8 de jun de 2012

PT RECIFE: “Oi, Lula, decepção, em Recife você não manda não!”

PERNAMBUCO – Recife – Eleições 2012
“Oi, Lula, decepção, em Recife você não manda não!”
Gritava a militância na recepção de João da Costa no aeroporto do Recife, em mais um capitulo da novela mexicana da sucessão municipal do Recife. Estranho foi ver Humberto Costa ser lançado candidato a candidato biônico, a prefeito do Recife em São Paulo, sob a influência do mensaleiro José Dirceu. Por outro lado o governador Eduardo Campos, deixou a impressão que não gostou nada de ter perdido momentaneamente o controle total da situação e manda recados sifrados ao PT, numa plantação de melancias.

Foto: Clemílson Campos/JC Imagem

João da Costa, em dia de pop star, na chegada ao Recife:
“- Não vou submeter meu apoio a um ato de força!”

Postado por Toinho de Passira
Fontes: Blog do Jamildo, Blog do Ricardo Setti, O Globo, UOL, G1, Blog do Jamildo

O colunista Ricardo Setti, muito apropriadamente, comparou o ato da Executiva do Partido dos Trabalhadores, em impor Humberto Costa com o candidato biônico a Prefeitura do Recife, as intervenções do Partido Comunista da extinta União Soviética e ao AI-5, o ato dos militares que governavam o Brasil em 1968, que dava poderes excepcionais ao presidente da república, o General Costa e Silva, suspendendo as garantias constitucionais.

Mais rasteiro o Deputado petista Fernando Ferro, afirmou que a atitude da Executiva Nacional do PT em optar por Humberto Costa, preterindo João da Costa, teria sido "um estupro".

Foto: Blog do Jamildo

Ruidosos partidários do cassado João da Costa, no aeroporto dos Guararapes

Quando regressou ao Recife, depois do golpe da Executiva nacional, João da Costa foi recebido por uma numerosa e ruidosa militância no aeroporto dos Guararapes, que bem ao estilo petista gritava palavras de ordem como “Oi, Lula, decepção, em Recife você não manda não” ou “Golpe é covardia, respeita a democracia”.

Na manhã desta sexta-feira (8), o prefeito joão da Costa, concedeu entrevista ao programa Super Manhã, com Geraldo Freire. Adiantou que deve mesmo recorrer ao Diretório Nacional para rever a decisão da Executiva. Disse ainda que Humberto ainda não o procurou para conversar e que espera que ele não procure tão cedo.

Se tiver suas pretensões negada dentro do Partido, João da Costa pode tentar abrigar-se numa decisão judicial, para se manter candidato. Neste caso, para manter a candidatura de Humberto, o PT, teria que expulsar João da Costa, para tirar-lhe a legenda, e a coisa ia ficar ainda mais mal cheirosa.

Foto: Celso Calheiros/Especial para Terra

Humberto Costa, ao lado do presidente do PT estadual, deputado Pedro Eugênio e do ex-prefeito João Paulo, lançando sua candidatura a prefeito do Recife, num clima de velório

Por estranho que possa parecer Humberto Costa “lançou” sua candidatura a Prefeito de Recife, na cidade de São Paulo, no tapetão doa Executiva Nacional do PT. Sabendo que a militância local, que apoia majoritariamente João da Costa o estava chamando de biônico, tentou rebater com argumentos vazios e prepotentes. Primeiro disse que não poderia ser chamado de biônico, pois tinha o apoio de Lula, como se o apoio de Lula fosse uma força superior que superasse o vexame do “estupro” ao resultado da convenção do partido.

Depois disse que não podia ser classificado de golpista, pois, segundo ele, havia participado da resistência aos governos militares, como se isso impedisse que ele, fosse beneficiado por um ato semelhante aqueles produzidos pelas ditaduras. Basta lembrar que Fidel Castro pegou nas armas para livrar Cuba do ditador Fulgencio Batista e depois disso sentou-se na cadeira de ditador onde está a mais de 50 anos.

Sabe-se perfeitamente que essa intervenção no Recife estava sintonizada com o apoio do PSB, de Eduardo Campos, ao candidato petista a prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad.

Ao que parece que a indicação de Humberto, numa manobra de José Dirceu e a sua turma da facção petista “Construindo um Novo Brasil”, antigo “Campo Majoritário”, queria tirar o governador Eduardo Campos, do “controle” da sucessão do Prefeito do Recife, de olho na futura sucessão estadual e federal.

Foto : Eduardo Braga/SEI

Enquanto isso Eduardo Campos aparece no meio de um plantio de melancias. O que ele quer dizer com isso ?

A direção nacional petista acusada de ditatorial e truculenta, parece estar querendo medir forças com o governador Eduardo Campos, estão “cutucando o capeta com vara curta”.

Eduardo parece não ter sido consultado, ou se consultado, não concordou com o nome de Humberto Costa, sua resposta foi o silencio após o anúncio da indicação. Manifestou-se ruidosamente através do seu pau mandado, o presidente estadual do PSB, Sileno Guedes, que também é Secretário da Articulação Política do estado, comunicando que não “estava garantido automaticamente o apoio dos socialistas aos petistas”.

Sileno Guedes, que estava cotado para ser o vice-prefeito, indicado por Eduardo, na chapa petista, foi mais além falando em entrevista à rádio CBN:

"Ninguém está desmerecendo a importância do PT, mas o partido entrou num processo autofágico e, se não tivermos cuidado, isto pode contaminar os outros partidos da Frente Popular". E fez questão de acrescentar, que não está descartada a possibilidade do PSB lançar um candidato próprio a Prefeitura do Recife.


Os quatro ases de Eduardo Campos: Tadeu Alencar, Danilo Cabral, Sileno Guedes e Geraldo Júlio, todos do PSB, mais o curinga Maurício Rands, do PT

Para dá visibilidade a este recado o governador Eduardo Campos, foi da palavra à ação, e na tarde desta quinta-feira, exonerou quatro secretários de Estado, desincompatibilizando-os para ficarem em condições de ser o candidato majoritário do seu partido para as próximas eleições> São eles: Tadeu Alencar (Casa Civil), Danilo Cabral (Cidades), Sileno Guedes (Articulação Política) e Geraldo Júlio (Desenvolvimento Econômico), além do próprio Maurício Rands, que volta à Câmara dos Deputados.

Comenta Jamildo no seu Blog que “É como se o governador colocasse quatro cartas na mesa e dissesse que, se for preciso, pode levantar seu rei de espadas”.

Os caciques petistas não estão gostando nada da forma como Eduardo está comportando-se nesta situação. Imaginavam que Eduardo estava vetando o nome de João da Costa para candidato, mas governador queria era indicar o candidato petista, o primo de sua esposa, o fiel escudeiro Mauricio Rands (PT) e o vice Sileno Guedes (PSB). Para ele, ou tudo ou nada. Ou tem o controle total nas eleições municipais do Recife, ou pula fora da aliança, e lança candidato próprio em Recife, e se a coisa se radicalizar, talvez também em São Paulo.

Sem o apoio de Eduardo, Humberto Costa vai ficar falando fino, sozinho e pode até pode renunciar, transformando-se na viúva Porcina, “aquela que foi sem nunca ter sido”.

O certo é que ainda muita água do Rio Capibaribe vai passar por baixa da Ponte Princesa Isabel, até essa novela mexicana acabar.

Charge: MIGUEL - Jornal do Comércio (PE)


Nenhum comentário: