25 de jul de 2012

Greve causa congestionamento de navios em Suape

Brasil - Pernambuco
Greve causa congestionamento de navios em Suape
A greve dos funcionários da Anvisa, impede que os navios sejam atracadose descarregados no porto de Suape. Uma fila de cargueiros estão esperando uma definição. Já há mais de 50 navios esperando , com prejuízos enormes para as companhias marítimas e para a economia pernambucana

Foto: Diário de Pernambuco

Quatro navios conseguiram descarregar devido a liminares conseguidas na justiça. Para os restantes, o impasse continua

Postado por Toinho de Passira
Fontes: Jornal do Comércio Online, Diário de Pernambuco, G1- Pernambuco

A greve dos funcionários da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) provocou um engarrafamento de navios próximo ao Porto de Suape, no Litoral Sul de Pernambuco. Nesta terça-feira (24) pelo menos 12 navios aguardam ao largo, em alto mar, longe do porto, a permissão da Anvisa (que emite um certificado que libera ou não a entrada e saída das embarcações nos portos brasileiros) para fazer o desembarque trazem cargas diversas, como combustíveis, veículos e grãos. Com a chegada de mais 11 embarcações nesta quarta (25) à Suape, a fila de espera começa a preocupar a Capitania dos Portos.

Os funcionários da Anvisa estão em greve por tempo indeterminado desde o dia 16 de julho. Eles querem equiparação salarial com os funcionários da Receita Federal. De acordo com o sindicato da categoria, a adesão à greve em todo o país é de 70%.

A greve causa prejuízos enormes, com as despesas das embarcações paradas, e pode afetar num futuro próximo problemas para a economia de Pernambuco.

O presidente do Sindicato das Agências Marítimas do Estado de Pernambuco, Ricardo Von Sohsten, já contabiliza prejuízos. O sindicato tenta na justiça uma liminar para permitir a atração e descarga dos navios, provisoriamente, sem o certificado. Ainda ontem, duas liminares permitiram que dois navios iniciassem o processo de atracação. Eles traziam combustível e gás de cozinha.

O prejuízo é muito grande para as empresas marítimas. Cada navio parado tem um custo médio entre US$ 25 mil a US$ 50 mil dia, dependendo do tipo da embarcação.

Outros portos também estão com os mesmos problemas, entre eles, o do Rio de Janeiro, o de Vitória e o de Santos, em São Paulo.

No Porto do Recife, a atracação dos navios está acontecendo, mas a liberação também está mais lenta. Segundo informações da administração do porto, com o projeto “Porto sem Papel”, a tramitação da documentação é feita de forma eletrônica, por isso a greve da Anvisa tem tornado mais lento o processo, mas não está impedindo o funcionamento do porto.

Além da Anvisa, aderiram à greve em Pernambuco os funcionários da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Segundo informações do Sindicato Nacional dos Servidores das Agências Reguladoras (Sinagências), estão sendo mantidos 30% dos serviços (como exige a lei).

No caso da Anvisa, permanecem funcionando como prioridade a liberação de órgãos para transplantes, a liberação de equipamentos de UTI e de medicamentos essenciais para hospitais públicos e particulares, material para transfusão de sangue, alimentos perecíveis e certificados internacionais de vacinas.

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, disse hoje as autoridades sanitárias dos Estados e dos municípios poderão assumir as atribuições da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), em caráter emergencial, caso haja prejuízo nos serviços por causa da greve dos servidores do órgão. Essa é uma das medidas previstas pelo governo para evitar interrupções na entrada de produtos pelos portos do País por falta de inspeção e de liberação sob a responsabilidade da agência reguladora.


Nenhum comentário: