23 de abr de 2013

A ordem é sufocar Eduardo Campos e demais pretendentes ao trono

BRASIL – Eleição 2014
A ordem é sufocar Eduardo Campos
e demais pretendentes ao trono
A estratégia da presidente Dilma Rousseff é isolar politicamente seus prováveis adversários na eleição de 2014, o torniquete começou a girar no Congresso com as restrições à criação de partidos. A meta é minar os possíveis rivais de Dilma de forma gradativa, reduzindo as margens para que eles fechem alianças e consigam um tempo de propaganda eleitoral capaz de torná-los competitivos. De quebra, asfixiá-los dentro da própria legenda, obrigando-os a desistir da disputa.

Foto: Clemilson Campos/JC Imagem

Dilma, Lula e Eduardo Campos, velhos ex-amigos

Postado por Toinho de Passira
Fonte: Veja - 22/04/2013

O ex-presidente Lula costuma dizer que jamais pediria a alguém para não disputar uma eleição. Seria uma questão de princípio, de apreço à democracia e de coerência, já que ele mesmo só chegou à Presidência da República na quarta tentativa. Em 2010, Lula não pediu ao ex-ministro Ciro Gomes que não concorresse ao Planalto contra Dilma Rousseff. Agora, não pedirá ao governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), que abandone o páreo em nome da reeleição da petista. Tais gestos são desnecessários. Soariam até mesmo amadores. Afinal, Lula e o PT têm maneiras mais eficazes de impedir a consolidação de candidaturas alternativas em 2014. A meta é minar os possíveis rivais de Dilma de forma gradativa, reduzindo as margens para que eles fechem alianças e consigam um tempo de propaganda eleitoral capaz de torná-los competitivos. De quebra, asfixiá-los dentro da própria legenda, obrigando-os a desistir da disputa. Foi exatamente o que ocorreu com Ciro Gomes em 2010. É o que Lula espera fazer com Campos e a ex-ministra Marina Silva, a fim de pavimentar o caminho para a vitória de Dilma, ainda no primeiro turno, em 2014. Parte dessa estratégia foi posta em marcha na semana passada.

Com o apoio do PT e do PMDB, os maiores sócios do consórcio governistas, a Câmara aprovou um projeto que restringe o acesso de novos partidos ao fundo partidário e ao tempo de propaganda no rádio e na televisão. Com o texto, os governistas querem inviabilizar a Rede Sustentabilidade, legenda que Marina pretende criar para concorrer à Presidência, e o Solidariedade, sigla idealizada pelo deputado Paulinho da Força (PDT) para receber parlamentares insatisfeitos com a gestão Dilma.

Ou seja: uma tropa disposta a negociar seu apoio em 2014 com o tucano Aécio Neves (PSDB) ou o governador Eduardo Campos. Em conversas com petistas, Lula tem repetido que Dilma terá chance de vencer no primeiro turno se Marina ou Campos não concorrerem. Se os dois deixarem o páreo, melhor ainda. Não à toa, Marina, Campos e Aécio protestaram contra o projeto. "O governo usa seu poder para eliminar de forma casuística quem ameaça a reeleição", disse Marina, que recebeu 20 milhões de votos em 2010 e foi decisiva para levar aquela disputa ao segundo turno.

Apresentado pelo PMDB em setembro de 2012, o projeto em discussão no Congresso foi idealizado pelo ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab depois que o partido dele, o PSD, foi criado e conseguiu na Justiça o direito a tempo de TV e a verbas do fundo partidário. Kassab, portanto, se beneficiou de um entendimento e agora age para que ninguém mais consiga o mesmo. Hoje, o PSD - que será aquinhoado com o recém-criado Ministério da Micro e Pequena Empresa - caminha para apoiar a reeleição de Dilma. Presidente da Câmara, o deputado Henrique Alves (PMDB) alega que, quando o projeto foi proposto, ninguém sabia das movimentações para a formação de novos partidos, o que não é verdade. Na época, Paulinho e Marina já estavam em ação. Além disso, Alves pondera que a ideia principal é reduzir a quantidade de partidos fisiológicos no país, tirando do mapa as siglas que se vendem em tempos de eleição. Nos últimos anos, várias iniciativas com essa finalidade foram propostas, mas não prosperaram. Agora, uma delas avança a toque de caixa. A política é mesmo cheia de coincidências, principalmente quando beneficiam os poderosos da vez. "Esse projeto é uma agressão", afirmou Campos.

Na semana passada, o governador foi a Brasília numa tentativa de fortalecer sua pré-candidatura. Nas andanças, sentiu o peso da mão do governo. Campos agendou um almoço com senadores do PTB, PR, PSC e PPL. De catorze convidados, só seis apareceram. No mesmo dia, à noite, Campos jantou com treze senadores, a maioria formada por dissidentes ou independentes da bancada governista. No convescote, o governador soou propositivo ao falar do cenário econômico e criticou a atuação do governo nessa seara. Ele também gastou um bom tempo reclamando do fato de ser acossado de forma violenta pelo Planalto, que estaria dando uma "dimensão exagerada" à sua candidatura. O projeto que reduz as chances de sobrevivência dos novos partidos e, em consequência, as possibilidades eleitorais dos concorrentes de Dilma tem teor parecido com o de uma medida pensada pelo governo Geisel, na ditadura militar, o que é sintomático do tal apreço democrático sempre sacado do coldre por Lula. Mas ele não é o único problema no horizonte de Campos.

O PT trabalha para convencer os integrantes do PSB de que o partido ganhará mais espaço político se embarcar na coligação oficial. O aliado elegeria mais governadores e uma bancada maior no Congresso. Ciro Gomes e seu irmão Cid Gomes, governador do Ceará, já estão alinhados com essa tese e querem que Campos deixe a candidatura para 2018. Para Cid e Ciro, o Ceará será, em um eventual segundo mandato de Dilma, o que Pernambuco foi no segundo mandato de Lula: o estado queridinho das verbas e dos favores palacianos. Outros socialistas de peso já mostram sinais de que podem se render ao canto petista. É o caso do governador do Espírito Santo, Renato Casa-grande, que precisa do PT e do PMDB para sua reeleição, e do ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra, indicado ao cargo justamente por Campos. Bezerra pode até trocar o PSB pelo PT. Lula tem razão. Quem tem a força da máquina e o Congresso aos seus pés não precisa fazer pedidos a ninguém.
*Alteramos o título e o subtítulo, acrescentamos foto e legenda a publicação original

Nenhum comentário: