19 de out de 2010

Deputado holandês é o novo satã do Islã

HOLANDA – ISLAMISMO
Deputado holandês é o novo satã do Islã
O poderoso deputado Geert Wilders, do Partido Popular para a Liberdade e Democracia, (o terceiro maior da Holanda) diz odiar o Islã. Uma de suas propostas é de expulsar todos os mulçumanos, que não tenham cidadania holandesa. Quer proibir a construção de novas mesquitas, no país, para impedir a islamisação da Holanda, não satisfeito bate pesado classificando o AlAlcorão com um livro fascista e demonizou o profeta Maomé.


Geert Wilders: “Nem todos os muçulmanos são terroristas, mas quase todos os terroristas são muçulmanos".

Postado por Toinho de Passira
Fontes: Estadão, AFP, El Pais, Coluna Caio Blinder, Geert Wilders, The Jakarta Globe, Diario de Notícias, Volkskrant, Daily Mail

De repetente, saído do nada, um folclórico político populista e radical, o deputado Geert Wilders, 47 anos, do “Volkspartij voor Vrijheid en Democratie” (VVD), Partido Popular para a Liberdade e Democracia, que oxigena os cabelos, transformou-se no mais conhecido político holandês, para o resto do mundo e uma importante força política dentro do seu país. Na legislatura passada foi eleito o político mais eficaz da Holanda.

Os analistas políticos dizem que Geert tem uma oratória própria e um poder de convencimento extraordinário que fascina o eleitor, principalmente diante dos polêmicos temas anti-islã, por ele defendido, com sua mais visível plataforma política.

No prazo de seis anos deixou de ser o solitário membro de seu próprio partido num Parlamento de 150 cadeiras, para transformar-se na terceira força política da Holanda. Seu partido que agora conta com 24 deputados e 1,4 milhões de votos, tornou-se, tendo ele como líder, o fiel da balança para a manutenção da coalizão formada por liberais e democratas-cristãos.

Em resumo, sem o apoio do seu partido cai o primeiro ministro, Mark Rutte, o primeiro liberal a governar o país desde 1918, que prometeu, afinado com o novo aliado, reduzir a migração, dizendo que não se pode continuar deixar um número tão elevado de imigrantes, sem nenhuma perspectiva.

Foto: ANP

Ameaçado de morte, por extremistas, Wilders vive cercado de seguranças e dorme todas as noites num local diferente

Mas os refletores foram atraídos na direção do deputado Geert Wilders, pela forma agressiva como ele ataca o islamismo, não como uma religião, mas como uma ideologia. Diz que o islã quer destruir a civilização ocidental.

Caio Blinder na sua coluna comentou:

“Wilders é da pesada, martela que o Alcorão deve ser proibido por ser um livro “fascista”, uma espécie de Mein Kampf, e já chamou Maomé de “demônio”. Diz que tudo deve ser feito para conter a islamificação da Holanda”.

O deputado Geert Wilders, defende “Israel fervorosamente, enquanto pede o fechamento das fronteiras holandesas à imigração muçulmana, defende os homossexuais e opõe-se à opressão da mulher no Islã radical”.

Mas sua vida está longe de ser um mar de rosas, ameaçado de morte pelos radicais islamitas, a Holanda abriga oficialmente um milhão de mulçumanos, vive permanentemente cercado por guarda-costas e por medidas de seguranças: dorme cada dia num lugar diferente e longe da sua mulher, uma ex-diplomata húngara, com quem só se avista muito raramente.

Foto: Reuters

Wilders no tribunal: defendido pelos Promotores, mas com risco de ser condenado pelos juízes

Wilders está sendo processado na Holanda por incitação ao ódio e discriminação contra muçulmanos. Não usou a oportunidade do depoimento para se defender. Ficou em silêncio no tribunal.

Mesmo assim os promotores holandeses pediram aos juízes que o absolvam. O promotor Paul Velleman disse no tribunal que a maioria das declarações de Wilders - que incluem comparações entre o Islã e o nazismo - parecem ter como alvo o Islã como uma ideologia e não o objetivo de chamar a atenção sobre os muçulmanos.

Observadores dizem que há possibilidades, de mesmo assim, ele ser condenado pelos juízes.

Foto: Reuters

Os talibãs do Afeganistão não estão gostando nada das posições políticas anti-islã de Geert Wilders, a Holanda pode pagar caro, por isso Mas ao que parece o deputado e a Holanda tão cedo vão sair do noticiário: os Talibãs afegãos, através do seu porta voz, Zabiullah Mujahed, advertiram que vão promover atentados na Holanda se o novo Governo, apoiado por Geert Wilders, promover políticas anti-muçulmanas.

”Se a Holanda intensificar as suas políticas contra a população de origem muçulmana, podem estar seguros de que serão objeto de ataques por parte de grupos jihadistas”, afirmou, Mujahed, em entrevista publicada pelo diário holandês Volkskrant.

Foto: Getty Images

há Há holandeses, preocupados com a repercussão política e os riscos da ameaça terrorista, querendo calar Wilders


Nenhum comentário: