20 de jul de 2012

Morre a atriz e produtora teatral Diva Pacheco

PERNAMBUCO – Luto
Morre a atriz e produtora teatral Diva Pacheco
“Filha de Epaminondas Cordeiro de Mendonça e Sebastiana Lucena de Mendonça, nascida no ano da graça de 1939, Diva Pacheco parece ter vindo ao planeta com o objetivo de não caber num rótulo só. Atriz, figurinista, carnavalesca, artista plástica e escritora, se for objetivar um pouco. Mas Diva é mais. Uma transgressora na vida e na arte” – do texto escrito pelo jornalista Bruno Albertim, publicado no catálogo do Prêmio Tacaruna Mulher deste ano, quando Diva foi homenageada

Foto: Captura de Video/ Produção Cultural no Brasil

ARTE E PAIXÃO - Diva Pacheco, a pernambucana de Fazenda Nova, que nasceu para encantar multidões. O céu vai ficar muito mais divertido com a sua chegada.

Postado por Toinho de Passira
Fontes: G1- Pernambuco, NE10, Diario de Pernambuco, Produção Cultural no Brasil

O teatro pernambucano está de luto. Morreu nesta sexta-feira(20), às 9h10, em Caruaru, uma de suas grandes atrizes, Diva Pacheco, aos 72 anos. Ela faleceu por complicações de um câncer no Hospital da Unimed, em Caruaru, onde foi internada na quinta-feira. O velório e enterro devem acontecer em Fazenda Nova.

Junto ao seu marido, o jornalista, militar e teatrólogo Plínio Pacheco, Maria Diva Lucena de Mendonça Pacheco consolidou a ideia da cidade-teatro de Nova Jerusalém, considerado "o maior teatro ao ar livre do mundo”, em Brejo da Madre de Deus, também no Agreste, onde é encenada a Paixão de Cristo.

Diva Pacheco sofria com a metástase de um câncer que, inicialmente, tinha atingido os ossos. Ela passou mal na quinta-feira (19) e foi levada para o Hospital da Unimed de Caruaru. Na manhã desta sexta, Diva não resistiu e faleceu.

O velório da atriz será realizado no teatro de Nova Jerusalém, no distrito de Fazenda Nova, a partir das 14h desta sexta. Diva vai ser enterrada, às 9h do sábado (21), no jardim de Nova Jerusálem, no mesmo local onde está enterrado o seu marido, Plinío Pacheco, falecido em 2002.

Além de atriz, Diva também era figurinista, carnavalesca, artista plástica e escritora. A atriz deixa cinco filhos - Robinson, Nena, Xuruca, Pedro e Flávio, além de netos e bisnetos. Além deles, consta na prole o já falecido Paschoal.

No teatro de Nova Jerusalém, idealizado por ela e o marido, Diva participou desde o primeiro espetáculo, trabalhando na criação e confecção dos figurinos e adereços. Também interpretou vários personagens, inclusive o papel considerado o mais importante da vida dela, o de Maria.

No cinema ela particiou de filmes como A compadecida, Noite do espantalho e Batalha dos Guararapes. Na televisão chegou a ser diretora de arte na TV Globo do Rio, na novela Roque Santeiro e na minissérie Morte e vida severina. Seu último trabalho na TV foi na novela A lua me disse, de Miguel Falabela. Além de atriz, Diva também reinava nos bailes de carnaval e nos concursos de fantasias nos bailes da capital pernambucana.

Em março deste ano, ela recebeu a comenda "José Mariano", a maior homenagem da cidade do Recife, pela sua contribuição à cultura e ao turismo de Pernambuco.

Nascida em setembro de 1939 no município de Fazenda Nova, Região Agreste de Pernambuco, distante 200 quilômetros do Recife, Diva Pacheco conheceu seu marido, Plínio Pacheco, aos 26 anos. Juntos, fizeram o espetáculo da Paixão de Cristo, em Nova Jerusalém. No primeiro ano, Diva participou na criação e confecção dos figurinos, nos anos seguintes ela interpretou diversos personagens, mas foi no papel de Maria que ganhou destaque.

Em 1972, Diva se dedicou a escrever o livro "Réu, Réu, Réu, se dessa eu escapei já sei que vou para o céu", em que narra as coisas boas e ruins que “experienciou” durante sua vida, até aquele momento. Ela também escreveu o livro "Sobras de Terras" (2000), que conta a história de Fazenda Nova. As duas obras foram uma parceria com o amigo e diretor Carlos Reis.

Diva Pacheco não foi só uma grande produtora teatral, uma grande atriz, uma grande figurinista ela foi principalmente um raro ser humano, uma bonita, culta e inesquecível mulher. .


Veja a entrevista de Diva Pacheco (2011), para o projeto Produção Cultural no Brasil


Nenhum comentário: