9 de set de 2014

Segundo bebê real, que ainda vai nascer, transforma-se em esperança dos que não querem a Escócia independente

REINO UNIDO - Referendo Escócia
Segundo bebê real, que ainda vai nascer, transforma-se em esperança dos que não querem a Escócia independente
O nascimento do príncipe George aumentou o apoio dos britânicos à monarquia. Será que o nascimento de um segundo bebê pode manter os escoceses no Reino Unido?

Foto: Mark Tantrum / AFP

Príncipe William e Kate Middleton, a duquesa de Cambridge, esperam o segundo filho. Os dois já são pais de George, que completou um ano em 22 de julho.

Postado por Toinho de Passira
Fontes: Época, Guardian, Telegraph, Daily Mail, Guardian

A Família Real Britânica mal anunciou que a duquesa de Cambridge, Kate Middleton, e o príncipe William terão um segundo filho, e o bebê já se vê no meio de uma disputa política. Tão logo saiu o anúncio, os principais jornais do Reino Unido, como o Guardian e o Telegraph, publicaram artigos perguntando: "o Bebê Real pode salvar a União?". Mas como que um bebê que sequer nasceu, e será o quarto na sucessão do trono, pode salvar um país?

Em dez dias, no próximo 18 de setembro, a Escócia, que hoje faz parte do Reino Unido, fará um referendo que pode selar sua independência e encerrar uma união que já dura mais de 300 anos. Desde 1707, a Escócia e a Inglaterra se mantêm unidas em um mesmo país. Mas sempre houve na Escócia movimentos pela independência, buscando autonomia para ela determinar seus próprios rumos - como controlar os impostos, ter um Exército e assumir as plataformas de petróleo no norte do país.

Inicialmente, as pesquisas mostravam que a maioria dos escoceses era contra a independência e queria continuar sendo parte do Reino Unido. Nas últimas semanas, a campanha pelo "sim" começou a crescer. Neste fim de semana, pela primeira vez uma pesquisa mostrou a campanha pela independência na frente, com 51% da intenção de voto, contra 49% do "não". Com a votação se aproximando, os ânimos na Escócia e em todo o Reino Unido se acirraram. É nesse contexto que os políticos locais se perguntam se o nascimento de mais um filho da família real poderá mudar o humor dos eleitores.

Foto: Daily Mail

O príncipe Charles, primeiro na sucessão ao trono, usando um kilt (a tradicional vestimenta escocesa), durante o Highland Games, na Escócia

A família real é popular na Escócia. É lá, por exemplo, que a rainha passa suas férias de verão, no Castelo de Balmoral. O príncipe Charles, primeiro na sucessão ao trono, estava nas capas dos jornais escoceses na última semana, em uma foto usando um kilt (a tradicional vestimenta escocesa), durante o Highland Games, os clássicos jogos para celebrar a cultura da Escócia.

Kate, William e o bebê George também gozam de boa reputação. É verdade que, mesmo se a Escócia ficar independente, ela manterá a rainha como chefe de Estado, assim como fazem outros países da Commonwealth, como o Canadá ou a Nova Zelândia. Mas o nascimento de uma nova criança pode ser o elemento de inspiração que falta para convencer os escoceses de que a união com a Inglaterra é positiva. Quando o príncipe George nasceu, por exemplo, o apoio à monarquia bateu recordes em todo o Reino Unido.

Foto: AFP/Getty Images

Antes do anúncio do novo bebê rea, as pesquisas mostram a campanha pela independência na frente, com 51% da intenção de voto, contra 49% do "não".

Os defensores da independência também entraram no jogo. O primeiro-ministro da Escócia, Alex Salmond, parabenizou William e Kate pelo novo filho chamando-os pelos títulos escoceses em vez dos títulos de duque e duquesa, usados comumente.

"Parabéns para o Earl e para a Condessa de Strathearn. É maravilhoso saber que eles estão esperando um segundo bebê - que boa notícia!", escreveu Salmond, principal defensor da independência da Escócia.

Outros nacionalistas criticaram o timing do anúncio, se perguntando se a família real decidiu anunciar o bebê agora para interferir no resultado do referendo. Oficialmente, a família real se mantém neutra sobre a votação.

Enquanto os políticos debatem, os internautas foram às redes sociais fazer piadas e memes. O jornalista britânico Piers Morgan, por exemplo, brincou com o nome do bebê. "A rainha propõe chamar o bebê de William Wallace Robert Bruce Burns se os escoceses votarem não", brincou no Twitter, se referindo a três figuras históricas da luta pela independência da Escócia.

Nenhum comentário: