14 de jan de 2014

Por causa da amante, oposição francesa questiona: quem é a primeira-dama da França?

FRANÇA - Bizarre
Por causa da amante, oposição francesa questiona: quem é a primeira-dama da França?
O caso do romance de François Hollande, com a atriz Julie Gayet levantou muitas questões, que vão além da vida privada do presidente. Pode um país ter duas primeiras damas? Diplomaticamente a situação ficou nebulosa, pergunta-se: no encontro que terá com o Papa, neste mês e no próximo quando encontrará Obama, que fará as vezes de primeira dama da França? As duas vão poder coabitar o Palácio do Eliseu?

Foto: AFP/Le Monde

François Hollande e Valérie Trierweiler. Segundo amigos do casal, a primeira-dama, hospitalizada, confessou está disposta a dar ao marido outra chance após a sua escapadela de um ano com a atriz sete anos mais novo que ela

Postado por Toinho de Passira
Fontes: Daily Mail, Star France, Le Monde, Journal du Dimanche, BBC Brasil

A relação extraconjugal entre o presidente francês, François Hollande, e a atriz Julie Gayet está provocando questionamentos em relação ao status jurídico da primeira-dama, Valérie Trierweiler, que não é casada com o chefe de Estado. As implicações são institucionais, já que Trierweiler dispõe, como toda primeira-dama, de verbas públicas para compor um gabinete com assessores, entre outras despesas, e também do ponto de vista diplomático, já que ela acompanha Hollande em visitas oficiais internacionais, representando a França.

No dia 24 deste mês, o presidente francês terá um encontro com o papa Francisco, e a imprensa francesa já questiona se sua companheira participaria desta visita. Também não se sabe se Trierweiller irá com Hollande para os EUA em 11 de fevereiro, quando o francês terá um encontro com o colega americano, Barack Obama.

Políticos também solicitam que Hollande esclareça rapidamente a situação de Trierweiler. Isso poderá ocorrer na terça-feira, quando ele dará uma coletiva de imprensa já prevista há semanas para detalhar sua linha de ação política e econômica neste ano. O evento terá a presença de cerca de 600 jornalistas do mundo todo. Mas a entrevista corre o risco de ser ofuscada pelos rumores de relação extraconjugal.

Capa da revista Closer - Hollande de capacete: disfarce para encontrar a amante
HOLLANDE DE CAPACETE

A polêmica começou após a publicação, na sexta-feira, de uma reportagem da revista de celebridades Closer intitulada "O amor secreto do presidente", que revela a relação do político com a atriz francesa Julie Gayet, de 41 anos.

Esta é a primeira vez na história da França que a primeira-dama não é casada oficialmente com o chefe de Estado. Por este motivo, o suposto caso de infidelidade vem levantando questionamentos que não existiram com outros presidentes franceses que também tiveram relações extraconjugais, como Valéry Giscard d’Estaing, François Mitterrand e Jacques Chirac.

"Se as revelações da Closer se confirmarem, podemos nos interrogar sobre o status de Valérie Trierweiler. É normal que ela permaneça no palácio do Eliseu com as despesas pagas pelo contribuinte enquanto o presidente tem outras relações? Quem é hoje a primeira-dama da França?", se interroga em um comunicado o deputado Daniel Fasquelle, do UMP, da oposição.

A líder da extrema-direita, Marine Le Pen, afirmou nesta segunda-feira que há um problema jurídico em relação à primeira-dama. "A companheira do chefe de Estado não tem nenhum status. Por isso, os recursos utilizados em comunicação, secretariado e assessores não têm base legal", diz ela.

Não há uma verba definida legalmente para a primeira-dama. Segundo um relatório divulgado pelo primeiro-ministro, Trierweiler teria cortado pela metade os gastos mensais de seu gabinete (de cerca de 20 mil euros) na comparação com as despesas efetuadas pela ex-primeira dama Carla Bruni.

"A companheira do chefe de Estado não tem nenhum estatuto. Por isso, os recursos utilizados em comunicação, secretariado e assesores não têm base legal." - diz Marine Le Pen, líder da extrema direita

Para piorar as coisa para Hollande, Trierweiler está hospitalizada desde sexta-feira, após a publicação da Closer, "para repousar e fazer alguns exames", segundo seu gabinete. Ela deveria ter deixado o hospital nesta segunda, mas não há mais previsão da data de saída. Há rumores que ela teve uma crise nervosa. Segundo a imprensa francesa, ela retirou o título de "primeira-dama" de sua conta no Twitter antes da hospitalização.

A relação entre Hollande e Trierweiler se tornou pública em 2010. Ela havia sido sua amante na época em que Hollande ainda vivia com Ségolène Royal, com quem teve quatro filhos. Royal anunciou a separação logo após ter sido derrotada nas eleições presidenciais de 2007.

Trierweiler, de 48 anos, tem três filhos de um casamento anterior e utiliza até hoje o sobrenome do ex-marido.

O ex-presidente Nicolas Sarkozy foi o único a se divorciar e se casar novamente durante seu mandato. Após a separação, Sarkozy se casou rapidamente com a modelo e cantora Carla Bruni, após um curto namoro. Quando ela se instalou no Palácio do Eliseu, sede da presidência, já era sua esposa.

Fotos: Divulgação



PRIMEIRA DAMA NUA - Na internet existe farto material fotográfico da amante do presidente Hollande, a atriz Julie Gayet, despida. A maioria são imagens de filmes onde ela participa de cenas tórridas, contracenando tanto com homens quanto com mulheres

IMPACTO POLÍTICO

Na sexta-feira passada, até políticos da direita chegaram a defender o direito à proteção da vida privada do presidente. Mas os ataques começaram logo após a hospitalização de Trierweiler.

"Esse caso é desastroso para a imagem da função presidencial", afirmou Jean-François Copé, líder do UMP.

Outros políticos da oposição criticaram o comportamento "ridículo" e imprudente do presidente, que teria ido encontrar a suposta amante na garupa de uma moto, sem escolta policial, e teria sido visto entrando e saindo do apartamento que seria usado para os encontros com um capacete de moto na cabeça.

Alguns dizem que seria inimaginável pensar que Barack Obama faria algo desse tipo.

Porém uma pesquisa realizada pelo Journal du Dimanche, publicada no domingo, revelou que 77% dos franceses acham que o caso é um "assunto privado que diz respeito apenas a Hollande".

"Hollande é tão impopular que isso não muda nada", diz Frédéric Dabi, diretor do instituto de pesquisas Ifop.

Mas a pesquisa foi feita antes da confirmação oficial da hospitalização de Trierweiler, que para alguns analistas, poderá ampliar o impacto político negativo do caso para Hollande.

Nenhum comentário: