23 de fev de 2011

LÍBIA : Kadafi resiste em meio a um banho de sangue

LÍBIA
Kadafi resiste em meio a um banho de sangue
A rebelião líbia é até agora a mais sangrenta das revoltas que varreu o mundo árabe com uma velocidade surpreendente, nas últimas semanas, derrubando autocratas no Egito e na Tunísia, e desafiando os outros no Bahrein e Iêmen. Mesmo os que já esperavam uma reação cruel e violenta por parte do coronel Kadafi, assutam-se com o que já aconteceu e temem com o que estar por vir

Foto: Líbia televisão estatal, via Associated Pres

""Não sou presidente, não posso renunciar. Se tivesse um cargo renunciaria" , disse Kadafi na TV estatal

Postado por Toinho de Passira
Fontes: The New York Times, El Universal, ”thepassiranews”, Reuters, , El Pais, Estadão, Guardian,

O líder líbio, coronel Muamar el Kadafi, prometeu nesta terça-feira, num pronunciamento pela TV, morrer na Líbia como um mártir.

"Eu não vou deixar esta terra, morrerei aqui como um mártir", disse Kadafi na televisão estatal. Recusando os pedidos feitos por seus próprios diplomatas, soldados e aos manifestantes das ruas que exigem o fim de seu governo de quatro décadas.

"Muammar Kadafi é o líder da revolução. Não sou um presidente para renunciar... Este é o meu país. Muammar não é um presidente para deixar o cargo, Muammar é o líder da revolução até o final dos tempos."

"Eu permanecerei aqui desafiador", completou Kadafi, falando do lado de fora de uma de suas residências, bastante danificada num bombardeio dos Estados Unidos de 1986 durante uma tentativa de assassiná-lo.

Foto: El Pais

Diante do edifício, de onde ele falou, há um monumento de um punho gigante esmagando um caça norte-americano.

No pronunciamento, sinuoso como de hábito, Kadafi, que fala, dele mesmo, na terceira pessoa, pediu que seus partidários saíssem às ruas, dizendo que os manifestantes estavam condenados à pena de morte. Ele também prometeu uma reformulação vaga nas estruturas do governo.

Kadafi disse ainda que os responsáveis pelos distúrbios são "ratos e mercenários" que querem transformar a Líbia em um Estado islâmico.

O líder afirmou que vai "limpar casa a casa da Líbia" se os manifestantes não se renderem.

Ironicamente disse que ainda não usou a força contra os manifestantes, mas que o fará se for necessário.

"Protestos pacíficos são uma coisa, mas rebelião armada é outra", disse.

Foto: The New York Times

Cerca de 10.000 partidários do líder líbio, coronel Kadafi, reuniram–se em Tripoli, depois do seu discurso à nação, para lhe manifestar apoio

Mais cedo, testemunhas que atravessaram a fronteira da Líbia com o Egito disseram que Kadafi estava usando tanques, caças e mercenários no esforço de sufocar a rebelião, aparentemente incontrolável.

Na cidade de Tobruk, no leste do país, um correspondente da Reuters no local afirmou que agora só podiam ser ouvidas explosões esporádicas, um sinal recente de diminuição do poder de fogo de Kadafi.

Foto: Reuters

"Todas as regiões do leste estão fora do controle de Kadafi agora...O povo e o Exército estão juntos ali", afirmou o ex-major do Exército Hany Saad Marjaa.

A agência da Organização das Nações Unidas (ONU) para os refugiados, pediu que os vizinhos da Líbia concedam refúgio aos que fogem da insurreição, deflagrada por décadas de repressão e pelas revoltas populares que derrubaram os líderes da Tunísia e do Egito.

No lado líbio da fronteira com o Egito, rebeldes anti-Kadafi armados com porretes e fuzis Kalashnikov saudavam os visitantes. Um homem levava um retrato de Kadafi de ponta cabeça com as palavras "o tirano carniceiro, assassino de líbios", disse um correspondente da Reuters que entrou na Líbia pela fronteira.

Milhares de egípcios - há cerca de 2 milhões na Líbia - que lá trabalhavam e residiam estão abandonando o país, 15.000 já haviam cruzado a fronteira.

Na cidade de Al Bayda, no leste do país, o morador Marai Al Mahry disse à Reuters por telefone que 26 pessoas, incluindo seu irmão Ahmed, foram mortos a tiros durante a noite por simpatizantes de Kadafi.

"Eles atiram em você apenas por andar nas ruas", disse ele, soluçando sem parar enquanto pedia ajuda.

Manifestantes foram atacados com tanques e aviões de guerra, afirmou ele.

"Foi uma quantia obscena de tiros", disse uma testemunha, segundo o “The New York Times” falando também do confronto de Trípole. "Eles metralhavam as pessoas que corriam em todas as direções."

"O tiroteio não foi concebido para dispersar os manifestantes", disse um morador, identificado apenas como Waleed. "Ele foi utilizado para matá-los."



A Human Rights Watch afirmou que 62 pessoas morreram nos confrontos em Trípoli nos últimos dois dias, somando-se à conta anterior de 233 mortos. Grupos de oposição apontam para um número muito maior.

A chefe dos direitos humanos da ONU, Navi Pillay, afirmou que a matança poderá ser considerada crime contra a humanidade e exigiu uma investigação internacional.

Foto: Al Jazeera

O ditador líbio, coronel Muamar el Kadafi

Desde que se falou que as revoltas que foram bem sucedidas na Tunísa e no Egito espalhar-se-ia pelo mundo árabe, sabia-se que quando esse surto de anseio de liberdade chegasse à Líbia as coisas iam ser mais difíceis, mais cruéis, mais desumanas.

O ditador líbio, coronel Muamar el Kadafi, 68 anos, é um homem violento na essência, está no poder por quase 42 anos, e governa com as mãos ensanguentadas, desde 1 de Setembro de 1969, quando liderou uma revolução e depôs o velho rei Idris I, 91 anos, que estava há 18 anos no trono.

Logo após a tomada do poder Kadafi declarou ilegais as bebidas alcoólicas e os jogos de azar, exigiu e obteve a retirada americana e inglesa de bases militares e expulsou as comunidades judaicas.

Nos anos 90 passou a ser o vilão do planeta por financiar toda a espécie de terrorismo contra americanos e seus aliados, principalmente contra Israel.

Entre as proezas de financiamento terroristas de Kadafi, estão o “atentado de Lockerbie” quando uma bomba explodiu no voo 103 da Pan Am em 21 de dezembro de 1988, quando sobrevoava a cidade escocesa de Lockerbie, matando 270 pessoas (259 no avião e 11 na terra). Entre os mortos 189 eram cidadãos americanos.

Também financiou e apoiou o grupo terrorista conhecido como Setembro Negro responsável pelo massacre de Munique, onde 11 atletas israelenses foram assassinados durante as Olimpíadas de 1972.

Nos últimos 11 anos, por ter adotado uma política externa sem agressões diretas, começou a ser aceito pela lentamente pela comunidade internacional. Havia ficado livre das sanções que lhe haviam sido impostas tanto pela ONU, quanto pelos Estados Unidos.

Agora Kadafi sente o hálito da multidão no seu cangote autoritário e reage como um leão enfurecido.

Nesta segunda-feira surgiram especulações de que Khadafi havia deixado Trípoli.O chanceler britânico, William Hague, disse ter informações sobre uma possível ida de Khadafi à Venezuela, o que foi negado pelo governo venezuelano e depois pelo próprio Kadafi, que fez uma breve aparição na TV estatal, para dá fim aos rumores:

"Eu quero mostrar que estou em Trípoli e não na Venezuela", disse Kadafi, para cameras. Aproveitou para chamar os proprietários dos canais de notícias que haviam informado sua fuga do país, de "cães vadios".

O correspondente da BBC no Cairo Jon Leyne relata que Khadafi aparentemente perdeu o apoio da maioria dos setores da sociedade.

Foto: Seth Wenig/Associated Press

Abdurrahman Mohamed Shalgham, o chefe da delegação da Líbia, na ONU, um dos poucos diplomatas que continua fiel a Kadafi, de quem se diz amigo de infância: "Eu posso criticá-lo, mas não posso atacá-lo."

Nesta segunda-feira, em ato de rompimento com o líder, membros da delegação de diplomatas da Líbia na Organização das Nações Unidas pediram uma intervenção internacional contra a onda de violência no país.

O vice-embaixador da Líbia, na ONU, Omar Al-Dabbashi, fez um apelo por proteção aos cidadãos, alegando que está em curso um "genocídio" patrocinado pelo governo líbio contra manifestantes.

O embaixador da Líbia nos Estados Unidos, Ali Aujali, renunciou e pediu a saída de Muamar Kadafi do poder, junta-se a outros embaixadores da Índia, China e Austrália, que decidiram deixar o cargo em protesto contra o uso da violência. De acordo com o jornal “Quryna”, o ministro da Justiça, Mustafa Abdal Khalil, também renunciou pelo mesmo motivo.

Al Manara, um site Web da oposição, informou que um alto oficial militar, o coronel Abdel Fattah Younes em Benghazi, resignado, o jornal Asharq al-Awsat informou que o coronel Kadafi havia ordenado que um dos seus principais generais, Abu Bakr Younes, ser colocado sob prisão domiciliar depois de desobedecer uma ordem para usar força contra manifestantes em várias cidades.

Foto: Reuters

Um dos pilotos líbios deixa o Mirage da Força Aérea da Líbia, em Malta. Os militares fugiram do país por negarem-se a obedecendo ordens de Kadafi de atirar nos manifestantes

Dois pilotos de caça da Líbia ordenou a bombardear os manifestantes mudaram de curso e, em vez desertou para Malta, de acordo com funcionários do governo maltês citado pela Reuters.

O governo líbio tem tentado impor um blecaute de informação do país. Os jornalistas estrangeiros não podem entrar. acesso à Internet foi quase totalmente cortado, apesar de alguns manifestantes parecem estar usando conexões via satélite. muitas novidades sobre o que está acontecendo veio a partir de entrevistas por telefone com as pessoas dentro do país. Vários moradores relataram que o serviço de telefonia celular foi para baixo, e até mesmo serviço de telefone fixo esporádicos.

"Há mortos nas ruas, você não pode mesmo buscá-los", disse ele por e-mail. "O Exército está atirando em todo mundo. Isso não impediu as pessoas de continuar. "

Embora o resultado da batalha é impossível determinar, alguns manifestantes disseram que o derramamento de sangue em Tripoli apenas redobrou sua determinação.

"Ele nunca vai abandonar seu poder", disse um deles, Abdel Rahman. "Este é um ditador, um imperador. Ele vai morrer num estalar de dedos. Já não estamos com medo. Estamos prontos para morrer depois do que vimos. "


Nenhum comentário: