19 de dez de 2010

ELEIÇÕES 2010: Cerimônia de diplomação

ELEIÇÕES 2010
Cerimônia de diplomação
O Superior Tribunal Eleitoral em Brasília, a exemplo dos TREs de todo o país, procedeu nestes últimos dias da semana a diplomação dos candidatos escolhidos pelos brasileiros para comandar o país nos próximos quatro anos, no Poder Executivo Federal e Estadual, mais o Congresso Brasileiro (Câmara e dois terço do Senado) mais as Assembléias Estaduais. Quando a gente vê a qualidade dos escolhidos, sente que só eles têm motivos para comemorar

Foto: Valter Campanato/Abr

DIPLOMAÇÃO - Vice-presidente eleito, Michel Temer, Ministro Ricardo Lewandowski, presidente do TSE e Dilma Rousseff, a presidente eleita, na cerimônia da Diplomação. Que Deus não castigue os brasileiros por suas escolhas, Amém!

Postado por Toinho de Passira
Fontes: G1, Estadão, O Globo, Agência Brasil

A cerimônia de diplomação da presidente eleita, Dilma Rousseff e do vice dela, Michel Temer, aconteceu no plenário do Tribunal Superior Eleitoral, conduzida pelo Ministro Ricardo Lewandowski, presidente da corte.

Cerca de 250 pessoas foram convidadas para a cerimônia.

O diploma recebido pela presidente e vice estão assinados pelo presidente, ministros do TSE e procurador-geral eleitoral, Roberto Gurgel – é um “comprovante” da Justiça Eleitoral que habilita a presidente eleita e o vice a tomar posse no dia 1º de janeiro.

O texto do diploma de Dilma tem a seguinte redação:

"Pela vontade do povo brasileiro, expressa nas urnas em 31 de outubro de 2010, a candidata pela coligação Para o Brasil Seguir Mudando, Dilma Vana Rousseff, foi eleita presidente da República Federativa do Brasil. Em testemunho desse fato, a Justiça Eleitoral expediu o presente diploma, que a habilita à investidura do cargo perante o Congresso Nacional no dia 1º de janeiro de 2011, nos termos da Constituição."
No breve discurso que fez após receber o diploma de presidente eleita do Brasil, Dilma Rousseff afirmou que é uma “grande responsabilidade” suceder um presidente da “estatura” do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Ela prometeu “honrar as mulheres, cuidar dos mais frágeis e governar para todos".

Fez referência ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ao desafio que será sucedê-lo no cargo.

“Sei que há muitas expectativas sobre o governo que iniciaremos em janeiro próximo. Sei da responsabilidade de suceder Lula, dos desafios que nosso futuro comporta”.

“Quanto orgulho temos de ver um homem do povo conduzindo o país para um momento de extraordinário avanço social e econômico. Foi esse mesmo sentimento que fez o povo eleger uma mulher presidenta”.

“Para além da minha pessoa, esse fato representa a crescente maturidade da nossa democracia. Rompe com os preconceitos, desafia os limites e enche de esperança um povo sofrido e de orgulho as mulheres brasileiras”.

Dilma afirmou que dará prioridade para as áreas de educação, segurança e saúde e que cuidará para manter a estabilidade econômica e os investimentos. “Defenderei sempre a liberdade de imprensa e de culto, mas reafirmo que nenhuma estratégia política ou econômica é efetiva se não se refletir na vida de cada trabalhador e trabalhadora, empresário e famílias das regiões desse imenso país”.

A presidenta eleita finalizou o discurso dizendo que reparte o diploma com todos os brasileiros. “No Brasil, conto com todos e todas, e todos e todas podem contar comigo”.

O discurso chinfrim e óbvio da candidata não pode ser levado a sério. Pela qualidade do seu futuro ministério, pela condição de refém das alianças e da previsível supervisão intervencionista de Lula, as expectativas não podem ser das mais otimistas.

Foto: Assembleia de São Paulo/O Globo


DIPLOMAÇÃO DAS ESTRELAS - Em São Paulo a diplomação dos 94 deputados estaduais, 70 federais, dois senadores e seus suplentes, o governador e o vice, tiveram como estrelas principais, os candidatos eleitos deputados federais Francisco Everardo Oliveira (PR-SP), o Tiririca, e Paulo Maluf (PP-SP). Os dois representam quase dois milhões de votos dados pelos eleitores paulistas. Cadê aquela moça que criticava os nordestinos por não saber votar?

Como novidade duas piadas nada sutis: Tiririca disse que está lendo a Constituição e Paulo Maluf, recém ficha limpa, criticou o aumento dado pelo Congresso aos parlamentares e elogiou a justiça brasileira, possivelmente por não ter conseguido lhe por numa cadeia definitiva até hoje. Das galerias registrou-se vaias para Maluf e aplausos para Tiririca.

Foto: RicardoStuckert/PR

DESELEGÂNCIA E MELANCOLIA - Depois da diplomação em Brasília, aconteceu um coquetel no Itamarati, para os diplomados. A imagem era de uma Dilma sorridente e bem produzida, um Lula melancólico e uma Marisa vestida desastradamente com intrigantes babados e laçarotes.

Nenhum comentário: