31 de jul de 2012

Batman é o rock do americano doido, por Arnaldo Jabor

BRASIL – OPINIÃO
Batman é o rock do americano doido
“Esse filme se pretende mais complexo que os outros, mas não é. Parece “complexo”, mas é apenas “emaranhado”. Isso. Assim como o mistério da arte é abolido no “entretenimento”, nos atuais filmes de ação a “complexidade” é substituída por um simulacro: o proposital “emaranhamento”, que nos dá a sensação de profundo”

Postado por Toinho de Passira
Texto de Arnaldo Jabor
Fonte: Jornal do Comércio

Fui ver O Cavaleiro das Trevas, mas não vou analisar o Batman como “arte”. Agora existe um novo tipo de coisa – um filme-game que não se mede por estrelinhas ou bonequinhos aplaudindo. Não existe mais “gostei” ou “não gostei”. Os roteiros não contam mais. A mise-en-scène é a tempestade de planos de três segundos montados em enxurrada com efeitos especiais incessantes. O significado dos filmes está além deles. Interessa ver os conceitos que estão por baixo das cenas, a intenção por baixo da ação. O filme se esconde no décor – ali está o verdadeiro sentido. Acabaram mocinhos x bandidos, as personagens principais são as coisas, os computadores, a tecnociência.

Esse filme se pretende mais complexo que os outros, mas não é. Parece “complexo”, mas é apenas “emaranhado”. Isso. Assim como o mistério da arte é abolido no “entretenimento”, nos atuais filmes de ação a “complexidade” é substituída por um simulacro: o proposital “emaranhamento”, que nos dá a sensação de “profundo”. É claro que Batman é um herói genial, que os outros empregados da Marvel são heróis encantadores das histórias em quadrinhos. Nada contra as aventuras maravilhosas que tinham uma cândida simplicidade nos enredos. O que enche o saco é ver como os produtores se apropriam dessas historinhas ingênuas e tentam dar-lhes um sentido do “ar do tempo”, construindo um sarapatel de fatos políticos: terrorismo, “patriotic act”, política do medo, impotência social, numa espécie de “rock do americano doido”... “Ah... deixa de ser chato, é apenas gibi filmado...” Gibi é o cacete – alguns desses filmes são manifestos com interpretações ridículas sobre o momento atual. E ninguém percebe.

No entanto, gostei muito do Batman 2, com Heath Ledger criando uma obra prima rara no cinema, uma ilha do cinismo contemporâneo, misturando bem e mal, misturando horror e simpatia. “Escolhi o caos” – ele diz para Batman. Heath, de certo modo, faz uma crítica ao próprio filme. Heath é quase uma paródia do “grande espetáculo”, é um marginal dentro do elenco.

Claro também que, do meio desse barroquismo digital, linguagens e verdades podem estar nascendo. Mas se descascarmos as camadas de significação, em meio ao enxame de efeitos especiais, podemos ver Batman e outros como “sintoma”, como queriam os professores da “filmologia” francesa. Nos anos 1960, Gilbert Cohen-Seat criou uma espécie de filosofia do cinema, a filmologia, onde analisava não só os filmes, mas o berço de onde saíram, o chão histórico de onde brotavam. Foram várias fases desse pós-cinema de porrada e velocidade.

Nos filmes violentíssimos dos anos 1980, com os atores brutais como Sylvester Stallone, Van Damme etc... Hollywood inventou o prazer do sangue, das facas dentadas, dos peitos estourados, das metralhadoras fálicas. Era a safra do cinema pós-Vietnã, como uma vingança na tela pela derrota humilhante dos americanos pelos guerreiros comedores de arroz, eram um show de força para compensar o fracasso da guerra.

Mais tarde, ainda antes do 11 de Setembro, rolou a grande onda de filmes sobre a destruição de Nova York. Parecia uma sugestão a Osama Bin Laden, que acabou realizando essa volúpia destrutiva, satisfazendo esse estranho desejo de autoextermínio dos americanos. Por quê? Ninguém filma Paris acabando ou Londres em pó. Mas americano paranoico só pensa em inimigos. Podem conferir as obras: os USA invadidos por “godzillas”, por discos voadores letais, por asteroides, por explosões no Armageddon (há em Godzilla uma cena absolutamente igual à multidão real de 2001, fugindo pela rua, com as torres se suicidando ao fundo. Aliás, no mundo real, as próprias torres encarnavam uma arrogância arquitetônica, pedindo bombardeio.)

Bin Laden, o Coringa do deserto, acabou com a ideia de guerra. Ele nos atacou de outro tempo – fora da história. A queda das torres do WTC está nos filmes de hoje como uma cicatriz na dramaturgia. Neste Batman 3 também tiveram o prazer de massacrar a Bolsa de Valores, (com dezenas de metralhados, como no Colorado), explodir o SuperBowl, ver a cidade tomada, a ponte de Brooklyn desabando. Por quê?

Recentemente, a violência dos “estoura-peitos” e o suicídio virtual dos filmes-catástrofe deram lugar a uma cultura de massas mais “reflexiva”. Hollywood, claro, se apropriou até dos heróis anarquistas ou psicopatas, ameaçando a “boa” sociedade. Passaram a fingir uma “crítica ao Sistema” como em Matrix ou Clube da luta, que foi a tela de onde surgiu o nosso assassino Matheus, alguns anos atrás em São Paulo, lembram?

Hoje, a verdade de Hollywood está fora das telas, nas motivações financeiras e paranoicas dos produtores. Já se disse que o 11 de setembro em NY foi o único momento de realidade na escalada do mundo virtual. Depois da catástrofe das torres e agora com a tremenda crise do mundo atual, o cinema só quer faturar em cima da confusão, explorar o inexplicável com fábulas ridículas com terroristas angustiados, monstros do mal e heróis do bem, tudo bem simplificado para agradar a patuleia. Onde estão os comportamentos humanos verdadeiros? Ninguém liga mais para isso.

Este filme não é o Bem contra o Mal. Fala sobre a liberdade do povo, mas deixa um odor republicano no ar. Gozamos o tempo todo com o mal e, no final, os produtores nos “concedem” o arbítrio de escolher o bem, quando a tecnologia e as cenas celebram o mal durante toda a projeção. Este “meio” é muito mais importante que as “mensagens” que, ao final, vêm em pequenas lições morais defendendo a família, a solidariedade, o amor.

No Batman a política e a polícia tentam dar conta da imensidão da corrupção e da criminalidade global. Ninguém sabe o que fazer, mas o cinema americano acha que sabe, com suas alegorias paranoicas e lucrativas. Quando Bin Laden-Coringa atacará de novo?


*Acrescentamos subtítulo e imagem ao texto original

Nenhum comentário: