25 de out de 2010

ELEIÇÕES 2010: Serra é aclamado em Copacabana

ELEIÇÕES 2010
Serra é aclamado em Copacabana
Neste domingo o candidate voltou ao Rio de Janeiro, para fazer uma caminhada na praia de Copacabana no Rio de Janeiro, acompanhado de líderes nacionais que o apóiam, num marcha cheia de otimismo e alto astral, numa represália pacifica aos que procuram transformar a campanha política num ato de ódio e violência.

Foto: Associated Press

Serra teve uma recepção animada na praia de Copacabana, na zona sul do Rio, onde liderou a votação no primeiro turno.

Postado por Toinho de Passira
Fontes: Reuters, Ultimo Segundo, Estadão

A passeata da paz, neste domingo, conduzida pelo candidato do PSDB à Presidência, José Serra, acompanhado de importantes lideranças nacionais, foi acolhida com carinho pelos cariocas, que queriam demonstrar, em clima de festa e otimismo, um desagravo pelas hostilidades sofridas pelo tucano, na última semana, em Campo Grande.

Acompanhado do ex-presidente e senador eleito Itamar Franco (PPS), do governador eleito de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), do senador eleito Aécio Neves (PSDB-MG), entre outros, Serra ressaltou que o governo deve ser visto como "uma entidade de todos e não de um partido e não de um grupo de interesses".

"Foi assim com Itamar, foi assim com (o ex-presidente) Fernando Henrique (Cardoso). Ambos presidiram a transição do governo com dignidade", afirmou Serra, que discursou do alto de um carro de som. O tucano também estava acompanhado por seu vice, Indio da Costa e pelo governador eleito de Minas, Antonio Anastasia (PSDB) e da governadora eleita do Rio Grande do Norte, Rosalba Ciarlini e o senador José Agripino Maia.

"O presidente Fernando Henrique, que eu fui o candidato, presidiu com dignidade, não foi além de declarar seu voto. Hoje nós vemos o contrário, é o governo deixar de lado para se encarnar num partido, se encarnar numa candidatura", afirmou, numa referência ao presidente Lula, que tem participado da campanha de sua candidata, Dilma Rousseff, de forma das mais extravagante e agressiva.

Foto: Reuters

Os bonecos de José Serra, que acompanhavam a carreata tinham curativos na testa, mostrando o bom humor saudável dos tucanos

Lula também esteve na mira de Itamar, que ironizou a frase recorrente do presidente: "Nunca antes na história deste país." Para o ex-presidente, Lula esquece a Constituição Federal e nega o Tribunal Superior Eleitoral. "O presidente esquece que ele não inventou o Brasil", disse. José Serra iniciou o ato de campanha com caminhada pela orla, para em seguida subir em um carro de som, de onde acenou a moradores que o saudavam da janela, e foi acompanhado por simpatizantes com bandeiras e aplausos. Do alto do caminhão, pendia um faixa que trazia escrita a frase: chega de corrupção.

Serra fez um apelo ao que chamou de um "governo que tenha caráter, que se traduza na verdade e na honestidade". "Não podemos viver uma situação de mentira permanente", disse. Também citou "escândalos" ligados ao PT que ficam sem punição. "Chega de escândalos. São três ou quatro por semana que têm aparecido", disse.

Foto: Leo Drumond/Nitro

Copacabana foi inundada por um mar de serristas

"A justiça dos companheiros é sempre mais suave, lenta, que não anda, que é obstruída. Vejam o que aconteceu com o dossiê dos aloprados, com todos esses escândalos e ninguém na cadeia até hoje", afirmou, referindo-se ao caso em que petistas foram acusados de produzir um dossiê na campanha de 2006.

O tucano também falou sobre a Petrobras, cuja sede fica no Rio e tem sido citada pela campanha petista, sob alegação de que o tucano seria favorável à sua privatização.

"Defendo a Petrobras como uma empresa estatal que deve servir ao povo brasileiro e não como cabide de emprego, como instrumento de negócios, como elemento de coesão de uma aliança espúria para governar nosso país. O coro foi engrossado também por Itamar. "Eles costumam dizer que Serra vai agir contra a Petrobras, que Serra vai agir contra os interesse nacionais", afirmou Itamar, sem poupar a adversária. "Quem é que pode garantir que se ela chegar lá ela não fará isso?"

Foto: Silvia Izquierdo/AP

Não podia faltar uma mulata “serrista” para dá um tom carioca a festa

Na reta final antes do dia 31, a estratégia, segundo o deputado federal e presidente do DEM, Rodrigo Maia, será buscar eleitores indecisos e os que podem mudar, além de fazer comparação de forma permanente do currículo de Serra e Dilma. "E não aceitar esse tipo de intimidação que o PT e o presidente da República tentam nos impor", disse à Reuters.

"Por que o Serra está aqui, porque ele ganhou a eleição na zona sul do Rio, Marina (Silva, do PV) ficou em segundo e Dilma em terceiro", disse o ex-prefeito do Rio Cesar Maia.


Um comentário:

Mordaz disse...

Domingo a noite vai ter outro festão assim!