29 de set de 2012

Bizarros títulos de filmes em Portugal

BRASIL
Bizarros títulos de filmes em Portugal
Artur Xexéo comenta hilários títulos de filmes na terrinha de Camões


"My Big Fat Greek Wedding" é o titulo original em inglês, que no Brasil, passou a se chamar, "O Casamento Grego", em Portugal transformou-se em "Viram-se gregos para casar"

Postado por Toinho de Passira
Texto de Artur Xexéo
Fontes: Blog do Xexéo

Nunca fui muito de debochar de títulos de filmes em Portugal. Alguns viraram até piada promovida mais pela fantasia do que pela verdade. Na “terrinha”, “Psicose” nunca se chamou “O filho que era mãe” como garantiam os piadistas. “Psico” era o título que aparecia nas marquises dos cinemas daquele país.

Até concordo que, às vezes, os portugueses gostam de complicar na “tradução”. “Casamento grego” (“My big fat greek wedding”), por exemplo, se transformou em “Viram-se gregos para casar”.

Em outras ocasiões a estranheza é motivada apenas por hábitos linguísticos diferentes, como “Recém-casados” (“Just married”), que lá virou “Casados de fresco”, ou “Os guarda-chuvas do amor” (“Les parapluies de Cherbourg”) que, em Portugal, chamou-se “Os chapéus de chuva de Cherburgo”.

Muito frequentemente, a transposição é tão ruim lá quanto aqui. Quem disse que “Os vampiros que se mordam”, título que demos a “Vampire sucks”, é melhor do que “Ponha aqui o seu dentinho”, seu batismo português.

Admito ainda que, de vez em quando, os títulos de Portugal adiantam demais a trama do filme, como aconteceu com “O planeta dos macacos” adaptado pelos portugueses como “O homem que veio do futuro”.

Mas, para ser inteiramente honesto, eles até acertam mais do que a gente, como em “O poderoso chefão” (“The godfather”), “O padrinho”, em Portugal; em “Assim caminha a Humanidade” (“Giant”), “Gigante” no além-mar; ou ainda “Se beber, não case” (“The hangover”), que ganhou a sobriedade de “Ressaca” no seu título de Portugal.

Mesmo assim, gostaria de chamar a atenção para um título que, em Portugal, parece ter ultrapassado o bom senso. Está certo que, lá como cá, não deve estar sobrando tradutores de dinamarquês. Por isso, deve ser penoso conseguir algo adequado que intitule “Flickam som lekte med elden”, o nome do segundo episódio da série “Millenium”, sucesso mundial no livro e no cinema.

Nós, brasileiros, seguimos o título da versão americana (“Te girl who played with fire”) para “A menina que brincava com fogo”. Mais criativos, os portugueses inventaram “A rapariga que sonhava com lata de gasolina e um fósforo”. Vai ver até que é mais fiel que o título dinamarquês. Vai saber!


2 comentários:

Anônimo disse...

A parte engraçada no "Planeta dos Macacos" é que no filme, Charlton Heston veio do passado, e não do futuro como quer o título "O homem que veio do futuro"

Anônimo disse...

O filme "Viram-se gregos para casar" baseia-se na expressão portuguesa "Ver-se grego" que significa "ter dificuldades/problemas para alcançar/conseguir alguma coisa". Em relação aos filmes da trilogia Millennium, que são baseados em livros de autor sueco (e não dinamarquês), exponho a seguir as traduções literais e a tradução em Portugal, no Brasil e em Espanha (para se comparar traduções entre diferentes países):
-Män som hatar kvinnor (literalmente: 'Homens que Odeiam as Mulheres') foi traduzido no Brasil "Os Homens que Não Amavam as Mulheres" e em Portugal "Os Homens que Odeiam as Mulheres"
-Flickan som lekte med elden (literalmente: 'A Garota que brincou com o fogo') foi traduzido no Brasil "A Menina que Brincava com Fogo" e em Portugal "A Rapariga que Sonhava com uma Lata de Gasolina e um Fósforo"
-Luftslottet som sprängdes (literalmente: 'O Castelo de Ar que Explodiu') foi traduzido no Brasil "A Rainha do Castelo de Ar" e em Portugal "A Rainha no Palácio das Correntes de Ar"