2 de jan de 2015

Loteado os Ministérios, começa a corrida pelo 2º escalão

BRASIL – Opinião
Loteado os Ministérios, começa a corrida pelo 2º escalão
Após perder o Ministério da Educação para o Pros, o PT busca compensação com ocupação dos cargos de escalão intermediário. O PMDB crispado exige ocupar pelo menos as poltronas que pendem do organograma dos seus ministérios. O PP perdeu o Ministério das Cidades para PSD. Acomodado na pasta da Integração Nacional, reivindica o comando da Codevasf, da Chesf e até do Banco do Nordeste. O PR que reconquistou a pasta dos Transportes, quer também o Dnit e a Valec.

Foto: Rodolfo Stuckert/Agência Câmara

LOTEAMENTO - A Esplanada dos Ministérios em Brasília.

Postado por Toinho de Passira
Texto de Josias de Souza
Fonte: Blog do Josias

Dilma Rousseff concluiu na véspera da posse a escolha dos seus 39 ministros. Mas o espírito de bazar continua pairando sobre Brasília. Insatisfeitos com tudo, os partidos querem mais. Pleiteiam, pedem, exigem posições no segundo escalão das pastas. Num momento em que a presidente renova seu compromisso de transformar o Brasil, o Brasil inabalavelmente igual, país das transações espúrias e das negociatas, esforça-se para se impor.

Julgando-se prejudicado, sobretudo com a perda do Ministério da Educação para Cid Gomes (Pros), o PT faz um mapeamento dos cargos de escalão intermediário em Brasília e nos órgãos federais com representação nos Estados. Logo apresentará a sua lista. Que incluirá posições em pastas controladas por outros partidos.

O PMDB farejou no movimento dos petistas um cheiro de queimado. E exige ocupar pelo menos as poltronas que pendem do organograma dos seus ministérios. Por exemplo: na pasta da Aviação Civil, a bancada do PMDB da Câmara quer indicar o presidente da Infraero. Na Agricultura, quer comandar a Embrapa. De resto,deseja tirar o PTB da Conab.

Engolfado pelo petrolão, o PP perdeu o orçamento do Ministério das Cidades para PSD de Gilberto Kassab. Como prêmio de consolação, foi acomodado na também cobiçada pasta da Integração Nacional. Ainda assim, para afastar o risco de ser infiel nas votações do Congresso, a legenda reivindica o que se convencionou chamar de “porteira fechada”. Exige o comando da Codevasf, da Chesf e até do Banco do Nordeste. No mesmo diapasão, o PR quer, depois da reconquista da pasta dos Transportes, a reocupação do Dnit e da Valec.

Para infelicidade geral, o escândalo da Petrobras ainda não produziu ensinamentos. Ao compor um “novo” ministério convencional e loteado, Dilma sinalizou que continua admitindo uma dose de clientelismo e fisiologismo no seu governo. Com isso, estimulou os partidos a tirar novas lascas do Orçamento da União. O problema não está apenas em quem pede. Começa em quem admite os pedidos. Os partidos apenas jogam o jogo. Até o próximo rombo.

Nenhum comentário: