22 de jun de 2013

Manifestações : O grande líder

BRASIL - Manifestações
Manifestações : O grande líder
A onda de protestos que varreu o Brasil nos últimos dias é resultado da força avassaladora das redes sociais, que semeiam ideias, arregimentam seguidores e convocam passeatas

Foto: Fabio Motta/Estadão

RIO DE JANEIRO - Manifestantes na avenida Rio Branco expressam o poder de liderança da internet

Postado por Toinho de Passira
Texto de Mariana Queiroz Barboza, para a revista IstoÉ
Fonte: IstoÉ

De todas as transformações desencadeadas pela internet nos últimos anos, talvez a mais extraordinária de todas esteja em curso neste exato momento. Se é verdade que todo grande movimento popular é resultado da força magnética de um líder, agora é possível afirmar que a onda de protestos se deve ao poder irresistível de um novo tipo de liderança.

Os gritos de guerra não surgem mais em assembleias. As bandeiras não se submetem ao escrutínio de encontros às escuras de jovens revolucionários. As ações deixaram de ser planejadas em aparelhos partidários.

Na segunda década do século 21, os movimentos populares nascem, amadurecem e avançam de forma avassaladora no universo quase ilimitado das redes sociais.

Os protagonistas da indignação atendem pelo nome de Facebook, Twitter, Tumblr, WhatsApp e YouTube, os canais de comunicação mais usados pelos manifestantes para plantar suas ideias, arregimentar seguidores e agendar passeatas e ondas de revolta que paralisaram o Brasil, especialmente na semana passada.

A hashtag (símbolo equivalente ao jogo da velha e que é usado para agregar conteúdo na internet) #VemPraRua se tornou febre nacional. Na noite da quinta-feira 20, depois de uma convocação massiva nas redes sociais, as ruas brasileiras receberam, em diversas cidades, mais de um milhão de manifestantes.

“Diante de um movimento horizontal, sem cara nem líder, a internet passa a ser o principal meio de divulgação, porque é rápida, relativamente barata e produz bom retorno”, diz Maria do Socorro Braga, professora do Departamento de Ciência Política da Universidade de São Paulo.

“Ela dá uma dinâmica à democracia que os partidos não conseguem oferecer.” O mesmo já havia acontecido, nos últimos dois anos, durante a Primavera Árabe, o Ocupe Wall Street e as revoltas de Londres.

“A internet é a soma de opiniões privadas sem a união de uma temática pública”, afirma o sociólogo Fábio Gomes.

Foto: Veja

SÃO PAULO - Ato na terça-feira 18 teve dois milhões de convidados

A dimensão das manifestações no Brasil mostra que a organização política nas redes sociais é provavelmente um caminho sem volta e os governantes que não tiverem sensibilidade para detectar esse fenômeno serão condenados ao desaparecimento.

Um exemplo recente: o primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, culpou o Twitter pela série de protestos que tomou seu país no início do mês e ordenou a prisão de dezenas de ativistas sob a acusação de incitarem protestos pela rede social. Resultado: as manifestações só cresceram.

Na Itália, o novato Movimento 5 Estrelas, liderado pelo comediante Beppe Grillo, surpreendeu ao receber um quarto dos votos nas eleições parlamentares, em fevereiro. O partido, que propõe uma forma de democracia direta via internet, usou as redes sociais para angariar simpatizantes e eleitores, num momento em que as filiações partidárias não param de cair.

Grillo tem mais de um milhão de fãs no Facebook e no Twitter e seu blog é um dos mais lidos do país. No Brasil, o recado foi dado. Segundo pesquisa do Instituto Datafolha publicada na quarta-feira 19, as redes sociais são a instituição com mais prestígio entre os paulistanos (65%). Para 72% dos que responderam à pesquisa, as redes têm mais influência na sociedade do que as Igrejas Católica (34%) e Universal (32%).

Fotos: Allan-Nucci-Leitor-Folha-S-Paulo


Foto: Emiliano Capozoli/Estadão


Foto: Mateus Bertolini Fernandes dos Santos/Facebook

MUNDO SEM FRONTEIRA: Em Dublin, Londres e Frankfurt, os brasileiros expressaram apoioa e incluíram outras reivindicações na pauta.

O primeiro estudo empírico que analisa os mecanismos por trás dos recrutamentos nas redes sociais foi conduzido por um grupo da Universidade de Oxford, no Reino Unido, e publicado no jornal “Scientific Reports”, em dezembro de 2011.

Os pesquisadores examinaram o Twitter durante os protestos que tomaram 59 cidades na Espanha em maio daquele ano. A mobilização tinha por objetivo criticar a resposta política à crise financeira, o que posteriormente inspirou o Movimento Ocupe Wall Street, nos Estados Unidos.

“Ao examinar o comportamento coletivo dos internautas, estabelecemos que a maioria das pessoas é influenciada pelo que aqueles ao redor delas fazem”, concluiu a coordenadora do estudo, Sandra Gonzalez-Bailon. A pesquisa analisou o comportamento de 87.569 usuários e rastreou 581.750 mensagens sobre os protestos disparadas durante 30 dias.

Sua equipe viu que, quando as pessoas recebem muitas mensagens convocando para atos num curto espaço de tempo, elas tendem a responder a isso como uma “aparente urgência” e se juntam ao movimento. “Isso cria recrutamentos explosivos que se traduzem numa cascata global com efeitos verdadeiramente dramáticos, como se viu na onda de ocupações que se seguiu”, diz Sandra.

Foto: Gabriel de Paiva / O Globo




Fabrica no Rio de Janeiro produz máscaras de Guy Fawkes, ativista condenado à morte após tentar explodir o Parlamento Britânico no século XVII. Ficou popular por ter sido retratado no filme “V de Vingança” e virou símbolo de luta nas redes sociais

Em São Paulo, a cada minuto, quase 600 pessoas no Facebook foram convocadas para a manifestação da quinta-feira 20. O número de convites enviados, no entanto, pode ser muito maior, já que uma pessoa pode ser convidada mais de uma vez para um evento na rede. Estima-se que pelo menos 20% das pessoas chamadas, via rede social, para uma determinada passeata realmente deixam o computador em casa para ir às ruas.

Diretamente dependentes da internet, as redes sociais podem ficar reféns da qualidade de conexão no Brasil, especialmente em multidões. Quando muitas pessoas utilizam as mesmas antenas simultaneamente, a velocidade da transmissão de dados cai e, assim, dificulta o compartilhamento de informações e imagens.

Por isso, durante os protestos em São Paulo, os manifestantes pediam que as pessoas retirassem as senhas da internet sem fio (wi-fi) de suas casas para liberar o acesso a todos.

A rede N.I.N.J.A (Narrativas Independentes, Jornalismo e Ação) tentou transmitir vídeos ao vivo das manifestações por meio de um sistema conhecido como “live streaming”. Só conseguiu na terça-feira 18, quando um grupo pequeno enfrentou a Tropa de Choque na rua Augusta, região central da cidade. Já passava das 22 horas e Filipe Peçanha, 24 anos, era provavelmente o único indivíduo a documentar a situação via 3G e transmiti-la para milhares de pessoas.

O vídeo teve, no total, 180 mil visualizações e um pico de 50 mil espectadores simultâneos. O grupo conseguiu a audiência pelo esforço de divulgação de uma equipe flutuante de colaboradores espalhados por todo o País, organizados pela hashtag #midianinja.

“Havia tanta gente interessada porque nós éramos os únicos no meio do conflito”, diz Bruno Torturra, do N.I.N.J.A. “As possibilidades são infinitas.”

Detalhe da primeira página do The New York Times

A primeira página do The New York Times, mostrando violência policial

As imagens da violenta repressão da Polícia Militar no protesto da quinta-feira 13 correram o mundo com rapidez e pautaram a imprensa internacional (a foto de uma repórter atingida no olho por uma bala de borracha se tornou um viral).

O jornal americano “New York Times” estampou na capa de sua edição da quarta-feira 19 a imagem de um policial militar do Rio de Janeiro que lança spray de pimenta contra uma manifestante.

A publicação também trouxe uma reportagem intitulada: “Protestos crescem enquanto brasileiros culpam seus líderes”. O britânico “Independent” publicou a mesma foto acompanhada de uma chamada irônica: “Te vejo no Rio?”.

No jornal francês “Le Monde”, a onda de protestos no País foi apresentada com destaque. No espanhol “El País”, a indignação dos brasileiros também esteve na capa. O veículo manteve em seu site, ao longo de toda a semana, uma parte reservada para a cobertura dos protestos.

No fim de semana, começaram as manifestações de apoio ao Brasil em cidades como Londres, Munique e Dublin e novos atos estão marcados até o fim do mês. Tudo combinado pela internet para quem quiser ver, compartilhar e participar.


Nenhum comentário: