, sempre foi arrimo de família, como consultora financeira tem ganhos, aproximados, de US$ 11 mil mensais, Shawn Harris, vendedor de carros usados, além da maior parte do casamento ter passado desempregado, a sua renda nunca ultrapassou os US$ 400 mensais. O juiz, quando proferiu a sentença, disse que a diferença de salário entre os dois era muito grande e que não podia ser ignorada.

O porta-voz do Tribunal Superior de San Diego, Karen Dalton, explicou que a determinação do Juiz, está em pleno acordo com legislação vigente no estado da Califórnia.

Foi também esclarecido que a setença original, previa uma pensão de 3 mil mensais, mas o juiz levando em conta a condenação por violência doméstica, reduziu esse montante para US$ 1 mil.

Ela ironisa dizendo que ganhou uma espécie de desconto estupro.

Diante deesa situação estaparfudia Crystal Harris está liderando uma campanha nacional para mudar o Código de família da California, com repercussão em diversos outros estados americanos, com legislação semelhante, que permitem essa escrecência. Em resumo Crystal quer que a lei proíba que vítimas de agressão doméstica paguem pensão a seus agressores. Atualmente, a vítima só pode escapar de pagar a pensão se o agressor tiver comprovadamente tentado matá-la.

Foto: Album de familia

Crystal Harris, e os dois filhos do casal.


Nenhum comentário: