22 de abr de 2013

Atos terroristas abalaram também a paz das famílias chechenas refugiadas nos EUA

ESTADOS UNIDOS – Atentado de Boston
Atos terroristas abalaram também a paz
das famílias chechenas refugiadas nos EUA
Os poucos chechenos que vivem nos EUA, aceitos como refugiados da sangrenta guerra travada em sua terra natal, estão constrangidos e assustados, sem saberem como serão tratados de agora em diante, na américa, a quem chamam de paraíso. "A maioria de nós estaria morto agora se os Estados Unidos não nos tivesse abrigado longe de toda a violência", disse Ali Tepsurkaev, um cidadão checheno ao The New York Times

Imagem: Evan McGlinn/The New York Times

Família chechena lamenta atentados: A família de chechenos instalada no subúrbio de Boston há mais de uma década está particularmente desalentada ao saber que os suspeitos de terrorismo estão sendo associados à Chechênia.

Postado por Toinho de Passira
Baseado no texto de MICHAEL SCHWIRTZ , para The New York Times
Fonte: The New York Times

Quatro dias após os atentados Maratona de Boston , Ali Tepsurkaev estava trabalhando em um canteiro de obras em Nantucket quando seu chefe se aproximou dele para dar a notícia: os dois suspeitos tinham sido identificados como chechenos étnicos.

Para Tepsurkaev, de 33 anos, que fugiu das guerras na Chechênia mais de uma década atrás, a desconfiança transformou-se rapidamente em medo e desespero. A violência que já havia consumido a sua terra natal tinha novamente o encontrado, desta vez despedaçando o refúgio tranquilo em Nova Inglaterra.

"Fiquei tão chateado, que não pude continuar trabalhado", disse Tepsurkaev, que logo deixou sua casa Nantucket para estar com sua família em Needham, um subúrbio de Boston.

Até poucos dias atrás, a maioria dos chechenos nos Estados Unidos viviam em total discrição e anonimato. Poucos americanos sequer sabiam onde fica a Chechênia.

Agora, que os dois irmãos chechenos estão no centro de um dos mais graves ataques terroristas contra os Estados Unidos desde 11 de setembro de 2001. Enquanto as motivações por trás dos atentados ainda são desconhecidas, o ataque fez Chechênia, uma região de maioria muçulmana na Rússia, um foco de análise americana e colocou num indesejado destaque, os chechenos, que vivem nos EUA.

Segundo reportagem do The New York Times, vários chechenos da área de Boston e de outras localidades, disseram que o ataque os havia deixado com uma sensação desconfortável de exposição e vergonha. Alguns se preocupam de serem cunhados como terroristas, no país que lhe ofereceu refúgio.

Para a maioria deles, os ataques levantou temores de uma aproximação com o passado. Centenas de milhares de pessoas foram mortas em duas guerras ferozes entre tropas russas e separatistas chechenos na década de 1990 e início de 2000. As guerras levou à destruição generalizada na Chechénia e gerou uma insurgência islâmica violenta , que criou ainda mais miséria.

Muitos chechenos fugiram, levando consigo traumas e cicatrizes das batalhas. A maioria ficou na Europa. Mas um punhado, talvez não mais do que mil, veio para os Estados Unidos, onde jamais esperavam para ver o tipo de violência indiscriminada que havia engolido sua terra natal, particularmente um ataque cometido por conterrâneos chechenos.

Imagem: Evan McGlinn/The New York Times

Tepsurkaev, diz que de repente sentiu uma culpa irracional

Mr. Ali Tepsurkaev, que tem uma esposa e uma filha de 3 anos de idade, disse que após ter visto as imagens dos dois chechenos responsabilizado pelo ataque Boston tinha sentindo culpa irracional.

"A maioria de nós estaria morto agora se os Estados Unidos não nos tivesse abrigado longe de toda a violência", disse ele. "É constrangedor para nós. Depois de toda a hospitalidade que estamos recebendo dos americanos, ao ouvir que alguns checheno .... ", disse ele, sem conseguir concluir. "É difícil. É difícil de explicar. "

A entrevista foi concedida na em um parque em Needham, a cerca de 10 quilômetros de casa dos terroristas responsáveis pelo atentado em Boston. Tepsurkaev estava cercado por primos próximos à idade de Dzhokhar Tsarnaev, 19 anos, o mais jovem dos dois suspeitos, que foi preso na sexta-feira . Dois dos primos, Islam e Maryam Baiev, que planejam ir para a faculdade de Medicina no outono. Eles falam Inglês quase sem sotaque, com leves traços chechenos e russos em suas formas de expressar-se.

"Eles lembram-se dos esconderijos para se abrigar das bombas", disse Tepsurkaev sobre seus primos. "Eles viram os gritos, eles viram o sangue, mas como você pode ver que eles estão sendo educados aqui, tentando entrar na faculdade e vivendo suas vidas. Sem ódio, sem violência. Eles já viram isso, é por isso valorizam ainda mais a paz desfrutada nos Estados Unidos."

"Mas esses caras (os terroristas) não viram nada". "Eu não tenho nenhuma idéia do que pode ter passado na cabeça deles."

Os dois suspeitos, Dzhokhar Tsarnaev e seu irmão mais velho Tamerlan, 26 anos, morava no Daguestão, uma região da Rússia que faz fronteira com a Chechênia, e no Quirguistão, ex-república soviética que agora é independente, antes de vir para os Estados Unidos quando crianças. Na verdade eles nunca viveram na própria Chechénia.

"Qualquer tentativa de fazer uma conexão entre a Chechênia e os Tsarnaevs, é inútil", afirmou A. Ramzan Kadyrov, líder da Chechênia, disse em um post no Instagram . "Eles foram criados nos Estados Unidos e as suas opiniões e convicções formadas lá. As raízes do mal deve ser procurado na América.

Imagem: Evan McGlinn/The New York Times

Tepsurkaev, junto aos dois dos primos, Islam e Maryam Baiev, da mesma idade dos terroristas, e que vão começar a estudar medicina

Nenhum dos chechenos entrevistados admitiram terem tido mais que uma conhecimento passageiro com os Tsarnaev, que são acusados de matar três pessoas e ferindo mais de 170 no atentado na maratona, além de matar um policial e deixar outro em estado grave.

Alguns chechenos dizem que se sentem desconfortáveis desde que a nacionalidade dos suspeitos foi revelada. E pelo menos um senador, diante do ataque de Boston, defendeu uma maior rigidez nas leis de imigração no país.

Albina Digaeva, de 34 anos, que refugiou-se nos Estados Unidos em 1998 e, agora estuda em uma faculdade de Los Angeles, disse que ela estava com medo de pegar o metrô depois de ter sido divulgado que os suspeitos eram da Chechenia.

"Talvez tenha sido um exagero, mas foi a minha reação inicial", disse Digaeva, que é uma muçulmana praticante e usa um véu sobre cabeça.

Amrina Sugaipova, uma linguista que se mudou para Portland, Oregon, da Chechênia, em 2001, disse que estava angustiada pela forma que os chechenos estava sendo retratados pela mídia desde que a origem dos suspeitos dos atos terroristas foi revelada.

"Eu li todos os tipos de histórias com as pessoas dizendo coisas muito negativas sobre o país", disse ela, referindo-se à Chechénia. "Eu realmente espero que os chechenos não sejam estigmatizados aqui, mas eu imagino que de agora em diante, eles vão estar seguindo todos os passos e tudo que fazermos."

Tepsurkaev está mais pessimista:

"Agora, quando alguém me perguntar de onde sou, será difícil dizer que eu sou checheno", disse ele. "Eu temo que isso vai afetar meu relacionamento com os americanos."


Nenhum comentário: