29 de set de 2013

Impasse sobre sonegação milionária na importação faz autoridades chinesas apreenderam pombos belgas

CHINA
Impasse sobre sonegação milionária na importação
faz autoridades chineses apreenderam pombos belgas
A columbofilia, corrida de pombos, um esporte em declínio em quase todo mundo, está novamente em ascensão devido ao interesse crescente de endinheirados chineses, que resolveram investir fortunas em pombos campeões, gerando um comércio milionário, que fez as autoridades econômicas, tratarem o assunto com mais rigor.

Foto: Reuters

O campeão "Bolt" sendo examinado por veterinário, Comprado por US$400 mil, quase um milhão de reais.

Postado por Toinho de Passira
Fontes: Reuters, International Bussiness Times, The Daily Mail, The Independent

Há penas por todos os lados, após autoridades chinesas apreenderem centenas de pombos-correio belgas, incluindo Bolt, o pombo mais caro do mundo, vendido por 310 mil euros no início deste ano.

Bolt foi solto e entregue ao proprietário, junto com 400 pombos na última quinta-feira, mas outras 1.200 aves continuam retidas pelo governo chinês por conta de um impasse sobre a importação dos animais.

A embaixada belga em Pequim já iniciou negociações com os chineses para pleitear a soltura dos demais pássaros, disse o ministro das relações exteriores da Bélgica neste domingo.

As autoridades chinesas afirmam que as aves foram declaradas para a receita apenas nominalmente, o que significa que a China estaria perdendo passivamente em direitos de importação e impostos.

As taxas de importação correspondem a 10 por cento do valor, e em cima disso, ainda incide um imposto de 13 por cento. Isso corresponde a 75 mil euros apenas no caso do pombo-correio Bolt, avaliam os chineses.

Bolt, o pombo celebridade, vale uma fortuna
Bolt, nomeado em homenagem ao velocista jamaicano e campeão olímpico Usain Bolt, é considerado o pombo mais caro do mundo, foi criado pelo famoso columbófilo belga Leo Heremans, o maior especialista no assunto.

Em 2012, Bolt foi considerado o pombo-correio mais rápido da Bélgica, local onde este tipo de competição é tradicional e as regras são bastante precisas.

Mesmo campeão, ele foi leiloado em maio pelo site de leilões de pombos PIPA (abreviação de Pigeon Paradise, ou paraíso dos pombos, em português), e a transação foi aferida pelo chefe do PIPA, Nikolaas Gyselbrecht, que voou para Pequim para negociar com os chineses.

As autoridades chineses concordaram que o PIPA nada tinha a ver com o problema dos impostos e devolveu 401 aves para seus compradores depois que uma "quantia simbólica" foi paga, disse Gyselbrecht à Reuters.

O dirigente do PIPA disse que, para evitar o problema, o governo chinês poderia ter exigido uma enorme quantia relativa ao valor total das aves, estimado em mais de um milhão de euros.

Um esporte em declínio, a columbofilia recebeu um impulso inesperado, vindo da China, onde as corridas de pombos tornaram-se uma febre junto a crescente classe média chinesa. Estima-se que há mais de 300 mil criadores na China dispostos a pagar valores estratosféricos por animais campeões em leilões.

Em apenas uma corrida, em território chinês, um proprietário de pombo, pode ganhar um prêmio que pode chegar a R$ 3 milhões.

A columbofilia na China era popular entre os chineses desde a dinastia Ming do século 14. O esporte foi proibido durante a Revolução Cultural, no9s anos 60, do século passado, mas vem se recuperando de forma espetacular desde que a proibição foi discretamente levantada há alguns poucos anos atrás.

Nenhum comentário: