15 de dez de 2013

Iranianos temem mais Fernanda Lima que o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, de Camelia Entekhabi-Fard, para o Asharq Al-Awsat

IRÃ - Opinião
Iranianos temem mais Fernanda Lima que o
primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu
Nos minutos críticas do sorteio, da chaves da Copa do Mundo, os iranianos não puderam ver, por causa da vestido de Fernanda Lima. O apresentador do canal do Irã, de um programa de esportes local, disse: “Para ser honesto com você, o vestido da senhora que está apresentando o show não atendem aos nossos padrões de transmissão.”

Foto: Captura de video

Hoje, a Sra. Lima é talvez uma das pessoas mais conhecidas no Irã. A censura do regime acabou tendo o efeito contrário.

Postado por Toinho de Passira
Texto de Camelia Entekhabi-Fard*
Fontes: Asharq Al-Awsat, Prosa & Política

Os iranianos adoram futebol, a maior fonte de entretenimento e emoção no país. Mas agora, o direito de ter um programa nuclear e a luta contra os inimigos do país estão na mente de cada iraniana, e essas preocupações vêm em primeiro lugar, mesmo quando as pessoas estão assistindo o futebol.

De acordo com os clérigos conservadores que governam o Irã, os inimigos do país não querem derrubar a República Islâmica com a guerra e confronto aberto. O líder supremo , aiatolá Ali Khamenei, não teme os exércitos modernos dos EUA ou Israel. Mas esses clérigos temem a liberdade de expressão e da hegemonia cultural.

Restrições sobre o comportamento público e punições severas por violar estas restrições (mesmo na ausência de uma lei clara), em particular para as pessoas vestindo roupas de estilo ocidental, sempre fizeram parte da identidade da República Islâmica. Mas muitos iranianos têm antenas parabólicas em casa, o que lhes permite assistir o que quiserem, independentemente do que o regime proíbe. Os canais de televisão estatais são em sua maioria chatos e conservadores; há sempre um clérigo heterogêneo usando um turbante preto, ou talvez branco, falando sobre arte ou sociedade ou religião e política. Quem quer assistir isso?

A falta de programas de entretenimento na TV no ​​Irã é o que tem feito a programação por satélite ser tão popular. Mas há momentos em que os canais locais são necessários, como se você quer assistir notícias locais ou ao futebol iraniano. É aí onde nós nos encontramos uma semana atrás: uma das raras circunstâncias em que milhões de iranianos estavam assistindo um canal iraniano para ver o sorteio da Copa do Mundo.

Nos minutos críticas do sorteio, aconteceu algo que perturbou muitos espectadores: o programa foi cortado antes dos jogos terem sido sorteados. Irritados, os iranianos imploravam por saber qual equipe iria enfrentar o Irã na Copa do Mundo, mas o programa permanecia fora do ar. Eles não sabiam o que tinha acontecido, mas acontece que, Fernanda Lima, a modelo brasileira que apresentava o sorteio da Copa do Mundo, estava usando um vestido muito atraente.

Adel Ferdosipour, o apresentador do canal do Irã, de um programa de esportes local, disse: “Para ser honesto com você, o vestido da senhora que está apresentando o show não atendem aos nossos padrões de transmissão.”

Esse corte no programa provocou milhares de iranianos irritados com acesso à Internet a ir na página Facebook da Sra. Lima e postar mensagens incrivelmente insultuosas, culpando-a por (como eles dizem) por “perder o sorteio da Copa do Mundo ao vivo. ”

Poucas horas depois, os iranianos postando tantos comentários que quase haviam tirado do ar a página de Fernanda Lima, do Facebook, por excesso de acessos. Alguns comentários foram escritos em persa, dizendo coisas como: “Te mataria para usar um vestido decente, para que possamos assistir também”

Demorou dois ou três dias para os iranianos, conseguirem localizar no YouTube e em outros sites de redes sociais, para que pudessem constatar o que ela realmente estava usando. Eles começaram a falar sobre sua aparência, o anel que ela estava portava, a cor de seu cabelo, sua figura, e assim por diante. Então, as pessoas começaram a enviar seus pedidos de desculpas em nome de quem a tinha insultado .

Hoje, a Sra. Lima é talvez uma das pessoas mais conhecidas no Irã. A censura do regime acabou tendo o efeito oposto ao que supunham ter. Talvez se o sorteio ao vivo ficasse no ar, a torcida dos fãs de futebol nem teriam prestado muita atenção nela, certamente nada como a atenção que está recebendo agora. Este incidente mostra o que o regime acredita ser uma ameaça para a República Islâmica do Irã, essa é uma preocupação real, independentemente de quanto eles impõem censura ou como são fechadas as fronteiras.

Uma das principais razões por trás da decisão do aiatolá Khamenei para não abrir as portas do Irã para o Ocidente, e especialmente para os Estados Unidos, é o medo de uma invasão cultural. No entanto, em um paralelo diferente do que causou a primavera árabe – a proximidade com o Ocidente – sendo tão fechado e impondo tantas restrições religiosas podem ocasionar uma revolução cultural no Irã. Esta revolução não necessariamente tem que ver com uma mudança no regime. Em vez disso, eles estão lentamente e efetivamente fazendo as mudanças sem recorrer à guerra ou ocupação. Mas, para aqueles que temem este tipo de mudança cultural, a Sra. Lima é mais assustadora que o primeiro-ministro israelense.
*Camelia Entekhabifard, 40 anos, nasceu em Teerã (Irã). É jornalista, poetisa e escritora, cresceu durante os anos da Revolução Islâmica e escreveu para os principais jornais reformistas sobre temas controversos, até ser presa em 1999. Libertada sob a condição de trabalhar para o governo iraniano, fugiu para os Estados Unidos, escreve para Associated Press e Reuters e revistas como o The Village Voice. Reside em Nova Iorque, mas atualmente, passa a maior parte do seu tempo em reportagem no Afeganistão.

Asharq Al-Awsat é primeiro jornal diário do mundo pan-árabe, impresso simultanea e diariamente nos quatro continentes.

OBS: tradução com auxílio do Google Translator

Nenhum comentário: