6 de mai de 2013

Desilusão, desilusão, por Luis Fernando Verissimo

BRASIL - Crônica
Desilusão, desilusão

Foto: Curiosity/NASA

Imagens de Marte, captadas pela câmera da robot Curiosity, enviado pela Nasa, ao planeta vermelho, ano passado

Postado por Toinho de Passira
Texto de Luis Fernando Verissimo
Fonte: Blog do Noblat

Quando avanços na astronomia permitiram ao homem ver com mais clareza a superfície de Marte, começaram a surgir teses e especulações sobre o que viam. Um dos primeiros a examinar mais de perto o planeta viu um paraíso.

No primeiro mapa de Marte feito na Terra, o italiano Giovanni Schiaparelli chamou uma região de Éden e outra de Elysium. Mais tarde, em outro mapa, batizou mais duas regiões de Arcadia e Utopia.

O italiano obviamente buscava uma alternativa idealizada para a realidade à sua volta, com mais nostalgia do que rigor científico, mas inaugurou uma onda de teorias mais ou menos fantasiosas de outros astrônomos, que viram em Marte oceanos, continentes, montanhas de gelo, florestas, rios e canais.

Os supostos canais, principalmente, reforçavam a fantasia mais atraente de todas. Segundo muitos, eles formavam um sistema de irrigação tão complexo que só poderia ser o trabalho de uma raça de rara inteligência.

Com a sofisticação dos instrumentos de exploração sideral, as teses e fantasias foram perdendo, aos poucos, seu fascínio. O que os atuais laboratórios teleguiados colocados na superfície de Marte mandam dizer é que o planeta é apenas um imenso deserto. Pode ter tido água e vida no passado, mas — pelo menos pelo que se viu até agora — não tem mais.

Entre a projeção romântica feita por Schiaparelli e a evidência das últimas imagens da aridez vermelha, sem um oásis ou uma carrocinha da Kibon à vista, está a história de uma decepção.

De certa forma, parecida com a decepção que a realidade do Novo Mundo causou naqueles que, como Rousseau e outros, viram nos selvagens recém-descobertos uma redescoberta da inocência original do homem, num Éden antes da queda. Como no caso de Schiaparelli, uma ilusão desculpável, porque baseada numa visão de muito longe.

Entre outras visões da era dos telescópios primitivos está a dos que liam a palavra “Shajdai”, um dos nomes de Deus em hebraico, escrita na superfície de Marte. Um jornalista da época citado na revista “The New Yorker”, de onde eu tirei tudo isto, achou improvável que mesmo uma raça superior tivesse traçado canais para formar o nome do Senhor, mas observou: “Existem feitos aqui na Terra que também nos parecem impossíveis.”

Isto que ele nem sonhava que um dia haveria um mecanismo terrestre escavando o chão de Marte. Agora, sobre a presença de devotos hebreus no planeta vermelho, ninguém especulou.

Nenhum comentário: