18 de jan de 2011

PERNAMBUCO: “MEU FILHO, MEU TESOURO”: Eduardo só confia na mãe

PERNAMBUCO
“MEU FILHO, MEU TESOURO”: Eduardo só confia na mãe
Duduzinho vai colocar a mamãe dele, Ana Arraes, como líder do partido, PSB, na Câmara dos Deputados, na próxima legislatura. Que fofo! Ciro e Cid Gomes que não têm mãe deputada, estão estrilando de inveja e tentando reunir mais descontentes querendo bagunçar a festa familiar do pernambucano. Postulam para o cargo, em substituição a mãe do presidente do Partido, o traidor tucano Gabriel Chalita. A explicação é que Eduardo Campos, cheio de grandes pretensões futuras, precisa de um líder na Câmara em que possa confiar. Olhou em toda a bancada e não encontrou ninguém mais confiável, que a deputada que o amamentou.

Foto: Divulgação

FILHOCRACIA - Eduardo e Ana Arraes na foto da campanha. Eduardo protege-se debaixo das saias da mãe, para enfrentar os meninos maus da vizinhança partidária.

Postado por Toinho de Passira
Fontes: Poder Online, Blog do Josias de Souza, PB Agora, Diário do Nordeste, Estadão,
Folha de São Paulo

Eduardo Campos (PSB-PE), 46 anos, governador de Pernambuco e presidente do Partido Socialista brasileiro, decidiu colocar a sua mãe, Ana Arraes (PSB-PE), 63 anos, a deputada Federal mais votada no estado, 387.581 votos, para líder do partido na Câmara Federal. E assim será feito.

Desde pequeno Dudu era um bom menino, obediente, estudioso e bem educado. Escovava voluntariamente os dentes antes de dormir, e comia sem reclamar brócolis nas refeições. Não tardou se tornar queridinho do avô, o lendário Miguel Arraes, que viu nele a possibilidade de continuação política na família.

Entre os ensinamentos ofertados ao neto, Arraes passou-lhe a máxima de que “em política se dever fingir confiar em todos e não confiar em ninguém”.

O neto teria perguntado: “nem em mamãe?”

Arraes teria respondido: “Se ela não tiver concorrendo com você, pode confiar...”

Usando do direito de espernear, os coleguinhas governador do Ceará, Cid Gomes (PSB-CE) e seu irmão, o quase ex-deputado, Ciro Gomes (PSB-SP), estão umas arararinhas, com o poder ditatorial de Eduardo que “casa, batiza e põe o nome da criança” dentro do partido, PSB.

Foto: Arquivo

BAD BOYS - Os irmãos Gomes, Ciro e Cid, uniram-se para destruir os castelos de areia de Eduardo.

A dupla - Cid e Ciro Gomes - tem muitos motivos pessoais para estar insatisfeito com Dudu, desde que ele preferiu apoiar Dilma desde o primeiro momento, a deixar Ciro sair candidato pela legenda que preside.

Eduardo teria, em troca, prometido batalhar por um Ministério para o cearense paulista, Ciro Gomes, num eventual governo Dilma. Na hora aprazada, não se sabe se Eduardo não fez toda a força que Ciro esperava, ou se Ciro exagerou querendo uma fatia maior do bolo, o Ministério da Saúde, ao invés da sobremesa do Ministério da Integração Nacional que lhe foi ofertado. O fato é que Ciro ficou sem Ministério e Eduardo emplacou na vaga, como queria desde o principio, o seu amiguinho de estimação, Fernando Bezerra Coelho.

A Ciro desagrada também, as citações de outros líderes políticos e a clara ambição de Eduardo em pleitear a cadeira de Dilma no Palácio do Planalto, numa eleição futura. Enquanto fica cada vez mais raro alguém se lembrar dele para a mesma propositura.

Por isso, os dois irmãos, estão sabotando a candidatura de Ana Arraes, na liderança do Partido na Câmara. Tentam dividir a legenda criando alas antagônicas, nordestinas e sulistas, para surfarem numa onda de descontentamento, na praia de Eduardo.

O argumento de Cid Gomes é que o partido deveria escolher como líder alguém do sul do país para ganhar mais dimensão nacional, deixar de ser uma agremiação forte apenas no nordeste> Nas últimas eleições, o PSB elegeu seis governadores, apenas um é do Sul do País: Renato Casagrande (Espírito Santo). Além de Cid, no Ceará e Eduardo Campos, em Pernambuco, os demais gestores socialistas são Wilson Martins (Piauí), Camilo Capiberibe (Amapá) e Ricardo Coutinho (Paraíba).

Essas questiúnculas, reforçam as pretensões do ex-tucano, Gabriel Chalita (PSB-SP), de 41 anos, 560 mil votos, o segundo mais votado no estado, perdeu apenas para Tiririca, que se põe publicamente candidato ao cargo em confronto a indicação do nome de Ana Arraes.

O líder do partido na Câmara é uma peça fundamental na montagem dos contrapontos de poder partidário, pois tem o poder de indicar os seus liderados para as comissões e é o primeiro negociador entre os interesses do partido e o governo federal.

Por precisar de alguém de confiança exercendo esse papel no congresso levou Eduardo a indicar a sua mãe para o cargo. Talvez não tivesse feito se a candidatura de Chalita não tivesse ganhado musculatura fora do controle dele, Eduardo Campos.

Foto: Niels Andreas/Agência Estado

PROFISSÃO TRAIDOR - Chalita, o menino ambicioso, depois de se rebelar no ninho tucano, quer agora, atropelar a mãe de Eduardo. Comprou uma briga feia e vai se dá mal.

O perfil do deputado paulistano, não é dos mais confiáveis. Novato na legenda, oriundo do PSDB, depois de ter brigado publicamente com José Serra, atualmente abriu espaços e indicou secretários no governo de Geraldo Alckmin. Ambicioso sonha em ser Prefeito de São Paulo. Agressivo, tentou inutilmente boicotar a nomeação do presidente estadual do PSB, o deputado Federal, Márcio França, para secretario de Turismo do governo paulista.

Numa disputa entre Chalita e Márcio França, Eduardo, em quaisquer circunstâncias, confia, apóia e decide em favor do último, por afinidades diversas. França, por exemplo, nunca pertenceu a outro partido, a não ser o PSB.

Na ânsia de crescer Chalita tem atirado em todas as direções. Nas indicações dos ministérios, candidatou-se para o Ministério da Cultura, não foi apoiado por Eduardo e perdeu para outra Ana, Ana Buarque de Holanda, apadrinhada pelo irmão, o compositor e escritor Chico Buarque de Holanda.

Inquieto, Chalita espalha uma superfaturada ligação política com Geraldo Alckmin e insinua que o atual governador de São Paulo, só não lhe ouve mais, para não arranjar uma encrenca do José Serra, seu arquiinimigo. Dizem que o poder de Chalita é derivado da sua proximidade com a mulher de Alckmin, Lou Alckmin, de quem é amigo.

A indicação de Ana Arraes é pacificamente apoiada pelo resto do partido. As inquietações anunciadas por Chalita e apoiada pela ala cearense do partido é um fato isolado. Eduardo Campos tem o PSB na palma da mão e jamais faria uma indicação como essa, da própria mãe, se não tivesse certeza de sua sustentabilidade.

O blog de Josias de Souza comenta o incidente socialista, dizendo que “um dos futuros “liderados” de Ana Arraes murmurou ao repórter: “O nosso jovem governador se orgulha de chefiar uma gestão moderna...”

“...Instituiu metas, cobra eficiência, contrata pela meritocracia. Curioso que, na Câmara, queira impor uma líder com base na filhocracia".

Esse comentário agressivo, aparentemente anônimo, tem as digitais de Chalita.

Foto: Marcelo Soares/JC Imagem - Arquivo

FILHINHOS DA MAMÃE - Eduardo e mamãe Ana Arraes, Ciro e mamãe Maria José Gomes. Ciro também é bom filho, não esquecer que por duas vezes, em dezembro de 2007 e abril de 2008 ele usou sua conta aérea na Câmara para pagar as passagens aéreas de sua mãe para Nova York, com passaporte diplomático e tudo, supõe-se. Mal educado porém, não respeitou as mães do promotores: quando disseram que iam investigar a irregularidade ele teria mandado o Ministério Público para a “puta que o pariu”.


Um comentário:

Ajuricaba disse...

Bem fez Dudu em dar uma rasteira nesse dois serrergonhas. Trairas de todos, só não um do outro