10 de out de 2010

ECOLOGIA: A poluição das turbinas eólicas

ECOLOGIA
A poluição das turbinas eólicas
Dos 250 novos parques eólicos instalados nos Estados Unidos nos últimos dois anos, uma dúzia deles têm gerado reclamações, por causa do impacto na paisagem, riscos para a fauna e navegação aérea e principalmente da insuportável poluição sonora provocado pelo barulho das turbinas

Foto: Getty Images

As turbinas na costa de Barbate, sul de Espanha. O governo espanhol se propõe a atingir a meta de 12% de energias renováveis até 2010

Postado por Toinho de Passira
Fontes: Ultimo Segundo, The New York Times, Renewable Energy World, Wind Watch, The Boston Globe, Inovação Tecnológica, ZD Net, Wild Life Service

Quando a General Eletric começou a erguer três torres para produzir energia aeólica na Ilha de Vinalhaven na Baía de Penobscot, Maine, nos EUA, ano passado, os moradores festejaram a chegada de uma energia limpa que as turbinas trariam.

Pouco tempo depois descobriram que haviam comemorado antes da hora. Reparando bem e ouvindo obrigatoriamente as turbinas acabaram com o silencio e trouxeram junto muitos problemas ambientais, segundo alguns moradores.

Estas queixas estão se tornando um problema crescente para os defensores da ampliação da energia eólica e outras fontes de energia renováveis.

Foto: Kayana Szymczak/The Boston Globe

Art Lindgren, um dos oponentes do parque aeólico, em Penobscot Bay, diz que as turbinas tiraram definitavamente paz do local.

Em todo o mundo, grupos contrários a essas fontes renováveis, estão se formando, com uma ampla gama de argumentos: o principal é o ruído excessivo e a destruição da paisagem, mas figuram também, ameaças para a vida selvagem, risco para o tráfego aéreo. Já obtiveram algumas vitórias. Nos Estados Unidos, por exemplo, a oposição eólica impediu ou atrasou a implantação de alguns importantes projetos de energia eólica.

Essa força opositora, ameaça minar os esforços para se atingira a meta de usar turbinas eólicas para gerar até 20% da eletricidade consumida nos EUA. Para atingir esse objetivo, de gerar de forma aeólica 300 GW, os americanos teriam que acrescentar cerca de 100.000 novas turbinas.

Foto: Reuters

Um conjunto de placas fotovoltaicas, no sopé das Montanhas Rochosas, perto de Boulder, Colorado, USA

Os defensores das turbinas argumentam que essa geração seria bem mais limpa do que a utilização de usinas que funcionam com combustíveis fósseis e o uso do vento, poderia reduzir por quilowatt, as emissões de dióxido de carbono, em até 99%.

Esses benefícios, no entanto, não silenciam as críticas.

Imagem AWS Ocean Energy

Concepção artística de como ficarão, a 50m da superfície, as bóias coletoras submersas de energia das ondas do mar

A resistência a equipamentos de energia renovável não foca só a as torres aeólica: problemas semelhantes está enfrentando planeja cobrir vastas áreas de deserto com coletores solares ou dispersão de produção de energia através das ondas do mar gerada por bóias submarinas.

Um dos primeiros esforços para compreender os impactos ambientais da energia eólica começou duas décadas atrás, depois de milhares de aves mortas, como as águias que imaginavam serem as altíssimas torres locais idéias para a instalação de ninhos. Hoje, os projetos prevêem espaçamentos maiores entre as turbinas e a remoção de torres dos locais mais problemáticos.

Foto: Getty Images

Torres de turbinas aeólicas postadas no mar, na costa da Ilha de Borkum, Alemanha, capaz de gerar energia suficiente para 50 mil residencias

O assunto, porém voltou a esquentar no ano passado, depois que os pesquisadores relataram que um parque eólico só em West Virginia estava matando 4.000 morcegos a cada ano, principalmente durante as migrações de outono.

Águia morta após se chocar com turbinas
Os morcegos estão em risco porque navegam ao longo dos cumes de montanhas que são também os locais ideais para a energia eólica, mas os pesquisadores também registraram que os morcegos parecem ter um fascínio hipnótico com o movimento pás da turbina. Há estudos para proteger os morcegos, com turbina que tem pás em velocidade reduzidas e o acréscimo de alto falantes emitindo sinais de ultra-som, que afastaria os morcegos.

Outro problema para produtores de energia eólica é a interferência para aquelas muito próximas a estações de radar, pois as hélices têm registro eletrônico similares às de pequenos aviões. Esses sinais podem confundir os controladores aéreos.

Mas o maior desafio que enfrentam os construtores da turbina é o ruído.

Sob uma perspectiva puramente técnica: quanto mais rápidas giram as lâminas de uma turbina mais energias produzem. Mas a velocidade das lâminas é também proporcional ao barulho produzido. Vão ter que encontrar um equilíbrio entre eficiência e ruído.

Pesquisadores dizem, porém, que as pessoas tendem a ficar mais confortável com os parques eólicos nas proximidades, com o passar do tempo. As torres passam a integrar naturalmente a paisagem e o barulho tende a ser menos sentido. Mas isso não quer dizer que a questão esteja pacificada.

Foto:Reuters

Fazenda divide a paisagem com um parque eólico de geração de eletricidade no sopé das Montanhas Rochosas, perto da cidade de Pincher Creek, Alberta, Canadá


Nenhum comentário: