5 de jan de 2011

OPINIÃO: Um reino na república

OPINIÃO
Um reino na república
“Ainda não foram anunciadas ações da presidente. A se avaliar por seu plano de governo, o brasileiro permanecerá sob o jugo do crime organizado e, mais ainda, do desorganizado.”

Foto: Getty Images

DILMA LADEADA POR PALOCCI - ”Pelo que se desenha com os gestos dos recém-empossados, está mantida a política de agradar a bandido.”

Demóstenes Torres
Fonte: Blog do Noblat

Um fantasma ronda o novo governo, como já cercou seu antecessor, e não são os companheiros que aparecem na folha de pagamento e nunca nas repartições. É o espectro da violência.

Em novo espasmo, o tema volta à tona porque governadores pedem à presidente Dilma Rousseff a volta do PAC da Segurança. Imerso na inércia desde 2007, acelerou apenas o crescimento da intranqüilidade. Pelo que se desenha com os gestos dos recém-empossados, está mantida a política de agradar a bandido.

As medidas frouxas da era Lula estabeleceram o império da impunidade na república do crime. Sai ministro, entra ministro, e os infratores continuam protegidos, enquanto a população vê blindado ocupar e traficante aos magotes sair do morro para entrar no mato e dali para o esquecimento. Até quando comemora a ocupação de favelas o governo o faz sem prender, como se houvesse delito sem autor. A pacificação ocorre sem apreender bens valiosos, algemar líderes ou mexer em conta bancária.

Ainda não foram anunciadas ações da presidente. A se avaliar por seu plano de governo, o brasileiro permanecerá sob o jugo do crime organizado e, mais ainda, do desorganizado.

Se estão pouco ligando para os chefões, imagine-se a omissão das autoridades quando os personagens são considerados menos danosos – o batedor de carteira é tido como pouco prejudicial, desde que não se pergunte ao dono da carteira subtraída. Graúdos ou pequenos, os malfeitores precisam temer o estado.

Dilma está com a oportunidade de mostrar, inclusive na segurança pública, que não se resume a fantoche de Lula. Ele deu péssimos exemplos, como acoitar larápios, forçar sua bancada ao direito penal ínfimo, só não indultar condenados quando traído pelo esquecimento e encerrar seu tempo envolvido com um criminoso internacional condenado a prisão perpétua por matar quatro pessoas. Caso seja essa também a nova política, o Brasil vai continuar convivendo com comunidades pacificadas em que a única pena cumprida por traficante é correr entre morros.

Está entre as promessas aproveitar a experiência carioca das Unidades de Polícia Pacificadora. O problema é que, nelas, o traficante muda de endereço sem perder as mordomias nem as fontes de recurso, longe dos blindados das Forças Armadas, aqueles de várias rodas imunes a tiros de fuzil. (Os blindados do governo são aqueles de duas pernas com fuzil pendurado nos pescoços imunes à lei.) Um desafio do novo governo é, finalmente, eles se encontrarem, porque até agora o motor de uns tem sido abafado pelo riso dos outros.


Demóstenes Torres é procurador de Justiça e senador (DEM-GO)

*Acrescentamos subtítulo, foto e legenda ao texto original

Um comentário:

Anamaria disse...

Toinho, amenidades, please!
Tô doida por ver e ler seu texto sobre a Lilly Marinho!
Será espetacular!
Beijos!
Anamaria