2 de nov de 2010

ESTADOS UNIDOS Congresso americano vai virar pesadelo para Obama

ESTADOS UNIDOS
Congresso americano vai virar pesadelo para Obama
Os americanos foram às urnas hoje, terça-feira, para escolher os deputados e renovar parte do senado. Tudo leva a crer que os Democratas, partido do presidente Obama, perca vagas no senado e na câmara. Fala-se que perdendo o controle do legislativo, a agenda reformista do presidente americano será posta em “banho Maria” e sua reeleição, daqui a dois anos, ficará ainda mais improvável

Foto: Associated Press

Congresso americano pode ficar hostil para os projetos do presidente Obama

Postado por Toinho de Passira
Fontes: Reuters, G1, Folha Online

Congresso americano pode ficar hostil para os projetos do presidente Obama Depois de uma campanha longa e amarga, os norte-americanos vão às urnas nesta terça-feira, numa eleição que pode tirar os democratas da liderança do Congresso e travar a agenda do presidente Barack Obama no legislativo.

A ansiedade com relação à economia do país e a insatisfação com Obama e o governo federal impulsionaram os republicanos, que poderão ganhar a maioria dos assentos na Câmara dos Representantes e talvez até mesmo no Senado.

Pesquisas de opinião e analistas independentes prevêem que os republicanos obtenham ao menos 50 cadeiras na Câmara dos Representantes, bem mais do que as 39 necessárias para tomar o controle e tirar a liderança da Casa das mãos da democrata Nancy Pelosi.

Foto: Reuters

Mesmo após o início oficial das eleições parlamentares e para governador, o presidente americano, Barack Obama, continuou o ritmo de campanha alertando para uma situação "muito difícil" caso os republicanos obtenham a maioria no Congresso.

Os republicanos também devem obter expressivos ganhos no Senado, embora pareça mais difícil - mas não impossível - conquistar as 10 cadeiras necessárias para a maioria.

Obama chegou à Presidência dois anos atrás, numa onda de esperança em que ele pudesse tirar os EUA de uma profunda crise econômica, mas as altas taxas de desemprego e o déficit orçamentário colocaram muitos eleitores contra ele.

A insatisfação da população deu origem ao fenômeno político do Tea Party, um movimento conservador que desconfia de Obama e apóia um papel menor para o Estado, impostos mais baixas e gastos públicos reduzidos.

O controle dos republicanos sobre ao menos uma Casa do Congresso provavelmente travará o legislativo, enfraquecendo a posição de Obama nas disputas sobre ampliação dos cortes de impostos da era Bush e a aprovação de projetos amplos sobre mudança climática e imigração.

Os candidatos republicanos pressionam por uma agenda de cortes de gastos, redução do déficit e a reprovação de ao menos partes da reforma da saúde, mas Obama tem poder de veto sobre as iniciativas republicanas.

Foto: Reuters

O painel da urna eletrônica americana

As urnas abrem antes do alvorecer em algumas áreas do leste dos EUA e começarão a fechar às 18h (20h no horário de Brasília). O resultado, porém, levará algumas horas para ser conhecido em muitas disputas cruciais.

Na eleição de terça, estão em jogo todos os 435 assentos da Casa dos Representantes, 37 cadeiras do Senado e 37 governos estaduais. Muitos Estados realizaram eleições antecipadas durante semanas.


Nenhum comentário: