11 de jul de 2013

Sem saber tradução, haitianos usam camisetas de gosto duvidoso doadas por norte-americanos

HAITI - Bizarro
Sem saber tradução haitianos usam camisetas
de gosto duvidoso doadas por norte-americanos
Nas imagens, feitas pelos fotógrafos Paolo Woods e Ben Depp, jovens, crianças e até idosos aparecem com as camisetas -- e as frases de gosto "duvidosos" frequentemente impressas por marcas de roupas nos Estados Unidos. Além de a grande maioria dos haitianos não falar inglês -- os principais idiomas no país são o creole e o francês --, a pobreza os leva a usar as camisetas. O que deveria ser um ato de caridade, revelam os fotógrafos, acaba sendo um desrespeito com haitianos carentes

Foto: Paolo Woods/Ben Depp

"Beije-me, eu sou loira" - diz o texto em inglês estampado na camiseta da haitiana, que que não sabe a tradução

Postado por Toinho de Passira
Baseado no texto de Arnaud Robert, para o site do projeto "Pepe"
Fontes: Institute Artist, Opera Mundi, Blue Bus, Design Taxi

A Quinta Avenida de Porto Príncipe, Haiti, é uma estrada a beira-mar, ao largo do porto, onde montanhas de roupas de segunda-mão amotoam-se sob o sol tropical. O mercado, Croix-des-Bossales, era, no passado, um mercado de escravos, agora é deposito de conteinrs repletos de roupas usadas vindas dos EUA.

O haitianos chamam essas peças de segunda-mão de "Pepe". É cada vez mais difícil encontrar um haitiano vestindo algo que não tenha sido usado originariamente por um americano.

Uma camisete produzida para o Wal-Mart nas fábricas de Porto Príncipe, no Haiti, atravessa o oceano e será usada por um texano e depois volta para casa como produto de caridade.

A maioria dos "Pepe" que chegam à ilha foram doados pelos americanos para instituições de caridade e centros de recolha, rejeitado por Brechós, e passaram por os armazéns de classificação dirigida por haitianos em Miami que descartar as roupas de inverno e outros itens não comercializáveis.

Então as piores camiseta, aquelas que foram rejeitadas nas lojas de presentes baratos de Times Square, com os slogans mais idiotas, reaparecem, nas províncias remotas do Haiti, onde ninguém preocupa-se em traduzir os textos estampados para os idiomas oficiais no país: o creole, ou o francês.

Diz-se que a T-shirt, é o lugar favorito da América para a auto-expressão, uma espécie de outdoor pessoal, onde convicções políticas, filosóficas e religiosas são condensados.

Paolo Woods e Ben Depp, dois fotógrafos que vivem no Haiti, cairam em campo, em busca de flagrar essas camisetas iconicas e contrastantes com a realidade local.

Tudo isso seria divertido e irônico se a presença das "Pepe" não tivesse o efeito colateral de desempregar milhares de costureiras e alfaiates haitianos .

O irônico é que se verifica que esse fluxo vestuario de caridade, está sendo reduzido devido a crise economica, que faz os americanos mais cautelosos em comprar essas camisetas descartaveis, o que pode causa mais desemprego no Haiti onde são fabricadas, e reduz drasticamente o numero de "Pepe" que chegam em forma de caridade.

Fica a questão: é melhor ser ridicularizado vestido ou honrado nu?

Fotos: Paolo Woods/Ben Depp

"Eu faço as regras"


"Não sou ginecologista, mas posso dar uma olhada"


"Nada acontece quando estou por perto"


"Está é minha camiseta da sorte"


"Estou em Virginia vagabunda"


"Ganhar um milhão de dólares não vai me transformar"


Nenhum comentário: