21 de ago de 2013

Para esvaziar discurso de Serra, Aécio aceitaria prévias, de Merval Pereira, para O Globo

BRASIL - Opinião
Para esvaziar discurso de Serra, Aécio aceitaria prévias
A declaração de Aécio ( favorável as prévias) terá a capacidade de criar um fato político importante dentro do PSDB, retirando de Serra um argumento forte para sua saída do partido, ao mesmo tempo em que torna o ambiente partidário mais distendido.

Foto: André Dusek/AE

Tanto Aécio quanto Serra desconfiam das intenções um do outro

Postado por Toinho de Passira
Texto de Merval Pereira, para O Globo
Fonte: Blog do Merval

O presidente do PSDB, senador Aécio Neves, vai anunciar nos próximos dias, provavelmente amanhã em reunião com dirigentes tucanos, que aceita disputar prévias para a indicação formal do candidato à presidência da República do partido em 2014.

Aécio ressaltará em seu pronunciamento que sempre foi a favor de prévias, proposta que apresentou formalmente em 2009 ao PSDB, tendo sido rejeitada por José Serra, que acabou sendo o candidato à presidência.

Virtual escolhido pelo consenso partidário desta vez, Aécio vem sendo desafiado pelo ex-governador José Serra, que insinua a disposição de se candidatar mais uma vez à presidência em 2014, ao mesmo tempo em que deixa uma porta aberta para sair do PSDB até o início de outubro para ter condições de se candidatar por outro partido, provavelmente o PPS.

A declaração de Aécio terá a capacidade de criar um fato político importante dentro do PSDB, retirando de Serra um argumento forte para sua saída do partido, ao mesmo tempo em que torna o ambiente partidário mais distendido.

Essa é justamente a intenção de Aécio, que não quer dar razões a Serra de deixar a legenda que agora preside, e continua achando que sua presença é importante para a unidade partidária durante a campanha.

O anúncio seria também uma maneira de homenagear a história política de Serra dentro do PSDB, reconhecendo seu direito de pleitear a indicação, mesmo depois de já ter sido candidato duas vezes.

O ex-governador não tem ainda uma decisão tomada, e trabalha com vários cenários, entre eles o de que nas próximas pesquisas pode aparecer mais firmemente na frente de Aécio, melhorando sua posição relativa dentro dessa corrida interna.

Serra acha que sua presença na corrida presidencial ajudará a oposição e levará a disputa para o segundo turno, mas os tucanos acreditam que uma divisão tão explícita em São Paulo só prejudicará o PSDB, podendo favorecer outros candidatos oposicionistas, como a ex-senadora Marina Silva ou o governador de Pernambuco Eduardo Campos.

A realização de prévias teria a vantagem de colocar aos contendores um compromisso de apoio ao vencedor, o que consolidaria a unidade partidária em São Paulo, imprescindível para uma campanha com chances de vitória.

O senador Aécio Neves tem o controle do partido, costurado em muitas negociações internas, mas precisa ganhar São Paulo. Ele tem uma série de viagens já marcadas pelo estado, e teria uma reunião com deputados estaduais nos próximos dias, dentro desse espírito de solidificar a unidade partidária.

Mesmo que não tenha o controle de diretórios, a resistência de Serra à candidatura de Aécio cria embaraços que dificultam um desenvolvimento natural das negociações internas com vistas à campanha presidencial.

Tanto Aécio quanto Serra desconfiam das intenções um do outro. Aécio acha que esse discurso sobre as prévias, muito mais que um anseio legítimo de disputar a indicação do PSDB é a busca de um discurso para sair do partido.

Já Serra avalia que o senador Aécio Neves quer apenas obter o controle do PSDB e marcar posição nessa eleição de 2014, para melhorar sua exposição nacional e disputar a eleição de 2018 com chances.

Mesmo que apareça na frente de Aécio nas pesquisas de opinião, com índices por volta de 15%, Serra teve uma queda considerável quando comparado à posição que tinha na mesma época em 2009, quando aparecia como favorito com índices entre 35% e 40%.

Já Aécio mantém-se mais ou menos no mesmo patamar, por volta de 13%, mas com um índice de rejeição bem menor do que o de Serra, o que indicaria que tem mais espaço para crescer. Espera que isso aconteça depois da próxima campanha de propaganda pela televisão, em outubro.

A soma dos dois candidatos indicaria também que o PSDB continua tendo um índice de votação potencial por volta de 30% no primeiro turno, o que torna seu candidato competitivo em qualquer circunstância.

O que pode fazer a diferença desta vez é o fato de os pré-candidatos oposicionistas – Aécio, Marina e Eduardo Campos – estarem mais próximos entre si do que em outras campanhas, quando os derrotados no primeiro turno recusaram-se a aderir ao candidato do PSDB, retornando para o bloco de apoio a Lula ou optando pela neutralidade, como fez Marina em 2010, o que beneficiou a candidatura oficial de Dilma.

Nos acordos partidários, a candidatura de Aécio Neves abre ao PSDB melhores perspectivas em 2014. E tanto para Marina quanto para Campos, o apoio do PSDB caso um dos dois chegue ao segundo turno seria fundamental para derrotar Dilma.
*Alteramos título, acrescentamos subtítulo, foto e legenda a publicação original

Nenhum comentário: