7 de jun de 2013

Libertados sete dos doze corintianos presos na Bolívia

BRASIL - BOLÍVIA
Libertados sete dos doze corintianos presos na Bolívia
A liberdade de sete dos 12 torcedores corintianos presos em Oruro desde fevereiro aumentou a confiança dos brasileiros que acompanham o caso de perto. A notícia que foi divulgada quase “de surpresa” vem sendo trabalhada há pelo menos um mês, desde que um pacto de silêncio foi acordado de forma informal para que a Embaixada do Brasil na Bolívia pudesse trabalhar com mais calma. Essa postura pode levar os cinco presos restantes à liberdade nos próximos dias.

Foto: Reprodução/Facebook

LIBERDADE CORINTIANA - Questionado sobre a primeira coisa que gostaria de fazer, agora que está em liberdade, um dos torcedores disse por telefone que pretende "beber para c...."

Postado por Toinho de Passira
Fontes: Globo Esporte, El Diario, La Prensa, La Razón, Página Siete

Foram libertados no início da noite desta quinta-feira, sete dos 12 corintianos detidos desde 20 de fevereiro na Penitenciária San Pedro, em Oruro, na Bolívia, depois da Partida entre o Corinthians e San José, na estreia do Timão na Taça Libertadores da América deste ano.

Os torcedores estavam sendo acusado de participação na morte do torcedor boliviano Kevin Douglás Beltrán Espada, de 14 anos, atingido por um sinalizador marítimo, supostamente disparado por um torcedor corintiano.

O sentimento na saída era de surpresa, mas também de “felicidade incompleta”. Acompanhados do ministro conselheiro da embaixada local, Eduardo Saboia, os torcedores comemoraram a saída da prisão, e ao mesmo tempo lamentaram a permanência de outros cinco companheiros no local.

Eles foram liberados porque a justiça boliviana entendeu que não tiveram participação na morte do jovem boliviano.

Entre os libertados estão quatro representantes da Gaviões da Fiel: Danilo Silva de Oliveira, 27 anos, Tadeu Macedo Andrade, 30, Rafael Machado Castilho Araújo, 18, e Clever Souza Clous, 21 e três da Pavilhão Nove: Fábio Neves Domingos, 32 anos, Hugo Nonato, 27, e Tiago Aurélio dos Santos Ferreira, 27. A previsão é de que os sete cheguem a São Paulo na tarde de sábado.

O site da Globo Esporte.com está otimista da libertação dos cinco torcedores restantes. Diz que “na visão de quem acompanha o caso, os outros cinco só não foram libertados ainda por problemas distintos. Leandro Silva de Oliveira e Cleuter Barreto Barros são os dois acusados como autores do disparo de sinalizador que matou Kevin, enquanto Reginaldo Coelho, José Carlos da Silva Junior e Marco Aurélio Nefreire estariam dentro do Estádio Jesús Bermudez, em Oruro, e próximos ao local do disparo.

Até mesmo quem defendia a prisão dos 12 já mudou de ideia após os fatos recentes. A promotora Abigail Saba, que foi responsável pelo caso em seu início, admite que a investigação ainda não trouxe qualquer prova que pudesse incriminar pelo menos um dos torcedores, diz o Globo Esporte.

Porém, jornal boliviano “La Razón” afirma que o promotor, Ruben Arcienega, um dos encarregados do caso, confirmou que não há realmente provas de envolvimento dos sete cidadãos brasileiros libertados e a morte do menor boliviano.

Por outro lado, diz que os cinco que ainda estão detidos pelos resultados periciais realizados pelo Instituto de Investigações Forenses (IDIF) tem, segundo ele, são suspeitos de culpas com diferentes graus de envolvimento.

O jornal Página Siete, detalha que os corintianos que continuam presos, apresentaram resíduos de pólvora nas mãos e portavam, em suas mochilas, artefatos semelhantes ao que matou o torcedor boliviano, no momento da prisão.

O promotor Arcienega manifestou ainda a intenção de solicitar que o cidadão brasileiro que se declarou culpado, vá até Oruro, prestar esclarecimentos. O menor de 17 anos, torcedor do Corinthians, declarou-se culpado do disparo do foguete fatal, inclusive diante do promotor boliviano Alfredo Santos, que viajou ao Brasil para interrogá-lo.

Não há a menor possibilidade do menor corintiano ser extraditado para a Bolívia. A constituição brasileira proíbe que brasileiros natos sejam extraditados.

Se fosse correria sérios riscos pois , na Bolívia, maiores de 16 anos podem responder por crimes cometidos, diferente do Brasil, onde a maioridade penal é de 18 anos.

Especialista confirmam que por não haver qualquer enquadramento legal sobre crimes cometidos no exterior, no Estatuto da Criança e do Adolescente, brasileiro, o menor não deve sofrer qualquer punição legal, no Brasil.

Em contato com a reportagem do portal do Globo Esporte, por telefone, Tadeu Macedo Andrade, um dos sete libertados, disse se sentir "desorientado" em relação ao que acontecerá nas próximas horas.

– Essa liberdade é uma felicidade incompleta. Precisamos esperar os outros cinco. É lógico que estamos contentes e muito agradecidos a todas as pessoas que nos ajudaram, principalmente o pessoal da Embaixada. Eles acharam o caminho da nossa liberdade. Nas próximas semanas, vamos ajudar os cinco a sair daquele lugar também – afirmou Tadeu, que é diretor-financeiro da Gaviões.

Tiago Aurélio dos Santos Ferreira, representante da Pavilhão Nove, revelou que os sete libertados cogitaram inicialmente permanecer na cidade onde estavam detidos para ajudar os companheiros restantes, mas foram aconselhados a rumar para La Paz o quanto antes. Questionado sobre a primeira coisa que faria como libertado, Tiago adotou o bom humor corintiano:

– É uma mistura de emoção e tristeza. Precisamos ir embora, porque não é bom a gente ficar em Oruro. Estamos eufóricos sobre a situação, é até difícil falar. Agora, me desculpe a linguagem, mas vamos beber para c... – afirmou, entre risos.

Nenhum comentário: