25 de jan de 2011

CUBA: Velhinhos - Yoani Sánchez

CUBA
Velhinhos
A blogueira cubana Yoani Sánchez fala da velhice abadonada pelo poder público cubano

Foto: Orlando Luis Pardo Lazo/Geracion Y

Yoani Sánchez
Fonte: Geración Y - Desde Cuba

Comprou uma caixa de cigarros fortes mesmo sem ser fumante, uma bolsa de lona para encomendas apesar de levar outra consigo e dois monótonos exemplares do Granma de um mesmo dia. Fê-lo para ajudar esses velhinhos de corpos trêmulos e olhos manchados que vendem quinquilharias sem fim nas ruas de Havana. Gente com as pernas enrijecidas pela artrose, a bengala completando sua anatomia desajeitada e o cabelo encanecido pelos anos. Anciões e anciãs jogados no mercado informal exibindo sua mercadoria escassa nas entradas das avenidas Reina, Galiano, Monte e Belascoaín. Septuagenários obrigados a revender sua cota de alimentos – cada vez mais reduzida – e avozinhas de rosto triste que comem graças aos caramelos ou aos cones de amendoim que elas mesmas oferecem na saída das escolas.

Milhares de velhinhos cubanos tem tido que voltar – no final de suas vidas – para uma jornada de trabalho, desta vez marcada pela ilegalidade e o risco. Mãos que tremem pelo Parkinson exibem gulodices açucaradas nas paradas dos ônibus, rostos enrugadíssimos nos olham enquanto dizem que tem lâminas de barbear por somente cinco pesos. Suas pensões são extremamente baixas e o descanso merecido que planejavam ter converteu-se em dias agitados se escondendo da polícia. O sistema que ajudaram a edificar não pode hoje lhes dar uma velhice digna, não consegue lhes evitar a miséria.

Desajeitado e arrastando os pés, aquele octogenário da esquina apregoa que tem esponjas para esfregar e tubos de cola “louca” que cola tudo. Uma garota passa e verifica o conteúdo da sua moedeira, não chega nem para um nem para outro, porém amanhã voltará e para ajudá-lo comprará alguma coisa dele, mesmo que seja um desses jornais nacionais que só publicam rostos de anciões felizes e satisfeitos.


*Traduzido por Humberto Sisley de Souza Neto

Um comentário:

Anônimo disse...

Não foram esses velhinhos que aclamaram e apoiaram Chê e Fidel quando jovens? Será que estão arrependidos?
Que lutaram contra "Los Imperialistas Americanos"
Que achavam que eram explorados pelo turismo do Tio Sam?
Que gritavam "Viva la Revolución"?
Tem o que merecem assim com terão os futuros velhinhos do Brasil do Lula e do PT.
Pena? Nenhuma. Insensível? Não apenas cada povo tem o governo que merece e eu respeito.
Phodan-se.