7 de abr de 2013

Maluquices, de Luis Fernando Veríssimo, para o Blog do Noblat

BRASIL - Crônica
Maluquices

Postado por Toinho de Passira
Texto de Luis Fernando Veríssimo
Fonte: Blog do Noblat

O filme “Borat” era um pseudo-documentário mostrando a ida de um maluco do Casaquistão aos Estados Unidos para fazer uma reportagem sobre a vida americana. O personagem “Borat” era fictício, mas todas as pessoas com quem ele interagia e, muitas vezes, escandalizava, na América, eram reais.

Quem se lembra do filme lembra que o único lugar em que ninguém estranha ou repele a maluquice de “Borat” é a assembleia de uma igreja pentecostal, onde estão em curso exorcismos de grupo e curas pelo toque de mãos, e fiéis pulam e correm de um lado para o outro para se livrar dos maus espíritos — porque lá a maluquice de “Borat” não destoa da maluquice ambiente. “Borat” finalmente encontra uma loucura igual à sua. Ou maior, porque não é simulada.

O anarquista Borat teria que se esforçar para igualar, em matéria de irracionalidade e desafios ao bom senso as crenças e os ritos de qualquer religião, não apenas das pentecostais. É curioso como as pessoas condenam o lamentável Marco Feliciano por coisas como a sua interpretação literal da Bíblia e sua evocação de Satanás, mas não estendem a crítica a outros, de outras religiões, que têm a mesma adesão aos dogmas da sua igreja que o lamentável tem aos da sua.

Um católico convicto e praticante também deve suspender conscientemente a razão para aceitar os princípios metafísicos da sua religião, e também acreditar na Bíblia como verdade absoluta e na ação de Satanás no mundo.

Eu sei, eu sei. A grita é contra o fato de o Feliciano, com todos os seus preconceitos e fobias, acabar presidindo uma comissão de direitos humanos. Mas aí não estamos mais tratando dos mistérios da fé, e sim dos mistérios do processo legislativo.

Ninguém me perguntou, mas apoio qualquer movimento e assino qualquer manifesto contra o obscurantismo e o sono da razão, desde que a maluquice condenada seja a de todas as religiões, e de todos os seus deuses e demônios.

No filme, os pastores da tal igreja pentecostal tratam a loucura de “Borat” como uma manifestação de Satanás, e têm os passes e as palavras prontos para curá-lo. Depois o “Borat” — ainda mais louco do que antes, mas quem está ligando? — se abandona à convulsão geral, e também sai pulando.

Nenhum comentário: