13 de dez de 2014

No meio do tiroteio, Petrobras resolve aumentar o preço do gás de cozinha, dando mais combustível a inflação

BRASIL – Economia
No meio do tiroteio, Petrobras resolve aumentar o preço do gás de cozinha, dando mais combustível a inflação
Surpreendentemente a decisão da petrolífera brasileira vai de encontro aos preços internacionais do GLP que estão em queda desde setembro. Provavelmente teremos o gás de cozinha mais caro do planeta.

Foto: Givaldo Barbosa /Agência O Globo/VEJA

A CARA DA PETROBRAS - Graça Foster, com seu visual apocalíptico, simboliza perfeitamente a Petrobras de hoje.

Postado por Toinho de Passira
Fonte: Radar Online

Nos tempos do regime militar a esquerda inventou, em certa ocasião, que um general havia proposto aumentar o preço do leite no dia das crianças. Queria creditar aos militares uma inoportuníssima insensibilidade política.

Pois bem, no meio desse furacão, as vésperas do Natal, a Petrobras resolveu aumentar, a partir de hoje, o preço da venda do GLP (o gás de cozinha) no granel – modalidade de consumo de comércios, indústrias e condomínios residenciais. O percentual de reajuste será em torno de 15%, no Rio de Janeiro, e de 18% em São Paulo.

O mais surpreendente e prosaico dessa decisão é que a decisão da petrolífera brasileira vai de encontro aos preços internacionais do GLP que estão em queda desde setembro. No mês passado, atingiram um patamar abaixo do preço cobrado pela Petrobras – a média da tonelada de GLP vinda do Golfo do México, por exemplo, sai hoje 14% mais barata do que a produzida pela encrencada estatal brasileira.

Com a alta, a distância de preços aumentará ainda mais, podendo alcançar até 30% acima do cobrado no mercado internacional. Provavelmente teremos o gás de cozinha mais caro do planeta. Seria oportuno perguntar se a alta visa cobrir o rombo causado pela corrupção gerida pelos diretores da estatal, presidida por Graça Foster, ou querem apenas testar a paciência dos brasileiros?

Como cereja do bolo, especialistas preveem que o aumento terá forte impacto na já desenfreada inflação brasileira.

Feliz Natal e prospero ano novo!

Nenhum comentário: