2 de jul de 2013

Putin diz Snowden só fica na Rússia se parar de divulgar segredos dos EUA, ele pode parar na Venezuela

RÚSSIA – ESTADOS UNIDOS - VENEZUELA
Putin impõe condições para o espião EUA receber asilo
Especula-se que ele pode estar indo para a Venezuela
O americano, Edward Snowden, responsável pela divulgação de segredos dos EUA, ao chegar a Moscou, vindo de Hong Kong, não pode passar pela imigração pois seu passaporte havia sido cancelado. Como personagem de filme, está na zona internacional do aeroporto russo, sem poder sair. As chances de ser resgatado pelo Equador diminui. Há forte expeculação de Nicolas Maduro, presidente da Venezeula, em visita a Rússia, trazê-lo na bagagem, ao voltar à Caracas.

Foto: Reuters

Retido no aeroporto de Moscou, Edward Snowden, o espião americano, busca desesperadamente uma nação para se asilar, longe das garras do governo EUA

Postado por Toinho de Passira
Fontes: Times of Israel, The New York Times, Los Angeles Times, Izvestia, Komsomoliskaj Pravda, Publico

O presidente Vladimir V. Putin, disse nesta segunda-feira que Edward J. Snowden, o ex-funcionário de segurança nacional, dos EUA, acusado de espionagem, só receberia asilo político na Rússia, se parasse de publicar documentos secretos que prejudicam os interesses dos Estados Unidos.

Putin, porém, deixou nas entrelinhas a decisão de não extraditar o espião, apesar dos esforços dos americanos, a esse respeito.

Snowden pediu asilo político na Rússia na noite de domingo, de acordo com Kim Shevchenko, um funcionário do consulado russo no aeroporto de Sheremetyevo.

Oito dias atrás, 23 de junho, o americano chegou num voo da Aeroflot originário de Hong Kong, aparentemente com a intenção de embarcar em uma conexão para América Latina, o Equador, provavelmente.

Desde então, está retido na zona de transito do aeroporto, uma espécie de limbo geopolítico, depois que as autoridades russas, constataram que o seu passaporte americano havia sido revogado pelo governo dos EUA.

O presidente do Equador, Rafael Correa, segundo o The New York Times, confirmou ter recebido extraoficialmente um pedido de asilo político de Snowden. Mas o presidente latino disse que seu governo não poderia começar a considerar a solicitação até que o espião, estivesse em território equatoriano, no país, ou em alguma das suas embaixadas.

"Ele está na zona internacional do aeroporto de Moscou, sob os cuidados das autoridades russas", disse Correa, "Estritamente falando, o caso não está em nossas mãos."

Foto: Tatyana Makeyeva/Reuters

A imprensa faz plantão diante do aeroporto de Sheremetyevo, em Moscou, onde encontra-se o espião americano, num limbo geopolítico, legalmente fora do território russo.

Tecnicamente sem passaporte, o americano está impedido de passar pelo controle de imigração da Rússia ou de lá sair para outro país.

As autoridades russas, dizem não ter qualquer responsabilidade, para com o americano, afirmam que a zona de trânsito do aeroporto de Sheremetyevo, em Moscou, onde Snowden está enclausurada, é legalmente considerado fora das fronteiras da Rússia.

Com essas questões em aberto, a opções de Snowden parecem ter diminuído, e sua escala no aeroporto Sheremetyevo agora corre o risco de esticar indefinidamente, a menos que algo novo aconteça.

Na sua fala, Putin, abriu uma brecha na questão, dizendo: "Se ele quiser ir a algum lugar e eles o aceitarem, por favor, fique à vontade", disse o presidente russo. "Então ele deve escolher para si um país para onde ir. Quando isso vai acontecer, eu infelizmente não sei", concluiu Putin.

Um funcionário do Ministério das Relações Exteriores disse o Los Angeles Times nesta segunda-feira que o Snowden tinha endereçado apelos de asilo político para 15 países, "uma medida desesperada" após as autoridades equatorianas, não demonstrem interesse em regatá-lo.

Sabe-se agora, que o ex-consultor da Agência de Segurança Nacional Edward Snowden solicitou, pedidos de asilo a 21 países: Rússia, Islândia, Equador, Cuba, Venezuela, Brasil, Índia, China, Alemanha, França, Finlândia, Polônia, Áustria, Noruega, Espanha, Bolívia, Itália, Irlanda, Holanda, Nicarágua e Suíça. Vários já rejeitaram, como são os casos da Finlândia, da Índia, da Polônia, da Espanha e do Brasil.

Uma série de figuras públicas na Rússia saíram nos últimos dias em favor de estender ao espião americano, asilo político, na segunda-feira, a questão foi tema de uma mesa-redonda na Câmara Pública, um órgão consultivo do Kremlin.

"Eu acredito que não devemos denunciá-lo, sob nenhum pretexto", disse Aleksandr Sidyakin, um membro proeminente da maioria Partido Rússia Unida. "Parece-me que Snowden é um grande pacifista. Essa pessoa fez muito mais por merecer ganhar o Prêmio Nobel da Paz, do Barack Obama."

Foto: Reuters

Maduro em Moscou ao lado de Putin, primeira viagem internacional, participação do "Fórum de Países Exportadores de Gás". Pode arranjar, de quebra, uma encrenca com os Estados Unidos

O jornal russo Izvestia, sem citar fontes, levanta uma hipótese polêmica, da possibilidade, do presidente da Venezuela, Nicola Maduro, em visita oficial a Rússia, nesta semana, trazer na sua bagagem de volta à Caracas, o espião americano, Edward J. Snowden.

A programação oficial de Nicolas Maduro na Rússia, inclui reuniões com Vladimir Putin e participação do Fórum de Países Exportadores de Gás e até uma cerimônia oficial de nomeação de uma das ruas de Moscou, com o nome de Hugo Chávez. Apesar da Embaixada da Venezuela se recusar a comentar o assunto, diz o jornal, há a possibilidade de entrar na pauta de discussão de Putin e Maduro, a situação de Edward Snowden.

Se Maduro retirar o espião americano da Rússia, livra Putin de um grande embaraço. O presidente venezuelano pode achar que o ato de dá asilo ao dissidente americano, pode lhe dá projeção internacional, apesar de atrair a ira americana contra Caracas. Estranho mesmo é que Edward Snowden, dito pacifista e defensor das liberdades civis, esteja buscando abrigo em países como a China, a Rússia e a Venezuela.


Leia no “thepassiranews”
Delator é de empresa de encarregada segredos da segurança dos EUA

Nenhum comentário: