22 de jul de 2013

Sérgio Cabral, governador do Rio de Janeiro, o alvo predileto dos manifestantes. Por que?

BRASIL -Povo nas ruas
Sérgio Cabral, governador do Rio de Janeiro,
é o alvo predileto dos manifestantes. Por que?
Talvez tenha sido por méritos próprios, abusos e falta de compreensão das mensagens vindas da rua, que o mandatário carioca, continua enfrentando manifestantes pontualmente, um mês depois de iniciados os protestos e com passeatas esvaziadas no resto do país

Foto: Agência Estado
Governador Sérgio Cabral é o mais atacado nos protestos do Rio de Janeiro

Postado por Toinho de Passira
Reportagem de João Marcello Erthal e Cecília Ritto, para a Veja
Fonte: Veja

Passado um mês do início dos protestos pela redução das passagens de ônibus, o Rio de Janeiro mantém, no eixo entre o Leblon e o Palácio Guanabara, um foco permanente de manifestações. Os endereços de residência e trabalho do governador Sérgio Cabral são os pontos de encontro de grupos que pedem desde o cancelamento da Copa do Mundo de 2014 até a suspensão das concessões de linhas de ônibus na cidade – dois assuntos fora da alçada de decisão do Executivo do estado.

O desfiladeiro da popularidade do peemedebista reeleito em primeiro turno em 2010, com a maior vantagem já obtida em uma eleição para o governo (66%), começou a ser cavado ainda em 2011, quando um acidente de helicóptero expôs a proximidade com o empreiteiro Fernando Cavendish, dono da Delta e detentor de contratos milionários com o governo. Menos de um ano depois, o mesmo empresário apareceu em fotos de uma viagem a Paris ao lado do governador e seu primeiro escalão, no episódio que ficou conhecido como o escândalo dos guardanapos.

Desde então, a visibilidade dos grandes eventos no Rio, palco da final da Copa das Confederações, e as críticas à atuação da Polícia Militar aumentaram o abismo entre o Guanabara e a rua – separados atualmente por duas fileiras de alambrados.

“O mandato do governador do Rio se fragilizou com a exposição de questões éticas e morais. E a pauta das ruas passa justamente por essas duas questões. Cabral encarnou isso e tornou-se o principal alvo dos manifestantes”, explica o sociólogo Paulo Baía, da UFRJ, que estuda há seis anos demandas por reconhecimento, direito e respeito que parte de ações nas ruas.

Baía aponta a ausência do governador como uma falha na estratégia adotada por Cabral para lidar com os protestos. “Nos outros estados, governadores e prefeitos foram rápidos em tomar algum tipo de medida para oferecer algum tipo de resposta. A Câmara, o Senado e a Presidência foram pelo mesmo caminho.

Cabral não, e acabou perdendo base no setor que mais o apoiava, a classe média mais abastada”, analisa. Cabral optou por ficar fora de um momento decisivo da reação aos protestos. Apesar de escalado para anunciar, ao lado do prefeito Eduardo Paes, a redução nas tarifas de transporte interestadual, preferiu não aparecer, deixando para o afilhado político o anúncio. Rompeu, assim, o combinado entre os governantes do Rio e de São Paulo, onde o prefeito petista Fernando Haddad comunicou o recuo no reajuste ao lado do governador Geraldo Alckmin.

Cabral não foi o único com dificuldade de entender o grito das ruas. Mas algumas declarações infelizes indicam um descompasso com o tom dos protestos. Quando vieram à tona as viagens diárias do governador no helicóptero do estado, usado também para levar família, empregados e o cachorro Juquinha para os fins de semana em Mangaratiba, ele se defendeu alegando não ser o único.

“Não sou o primeiro a fazer isso no Brasil. Outros fazem também, e faço de acordo com o cargo que eu ocupo. Não é nenhuma estripulia”, afirmou.

Naquele momento, como agora, os manifestantes interpelaram os governantes não só pelo que consideram ilegal, mas pelos abusos que parecem ‘acobertados’ pela legalidade.

“No primeiro mandato, as notícias sobre Cabral eram positivas. E ele tem mérito: trouxe de volta a autoestima do estado. No segundo mandato, no entanto, lutas políticas fizeram vazar questões antiéticas, com a exposição de uma simbiose entre as esferas pública e privada”, diz Baía.

Foto: Agência Globo

Os vândalos do Leblon

PESQUISAS

O Datafolha aferiu, entre os dias 27 e 28 de junho, a popularidade dos governantes. A aprovação ao governo de Sérgio Cabral caiu 30 pontos porcentuais entre novembro de 2010 e a data da pesquisa, indo de 55% para 25%. A perda interfere no jogo que se desenha para 2014, quando o vice-governador Luiz Fernando Pezão deve disputar o governo do estado com uma plataforma bem mais desfavorável ao PMDB do que a de 2010

. E Cabral, que depois de sua reeleição avassaladora era cotado para disputar a vice-presidência ou até a Presidência da República pelo partido, em 2018, pode ter dificuldades de fazer seu sucessor no ano que vem.

Diante do crescimento dos protestos, o governador acusou uma “antecipação de campanha” nociva ao Rio de Janeiro. O primeiro a levantar bandeiras para 2014, no entanto, foi o próprio PMDB, com o prefeito reeleito Eduardo Paes anunciando Pezão como pré-candidato já no discurso de comemoração ao resultado das urnas em 2012.

Desde então, quem aparece liderando as pesquisas de intenção de voto no estado é o arquirrival Anthony Garotinho, ex-governador e atual deputado federal pelo PR. O autoproclamado pré-candidato do PT ao governo, senador Lindbergh Farias, que também antecipou o debate rumo a 2014, atualmente assiste de camarote aos incêndios entre o Leblon e o Guanabara.

E tenta, a seu modo, faturar com o cenário tumultuado. Na última segunda-feira, Lindbergh apresentou um projeto de lei que proíbe o uso de balas de borracha e outras armas não-letais em manifestações de rua. O projeto é uma clara tentativa de se aproximar, indiretamente, dos jovens que atuam ou simpatizam com o movimento das ruas, sem com isso correr o risco de ser rejeitado pelas correntes que rejeitam os partidos políticos.

O governador do Rio enfrenta, a partir desta segunda-feira, mais uma rodada de protestos. O primeiro deles está marcado para o Palácio Guanabara, onde será realizada uma recepção para o papa Francisco, com presença da presidente Dilma Rousseff. O esquema de segurança para manter os manifestantes longe do papa inclui o isolamento de vias como a Rua Pinheiro Machado e o Túnel Santa Bárbara.

Desde as primeiras convocações pelo Facebook, os protestos se sofisticaram, e passaram a ter características de movimentos orquestrados, como se viu na última quarta-feira no Leblon. Depois dos gritos de guerra em frente à casa do governador, grupos de vândalos partiram pelo bairro e por Ipanema, promovendo um quebra-quebra transmitido ao vivo pela TV.

Os protestos planejados para a Jornada Mundial da Juventude repetem uma versão diferente do desconforto causado a Cabral, ao prefeito Eduardo Paes e à presidente Dilma Rousseff na final da Copa das Confederações. O que era para ser um momento de coroação de uma parceria entre as três esferas de governo, no estádio do Maracanã reformado com custo de 1,1 bilhão de reais, tornou-se um constrangimento. Dilma e Cabral não apareceram; Paes ficou na tribuna sem ser anunciado. Diante do pontífice, a trindade não terá a opção de se esconder do público.

Nenhum comentário: