1 de set de 2013

Senador boliviano Roger Pinto Molina: "Quero levar minha vida no Brasil"

BRASIL -
Senador boliviano Roger Pinto Molina:
"Quero levar minha vida no Brasil"
Resgatado da embaixada brasileira em La Paz, o maior adversário político de Evo Morales afirma que se considera perseguido, ameaçado e que seu asilo no país, agora, é automático

Foto: Igo Estrela/ÉPOCA

SEGURANÇA - Molina, fotografado no escritório de seu advogado em Brasília
na última quinta-feira. “Tenho legitimidade para ficar neste país”

Postado por Toinho de Passira
Reportagem de Leonel Rocha
Fonte: Época

O senador boliviano Roger Pinto Molina, de 53 anos, líder da oposição ao governo, repete insistentemente sua gratidão à presidente Dilma Rousseff pelo asilo que recebeu na embaixada brasileira em La Paz. O discurso de Molina contrasta com a recepção que o governo lhe reservou nesta semana, quando chegou a questionar sua permanência no Brasil. Molina foi o personagem central da crise política que redundou na demissão do ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota. “Já agradeci à presidente Dilma Rousseff pelo ato generoso de me conceder asilo”, afirmou em entrevista a ÉPOCA.

ÉPOCA – O senhor se considera um perseguido político?
Roger Pinto Molina –
Sim, mas não sou o único na Bolívia. Sou o líder da minha região (Estado de Pando) e líder da oposição no Senado. O modelo de poder de Evo Morales é de tomada de controle total do Senado. Foi aí que começou nosso confronto político. Os ex-presidentes, ex-governadores, ex-prefeitos, quem teve algum tipo de liderança é hoje processado judicialmente. Os processos atingem, sobretudo, quem tem viabilidade eleitoral. Não sou exceção. Mas só busquei asilo porque sofri ameaças de morte.
ÉPOCA – Como as perseguições começaram?
Molina –
A primeira fase das perseguições começou com as mortes no departamento (Estado) de Pando, em setembro de 2008. Quando apresentei a documentação sobre o assunto, o presidente ordenou minha prisão e abriu oito processos por desacato. Isso só aconteceu porque denunciei atos de corrupção. Disse publicamente no Senado que o narcotráfico infiltrou-se no governo. Apresentei provas disso. Pedi que investigassem o ministro (da Presidência, Juan Ramón) Quintana e o vice-presidente da República. O presidente deveria levar adiante uma investigação. Mas isso não aconteceu. Fiz uma série de denúncias contra outros ministros. Denunciei o ministro da Fazenda pelo seu envolvimento com os bicheiros. Era senador e tinha direito de denunciá-los. O governo Evo, no entanto, acreditava que eu só poderia fazer denúncias em casa, para minha família, e não na imprensa. Minhas denúncias geraram um rosário de calúnias. Tive acesso a uma documentação que mostra que o ministro Quintana foi à casa de um narcotraficante para receber recursos para sua campanha. Todas as ameaças de morte tiveram origem no governo.

ÉPOCA – De que tipo? O senhor foi alvo de algum atentado?
Molina –
Não. Muitas das ameaças que sofri foram gravadas. Estão documentadas. Há gravações em que dizem até a arma com que me assassinariam. Em 2009, antes de eu fazer minhas denúncias, descobriu-se uma tentativa de assassinato. Quintana ofereceu U$ 20 mil a um assassino de aluguel para me matar com arma que lhe fora entregue por ele mesmo. Denunciei e o governo não fez nada. Logo depois, descobriram um assassino do PCC (Primeiro Comando da Capital), ligado ao ministro Quintana, que pretendia me eliminar no portão de casa. Isso tudo está registrado no jornal Sol de Pando. Uma vez, resgataram um cidadão que fora sequestrado. No cativeiro em que foi mantido, encontraram a planta da minha casa, documentos, fotos de meu carro. Os sequestradores foram presos. No interrogatório, afirmaram que eu estava na lista deles. E era gente que tinha relação com o governo.

ÉPOCA – Quando começou seu confronto com o governo boliviano?
Molina –
Minha diferença com o governo Evo Morales vem de muito tempo. Estou convencido de que a coca é a matéria-prima do narcotráfico. Por isso, defendo a erradicação da coca. Um compromisso estabelecido em lei prevê que uma área de 12 mil hectares seria mantida para preservar a produção de coca necessária para o consumo tradicional. Mas a área plantada chegava a quase 40 mil hectares. Todo excedente é destinado ao narcotráfico. Ora, os cocaleiros constituem a base social e política do presidente, que preside as seis federações de trabalhadores do setor. Então, sua base era fornecedora do narcotráfico. Ele sempre foi tolerante com os produtores de coca. Sempre dissemos que, em algum momento, o tênue limite entre a produção de folhas de coca e de matéria-prima para o narcotráfico seria ultrapassada. Foi o que aconteceu. Nós temos informação de que o setor cocaleiro financiou as campanhas do presidente Evo Morales. Denunciei isso e criaram-se situações de confronto. Em determinado momento, chegamos a descobrir uma série de documentos que estabelecia uma relação de funcionários do governo com o narcotráfico.

ÉPOCA – O governo Morales diz que o senhor não é um perseguido político, mas um criminoso condenado. O que tem a dizer sobre isso?
Molina –
Há 22 processos de todos os tipos contra mim. Só um foi julgado, de corrupção. Quando governei (o Estado de) Pando, criei uma universidade e atraí investimentos privados para ela. Ora, corrupção é quando você tira dinheiro do Estado. O que fizemos foi dar dinheiro ao Estado. Existe uma Zona Franca em Pando, onde os empresários pagavam uma alíquota de 1% para se instalar. O que fizemos foi propor a eles que pagassem 1,5%. O 0,5% a mais seria destinado à universidade. Os empresários aceitaram. Mas sob a visão do governo, isso é corrupção. Dos oito que assinaram a resolução para criar a universidade, só eu fui sentenciado, e à revelia, sem defesa, a um ano de prisão. Esse é o único processo julgado.

ÉPOCA – Por que o senhor pediu asilo à embaixada brasileira, e não a outra representação diplomática?
Molina –
Há uma relação mais direta do Brasil com a Bolívia. O Brasil tem uma longa tradição de respeito à vida, aos direitos humanos, aos direitos dos asilados.

ÉPOCA – O senhor negociou com os diplomatas brasileiros seu asilo na embaixada em La Paz antes de pedir refúgio?
Molina –
Não, nem houve nenhuma possibilidade de isso acontecer. Foi decisão tomada diante de uma emergência. Eu temia ser assassinado a qualquer momento. Procurei a embaixada do Brasil sem nenhum diálogo prévio e fui recebido por um homem de princípios, o embaixador Marcel Biato. Ele assumiu meu caso de maneira profissional. Levando em conta que precisava informar seu país, solicitou a documentação dos processos judiciais a que respondo. Depois de analisar os documentos, me concedeu o refúgio, sob o crivo da presidente (Dilma Rousseff). Por um descumprimento dos tratados e das leis internacionais, a Bolívia nunca me outorgou salvo-conduto para deixar o país. E isso é o que se deve a qualquer cidadão que obtém asilo diplomático.

ÉPOCA – O senhor pretende ficar no Brasil ou cogita pedir asilo definitivo a outras nações?
Molina –
Quero regularizar minha situação no Brasil e levar minha vida aqui da maneira mais normal possível. Quando entrei na embaixada brasileira, pessoas próximas ao governo boliviano tentaram queimar minha casa e sequestrar minha família. Eles tiveram de abandonar a Bolívia. Saíram em busca de refúgio com o que tinham à mão. Hoje, vivem aqui. Já agradeci à presidente Dilma Rousseff pelo ato generoso de me conceder asilo e me dar as garantias necessárias para dar início à próxima etapa da minha vida. O que espero, agora, é superar esta etapa. Espero não ter nunca a necessidade de buscar outra alternativa.

ÉPOCA – A Advocacia-Geral da União diz que lhe foi concedido asilo apenas para permanecer na embaixada e que seu caso terá de ser reanalisado. O senhor teme ser deportado?
Molina –
Em meu entender, o asilo diplomático que recebi em La Paz se converte automaticamente em asilo territorial no Brasil. Depende da presidente Dilma Rousseff, mas creio que tenho legitimidade para ficar neste país. Acredito que eu tenha definitivamente a condição de refugiado político neste país.

ÉPOCA – Os diplomatas brasileiros garantiram que o senhor teria asilo definitivo?
Molina –
Não. Devo fazer aqui menção à qualidade humana do diplomata Eduardo Saboia, dos fuzileiros e de todas as pessoas que me acompanharam todo esse tempo. Eles fizeram de tudo para que me sentisse melhor num tempo prolongado de isolamento, muito difícil suportar.

ÉPOCA – O diplomata Eduardo Saboia, que resgatou o senhor da embaixada em La Paz, informou-o que o governo brasileiro poderia reagir mal à sua fuga?
Molina –
Não. Acredito que ele fez o que fez por motivos humanitários. É alguém que entende as dificuldades que passa um ser humano e os perigos que ele pode enfrentar. O que Saboia mencionou várias vezes foi que reportou a minha situação às autoridades do Brasil, inclusive, com informes médicos sobre a minha saúde.

ÉPOCA – O senhor está satisfeito com a posição do Brasil em seu caso?
Molina –
Não posso emitir juízos sobre as autoridades brasileiras. Só posso dizer que eles têm sido muito generosos. Quando cheguei, as autoridades de saúde se preocuparam em garantir meu bem-estar. A polícia se mobilizou para me dar as garantias. O senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), num ato de desprendimento e humanidade, arranjou um avião para trazer-me a Brasília. Somado à decisão da presidente Dilma, isso mostra o espírito dos brasileiros de criar as condições para garantir a vida e a liberdade de quem, como eu, busca segurança em outro país. Não sou o único nessa condição.

ÉPOCA – Como foi sua viagem até o Brasil?
Molina –
Uma operação muito arriscada. Não sei quem fez o planejamento profissional da viagem. Houve um cuidado com a distância, com a forma de avançar na estrada. Eram 1.600 quilômetros, passando por regiões perigosas. Foi necessário tomar várias medidas de segurança, cuidar das necessidades fisiológicas e da alimentação. Num momento da viagem, minha saúde estava muito debilitada. Cheguei a achar que sofria um princípio de infarto. Pelo menos, entendemos que era infarto. Vomitei durante o percurso. Em algum momento, pensamos em ir a um hospital. Mas isso significaria abortar a operação. Consultado, disse que deveríamos seguir adiante e correr o risco.

ÉPOCA – O governo Evo Morales ofereceu asilo a Julian Assange, o criador do WikiLeaks acusado de abusar sexualmente de duas suecas, abrigado na embaixada do Equador em Londres sem salvo-conduto para deixar o país. O que seu caso tem em comum com o dele?
Molina –
Não há uma comparação, uma similaridade, além do fato de termos ficado em embaixadas. Os procedimentos e o contexto das garantias à vida nos dois casos são totalmente diferentes. Os motivos pelos quais nos buscam, também. Sou senador da República, chefe da oposição. Sou perseguido politicamente por uma decisão do presidente da República. O senhor Assange é um australiano na Inglaterra, com ordem de prisão, acusado por violação em países onde não existe a figura do asilo político. Nosso caso é oposto. Temos uma longa tradição de asilo e garantias. Há tratados estabelecendo essas regras, e eles estão em vigor.

ÉPOCA – O senhor passou 455 dias na embaixada em La Paz. Como o senhor e sua família estão sobrevivendo?
Molina –
É uma situação difícil. Há uma decomposição da saúde física e mental. Se algo verdadeiramente se deteriora, são as condições econômicas. Tenho três filhas. Uma é psicóloga, as outras são advogadas. Minha mulher também é advogada. Sobrevivemos com o trabalho delas.

ÉPOCA – O senhor não tem mais negócios na Bolívia?
Molina –
Tenho. Na verdade, sempre tive. À margem da vida política, desenvolvi um trabalho agropecuário, coisa que foi ameaçada por decisões do governo. Tenho 650 cabeças de gado. Na Bolívia, o que fazem é usar pessoas para invadir e ameaçar a propriedade dos adversários. Muitos sucumbiram ante ao temor e se alinharam ao governo. Fui convidado várias vezes pelo presidente Evo Morales para fazer parte de seu governo. Não fui. Entendi que não era o caminho. Temos visões política diferentes. Com o tempo, isso me converteu em inimigo dele e, sob a ótica do seu governo, em delinquente.

ÉPOCA – O senhor tem esperança de retornar à Bolívia e retomar sua atividade política e empresarial?
Molina –
Nós, seres humanos, somos ligados aos lugares onde nascemos. Onde vivemos e crescemos sempre nos atrairá. Como boliviano, tenho a esperança de que este momento poderá ser superado, que a Bolívia voltará à tolerância, que a institucionalidade será recuperada e que poderemos retornar ao país, não somente eu, mas todos os bolivianos expulsos por qualquer motivo. Tenho esperança, sim.

ÉPOCA – O senhor chegou ao extremo de pensar em suicídio no tempo em seu asilo na embaixada brasileira?
Molina –
É preciso entender que eu estava sem acesso e contato com as pessoas. O ser humano necessita dessas relações. Eu passava dias, semanas e meses totalmente isolado, sem falar com ninguém. Sou um homem cristão e, pelo princípio cristão, nunca se mata. Mas, num determinado momento, comecei a pensar que poderia dar outra saída ao problema. Essa ideia passou pela minha mente de maneira muito forte.

ÉPOCA – Há democracia na Bolívia?
Molina –
A democracia boliviana está gravemente ameaçada. Em qualquer país do mundo onde não há respeito pela oposição, onde as instituições foram tomadas, onde as decisões verticais são diárias, onde o presidente é capaz de dizer quem é culpado e inocente e ditar sentenças, a democracia está ameaçada. Na Bolívia, não há instituições, não há independência entre poderes. Em meu país, a Justiça está totalmente tomada pelo poder executivo. Então, é difícil perseguir e prender a oposição e querer seguir sendo um regime democrático. Não creio que seja uma ditadura, mas que o sistema democrático esteja sob ameaça. Há repressão à oposição, há perseguição política, há intolerância em relação às pessoas que pensam diferente e há ainda o controle dos meios de comunicação.

Nenhum comentário: