23 de ago de 2014

No de "Templo de Salomão" fieis não podem usar câmeras fotográficas, mas, cartões de créditos são bem vindos

BRASIL - Bizarro
No "Templo de Salomão" fiéis não podem usar câmeras fotográficas, mas, cartões de créditos são bem vindos
No primeiro dia de funcionamento na abertura do Templo de Salomão, fiéis da Universl, foram duplamente revistados para não conduzirem nem câmeras, nem celulares, para o interior do templo. Por outro lado, na hora de recolher as contribuições, os voluntários conduziam maquinetas para colher doações em cartões de crédito ou débito. Uma chance de conseguir uma vaga no paraíso em dez prestações, sem juros

Foto:Marcos Alves / Agência O Globo

Inaugurado em julho deste ano, o templo de Salomão fica no bairro do Brás, em São Paulo

Postado por Toinho de Passira
Fonte: O Globo

SÃO PAULO - O Templo de Salomão abriu nesta sexta-feira pela primeira vez suas portas ao público. Um forte esquema de segurança foi montado para não deixar ninguém entrar na nave principal, onde ocorrem os cultos, com celulares ou máquinas fotográficas. Com 126 metros de comprimento e 104 metros de largura, dimensões que superam as medidas de um campo de futebol oficial, o templo construído pela Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd) virou uma atração turística no Brás, na Região Central de São Paulo.

Para conseguir ultrapassar as grades e conhecer os mais de 100 mil metros de área construída com pedras importadas de Israel, oliveiras uruguaias e muitos objetos dourados, é necessário fazer um cadastro no bando de dados da Universal e conseguir uma credencial. Antes de qualquer passeio, todos sempre acompanhados por pastores e seguranças particulares, é necessário passar por uma revista. Na área externa é permitido fotografar. Dentro das construções, não.

No terreno do templo, a loja oficial da Universal vende restos das pedras importadas para a construção do templo gravadas com o nome da igreja por até R$ 100. Símbolos do judaísmo e até um quipá - um tipo de chapéu redondo usado por judeus - camuflado escrito "exército de Israel".

- Está sendo um dia abençoado - afirmou o serralheiro Francisco Muriel de Souza, de 49 anos, que viajou de Montes Claros, em Minas Gerais, a São Paulo, de ônibus, para conhecer o templo.

Do lado de fora, centenas de fiéis e curiosos fizeram fila no primeiro dia em que a Iurd abriu sua maior casa à comunidade. Dentro da nave central, as imagens judaicas, adornos dourados e os efeitos de luzes dão o tom do maior templo evangélico já construído no Brasil. São 200 estrelas de Davi e 12 candelabros gigantes de sete braços - conhecidos como menorah. A iluminação é toda feita com LED e o som possui a qualidade dos melhores cinemas. Ambos ajudam a ditar o ritmo das orações.

Os fiéis começaram a chegar por volta das 8h para o culto. Antes de entrar, era necessário passar por pelo menos duas revistas. Quem fosse flagrado com celular ou equipamento capaz de captar imagens, era levado para o subsolo do templo. Lá, era obrigado a deixar todos os pertences num armário e, novamente, era revistado. Liberado, só assim ele podia procurar um lugar para sentar. O GLOBO flagrou uma pessoa sendo retirada da nave principal quando tentava fotografar a reunião.

O culto iniciou pontualmente às 10h e durou cerca de duas horas. O primeiro cântico de louvor foi seguido também pelo primeiro pedido de oferta feito pelo bispo Márcio Carotti aos fiéis. Por toda a nave central, que tem 75 mil metros quadrados com capacidade para receber até 10 mil pessoas, cerca de 50 obreiros - colaboradores da igreja - e pastores se posicionavam com sacolas vermelhas com fios dourados e máquinas de cartão de crédito. O dízimo pode ser parcelado no cartão sem juros.

Para o primeiro dia, a Universal escolheu para abrir os trabalhos no Templo de Salomão o "Clamor da Reivindicação". A pregação feita por Carotti baseou-se na oferta para receber no futuro. Por pelo menos três momentos, o bispo reafirmou a necessidade para doar a Iurd.

Foto:Oslaim Brito/Parceiro/Agência O Globo

Ônibus desgovernado invadiu o Templo de Salomão. Para o pastor, o acidente foi culpa de Satanás

No meio do culto, imagens do ônibus que bateu esta semana na grade externa do templo foi usada para reforçar o pedido de oferta. Para o pastor, o acidente é "culpa de Satanás".

- Quem foi que causou este acidente? - indagou o bispo respondendo junto com o público que assistia a pregação:

- Foi Satanás!

Após acusar “Satanás”, o bispo afirmou que o acidente custou à Universal R$ 150 mil. Na madrugada de terça-feira, um ônibus desgovernado invadiu a calçada quebrando parte do piso e um pedaço de dez metros da grade de ferro externa. Ele ressaltou o quanto a doação iria representar:

- Vamos ver Satanás envergonhado da nossa oferta - pregou o pastor.

Nos momentos de maior comoção do publico, que não chegou a lotar a nave principal, vozes de pessoas gritando como se estivessem com dor ecoavam dos gravadores e a alternância de momentos de escuridão total com luzes vermelhas iluminando os doze candelabros.

No final do culto, o bispo pediu para que os fiéis pegassem um envelope dourado que estava posicionado em frente as poltronas - importadas da Espanha - escrito "Sexta-Feira: Vitória Total 7 profetas". Ele pediu para que no dia 5 de setembro, quem voltasse trouxesse uma contribuição financeira, o dízimo, e encerrou a pregação afirmando:

- Quem guarda o melhor para si não honra a Deus.

A Justiça ainda não acolheu o pedido do Ministério Público de São Paulo que pede a anulação a licença de eventos que a prefeitura de São Paulo forneceu à Universal para abrir o templo. O Templo não tem o alvará pleno para funcionamento e foi inaugurado, com a presença da Presidenta Dilma Rousseff, no último dia 31 com um alvará de evento - utilizado para festivais de músicas e eventos esportivos.

Foto: Uol

A presidente Dilma Rousseff, o vice Michel Temer e o Bispo Edir Macedo,
no dia da inauguração do "Templo de Salomão"

Nenhum comentário: