27 de jan de 2012

Miriam Leitão: Força da mudança

OPINIÃO
Força da mudança
“Mubarak foi deposto, preso, eleições foram convocadas e já há um parlamento eleito. No aniversário comemorado ontem os egípcios continuavam protestando. O que mais eles querem? Ora, o que pediram: democracia”.

Foto: Getty Images

Jovens egípcios acamparam nesta quinta-feira na Praça Tahrir, no Cairo, e prometeram ali ficar até que o Exército entregue o poder em mãos civis, um dia após uma manifestação em massa marcar um ano desde o levante que derrubou Hosni Mubarak

Míriam Leitão e Alvaro Gribel
Fonte: Blog de Miriam Leitão

Há um ano, numa hora dessas, o mundo estava ainda de boca aberta com a Praça Tahrir. Cinquenta mil egípcios tinham atendido à convocação de protestar contra a ditadura de Hosni Mubarak. O espanto aumentaria nos 18 dias seguintes. O protesto chegou a reunir um milhão de pessoas e, nele, o país mostrou ao mundo a dimensão da sua persistência.

Mubarak foi deposto, preso, eleições foram convocadas e já há um parlamento eleito. No aniversário comemorado ontem os egípcios continuavam protestando. O que mais eles querem? Ora, o que pediram: democracia. O governo mudou um pouco para não mudar muita coisa. Mubarak sempre teve seu poder assentado sobre a força dos militares, que agora governam eles mesmos o país.

Leis de exceção continuam em vigor; os militares que não aceitaram a ordem de Mubarak de atirar na população permanecem presos, acusados de incitação à revolta e deserção; há muitas dúvidas sobre a possibilidade de haver uma eleição democrática para presidente. Pelo menos foi isso o que disse o prêmio Nobel Mohamad El-Baradei quando desistiu recentemente de disputar a presidência.

O mundo é que não é o mesmo depois daquele 25 de janeiro. O movimento que havia começado na Tunísia explodiu na Praça Tahrir e de lá contaminou uma série de outros países, derrubando governos e arrastando convicções.

A maioria dos analistas não tinha a menor ideia de que eventos dessa natureza poderiam mudar tão rapidamente o mapa político do Norte da África. Em um artigo na “Foreign Affairs”, um desses especialistas no tema, F. Gregory Gause III, faz autocrítica. O título do artigo é bem sugestivo: “Por que os estudos de Oriente Médio perderam a Primavera Árabe. O mito da Estabilidade Autoritária”. Nele, o cientista político admite que estava “totalmente errado” quando defendia que os Estados Unidos não deveriam incentivar a democracia no mundo árabe, porque as ditaduras eram aliados mais estáveis. Gregory Gause é há 20 anos professor de Oriente Médio em grandes universidades americanas.

Toda correção de rota foi feita depois dos eventos. Só então se descobriu que uma juventude mais educada que seus pais, mas desempregada, em redes de relacionamento de mídia social tem um alto poder de mobilização. Os especialistas haviam se dedicado a explicar a permanência dos ditadores, e subestimaram as forças da mudança.

Na Líbia, ninguém se surpreendeu com a ferocidade com que Muamar Kadhafi reagiu aos protestos, mas foi surpresa que seu porta-voz tenha sido o filho que foi mandado estudar em Londres, e que era supostamente a face suave do regime. Não há face suave em ditaduras sanguinárias. É a lição que Saif al Islam deu aos mais ingênuos. Hoje, o filho favorito está preso, e Kadhafi, morto.

A revolução que derrubou governos de três décadas, ou mais, na Tunísia, Iêmen, Egito e Líbia, continua inquieta. Novas mudanças virão. É um movimento em curso. A guerra civil permanece na Síria e há dúvidas em cada país sobre se a dinâmica dos acontecimentos levará a governos democráticos ou a novas formas de tiranias. O Egito sequer conseguiu se livrar completamente da velha tirania militar, ainda que seja difícil negar que o país já fez uma grande jornada.

A economia não tem ajudado. O Egito teve um crescimento do PIB de apenas 1%, para uma inflação de 11%, no ano passado, e que deve ficar, segundo previsão do FMI, no mesmo nível em 2012. O diretor de Oriente Médio do Fundo, Masood Ahmed, visitou o país recentemente atendendo a um pedido do governo para que apoiasse um plano de estabilização que incentive o crescimento econômico e a criação de empregos. A missão do FMI falou também com os grupos políticos diversos e com representantes da sociedade civil para ter uma visão dos vários lados da atual realidade política do país.

O Egito está fazendo uma transição histórica. A sociedade ganhou força. Mas construir democracia não é fácil, como nós bem sabemos. Aqui também temos trabalhado há 27 anos na longa tarefa de aperfeiçoar o regime democrático.

O Egito terá agora que lidar com suas diferenças. O movimento era por um governo civil e leigo. A eleição consagrou a Fraternidade Islâmica que, com o Partido Salafista, mais radical, conseguiu a maioria no novo parlamento. O Partido Salafista chegou defendendo a Sharia, o código religioso, que, se adotado, começa por tolher a liberdade das mulheres.

O que é fascinante na Praça Tahrir é tentar entender uma vez mais que mistério é esse que detona os processos de mudanças. Aquele protesto não era o primeiro a ser convocado. Pelo contrário, vários outros foram, com pouco sucesso. O dia foi escolhido porque era um feriado, o Dia da Polícia, quando os policiais estavam de folga. Tendo o protesto da Tunísia como inspiração - que 11 dias antes tinha derrubado Zine El Abidine Ben Ali - e a enorme insatisfação como motivo, os egípcios rumaram para a Praça Tahrir. E de lá não saíram nos 18 dias seguintes, mesmo quando a polícia de Mubarak chegou com seus cavalos. Eles voltaram ontem e querem mais mudanças.


*Acrescentamos subtítulo, foto e legenda ao texto original

Nenhum comentário: