30 de dez de 2011

Chávez acusa USA de plantar câncer em lideres latinos

VENEZUELA
Chávez acusa USA de plantar câncer em lideres latinos
Num discurso para as Forças Armadas da Venezuela, o presidente Hugo Chávez disse achar estranhos que tantos líderes latinos americanos, Cristina Kirchner, Lula, Dilma Rousseff, Fernando Lugo e ele, tenham sido diagnosticados sucessivamente com câncer em tão curto período. Para ele, mesmo afirmando não possuir evidencias, diz acreditar que essa poderia ser uma estratégia norte-americana de "minar" esses representantes. Ou seja, a CIA estaria de alguma maneira fazendo os políticos latinos contraírem a doença. O governo dos EUA rechaçou as declarações de Chávez.

Foto: Reuters

O presidente Hugo Chávez falando para as Forças Armadas, insinuou que uma onda de câncer entre os líderes da região pode ser um complô dos EUA.

Postado por Toinho de Passira
Fontes:Daily Mail, Portal Terra, Exame, The Guardian, Correio Braziliense

Enquanto Hugo Chávez chamava costumeiramente George W Bush de diabo e comparava Barack Obama com um palhaço, o governo americano não tomou conhecimento. Mas os ataques verbais habituais de Hugo Chávez, aos americanos tomaram um rumo incomum esta semana, quando o presidente venezuelano sugeriu que Washington poderia estar por trás de uma onda de câncer entre os chefes de Estado latino-americanos.

"Não soaria tão estranho que eles tivessem inventado a tecnologia para a propagação do cancer...” Falou após ter se solidarizado com a presidenta da Argentina Cristina Fernández de Kirchner que anunciou neste final de ano que tinha sido diagnosticada com câncer de tireóide e seria submetido a uma cirurgia em janeiro.

O presidente da Venezuela, falando na quarta-feira durante um discurso de fim de ano para as Forças Armadas, Chávez deu a entender que uma onda de câncer entre os líderes da região pode ser um complô dos EUA.

Afirmou que não pretendia "lançar acusações temerárias", mas considerou "muito estranho" o fato de cinco lideres sul-americanos terem sido diagnosticados com a doença recentemente.

"É muito difícil explicar o que está acontecendo conosco na América Latina, mas não deixa de ser estranho, muito estranho", completou Chávez.

"Talvez se descubra dentro de 50 anos" esse suposto plano americano para induzir ao câncer, disse o presidente, no poder desde 1999. "Não sei, só deixo para reflexão", acrescentou durante o evento, transmitido ao vivo pela televisão estatal.

O chefe de Estado venezuelano também deu as "boas vindas" à cúpula de "vencedores do câncer", que ele planeja realizar no começo de 2012 e à qual se prevê que participem seus colegas de Brasil, Dilma Rousseff, e Paraguai, Fernando Lugo, bem como o ex-presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva.

Falando na quarta-feira durante um discurso de fim de ano para as Forças Armadas, Chávez deu a entender que uma onda de câncer entre os líderes da região pode ser um complô dos EUA - embora admita não ter provas e não quer estar fazendo "imprudentes" as acusações. Esbora já estivesse fazendo.

"Repito: não estou acusando ninguém estou simplesmente aproveitando minha liberdade para refletir diante de alguns acontecimentos muito estranhos e difícil de explicar". - disse ele no evento, transmitido ao vivo pela televisão estatal.

Foto: Reuters

Chávez: "É muito difícil de explicar, diante da lei das probabilidades, o que tem acontecido com alguns líderes da América Latina".

Apesar de alegar não ter provas Chávez deu a entender que outros líderes latino-americanos devem estar atentos - e recordou como os médicos dos EUA teriam infectado deliberadamente 2.500 guatemaltecos, inclusive crianças, com doenças sexualmente transmissíveis durante a década de 1940.

Mandou Evo Morales, presidente da Bolívia e Correa, do Equador, terem cuidado.

Chávez disse ter recebido palavras de advertência do ex-líder de Cuba Fidel Castro, supostamente alvo de dezenas de planos de assassinato frustados elaborados pela CIA, tentativas muitas vezes bizarras, incluindo um terno infectado com fungo e um charuto explosivo.

"Fidel sempre me disse: 'Chávez cuidado. Essas pessoas podem ter desenvolvido tecnologias. Você é muito descuidado. Tome cuidado com o que você come, o que eles lhe dão de comer... uma agulha pequena e eles injetam-lhe não sei o quê', disse.

Enquanto isso a economia da Venezuela continua intimamente ligado a dos Estados Unidos - o país da América do Sul exporta mais de 800 mil barris de petróleo dia para os States. Os venezuelanos precisam dos dolares americanos e os EUA precisam da exportação venezuelana. Sabe-se que os acordos comerciais de petroleo entre os dois países são cumpridos rigorosamente sem nenhum atropelo.

Politicamente, porém, Chávez não deixa de lançar ataques verbais, alguns deles beirando o ridiculo, sobre Washington.

Além dos insultos, Chávez também acusa os EUA de ter um plano para invadir o seu país e o envolvimento da CIA em uma tentativa de golpe, que ele sofreu em 2002.

O governo dos Estados Unidos rechaçou oficialmente as declarações de Chávez, sobre o vírus do câncer. O Departamento de Estado dos EUA chegou a qualificar a declaração de “horrenda e censurável”

No final de junho Chávez admitiu que estivesse se tratado de um câncer, afirmando que os médicos cubanos haviam removido "as células cancerosas" de seu corpo. De todos os canceres diagnosticados nos políticos latino, recentemente, o câncer de Chávez parece ser o mais grave e talvez terminal, segundo alguns especialistas.

Foto: Fernando Llano/Associated Press

O presidente Hugo Chávez durante a ceremonia comemorativa do 181º aniversario de morte do herói da independência venezuelana Simon Bolivar, em Caracas,Venezuela, em 17 de dezembro.

Chávez, sabe que seu câncer pode matá-lo à curto prazo, e não vacila em preparar a sua própria lenda. Não quer ser lembrado pelos venezuelanos morrendo de uma enfermidade qualquer. Sonha ser o Bolívar do século XXI, para tanto, precisa ser morto, por uma conspiração internacional, enquanto defendia o seu país.


Nenhum comentário: