14 de ago de 2014

Opção do PSB por Marina não será automática – Josias de Souza – Folha de São Paulo

BRASIL – Opinião – Tragédia Eduardo Campos
Opção do PSB por Marina não será automática
Mas o cacique socialista raciocinou em voz alta para o repórter: “Suponha que aceitássemos todas as condições de Marina, disse. Imagine que investíssemos nela recursos financeiros e energia política. Daqui a pouco, ela funda a Rede, pega tudo e vai embora. O PSB ficará com o quê? Nada! Nesse contexto, prossegue o líder socialista, talvez seja melhor lançarmos um nome nosso. Dificilmente deixaríamos de ter algo como 7% ou 8% dos votos”.

Foto: Divulgação

Nas palavras do dirigente partidário, Marina assumiu a condição de vice de Campos como se fizesse “um favor”. Avalia-se que, para virar cabeça da chapa, ela vai impor condições. Algo que provocará um “endurecimento” dos setores que vinham “tolerando'' Marina a pedido Eduardo Campos

Postado por Toinho de Passira
Texto de Josias de Souza para a Folha de São Paulo
Fonte: Blog do Josias de Souza

Não será automática a ascensão de Marina Silva à cabeça da chapa presidencial do PSB, que ficou acéfala com a morte de Eduardo Campos. Hoje, a maioria da Executiva reprovaria a solução, disse ao repórter, na noite passada, um dirigente do partido. Se apostarmos tudo na Marina, qual será o nosso legado?, perguntou. A herança será nula, ele mesmo respondeu. Logo, logo a Marina registra a sua Rede Sustentabilidade e vai embora, completou.

Alguns dos principais líderes do PSB já conversam sobre o futuro. Fazem isso por necessidade, não por opção. Pela lei, o partido terá de tomar uma decisão até sexta-feira (22) da semana que vem. Em respeito ao período de luto, o debate ocorre longe dos refletores. Nada será formalizado antes do funeral de Campos. O diálogo ainda não chegou a Marina, que se recolheu após manifestar respeito ao companheiro morto e solidariedade à família.

As restrições a Marina disseminaram-se pela cúpula do PSB. Hospedada na legenda há dez meses, ela não fez amigos. Ao contrário, colecionou desafetos. Substituto de Campos na presidência da agremiação, Roberto Amaral, não a suporta. O secretário-geral Carlos Siqueira, homem de Campos na coordenação nacional da campanha, decepcionou-se com a vice.

Secretário nacional de Finanças e presidente do diretório de São Paulo, Márcio França teve de atropelar a resistência de Marina para se tornar candidato a vice-governador na chapa do tucano Geraldo Alckmin. O mesmo sucedeu em outras sete Estados nos quais o PSB aliou-se ao PSDB. É contra esse pano de fundo que o partido de Campos discute o seu reposicionamento no jogo sucessório.

A ascensão de Marina dependeria de uma ampla negociação. Prevê-se, no entanto, que ela permanecerá refratária a acordos. Nas palavras do dirigente partidário ouvido pelo repórter, Marina assumiu a condição de vice de Campos como se fizesse “um favor”. Avalia-se que, para virar cabeça da chapa, ela vai impor condições, não o contrário. Algo que provocará um “endurecimento” dos setores que vinham “tolerando'' Marina a pedido Eduardo Campos.

Não há dúvidas no PSB quanto ao cacife de Marina. Mesmo os seus críticos mais cáusticos prevêem que o Datafolha a ser divulgado nos próximos dias confirmará a sua condição de candidata competitiva. Estima-se que a atmosfera de comoção pode inclusive vitaminá-la. Mas o cacique socialista raciocinou em voz alta para o repórter:

Suponha que aceitássemos todas as condições de Marina, disse. Imagine que investíssemos nela recursos financeiros e energia política. Daqui a pouco, ela funda a Rede, pega tudo e vai embora. O PSB ficará com o quê? Nada! Nesse contexto, prossegue o líder socialista, talvez seja melhor lançarmos um nome nosso. Dificilmente deixaríamos de ter algo como 7% ou 8% dos votos.

Sem a presença de Campos, que comandava o PSB com mão de ferro, o partido tornou-se uma federação de interesses dispersos. Ex-ministro de Lula, o presidente Roberto Amaral adoraria, por exemplo, se recompor com o PT e apoiar a reeleição de Dilma Rousseff.

Candidato ao governo do Distrito Federal, praça onde o prestígio de Marina é grande, o senador Rodrigo Rollemberg não se oporia à conversão automática da vice em cabeça de chapa. E o pedaço da legenda coligado ao tucanato nutre um inconfessado desejo de vingança. Dependendo da evolução do debate interno, a opção por uma candidatura alternativa à de Marina pode se converter na única forma de preservar a frágil unidade partidária.

Por ironia, as chances de Marina encabeçar a chapa do PSB serão maiores se o PSDB, interessado em levar a disputa presidencial para o segundo turno, pegar em lanças por ela. Um pedido do governador tucano Geraldo Alckmin, por exemplo, demoveria as resistências do diretório do PSB de São Paulo. Que, associando-se às demais seccionais coligadas com os tucanos, poderia formar a maioria pró-Marina.
*Acrescentamos subtítulo, foto e legenda a publicação original

Nenhum comentário: