24 de jun de 2013

Musa do movimento 'Bunda-pintada' que ficou nua contra FHC em 2001, volta a protestar

BRASIL - Manifestação - Bizarro
Musa do movimento 'Bunda-pintada' que ficou nua contra FHC em 2001, volta a protestar
Carlinha presidente da UBES (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas), tirou a roupa diante do Congresso Nacional, protestando contra o segundo governo de FHC (1999-2002), agora volta aos protestos, embora ocupe cargo no governo federal, vestida, mas não menos comedida

Foto: Daniel Marenco/Folhapress

Carla Santos, com ampliação da foto feita por Beto Barata, para a Folha na qual aparece nua em protesto contra o governo FHC; em 2001

Postado por Toinho de Passira
Fonte: Folha de S. Paulo

Diante dessa onda nacional de manifestação no território nacional, ressurgiu das cinzas, a musa do movimento "bunda-pintada", que fez sucesso em 2001, quando queria derrubar o Fernando Henrique Cardoso, da presidência da república.

Carla Taís dos Santos, 33, ou Carlinha, para os mais chegados, recorda-se como se fosse ontem do dia em que "parou tudo" em Brasília, ao desfilar nua em frente ao Congresso Nacional.

Era 2001. A garota tinha 21 aninhos --e atributos típicos da idade, por exemplo os bem distribuídos 56 quilos e um generoso painel para abrigar frases do tipo "CPI Já".

Ao tirar a roupa contra o segundo governo de FHC (1999-2002), Carla, então presidente da Ubes (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas), ganhou fama nacional de "bunda-pintada".

Na semana passada, ela que é filiada ao PC do B, desde os 19 anos, participou de uma manifestação em Novo Hamburgo (RS) que fechou a BR 116.

Dessa vez, 12 anos depois da nudez, optou por protestar de roupa.

Em linhas gerais seu pensamento atual é de que a “ redução das tarifas foi uma grande vitória e que deve ser comemorada e "servir de impulso para mais organização e novas conquistas", embora "ainda não inverta a lógica das máfias do transporte". Rechaça a proibição ou hostilidade às bandeiras de partidos nos atos.

Acha que a depredação de bancos, grandes redes de lojas e ônibus não se justifica, mas "se explica". "Serão os empresários que mais lucram que pagarão a conta."

Já a do patrimônio público, "não faz o menor sentido, pois, além de ser mais um dinheiro que deixará de ser investido na educação e na saúde, divide e afasta o movimento". Só serve ao "prazer egoísta de quem se acha ultrarrevolucionário".

Formada em letras pela USP, Carla hoje assessora Rosana dos Santos Alcântara uma das diretoras da Ancine (Agência Nacional do Cinema), órgão ligado ao Ministério da Educação.

Jura que o cargo não é "boquinha", tampouco cota do seu partido o PC do B.

"Mandei meu currículo para diferentes pessoas, e a Rosana conhecia minha história de orelhada."

"Hoje, sou uma outra mulher", diz, mas os sonhos continuam os mesmos da época de "bunda-pintada". "Se mudanças não começarem a acontecer, a rua continuará a aumentar o volume de seu grito. E eu estarei em todas as manifestações com a perspectiva de construir um Brasil socialista."

Mesmo engajada no novo movimento de protestos, diz que não pretende ficar pelada de novo.

"Tirar a roupa sempre me pareceu um gesto natural", filosofa Carla, que hoje só se despe para o namorado, com quem está há três meses, ou numa praia de nudismo, "pra extravasar".

Foto: Beto Barata-31.mai.2001/Folhapress

Então presidente da UBES, de estudantes secundaristas, Carla protestava contra o governo federal, em 31 de maio de 2001

Recorda-se, então, daquele momento que precedeu à nudez de Brasília. "Diante do Congresso, os manifestantes da Ubes precisavam de um desfecho para o protesto." Uns sugeriram velas; outros cogitaram "enterrar" um boneco de FHC, ideias que demandavam tempo e, é claro, uma corridinha ao mercado.

"Me lembrei de protestos na Europa em que as pessoas tiravam a roupa. Vamos ficar pelados", disse, para o espanto dos garotos. "Eu fico!" O carro de som virou camarim. Em cinco minutos, estava pintada de guache.

Quando saiu, surpresa! Cadê os peladões? "Rodei a baiana. Agora que estou aqui, vou até o final", disse.

A imagem estampada nos principais jornais do Brasil e do mundo derrubou a máxima de Andy Warhol: em vez dos 15 minutos de fama, o espetáculo de Carlinha na capital do país durou 20.

Com uma bandeirinha da Ubes cobrindo os seios, entrou no espelho-d'água do Congresso e organizou os estudantes para formar a palavra CPI deitados no gramado.

E por que raios escondeu os peitos? "Desde menina, tenho complexo dos meus seios. O que me incomoda é a forma. Acho caído. Nunca gostei dessa parte do meu corpo", diz Carla, em sua casa, numa vilinha no centro do Rio, onde vive desde março.

Filha de um mecânico e de uma comerciante, Carlinha tem uma irmã mais nova, de 29 anos, que é modelista.

Foto: Beto Barata-31.mai.2001/Folhapress

Nua em frente ao Congresso Nacional, querendo derrubar FHC

Mas a guria mais velha sempre foi uma "rebelde com causas". No final de 99, já como presidente da Ubes, fugiu de casa, ao inventar que iria a um seminário de educação em Goiânia. Veio parar em São Paulo, onde dividiu uma república com 11 rapazes no bairro da Aclimação. Vivia na pindaíba, dura que só, à base de doações da entidade.

A "bunda-pintada" repercutiu, mas o que pintou de concreto? "Pintaram umas baixarias", brinca Carlinha, que chegou a ser assediada à época por congressistas. "Virei motivo de gozação: a peladona do PC do B, a banda pelada do partido", conta.

Qualquer bunda com outro sentido estava valendo, mas a dela era um problema. "Preconceito contra uma bunda politizada. Nunca quis virar celebridade. Meu sonho sempre foi e continua sendo fazer revolução no Brasil."

Como filiada a um partido que faz parte da base aliada do governo, acha que o PT está "fazendo uma revolução ao criar condições para isso".

Lula é o "melhor presidente que o país já teve". Dilma representa "as mulheres no poder", mas "precisa de mais diálogo com os movimentos sociais". Mensalão? "Não há provas concretas nos autos."

"Libertária comunista" --assim se define--, é a favor do aborto, da legalização da maconha e da união homoafetiva. Não esconde discreto orgulho ao assumir que ainda desperta nos homens um "fetiche de pegar a Carlinha", aquela da "bunda-pintada".

Carlinha com bunda pintada ou não, apesar dos elogios ao PT, por ter participado das manifestações atuais de forma tão engajada, vai perder o cargo de assessora da Ancine por ordem de Mercadante, o Ministro da Educação, nos próximos dias. A ditadura petista não perdoa a liberdade de criticar o partido e o governo Dilma. Podem anotar.

Foto: Daniel Marenco/Folhapress

Quem sabe se após essa desilusão ela volte a tirar a roupa. Tomara!


Nenhum comentário: