31 de jan de 2012

Dilma em Cuba, apoiando o ditador Raúl Castro

Cuba - BRASIL
Dilma em Cuba apoiando do ditador Raúl Castro
"De fato, é algo que temos de melhorar no mundo de uma maneira geral. Não podemos achar que direitos humanos é uma pedra que você joga só de um lado para o outro. Ela serve para nós também", afirmou Dilma para os jornalista em Havana, nesta manhã.

Foto: Adalberto Roque/Getty Images

Dilma respondendo aos repórteres em Cuba sobre os direitos humanos: "Quem atira a primeira pedra tem telhado de vidro"

Postado por Toinho de Passira
Fontes:BBC Brasil , Reuters, O Globo, Veja

A presidente Dilma Rousseff desembarcou no fim da tarde desta segunda-feira, em Havana, Cuba, para sua primeira visita de Estado à ilha caribenha.

Nesta terça Dilma foi recebido com honras militares, no Palácio da Revolución, pelo o ditador cubano, o general de exército, Raúl Castro Ruz, Presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros.

Durou pouco a esperança que Dilma abordasse na sua visita a Cuba, as questões de direitos humanos. Na semana passada o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, deixou claro que não haveria manifestações públicas e críticas ao governo cubano, nesse aspecto, no que alguns chegaram a imaginar que em reservado o assunto seria tratado.

Lembrar que em seu discurso de posse, Dilma disse que os direitos humanos seriam um elemento central de sua política externa. Passado um ano vê-se que essa intenção era apenas retórica

Dilma atenderá ao pedido de audiência com a blogueira oposicionista Yoani Sánchez, que busca a autorização do governo cubano para visitar o Brasil em fevereiro (ela já obteve o visto brasileiro, mas não a permissão para deixar Cuba), nem fazer menções à situação dos direitos humanos na ilha.

Em entrevista em Cuba perguntada sobre o visto de turista concedido pelo governo brasileiro à blogueira dissidente Yoani Sánchez, Dilma declarou apenas que os próximos passos não são da competência do governo brasileiro.

Questionada sobre direitos humanos pelos jornalistas que a cercaram antes do encontro privado com Raúl, a presidente brasileira optou por generalizar:

"Quem atira a primeira pedra tem telhado de vidro", disse, acrescentando que não é possível fazer da política de direitos humanos apenas uma arma de combate político ideológico. "O mundo precisa se convencer de que é algo que todos os países do mundo têm de se responsabilizar, inclusive o nosso", prosseguiu.

"Acho que no pessoal (Dilma) pode estar preocupada pelo que acontece em Cuba em matéria de direitos humanos ", disse condescendentemente, José Daniel Ferrer, um ex-preso de consciência do "Grupo dos 75" e líder da dissidente União Patriótica de Cuba, em entrevista a semana passada.

Criado em agosto de 2011, o grupo a que pertencia Wilman Villar, o preso que morreu no último dia 19 de janeiro após uma greve de fome que iniciou na prisão.

Foto: Roberto Stuckert Filho/Presidência da República

Dilma ladeada por Raúl Castro recebe honras militares na sua visita oficial a Cuba

Em resumo a visita concentrar-se-á nos aspectos econômicos e naquela diplomacia cosmética feijão com arroz.

A Reuters lembra que laços econômicos e políticos entre os dois países foram intensificados pelo antecessor de Dilma, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e que de alguma forma ao assumir o cargo, em janeiro de 2011, Dilma pouco poderia mudar em alguns desses aspectos, principalmente os econômicos.

A ilha caribenha tem buscado, entre outras coisas, ajuda agrícola do Brasil, e a Odebrecht afirmou nesta segunda-feira que irá assinar um acordo para trabalhar com a problemática indústria de açúcar cubana para aumentar a produção da usina "5 de Septiembre", na província de Cienfuegos.

Um executivo da indústria brasileira de açúcar com conhecimento do projeto afirmou à Reuters que a Odebrecht também produzirá etanol e energia a partir de biomassa em Cuba.

Foto: Divulgação

Porto Mariel – Cuba, investimentos brasileiros, atraves do BNDES de quase 1 bilhão de reais

Mais o grande projeto da Odebrecht em Cuba é transformação do porto de Mariel, a 40 km de Havana, mais conhecido como local do êxodo cubano de 1980 aos Estados Unidos, no principal porto comercial de Cuba e ponto central de sua nascente indústria de petróleo em alto mar.

O Brasil investiu através do BNDES nesse projeto, tocado pela Odebrecht, US$ 682,15 milhões, através de um financiamento do BNDES, acertado no tempo de Lula cuja última parcela foi liberada por Dilma, semana passada.

O empreendimento inclui uma "zona especial de desenvolvimento" de 400 quilômetros quadrados, que abrigará indústrias voltadas à exportação e ao mercado cubano.

Segundo diplomatas brasileiros, além de ajudar Cuba em sua missão de "atualizar" o socialismo e diversificar suas fontes de receitas, a ampliação do porto abrirá oportunidades de negócios para empresas brasileiras interessadas em se instalar ou expandir as operações na América Central.

O Brasil está fazendo uma aposta ousada com esse investimento, que só será compensado quando e se os Estados Unidos suspenderem o embargo econômico a ilha. Principalmente porque as empresas instaladas, nas cercanias do porto, no estilo SUAPE, em Pernambuco, terão acesso privilegiado ao maior mercado global, uma vez que Mariel está a apenas 160 km do Estado americano da Flórida.

A visita de Dilma também se segue à decisão do Partido Comunista cubano, neste domingo, de limitar a dois mandatos de cinco anos os cargos políticos e estatais "fundamentais" do governo, o que foi interpretado, pelo otimista, como uma possível sinalização de renovação da cúpula que comanda o país, e pelos pessimistas, como uma tentativa de Raúl Castro, atualmente com 81 anos, manter-se no poder por mais dez anos.

Por ora, uma companhia brasileira – a fabricante de vidro Fanavid – já se prepara para construir uma unidade no local, em associação com o governo cubano. Cerca de 80% da produção da fábrica deverá se destinar à exportação.

Em sua visita, Dilma deve tratar de uma iniciativa conjunta para a produção de medicamentos, valendo-se da experiência cubana no setor farmacêutico. Se houver acordo, a indústria também poderia se localizar no porto de Mariel.

O governo brasileiro também poderá negociar a ampliação do envio de médicos cubanos ao Brasil, para apoiar o atendimento no Serviço Único de Saúde (SUS).

A instalação de empresas estrangeiras em Cuba tem sido especialmente estimulada por medidas adotadas desde que Raúl Castro assumiu o poder, em 2008, e que visam reformar o modelo econômico cubano, paulatinamente abrindo-o à iniciativa privada.

Nos últimos meses, o governo também cortou subsídios, desvalorizou o CUC (peso conversível cubano), eliminou 500 mil cargos públicos, autorizou a compra e a venda de casas e permitiu a abertura de mais de 400 mil pequenos negócios.

Dilma que diz ter enfrentado uma ditadura de direita, na juventude, dá as costas aos sofridos dissidentes cubanos, oprimidos por uma ditadura de esquerda. Não existem ditaduras boas e más.

Até por motivos econômicos o governo de Dilma devia pelo menos esboçar um dialogo com os dissidentes cubanos. Afinal os investimentos brasileiros, na ilha, em breve, muito breve mesmo, vão estar sob a tutela desses renegados de hoje, assim que os Castros, por morte, ou de podre, perderem o poder.

Foto: Adalberto Roque/Reuters

Dilma, cochicos com o ditador Raúl Castro


VEJA: O custo da negligência

Rio de Janeiro
VEJA: O custo da negligência
Imperícia em obra clandestina resulta em pelo menos 17 mortos (mais cinco, que ainda estão desaparecido, nesta terça-feira,31) e três edifícios reduzidos a escombros no centro do Rio

Foto: Ari Versiani/AFP/Getty Images

Postado por Toinho de Passira
Fonte: Veja- 30/01/2012

Acidentes da magnitude de uma queda de avião – ou do desmoronamento de um prédio de vinte andares – raramente têm uma única causa. Em geral, decorrem de uma perversa soma de fatores. No caso do Edifício Liberdade – que ruiu na quarta-feira passada no centro do Rio fazendo desmoronar dois prédios vizinhos – e matando ao menos quinze pessoas – já se vislumbram alguns.

O prédio art déco que ficava bem ao lado do Teatro Municipal fora construído no início dos anos 40 e abrigava dezenas de pequenos escritórios. Quando foi ao chão, o expediente já havia terminado, mas cerca de 25 pessoas ainda estavam nele. Até a noite de sexta-feira, doze continuavam desaparecidas.

O Liberdade estava castigado pelo uso e por inúmeras reformas fora de padrão. Empregados do edifício ouvidos por VEJA disseram que as rachaduras avançavam pelas paredes e que o elevador dava arrepios em quem entrava nele.

"Enquanto subia, ia raspando nas paredes", contou um deles a VEJA. Mas não foi apenas a idade que derrubou o Edifício Liberdade.

Tudo indica até agora que o gatilho da tragédia foi uma obra de engenharia clandestina e mal planejada. A TO Tecnologia Organizacional, a maior empresa do condomínio, havia reformado cinco dos seis pavimentos que ocupava.

O andar restante, o nono, continuava em obras. As mudanças foram profundas. Cada andar abrigava duas ou três salas, que, juntas, ocupavam uma área de 130 metros quadrados. Os proprietários da TO decidiram eliminar a divisão entre as salas para criar um único ambiente. Assim, retiraram todas as paredes internas dos andares

. Foi o que aconteceu, por exemplo, no terceiro pavimento, cuja reforma terminou há um mês. Conforme relataram a VEJA cinco pessoas que trabalham no edifício, o piso foi revestido de granito e novas paredes foram erguidas, alterando a planta original.

Nos prédios mais modernos, a sustentação da estrutura é feita por vigas e colunas – as paredes servem apenas para separar ambientes. Já em construções anteriores à década de 80, como era o caso do Liberdade, é comum que elas tenham uma importante função de sustentação.

Especialistas ouvidos por VEJA afirmam que, ao retirar as paredes internas, os responsáveis pela reforma podem ter cometido uma barbeiragem. As vigas do edifício e as pilastras laterais, nessa hipótese, ficariam sobrecarregadas, o que pode ter influenciado no desabamento.

E entra aqui outro fator que pode ter contribuído para a tragédia. No 9° andar, as obras seguiam a pleno vapor havia apenas oito dias. Lá, um grupo trabalhava na substituição do piso antigo por placas de granito. Cada uma dessas placas pesa, em média, 60 quilos por metro quadrado.

"Na noite de terça-feira, um dia antes do desabamento, ouvi um barulho muito alto que parecia uma britadeira", diz um executivo de uma empresa que fica no 8° andar.

"Na manhã seguinte, eu e meus colegas vimos muita poeira cair do teto sobre as nossas mesas". Para especialistas, o episódio é preocupante.

"Mesmo no caso de uma britadeira de baixa potência, a ação contínua e localizada do aparelho pode desestabilizar a sustentação do edifício, principalmente se ela for utilizada nas quinas, que afetam as colunas laterais", diz Moacyr Duarte, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Outro fato perturbador: a fachada lateral do prédio sofria seguidas intervenções desordenadas, que vinham de muito tempo. Desde a sua inauguração, nos anos 40, diversas janelas foram abertas nos andares mais altos, o que também pode ter enfraquecido a estrutura.

O desmoronamento do Edifício Liberdade obedeceu à mesma lógica do ocorrido no World Trade Center, afirma o engenheiro Luiz Antônio Cosenza, do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Rio de Janeiro (Crea-RJ).

"Quando um elemento de sustentação, como um pilar ou uma viga, se rompe, pode haver um efeito dominó. Se um andar inferior cai, os de cima vêm descendo junto e esmagam a estrutura do prédio, que não suporta o peso dos escombros", explica.

A empresa TO nega que as reformas executadas tenham interferido no sistema estrutural do Liberdade. Segundo a sua versão, os principais eixos de sustentação laterais não foram alterados. Ao contrário do que determina a lei, ela não registrou as obras no Crea.

O prefeito do Rio, Eduardo Paes, não conseguiu explicar o motivo pelo qual fiscais municipais não notaram que no Edifício Liberdade havia obras clandestinas em andamento. A maioria das vítimas identificadas até a noite de sexta-feira estava na sala de treinamentos da TO, como Kel1y Menezes, de 28 anos, Bruno Gitahy, de 25, e Priscilla Montezano, de 23. Em dezembro, os três haviam se reunido na festa da empresa, em um sítio no Rio, para celebrar a passagem do ano.

Outra funcionária da TO, Alessandra Alves, de 29 anos, estava conversando na noite de quarta-feira pelo MSN com o marido, Victor Lima, de 30 anos, quando subitamente parou de teclar. A última mensagem de Lima para a mulher foi um "E aí?". Não teve resposta. Preocupado, tentou ligar, também sem sucesso. Decidiu pegar um ônibus e ir ao encontro de Alessandra, mas, ao desembarcar, mal conseguiu se aproximar do edifício, àquela altura já transformado em escombros. O corpo de Alessandra só foi encontrado pelos homens da Defesa Civil quarenta horas depois, na tarde de sexta-feira.

O Edifício Liberdade pode ter ruído por uma combinação de fatores que incluíram a antiguidade do prédio, sua manutenção precária e uma reforma que não poderia ter sido feita. Mas o que matou os jovens Bruno, Kelly, Priscilla, Alessandra – e as outras onze pessoas que já haviam sido encontradas até sexta-feira – foram o despreparo de alguns profissionais e a negligência do poder público.


*Acrescentamos subtítulo e foto ao texto original

30 de jan de 2012

Fidel não morreu, ainda

CUBA
Fidel não morreu, ainda
A mídia estatal cubana, através do website “Cubadebate, acusou os exilados, através de redes sociais e do Twitter a espalhar rumores que Fidel Castro teria morrido. Chamou os boateiros de "contrarrevolucionários necrófilos”. O boato da morte de Fidel chegou a ficar em quarto lugar, entre os assuntos mais comentados, na internet, nos primeiros dias deste mês de janeiro.

Foto: Reuters

ATRAÇÃO TURISTICA PARA CHEFE DE ESTADO: - A última aparição pública de Fidel Castro foi ao lado do presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad, que visitava Havana, 12 de janeiro de 2012

Postado por Toinho de Passira
Fontes:BBC Brasil, Cuba Debate

AA mídia oficial cubana, não gostou nada do boato da morte de Fidel que invadiu a internet, no começo desse mês. O website “Cuba Debate”, um publicação que tem o lema “contra el terrorismo mediático”, especializado em “desmentir e desmistificar”, o que aparece na imprensa, fora da Ilha, sobre Cuba, publicou um texto, que começava comentando que o Guinness, o livro dos recordes, havia registrado que Fidel Castro é a pessoa que mais vezes se tentou matar, no planeta.

Segundo eles, o livro também poderia incluir, os inimigos da Revolução Cubana como os mais frustrados assassinos da história.

Para o Cuba Debate, a frustação do mundo real, tem levado alguns a experimentar no mundo virtual, a possibilidade de conseguir, o que foi tentado durante meio século de tentativas criminosas.

Para eles, o site de microblog Twitter e cubanos exilados são os responsáveis pelos rumores que inundou a internet, no começo do mês, de que Fidel Castro teria morrido.

Chamam os expatriados cubanos residentes na Flórida de "contrarrevolucionários necrófilos" e diz que o Twitter intensificou os boatos, que acabou pondo #FidelCastro um dos assuntos mais comentados, na rede, chegando ao quarto lugar entre os trending topics.

O artigo intitulado "Nova mentira contra #FidelCastro fracassa no Twitter" também afirmou que um internauta em particular, chamado Naroh, teria dado início aos rumores.

O dono da conta @Naroh, que diz que seu nome é David Fernandez, que tem 20 anos e vive na Espanha, se disse surpreso com a acusação do website cubano.

Ele publicou no Twitter: "Cuba me culpa por começar o boato sobre a morte de Fidel Castro".

"Eles deveriam checar suas 'informações' antes de culpar alguém sem razão alguma. Eu escrevi sobre isso quando o assunto já estava na lista de mais populares e meus tuítes eram piadas em sua maioria. Eu não comecei nada", afirmou Naroh.

Fidel Castro, de 85 anos, passou o poder a seu irmão Raúl em 2006, após ficar gravemente doente, mas ainda, supostamente, publica colunas de opinião ocasionalmente.

Boatos sobre sua suposta morte na internet não são novidade. Em agosto de 2011, uma foto alterada circulou na rede mostrando o líder cubano em um caixão.

No momento, Fidel Castro, que teima em ficar vivo, virou uma atração turística empalhada, para Chefes de Estado. Todas as vezes que um presidente ou primeiro ministro visita a Ilha, Dilma também irá avistá-lo, empanturram-no de remédios e o fazem posar para fotos, ao lado do visitante, por alguns minutos, como se estivessem novinho em folha. Nestas imagens, sempre feita por fotógrafos oficiais, Fidel aparece, porém, tão recauchutado, quanto aqueles cadillacs que circulam pelas ruas de Havana.


Cadillac cubano, múmia automobilistica, digna de estar sepultada em algum ferro velho, tal qual o ditador Fidel.


Site Congresso em Foco sob “censura disfarçada”

BRASIL
Site Congresso em Foco sob “censura disfarçada”
Começou, sexta-feira, 27 a maratona de processos, dos servidores do senado, contra o site “Congresso em Foco” devido a reportagem sobre os supersalários. O site informou que a produção de reportagens do Congresso em Foco ficará prejudicada para acompanhar advogados em dezenas audiências de conciliação idênticas em horários sucessivos e, às vezes, simultâneos. A estratégia usada pelo Sindilegis, o sindicato dos funcionários, foi considerada “má fé” pela OAB.

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr

PLENÁRIO DO SENADO: Uma das reportagens publicada pelo site mostrou quem eram e quanto ganhavam 464 servidores do Senado.

Postado por Toinho de Passira
Fontes:Congresso em Foco, , Deutsche Welle, Blog do Jamildo

O site Congresso em Foco começa a enfrentar nesta sexta-feira (27) uma enxurrada de processos judiciais por conta da série de reportagens que mostrou supersalários pagos a políticos, autoridades e servidores no Executivo, Judiciário e Legislativo. Pela Constituição, nenhum político ou funcionário pode ganhar mais que ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), valor hoje fixado em R$ 26.723,13 por mês.

Uma destas reportagens identificou quem eram e quanto ganhavam 464 servidores do Senado, todos com salários acima do teto segundo auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU). As notícias foram divulgadas com base no interesse público e sua publicidade foi defendida por cinco juristas, entre eles Fábio Konder Comparato e Ophir Cavalcante, atual presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Contrariado com o noticiário, o Sindicato dos Servidores do Legislativo (Sindilegis) ajuizou 45 ações contra o site. Dois processos foram feitos em nome da entidade, pedindo a censura prévia das reportagens, mas não obtiveram as liminares junto ao judiciário.

Outras 43 ações, todas idênticas, foram apresentadas por funcionários do Senado com orientação do Sindilegis. Isso levará o Congresso em Foco, mesmo se vencer as ações, a mobilizar um grupo de advogados e profissionais da redação para se defender durante oito dias, em audiências iguais e sucessivas no Juizado Especial de Brasília, reduzindo até mesmo a publicação de notícias, sua atividade-fim.

A estratégia do Sindilegis foi considerada “má fé” pela OAB. Entidades jornalísticas avaliaram que o objetivo do sindicato não era ganhar os processos, mas apenas intimidar e elevar os custos do Congresso em Foco. Deputados, senadores, rádios e jornais também prestaram solidariedade ao site.

Procurado desde agosto do ano passado, o Sindilegis nunca respondeu a um único pedido de esclarecimentos para produção de quaisquer reportagens do site. Até o presidente da Associação dos Magistrados do Trabalho (Anamatra), Renato Sant’Anna, disse que deveria haver publicidade dos funcionários públicos.

“O nosso salário é absolutamente público. Quanto eu ganho não é segredo para ninguém. Acho que deveria ser assim para todo mundo”, afirmou ele. “Eu posso lhe garantir que, para os juízes da União, a nossa remuneração já é pública e não nos causa embaraço. Se houvesse um sistema mais transparente de remuneração, isso não seria sequer um tema de preocupação.”

As primeiras audiências começam às 15h desta sexta-feira na Central de Conciliação dos Juizados Especiais Cíveis de Brasília, no Fórum José Julio Leal Fagundes, próximo ao Metrô do Parkshopping e da nova Rodoviária da capital. Em alguns dias, haverá sete audiências de conciliação.

No dia 1º de fevereiro, por exemplo, dia da volta dos parlamentares ao Congresso, duas reuniões na Justiça acontecem em horários simultâneos. Neste e em outros dias, a produção jornalística do site ficará prejudicada, já que os repórteres deverão acompanhar vários advogados nas dezenas de audiências judiciais.

O caso é mais um exemplo do risco, apontado por diversas organizações internacionais, da justiça se tornar um instrumento de censura e cerceamento da liberdade de imprensa.

Uma análise do site alemão Deutsche Welle (DW) sobre a situação da liberdade de imprensa brasileira constatou que os interessados em impedir que uma informação venha a público encontram na justiça um instrumento de fazê-lo.

Veja a relação dos super-assalariados do Senado, a publicação que desagradou o poderoso sindicato.


Rita Lee: detida pela PM, após ultimo show da carreira

SERGIPE
Rita Lee: detida pela PM, após ultimo show da carreira
No último dia 21 de janeiro, Rita Lee anunciou durante seu show no Circo Voador, no Rio de Janeiro, que irá se aposentar dos palcos. A cantora, porém, encerrou a carreira em grande estilo, pelo menos no quesito polêmica: após xingar policiais em um show no Festival Verão Sergipe, no sábado (28), foi detida acusada de desacato e apologia ao uso de entorpecentes. Após prestar depoimento foi liberada.

Foto: Fernanda Lee/Site Oficial Rita Lee

Rita Lee, show de Aracajá, xingações a polícia: 'Vão procurar os políticos ladrões...tem tanto político fdp pra vocês acharem''

Postado por Toinho de Passira
Fontes:Folha de São Paulo, Terra, Jornal do Brasil, O Globo

A cantora Rita Lee, 64, detida por policiais ao fim do último show de sua carreira, no Festival Verão Sergipe 2012, foi liberada após prestar depoimento e assinar um boletim de ocorrência numa delegacia de Aracaju (SE).

O imbróglio começou no meio do show, quando a cantora afirmou ter visto membros de seu fã clube --que viaja atrás dela pelo Brasil para vê-la ao vivo-- sendo agredidos por policiais.

Primeiro declarou que não queria os policiais militares na sua apresentação. Ainda calma, disse: “Vocês são legais, vão lá fumar um baseadinho”.

Mas, quando os policiais vieram para a frente do palco, formando uma parede humana de frente para ela, a cantora se alterou. Lembrou já ter vivido o período da ditadura e disse não ter medo deles. Chamou os PMs de “cavalos”, “cachorro” e comentou “coitado dos cachorros” por fim chamou os PMs de “Filho da puta”.

O governador Marcelo Déda (PT), que estava na plateia e assistia à apresentação, disse ter testemunhado “um espetáculo deprimente” por parte de Rita. “A polícia não tinha feito nenhum tipo de ação que justificasse [a atitude da cantora]”, declarou.

Rita Lee em 1976, quando foi presa e processada por porte de maconha, defendida pela amiga Elis Regina
O comandante do policiamento militar de Aracaju, coronel Enílson Aragão, que comandava pessoalmente a operação, disse que quando as ofensas começaram a ficar maiores, houve uma ordem do comando para que fosse efetuada a prisão de Rita Lee, imediatamente, durante o show.

”Porém, eu determinei aos meus comandados que essa seria uma medida arriscada, por conta do público que ali estava”. – disse o Coronel, que decidiu que ser mais prudente levá-la à delegacia para fazer um boletim de ocorrência, após o show.

Na polícia ação delituosa de Rita Lee foi tipificada como desacato e apologia ao crime (art. 287 do Código Penal).

A ex-senadora e hoje vereadora de Maceió Heloisa Helena (PSOL), que assistiu ao show, já estava na delegacia antes mesmo de Rita chegar. Foi solidária à cantora e assinou o Boletim de Ocorrência, como testemunha a seu favor. Nas suas declarações a polícia Rita disse que “todo o ocorrido se deu como uma reação emocional, provocada pela ação truculenta desnecessária”. (Como se houvesse truculência necessária).

A própria cantora tuitou: “Polícia dando trabalho p/ mim, quer me prender, embasamento legal ñ há, ñ retiro uma palavra do q disse, o show era meu!”.

Logo depois, avisou no microblog que estava à caminho da delegacia para prestar depoimento: “Tô indo p/ a delegacia...a polícia d Aju ñ gosta d mim mas Sergipe gosta”.

Duas horas depois, ainda na madrugada deste domingo, avisou aos seus mais de 350 mil seguidores que havia sido liberada e postou mais uma mensagem sobre o assunto: “Solta graças à vereadora Heloísa Helena q estava na plateia e prestou idêntica versāo”.

Foto: Fernanda Lee/ Site Oficial Rita Lee

Beto Lee, o filho de Rita, no show de Aracajú

No Twitter, Beto Lee, filho de Rita, protestou: “A policia de Aracaju levou minha velha para a delegacia. Bando de frouxo”.

Pelo microblog, o cantor Lobão também se manifestou: “Mas era soh o que faltava...prender a Ritinha eh de última!”

O comandante do policiamento militar de Aracaju, coronel Enílson Aragão, coordenou os trabalhos dos 110 homens da Polícia Militar que atuaram no show afirma que a sua tropa foi "denegrida, vilipendiada e maculada" e garante que a PM agiu dentro dos procedimentos legais. "Não houve excesso". Ele diz esperar que a cantora responda na Justiça pelo que fez e que é possível que alguns dos comandados entrem com ações cíveis contra ela por conta do ocorrido.

"A polícia estava lá fazendo o seu trabalho, com patrulhas itinerantes, atentos àqueles que estavam em atitudes suspeitas e garantindo a segurança de cerca de 20 mil pessoas, assim como fizemos no sábado, quando se apresentaram a cantora Margareth Menezes e Os Paralamas do Sucesso.

De repente, ela (Rita Lee) parou o show e disse que a polícia não deveria estar ali, mas sim prendendo políticos corruptos. Depois disso, ela se alterou e começou a dirigir diversos impropérios para os policiais", disse.

Coronel acredita que ela tentou colocar o público contra os policiais e que isso poderia ter causado um tumulto de consequências incalculáveis.

De acordo com o coronel, Rita Lee foi levada pela delegacia em veículo próprio, "dirigido por um policial que conhecia o caminho" e que, acompanhada de advogado, a cantora deu as suas explicações. Foi registrado um Termo Circunstanciado de Ocorrência e depois disso ela será intimada pela justiça sergipana.

"Quem deu o espetáculo foi ela e não a Polícia Militar. Durante toda a noite, foram registradas apenas quatro ocorrências, cinco com a dela. Três por porte e uso de entorpecentes e uma outra por vias de fato", afirmou o coronel.

Foto: Sergio Luiz/Flickr

Rita Lee e o marido Roberto de Carvalho, show no Circo Voador, Rio de Janeiro, anúncio da aposentadoria

Roberto de Carvalho, marido de Rita Lee, na sua página oficial no Facebook defendeu sua mulher. Ao relembrar a vez em que Rita Lee foi presa em 1976 por porte de maconha, ele postou uma foto de Rita na época e disse que os dois fatos parecem ligados entre si, "com mais de 30 anos de distância".

No texto, o músico lembrou de Elis Regina, que teria ajudado Rita a sair da cadeia, assim como a vereadora Heloísa Helena fez Aracaju:

"Quando entrei na sala do delegado, estavam os policiais com a Rita e dei de cara com a Heloisa Helena. Tive um flash incrível de 1976, quando a Elis foi ao DEIC defender a Rita daquela prisão absurda".

"(Foi) como se os dois fatos, com mais de 30 anos de distância entre si, estivessem estampados em duas cartas diferentes sobre a mesa, e uma linha mágica e invisível ligasse essas duas mulheres incríveis em um mesmo pensamento, em uma mesma ação, tornando-as irmãs gêmeas em um ato de desprendimento, coragem, e acima de tudo, fraternidade. Foi muito emocionante, altamente impactante", desabafou Roberto.

Nesta segunda-feira, Roberto comentou estar lendo o estatuto do idoso. "Estou lendo atentamente o Estatuto do Idoso. Me parece que conheço alguém cujos direitos ali assegurados foram desrespeitados. e muito", afirmou.

O marido de Rita ainda confidenciou que não está feliz com o fato do conturbado show ter sido o último da carreira de Rita. A cantora de 64 anos anunciou a aposentadoria dos palcos no dia 21. "Não estou feliz com a ideia de que aquele show fique sendo o último não", escreveu Roberto no Facebook.

"Não tenho uma vírgula quanto ao que estava acontecendo até a interferência indesejada. E agradeço a Aracaju pelo belo show que nos estavam proporcionando até o momento em que a polícia de Aracaju resolveu agredir o povo de Aracaju!", escreveu no domingo (29).


Rita Lee canta “Ovelha Negra” – de Rita Lee



Veja o video da xingação no Youtube


Eduardo Campos, o novo ‘painho’ da política no Nordeste

PERNAMBUCO
Eduardo Campos, o novo ‘painho’ da política no Nordeste Aliado de Dilma, governador de Pernambuco está de olho em 2014

O jornal O Globo, na sua edição impressa, deste domingo, dedica uma página inteira ao Governador Eduardo Campos. Um texto da jornalista Maria Lima, que traça um perfil do político pernambucano. A matéria contém erros, como o fato de atribuir a Eduardo a vinda da Refinaria da Petrobras para Pernambuco, ocorrida durante o governo de Jarbas Vasconcelos, bem antes dele ter sido siquer eleito. Transcrevemos a matéria, na íntegra.

Foto: Ailton de Freitas/O Globo

EDUARDO CAMPOS: presidente nacional do PSB, ele foi eleito o melhor governador do Brasil por dois anos seguidos com 86% de aprovação

Postado por Toinho de Passira
Fonte:O Globo

Neto e herdeiro político de um dos ícones das esquerdas no Brasil — o ex-governador Miguel Arraes —, com seus olhos azuis e um sorriso permanente de propaganda de pasta de dentes, o governador de Pernambuco e presidente nacional do PSB, Eduardo Campos, de 46 anos, vem fazendo no Nordeste, sorrindo, o que antes o todo poderoso Antonio Carlos Magalhães fazia gritando na Bahia. Pelo poder conquistado não só na região e o aniquilamento da oposição em seu estado, já é chamado de o novo “painho” do Nordeste.

Em parceria com o também pernambucano ex-presidente Lula, mudou a economia do estado, transformando-o num canteiro de obras, ganhou a queda de braço de 30 anos com outros estados nordestinos por uma refinaria da Petrobras, foi eleito o melhor governador do Brasil por dois anos seguidos com 86% de avaliação positiva, é aliado fiel do governo Dilma Rousseff e comanda o partido com pulso de ferro. Mas, entre os aliados, paira uma desconfiança de que o político mais poderoso do Nordeste vá lhes dar uma rasteira em 2014.

Cultuado até pela oposição

Afável, bom contador de “causos”, um dos melhores imitadores de seu guru político, o ex-presidente Lula, Eduardo Campos é cultuado publicamente, por conveniência, na base governista e na oposição. Pelo crescimento e desenvoltura, é visto como ameaça pelos dois lados. E também é entre políticos dos dois lados que já se faz com frequência uma pergunta comum: é um coronel moderno com mais verniz ou um socialista que prefere o Diário Oficial a “O Capital”?

Apesar de não trazer o sobrenome, Eduardo Campos colou no avô bem cedo. Entrou na Faculdade de Economia da Universidade Federal de Pernambuco aos 16 anos e, já na primeira campanha, para derrubar o antigo Diretório Acadêmico, contou com a ajuda da mãe, Ana Arraes, que no dia da eleição lhe deu um conselho que repete até hoje:

— Vá para ganhar!


EDUARDO ao lado do avô Miguel Arraes, para quem fez sua primeira campanha política aos 19 anos. Na foto, em 1989, como secretário da Fazenda, na época do escândalo dos precatórios

Aos 19 anos, em 1986, fez campanha para o avô que voltava do exílio e disputava o governo de Pernambuco. Com a vitória, passou a chefe de gabinete. Em 1994, no novo governo de Arraes, assumiu o cargo mais importante do governo, o de secretário da Fazenda.

Foi quando protagonizou o escândalo dos precatórios. Uma CPI no Congresso Nacional resultou numa denúncia do Ministério Público Federal para apurar sua responsabilidade na acusação de emitir fraudulentamente títulos públicos de Pernambuco para pagar precatórios pendentes.

Houve uma completa desconstrução de sua imagem e da do então governador Arraes. A reabilitação na eleição de 1998, da qual muitos duvidavam, virou um case eleitoral: ele se elegeu deputado federal e virou líder do PSB na Câmara.

Na eleição de 2002, uma ala do PSB apoiou o peemedebista Anthony Garotinho para a eleição presidencial, mas Eduardo Campos aproximou o partido de Lula, começando uma parceria que persiste até hoje. Com as trapalhadas do então presidente do PSB, Roberto Amaral, no Ministério da Ciência e Tecnologia, articulou em causa própria e acabou ocupando a vaga na Esplanada.

Em 2006, com o apoio de Lula, elegeu-se governador. Outro grande trunfo na época foi o arquivamento do processo dos precatórios pelo STF, inocentando Campos e Arraes. A absolvição derrubou a única agenda negativa que os adversários na disputa tinham contra ele.

É casado com a economista e auditora concursada do Tribunal de Contas do Estado Renata e tem quatro filhos — Maria Eduarda, João Henrique, Pedro Henrique e José Henrique. Os adversários dizem que Eduardo Campos difere do avô Miguel Arraes na questão do “patrimonialismo e familismo”. O governador teria transferido a família dele e da mulher para o governo. O irmão João Campos, escritor, virou promotor da Fliporto, uma feira de livros que é particular, mas conta com patrocínios de órgãos estaduais e federais.


Edurardo com Lula e Humberto Costa

Antes de ter a imagem arranhada na cena política nacional pela campanha que fez para eleger a mãe como ministra do Tribunal de Contas da União (TCU), ano passado, ele já tinha se cercado de parentes no Tribunal de Contas do Estado (TCE). A mulher já era auditora concursada. Mas ele indicou e nomeou como conselheiros um primo seu, João Campos; e um primo da mulher é um dos seus homens fortes, Marcos Loreto.

O ex-líder petista Maurício Rands, nomeado secretário de Articulação Institucional do governo de Pernambuco, é primo de Renata. O atual secretário da Casa Civil, Tadeu Alencar, é primo do governador. O pai de Renata, o médico Cyro de Andrade Lima, foi nomeado membro do Conselho de Administração da estatal de saneamento Compesa.

— Hoje, Eduardo Campos deseja se tornar hegemônico na esquerda, sepultando o PT ou subordinando-o inteiramente ao Palácio (das Princesas, sede do governo local). Sobre a oposição, ele mesmo desdenha e diz que ela está falando apenas para 6% do eleitorado, pois 90% o aprovam, segundo as pesquisas, e 4% estão indecisos — diz a ex-deputada tucana Teresinha Nunes, uma das poucas vozes da oposição em Pernambuco.

Um dos mais proeminentes representantes do capital e aliado de primeira hora em Pernambuco, o ex-presidente da Confederação Nacional da Indústria(CNI) e senador eleito em sua chapa, Armando Monteiro Neto (PTB-PE), diz que Eduardo Campos recuperou a autoestima dos pernambucanos ao colocar o estado numa posição de liderança na região.

— Eduardo é o emblema de um novo tempo para Pernambuco — diz Monteiro.

O escritor Ariano Suassuna é quase um amuleto que Eduardo Campos carrega desde que deu os primeiros passos na política. Quando nasceu da união do escritor Maximiano Campos e Ana Arraes, sua vizinhança era, na frente, a casa de Ariano. Do lado, a do avô Miguel Arraes. Suassuna tem com ele uma relação paternal e diz que a amizade começou desde antes de ele nascer.

O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), disputou com Eduardo Campos o governo em 2006, e a campanha não foi nada amena. Agora travam de novo uma guerra surda, porque Campos não quer que ele dispute o governo em 2014 com seu afilhado, o ministro Fernando Bezerra (Integração Nacional), em evidência neste início de ano, acusado de ter favorecido seu estado com recursos para prevenção e combate a enchentes.

A proximidade maior de Campos no PT é com Lula, com quem se reúne amiúde para discutir decisões de governo e alianças regionais. Semana passada, ao voltar de uma viagem aos Estados Unidos, desceu em São Paulo para almoçar com o ex-presidente.

Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

CAMPOS E DILMA: aproximação durante a campanha eleitoral

Na campanha de Dilma, ganhou pontos ao enquadrar e obrigar o correligionário Ciro Gomes (CE) a desistir de se candidatar a presidente. Ganhou eterna gratidão de Lula, mas também um desafeto barulhento no partido. Ciro não o perdoa. Já disse, por exemplo, que Campos não tem a experiência que ele, Ciro, tem em campanhas presidenciais.

— Lula e Dilma ainda vão se arrepender. Eduardo Campos ainda vai dar uma rasteira — aposta, na surdina, um dirigente petista.

Parcerias com o PSDB

Mesmo sendo apontado como um fiel aliado de Lula e Dilma, o governador pernambucano tem parcerias eleitorais com o PSDB de Aécio Neves em vários estados e é estimulado a disputar a Presidência em 2014 por setores da base governista e da oposição — Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) e Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), por exemplo, consideram que, por seguir desde o início a política bem-sucedida Lula/Dilma, ele teria até mais chances que Aécio Neves.

— Eduardo Campos é hoje a liderança mais destacada do Nordeste e com maior poder de aglutinação — diz Geddel.

O cientista político pernambucano Antônio Lavareda, ligado ao PSDB, reconhece seu potencial:

— Eduardo Campos conseguiu colocar seu nome na prateleira dos presidenciáveis para 2014.

Helia Scheppa/JC Imagem

ANA ARRAES, mãe do governador: “Não conheço inimigos políticos dele”

É um quadro da política nacional que tem contribuído muito com nosso estado. A economia mudou. Eduardo é inteligente, trabalhador e sensível. Não conheço inimigos políticos dele — diz a mãe, Ana Arraes.

A ministra atual do TCU acha que o filho aprendeu bem o ensinamento de que, se vai para uma disputa, tem que ser para ganhar:

— Tudo começa na cabeça. Se você coloca na cabeça e vai para uma eleição se sentindo derrotado, vai perder. Não é uma coisa de prepotência, de ganhar de qualquer jeito.

Mas seus adversários políticos não concordam que é só uma questão de persistência. Dizem que Eduardo Campos é extremamente agressivo quando quer conquistar alguma coisa. E, se resolvem lhe enfrentar, é no tudo ou nada: "se está comigo ótimo, se está contra mim, espere", contam os inimigos políticos.

Adversário de Arraes em 1986 na disputa pelo governo de Pernambuco, o hoje ministro do TCU José Múcio Monteiro conhece Eduardo Campos desde menino. E é farto nos elogios:

— Eduardo é um homem simpático, extremamente agradável, mas também extremamente decidido e determinado. E muito duro quando precisa ser. É afável e simpático, mas um gestor duro, que busca muita eficiência de gestão, mais voltado para a história do avô com as classes menos favorecidas.

O governador foi procurado insistentemente pelo GLOBO desde a semana passada para uma entrevista. Por último foi prometida uma resposta a perguntas enviadas por escrito, mas até as 22h de sexta-feira ela não chegou.


*Acrescentamos subtítulo, foto e legenda ao texto original

28 de jan de 2012

Bispa Sônia deu sumiço a R$ 785 mil do Ministério da Educação

BRASIL
Bispa Sônia deu sumiço a R$ 785 mil do Ministério da Educação
A bispa da Igreja Renascer perdeu o último recurso no Tribunal de Contas da União, que a condenava a devolver o dinheiro recebido e desviado que se destinava a alfabetizar jovens. Essa é mais uma má noticia, para a Bispa, que costuma responsabilizar as forças malignas pelos seus “infortúnios”.

“Vivendo de Bem com a Vida” graças ao dinheiro que consegue escamotear.
Postado por Toinho de Passira
Fontes: Radar Online, Folha de São Paulo,
Isto É

O Tribunal de Contas da União negou recurso e manteve a condenação da bispa Sônia Hernandes, uma das fundadoras da Igreja Renascer.

Ela terá de devolver aos cofres públicos R$ 785 mil e foi multada em R$ 100 mil.

As verbas questionadas foram repassadas pelo FNDE (órgão do Ministério da Educação) para a Fundação Renascer, entre 2004 e 2005, e deveriam ter sido usadas na alfabetização de jovens e adultos.

Na época, Sônia era a presidente da fundação. Foi instaurada uma tomada de contas especial, "em decorrência da inépcia da prestação de contas do convênio".

Segundo o TCU, houve saques na conta corrente do convênio sem identificação do destinatário dos recursos, entre outras irregularidades.

Possivelmente ela vai usar o dinheiro que está ganhando com o livro biográfico “Vivendo de Bem com a Vida”, que lançou em setembro e que já vendeu 35 mil exemplares. A obra é tão significativa que sua Igreja Renascer em Cristo, comprou 5 000 exemplares. Será que foi com o dinheiro do Ministério?

Descuidada ela se esqueceu de mencionar na obra biográfica a “provação” que foi obrigada a passar, cumprindo pena de três meses, na cadeia, em Miami, Estados Unidos, condenada por ter tentado entrando no país, com US$ 56 mil em dinheiro não declarado, escondido inclusive dentro da Bíblia.

Não falou também que é acusada no Brasil, por lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e estelionato. Esqueceu-se de mencionar, ainda, que dezenas de condenações nos processos de idenização das vitimas do desabamento do telhado da sede da Renascer, em São Paulo, onde morrem nove pessoas e 117 ficaram feridas. E agora mais essa condenação do Tribunal de Contas.

Sugerimos humildimente que Soninha escreva “Vivendo de Bem com a Vida – Parte II”, só com essa excitante parte criminal da sua vida. Nós compraríamos.

Coisas que só acontecem no Maranhão

MARANHÃO
Coisas que só acontecem no Maranhão
O processo de cassação do mandato da Governadora José Sarney, no TSE, está engessado no TRE do Maranhão. Por que? Por que?

Foto: Valter Campanato/ABr

Coisas do Maranhão

Lauro Jardim
FonteRadar Online

É mais uma dessas histórias que só acontecem no Maranhão da família Sarney. Passada a eleição para o governo maranhense, em dezembro de 2010, o ex-governador José Reinaldo foi ao TSE pedir a cassação de Roseana por abuso de poder político e econômico. O caso foi parar nas mãos do ministro Arnaldo Versiani que, seguindo a liturgia da Justiça Eleitoral, expediu carta de ordem para que o TRE maranhense intimasse a governadora.

Por uma dessas coisas que só acontecem no Maranhão, o tribunal levou quatro meses para conseguir localizar e citar Roseana que, obviamente, estava no Palácio dos Leões. Quando conseguiu, coube novamente a Versiani solicitar ao TRE que ouvisse dez testemunhas de defesa da governadora. Em agosto de 2011, a tarefa foi delegada ao juiz Sérgio Muniz, que deveria ter se declarado impedido de realizar a tarefa, uma vez que é filho do secretário adjunto da Casa Civil de Roseana, Antonio Muniz.

Pois Sérgio não só aceitou o caso como permaneceu sentado sobre o pedido de Versiani por 58 dos sessenta dias de prazo para colher os depoimentos. No penúltimo dia, Sérgio devolveu a carta de ordem a Versiani solicitando mais sessenta dias de prazo e novos documentos para realizar a audiência.

Quando os documentos chegaram, o mandato de Sérgio no TRE maranhense havia terminado e o caso foi então delegado ao juiz federal Nelson Loureiro, que deu andamento imediato ao pedido, marcando a audiência das testemunhas de Roseana para esta sexta-feira. Na semana passada, porém, os advogados de Roseana entraram com recurso pedindo que o caso retornasse aos cuidados de Sérgio Muniz (já reconduzido ao cargo por Dilma Rousseff). Loureiro negou o pedido e o caso foi então parar no plenário do TRE maranhense.

Durante o julgamento, dois magistrados votaram para manter a audiência com Loureiro enquanto outros dois votaram a favor dos advogados de Roseana. Empate estabelecido, coube a quem desempatar? O voto final foi do juiz José Carlos Souza e Silva que, por uma dessas coincidências do Maranhão, era até pouco tempo presidente da Fundação José Sarney. O pedido de Versiani segue parado nas mãos de Sérgio Muniz.

COMENTÁRIOS NOSSO: Cadê o Conselho Nacional de Justiça?


Harry Belafonte - canta- "Matilda” de Harry Belafonte

Harry Belafonte canta "Matilda”
de Harry Belafonte


”passiravideo”


Cristina Kichner, a eterna

ARGENTINA
Cristina Kichner, a eterna
Aproveitando o momento de popularidade em alta, a presidente da Argentina conspira, através do seu vice Amado Boudu, a possibilidade da mudança da constituição, para permitir aos presidentes argentinos a reeleição permanente, começando por ela, é claro. Um projeto acarinhado pela militância kirchnerista que em plenos pulmões costuma gritar: “Cristina eterna!”.

Foto: Enrique Marcarian/Reuters

Aproveitando a popularidade em alta, e o rescaldo da comoção nacional, devido ao câncer que lhe havia sido erroneamente diagnosticado, Cristina, a pouco mais de um mês, de ter tomado posse, num segundo mandato, deseja o mais rápido possível, mudar a constituição para ter a chance de ser reeleger para sempre.

Postado por Toinho de Passira
Fontes: El Clarin, La Nación, Los Andes, Pagina 12, Folha de São Paulo, Wikipedia

Em fevereiro de 2011, a deputada federal argentina Diana Conti, expressou seu desejo e de grande parte do kirchnerismo ao afirmar: “deseamos una reforma constitucional porque queremos una Cristina eterna”. A idéia não foi bem aceita, a princípio e Cristina Kirchner, em plena campanha pela reeleição, não quis seguir com a polêmica, tanto que falando ao Congresso, um mes depois, foi falsamente humilde e modesta, afirmando que mesmo que quisses não teria força política para mudar a constituição para obter a chance de outros mandatos. Desde então o assunto ficou em banho-maria.

Mas nesta quinta feira, menos de 24 horas depois de Cristina, ter reassumido a presidência, após a licença médica, a proposta de "Cristina eterna”, tão repetida pela militância, chegou abertamente a pauta política.

Num almoço fechado organizado pelo vice-presidente Amado Boudou, em Mar del Plata, segundo o jornal "La Nación", diante de pesos pesados do kirchinerismo, a deputada provincial Fernanda Raverta, da agrupação La Cámpora, propôs a reforma da Constituição para garantir um terceiro mandato à Cristina, repetindo a sugestão feita pela colega federal Diana Conti.

Na Argentina, o terceiro mandato é proibido pela lei. A presidente iniciou seu segundo período em 10 de dezembro último, após ser reeleita com 54% dos votos.

A proposta da deputada foi acolhida imediatamente pelo vice-presidente Amado Boudou, acrescentando que "temas constitucionais têm de ser discutidos agora e não daqui a três anos".

Foto: Reuters

Cristina diante do painel com, a eterna, Evita Perón reunidas com crianças carentes.

A oposição pronta e fortemente reagiu. Ricardo Alfonsín, (União Cívica Radical) e o socialista Hermes Binner, ambos derrotados nas últimas eleições, por Cristina, demonstraram indignação.

Alfonsín disse que a sociedade não via com bons olhos essa iniciativa. "Todas essas coisas terminam afetando negativamente a imagem do governante", disse.

Já Binner declarou que não era "eticamente saudável" que, durante o exercício de sua função, um governo pedisse para "modificar a Constituição em função de seu benefício particular".

Ao que parece, o tema, vai unificar a oposição, sempre tão fragmentada, que unida poderá complicar, a pretensões de Cristina de eternizar-se no poder.

O novo congresso eleito junto com Cristina é dominado por aliados, com maioria no senado, 38 cadeiras e 131 deputados na Câmara Federal, número suficiente para aprovar projetos que exigem maioria simples. Mas nada comparado à esmagadora maioria que apoio o governo Dilma no Brasil, lá, apenas três senadores e cinco deputados garantem a maioria.

Como uma alteração constitucional, lá como aqui, exige uma maioria de dois terços do congresso, os kricheneristas, vão ter que conseguir que 10 senadores e 53 deputados da oposição adiram, e contar que não haja debandada na base aliada.

Foto: Daniel Garcia/AFP/Getty Images

Irritado com as repercussões, o vice Boudou, visto aqui ao lado de Cristina, declarou que, quando disse que "não era necessário esperar três anos", não estava falando sobre a reeleição especificamente, mas da necessidade de o terceiro mandato entrar na agenda no futuro.

Hoje, os países latino americanos, adotam leis variadas em relação a eleições e reeleições. As constituições de países como o México, Guatemala, Honduras e Paraguai, impedem os ex-presidentes, não se de tentarem a reeleição, mas de assumirem um novo mandato pelo resta da vida.

Outro grupo de países da região, permitem uma reeleição única, acrescentada a possibilidade de se candidatar novamente após outro presidente ter exercido o mandato. São eles Brasil, Colômbia, Bolívia, Equador, República Dominicana, Argentina, Peru, Uruguai, Chile, Costa Rica, El Salvador, Panamá e Nicarágua.

Apenas na Venezuela, Hugo Chávez, conseguiu mudar a constituição e tornou as reeleições sucessivas e sem limites, a utopia do “Chávez eterno”, o sonho acalentado por Cristina Krichner.

Foto: Gil Montano/Reuters

Cristina parece embevecida com o venezuelano Chávez que conseguiu mudar a constituição e pretende ser, o ”Chávez eterno”, isso se a saúde e os eleitores velezuelanos deixarem.


27 de jan de 2012

Parentes mexicanos de Romney correm perigo

MEXICO
Parentes mexicanos de Romney correm perigo
A polícia do México diz que o discurso anti-drogas e endurencimento das leis contra traficantes do republicano Mitt Romney, em campanha para presidente dos EUA, ameaça a segurança dos seus parentes mexicanos que habitam a perigosa região de Chihuahua, onde impera o cartel de Sinaloa, sob o comando do procurado e perigoso Joaquín "El Chapo" Guzmán.

Foto: Washington Post

Parentes mexicanos de Romney: Karen e o neto Tyton, ao lado do cunhado Leighton, em Chihuahua, no México.

Postado por Toinho de Passira
Fontes:Excelsior, Univision, La For a – O Globo, El Universal

No México, familiares mexicanos de Mitt Romney, o candidato mais bem cotado nas pesquisas, para concorrer às eleições a presidência dos EUA, pelo Partido Republicano, estão temerosos dos riscos de sofrerem ataques dos narcotraficantes, por causa das posições antidrogas, expressa pelo parente político, nos debates eleitorais.

Mais de 35 parentes do pré-candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos moram em Chihuahua, uma área controlada pelo “cartel de Sinaloa”.

A vida dos Romneys no México, seguia serena e tranquila, mesmo vivendo numa região violenta e dominada por narcotraficantes, até que ganharam visibilidade com o parente famoso.

Foto: Dominic Bracco II/Washington Post

Meredith Romney, o primo sequestrado.

É verdade, que um dos Romney, o primo, Meredith Romney, de 70 anos, foi seqüestrado há dois anos. Ficou trancafiado em uma caverna durante três dias e só foi libertado depois que a sua família pagou uma o resgate.

Meredith, porém, considera-se um homem de sorte, pois ele foi um dos quatro que sobreviveu a ação dos sequestores. Naquele ano, dos dezoito cidadãos sequestrados pelo cartel, 14 foram assassinados.

O jornal mexicano "El Universal" afirma que policiais teriam dito que a iniciativa de Romney de tornar mais efetivas as campanhas antidrogas dirigidas aos jovens e de aumentar as penas para os traficantes, poderia descontentar o líder do cartel de Sinaloa, Joaquín "El Chapo" Guzmán, um traficante mexicano ligado à "Alianza de Sangre", também conhecida como Sinaloa Cartel. "El Chapo" é considerado o criminoso mais procurado do mundo e segundo a revista Forbes ocupa a posição 701° homem mais rico do mundo, com uma riqueza acumulada de mais de um bilhão de dólares.

Os Romney mexicanos são descendentes de Miles Park Romney, mórmon polígamo que teria se mudado para o deserto de Chihuahua em 1885 para fugir da perseguição religiosa - que incluía repressão à poligamia - nos Estados Unidos. Conseguiu asilo da presidente mexicano Porfirio Diaz, sob alegação de perseguição das autoridades dos EUA.

Bem longe das leis americanas, Miles, bisavô de Mitt, teve quatro esposas e 30 filhos, entre eles o pai de Mitt, George Romney, que nasceu no México.

Foto: Dominic Bracco II/Washington Post

A sobrinha, Laurice Romney, 28 anos, a nova geração


Miriam Leitão: Força da mudança

OPINIÃO
Força da mudança
“Mubarak foi deposto, preso, eleições foram convocadas e já há um parlamento eleito. No aniversário comemorado ontem os egípcios continuavam protestando. O que mais eles querem? Ora, o que pediram: democracia”.

Foto: Getty Images

Jovens egípcios acamparam nesta quinta-feira na Praça Tahrir, no Cairo, e prometeram ali ficar até que o Exército entregue o poder em mãos civis, um dia após uma manifestação em massa marcar um ano desde o levante que derrubou Hosni Mubarak

Míriam Leitão e Alvaro Gribel
Fonte: Blog de Miriam Leitão

Há um ano, numa hora dessas, o mundo estava ainda de boca aberta com a Praça Tahrir. Cinquenta mil egípcios tinham atendido à convocação de protestar contra a ditadura de Hosni Mubarak. O espanto aumentaria nos 18 dias seguintes. O protesto chegou a reunir um milhão de pessoas e, nele, o país mostrou ao mundo a dimensão da sua persistência.

Mubarak foi deposto, preso, eleições foram convocadas e já há um parlamento eleito. No aniversário comemorado ontem os egípcios continuavam protestando. O que mais eles querem? Ora, o que pediram: democracia. O governo mudou um pouco para não mudar muita coisa. Mubarak sempre teve seu poder assentado sobre a força dos militares, que agora governam eles mesmos o país.

Leis de exceção continuam em vigor; os militares que não aceitaram a ordem de Mubarak de atirar na população permanecem presos, acusados de incitação à revolta e deserção; há muitas dúvidas sobre a possibilidade de haver uma eleição democrática para presidente. Pelo menos foi isso o que disse o prêmio Nobel Mohamad El-Baradei quando desistiu recentemente de disputar a presidência.

O mundo é que não é o mesmo depois daquele 25 de janeiro. O movimento que havia começado na Tunísia explodiu na Praça Tahrir e de lá contaminou uma série de outros países, derrubando governos e arrastando convicções.

A maioria dos analistas não tinha a menor ideia de que eventos dessa natureza poderiam mudar tão rapidamente o mapa político do Norte da África. Em um artigo na “Foreign Affairs”, um desses especialistas no tema, F. Gregory Gause III, faz autocrítica. O título do artigo é bem sugestivo: “Por que os estudos de Oriente Médio perderam a Primavera Árabe. O mito da Estabilidade Autoritária”. Nele, o cientista político admite que estava “totalmente errado” quando defendia que os Estados Unidos não deveriam incentivar a democracia no mundo árabe, porque as ditaduras eram aliados mais estáveis. Gregory Gause é há 20 anos professor de Oriente Médio em grandes universidades americanas.

Toda correção de rota foi feita depois dos eventos. Só então se descobriu que uma juventude mais educada que seus pais, mas desempregada, em redes de relacionamento de mídia social tem um alto poder de mobilização. Os especialistas haviam se dedicado a explicar a permanência dos ditadores, e subestimaram as forças da mudança.

Na Líbia, ninguém se surpreendeu com a ferocidade com que Muamar Kadhafi reagiu aos protestos, mas foi surpresa que seu porta-voz tenha sido o filho que foi mandado estudar em Londres, e que era supostamente a face suave do regime. Não há face suave em ditaduras sanguinárias. É a lição que Saif al Islam deu aos mais ingênuos. Hoje, o filho favorito está preso, e Kadhafi, morto.

A revolução que derrubou governos de três décadas, ou mais, na Tunísia, Iêmen, Egito e Líbia, continua inquieta. Novas mudanças virão. É um movimento em curso. A guerra civil permanece na Síria e há dúvidas em cada país sobre se a dinâmica dos acontecimentos levará a governos democráticos ou a novas formas de tiranias. O Egito sequer conseguiu se livrar completamente da velha tirania militar, ainda que seja difícil negar que o país já fez uma grande jornada.

A economia não tem ajudado. O Egito teve um crescimento do PIB de apenas 1%, para uma inflação de 11%, no ano passado, e que deve ficar, segundo previsão do FMI, no mesmo nível em 2012. O diretor de Oriente Médio do Fundo, Masood Ahmed, visitou o país recentemente atendendo a um pedido do governo para que apoiasse um plano de estabilização que incentive o crescimento econômico e a criação de empregos. A missão do FMI falou também com os grupos políticos diversos e com representantes da sociedade civil para ter uma visão dos vários lados da atual realidade política do país.

O Egito está fazendo uma transição histórica. A sociedade ganhou força. Mas construir democracia não é fácil, como nós bem sabemos. Aqui também temos trabalhado há 27 anos na longa tarefa de aperfeiçoar o regime democrático.

O Egito terá agora que lidar com suas diferenças. O movimento era por um governo civil e leigo. A eleição consagrou a Fraternidade Islâmica que, com o Partido Salafista, mais radical, conseguiu a maioria no novo parlamento. O Partido Salafista chegou defendendo a Sharia, o código religioso, que, se adotado, começa por tolher a liberdade das mulheres.

O que é fascinante na Praça Tahrir é tentar entender uma vez mais que mistério é esse que detona os processos de mudanças. Aquele protesto não era o primeiro a ser convocado. Pelo contrário, vários outros foram, com pouco sucesso. O dia foi escolhido porque era um feriado, o Dia da Polícia, quando os policiais estavam de folga. Tendo o protesto da Tunísia como inspiração - que 11 dias antes tinha derrubado Zine El Abidine Ben Ali - e a enorme insatisfação como motivo, os egípcios rumaram para a Praça Tahrir. E de lá não saíram nos 18 dias seguintes, mesmo quando a polícia de Mubarak chegou com seus cavalos. Eles voltaram ontem e querem mais mudanças.


*Acrescentamos subtítulo, foto e legenda ao texto original

Caprichos e privilégios da filha mimada de Chávez

VENEZUELA
Caprichos e privilégios da filha mimada de Hugo Chávez
A filha adolescente do presidente venezuelano, Hugo Chávez, crítico ferrenho do consumismo e tudo que envolva o capitalismo selvagem, publicou na internet uma foto com um leque de dólares. A travessura da adolescente incomodou os venezuelanos que reagiram protestando nas redes sociais, afinal, na Venezuela há um rígido controle para se comprar e vender dólares, para o resto da população, menos para a família do presidente, é o que pareceu.

A filha de Cháves exibindo dólares inacessível aos venezuelanos

Postado por Toinho de Passira
Fontes:Noticias Venezuela, El Tiempo, The Guardian, O Filtro – Revista Época

Uma das duras regras do “Socialismo do Século 21″ criadas pelo presidente da Venezuela, Hugo Chávez, está, aparentemente, sendo violada. Mas não por oposicionistas que querem se livrar dele, e sim por sua filha, Rosinés Chávez, de 14 anos. O jornal britânico The Guardian conta que Rosinés publicou uma imagem em sua conta no Instagram na qual aparece posando com diversas notas de dólar, uma possibilidade praticamente impossível para a maioria dos venezuelanos.

A imagem provocou indignação porque “a revolução socialista do século 21″ de seu pai mantém estritos controles sobre transações com moeda estrangeira há quase uma década, deixando muitos venezuelanos comuns sem dólares suficientes para viagens e investimentos. O Twitter, o Facebook e outras mídias sociais ficaram cheias de ressentimento de pessoas que disseram não ter conseguido trocar bolívares, a moeda local, por conta dos limites impostos pelo governo sobre a quantidade de dólares que podem ser compradas em um taxa oficial e fixada”.

Bibier e Rosinés, acesso privilegiado, no aeroporto.
Ainda de acordo com o Guardian, houve gente que defendeu Rosinés, dizendo que as notas eram de cinco dólares e que, ainda que fossem muitas, não constituem uma grande soma de dinheiro.

A mãe de Rosinés, Marisabel, ex-mulher de Chávez, defendeu sua filha, criticando as pessoas que se indignaram. “Eu disse para ela que seu erro não foi tirar a foto, mas postar em um meio no qual há pessoas ignorantes que não respeitam os outros”.

Recentemente, Rosinés provocara polêmica ao postar uma foto com o cantor canadense Justin Bieber, quando este esteve em Caracas para um show. Para os críticos da primeira família, foi uma prova do estilo de vida exagerado dos Chávez.

O jornal colombiano El Tiempo diz que Rosinés é “mimada em excesso” por Chávez e lembra que, em 2008, o presidente da Venezuela revelou que mudou a orientação do cavalo que figura na bandeira do país (da direita para a esquerda) a pedido da filha.

Os meios de comunicação venezuelanos fizeram vistas gordas diante da foto e das reações que provocou, talvez prevendo ser sancionados como ocorreu com o diário TalCual em 2005, quando foi multado pelo conteúdo de um editorial intitulado ‘Querida Rosinés’.

Boas notícia sobre Gisele Bündchen

FASHION
Boas notícia sobre Gisele Bündchen
A modelo brasileira parece ter nascido com o belo bumbum para a lua. Os jornais não param de noticiar boas noticias a seu respeito. Ela merece.



A casinha de Gisele, oito quartos e piscina em forma de lago, vizinha de Arnold Schwarzenegger

Postado por Toinho de Passira
Fontes:Bruno Astuto, Revista Quem , Daily Mail, The Telegraph, Daily Mail , Ego

Grandes jornais do mundo ocuparam-se em noticiar que Gisele Bündchen e o maridão Tom Brady acabam de se mudar para a mega mansão contruída pelo casal, localizada em Brentwood, região da Califórnia.

Foto: Stephan Savoia/Associated Press

Tom Brady, o maridão, comemorando o touchdown decisivo, a mulher Gisele estava na plateia.

Noticiaram, também, e fartamente, que no último domingo, a modelo estava no estádio em Boston, quando o time de futebol americano do maridão, o New England Patriots, venceu o Baltimore Ravens. Não foi uma vitória qualquer, foi ele o quarterback Tom que colocou os Patriots pela sétima vez no Super Bowl, ao marcar o touchdown decisivo. A finalíssima entre o Patriots e New York Giants acontece no dia 5 de fevereiro, em Indianápolis.

Foto: Reuters

Gisele em São Paulo desfilando com a lingerie Hope, sucesso mundial

De acordo com o "Daily Mail", Gisele pode se tornar a primeira modelo bilionária, caso o sucesso da lingerie Hope, que agora acontece em Portugal, Japão, Israel e em vários pontos da América Latina se expanda pelo resto do planeta, como está nos planos da marca. Gisele recebe 40% dos lucros das vendas.

No ano passado, Gisele foi eleita a modelo mais bem paga do mundo, em lista divulgada pela "Forbes". Somente em 2010, a top faturou cerca de 45 milhões de dólares.


A mansão vista, desse ângulo, exibe os tetos cobertos de placas captoras de energia solar. Vê-se também o plantio de um pomar de arvores frutíferas, junto ao gramado.

O casarão, agora habitado por Gisele, foi concebido ao estilo mediterrâneo, inspirado nos palácios e vilas do litoral italiano. Demorou quase dois anos para ser construído, está situado numa área de 1,5 hectares, e tem mais de 2 mil metros quadrados de área construída, divididas em oito quartos, adega, sala de musculação, garagem para até seis carros, piscina em forma de lagoa e uma ponte coberta que liga as duas partes da casa.

Gisele fez questão de alardear que a mansão é autossustentável, possui captores de energia solar, aproveita água da chuva e recicla tudo que for possível. Acrescentou que o tamanho tido como exagerado é porque eles desejavam dar conforto para parentes e amigos que os visitarem.

Os novos vizinhos do casal são Arnold Schwarzenegger e Heidi Klum, além da ex-mulher de Brady, Bridget Moynahan, a mãe do seu filho mais velho John, irmão de Benjamin, o filho de Gisele.

Foto: Evan Agostini/Associated Press

Todos dizem que Tom Brady tem cara de bobo e que nessa relação quem manda é Gisele. Mas uma coisa é certa ele sabe onde colocar a mão.


26 de jan de 2012

A tragédia no centro do Rio

BRASIL
A tragédia no centro do Rio
Três prédios desmoronaram na noite de quarta (25), perto do Teatro Municipal, área central do Rio de Janeiro. Quatro mortos, três homens e uma mulher, foram retirados dos escombros. Há 22 desaparecidos. Dos seis feridos no acidente, três permanecem internados na tarde desta quinta, no Hospital Souza Aguiar, um deles, uma mulher, em estado grave. As buscas por sobreviventes ou corpos continuam com a ajuda de cães farejadores e pás mecânicas.

Foto: Carlos Ivan/OGlobo

Foto aérea do Theatro Municipal e, ao fundo, o local onde três prédios desabaram na noite de quarta-feira

Postado por Toinho de Passira
Fontes: O Dia, Folha de São Paulo, BBC Brasil, G1, O Glob

As equipes do Corpo de Bombeiros resgataram quatro corpos de vítimas do desabamento de três prédios, no Centro do Rio de Janeiro. Os corpos encontrados são de três homens e uma mulher. Três foram identificados: Celso Renato Braga Cabral, de 44 anos, Cornélio Ribeiro Lopes, de 73, Moiséis Moraes da Silva.

Equipes de busca e salvamento continuam no local e contam com o auxílio de cães farejadores, retroescavadeiras e pás mecânicas. Buscam ainda pelo menos 22 desaparecidos.

Um prédio de 20 andares, outro de 10 e um imóvel de cinco pavimentos ficaram em ruínas. O acidente ocorreu por volta das 20h30 O desabamento ocorreu por volta das 20h30, de quarta-feira (25), quando os edifícios comerciais estavam com baixa ocupação, o que teria reduzido bastante o número de possíveis vítimas.

Foto: Carlos Ivan/O Globo

Momento em que os bombeiros localizaram um dos corpos

Foto: Paulo Nicolella/O Globo

Cães farejadores e pás mecanicas ajudam na busca por sobreviventes, sob os escombros

Seis pessoas ficaram feridas no desabamento. A principal hipótese é que o desabamento tenha sido causado por um dano estrutural, já que não há informações sobre explosão ou vazamento de gás. O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea) informou que obras "ilegais", sem registro no conselho ou na prefeitura, estavam sendo realizadas num dos edificios.

Segundo o jornal O Dia, o engenheiro, especialista em estrutura, Antonio Eulálio Pedrosa, disse pela manhã que a causa mais provável para a tragédia é alguma alteração estrutural feita no edifício maior. Eram realizadas obras. "A empresa que realizava a obra, (no 3º e no 9º andar do prédio) pode ter retirado alguma viga e danificado toda a estrutura do prédio", afirmou.

Um prédio na Rua Senador Dantas, que fica próximo ao local do desabamento, foi esvaziado nesta manhã a pedido da Defesa Civil. O prédio, de nove andares, teria sofrido abalo na estrutura.

Três feridos, dos seis atingidos no desabamento, permanecem internados na tarde desta quinta, no Hospital Souza Aguiar, o quadro mais grave é o de uma mulher que teve lesão no couro cabeludo e passou por uma cirurgia.

O ajudante de obras Alexandro da Silva Fonseca Santos, de 31 anos, foi resgatado dentro de um elevador nos escombros. Ele deixou o hospital nesta manhã e disse que foi salvo graças ao celular que usou para pedir socorro, telefonando para um amigo.

Pessoas que estavam no edifício ao lado usaram a luz de seus telefones celulares para chamar a atenção dos bombeiros e buscar socorro. Com as escadas cheias de escombros, não havia como sair. Trinta foram resgatadas.

Foto: Marcelo Piu/O Globo

Guardas Municipais ajudam sobreviventes a deixarem o local

Foto: Marcelo Piu/O Globo

Dezena de veículos que estavam estacionados em frente e nas proximidades ficaram cobertos de poeira e danificados

Um posto de informações para familiares de eventuais vítimas foi instalado na Câmara dos Vereadores, na Cinelândia.

Em nota oficial, o Theatro Municipal informou que o desabamento do edifício da Avenida Treze de Maio não causou prejuízos ao prédio, nem danos estruturais. A única parte atingida por escombros foi a bilheteria, no prédio anexo. Nenhum funcionário foi atingido.

A BBC Brasil embra que o acidente “ocorre pouco mais de três meses após uma possível explosão de gás em um restaurante da cidade ter deixado três pessoas mortas”.

Foto: Carlos Ivan/OGlobo

Apesar da proximidade, o imponente, Theatro Municipal não foi atingido pelo desabamento


Ordem de Dilma demitiu diretor-geral do Dnocs

BRASIL
Ordem de Dilma demitiu diretor-geral do Dnocs
Oficialmente Elias Fernandes, diretor-geral do Dnocs, sob suspeições, pediu exoneração. Na verdade, saiu por ordem expressa de Dilma. O líder do PMDB na Câmara, deputado Eduardo Alves (RN), padrinho político de Elias, ainda tentou salvá-lo, ontem, pressionando de forma acintosa, a presidenta, ameaçando-a com a fundamental força política do PMDB, na base aliada do governo. Dilma, refém do PMDB, fez jogo duplo: mandou exonerar o apadrinhado do deputado, mas concedeu-lhe o direito de indicar o substituto. Um empate de 0x0, que favorece o deputado.

Foto: Tribuna do Norte

Elias Fernandes convencido a pedir demissão

Postado por Toinho de Passira
Fontes: G1, Folha de São Paulo, Blog da Cristiana Lobo

O diretor-geral do Departamento Nacional de Obras contra a Seca (Dnocs), Elias Fernandes Neto, deixou nesta quinta-feira (26) o cargo, após acusação de ter favorecido seu estado de origem em convênios do órgão.

A saída foi anunciada por meio de nota oficial divulgada pelo Ministério da Integração Nacional, ao qual o órgão é submetido, após reunião entre Elias Fernandes Neto e o ministro Fernando Bezerra Coelho.

Elias Fernandes Neto deixou o Ministério da Integração nesta quinta sem falar com a imprensa. A assessoria da pasta disse ainda que o ministro não vai comentar o pedido de demissão.

Segundo o Blog de Cristiana Lôbo, na manhã desta quinta, a ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, comunicou ao vice-presidente Michel Temer a decisão da demissão, por determinação da presidente Dilma Rousseff.

Tudo começou com um relatório de uma auditoria especial da Controladoria Geral da União (CGU), que constatou irregularidades que podem ter causado um prejuízo de R$ 312 milhões no Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs). Além de apontar concentração de contratos no Rio Grande do Norte, estado do diretor-geral do Dnocs, Elias Fernandes. Nos convênios para ações contra desastres naturais, de 47 projetos, o estado teria recebido 37.

Em menos de dois meses, o Dnocs já soma três exonerações de diretores. Na última segunda-feira (23), a presidente Dilma e o ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra, assinaram a exoneração do diretor administrativo-financeiro do órgão, Albert Brasil Gradvhol, em dezembro do ano passado, Cristina Peleteiro foi exonerada da Diretoria de Infraestrutura.

Foto: Agência Brasil

Deputado Eduardo Alves Deputado desafiou Dilma dizendo que PMDB não perderia cargo. Perdeu o apadrinhado, mas manteve o privilegio de indicar o substituto.

Prevendo a exoneração de Elias Fernandes, o seu padrinho político o líder do PMDB na Câmara dos deputados, Henrique Eduardo Alves (RN), padrinho político de Fernandes Neto, ontem em um gesto público de insatisfação com o governo de Dilma Rousseff, desafiou ontem o Planalto a demitir o apadrinhado.

"O governo vai brigar com metade da República, com o maior partido do Brasil? Que tem o vice-presidente da República, 80 deputados, 20 senadores? Vai brigar por causa disso? Por que faria isso?", questionou Alves.

Mais ameaçador ainda cobrou reciprocidade, defendendo que Dilma agisse em relação a seu afilhado da mesma forma que agiu com ministros que, mesmo sob suspeita, foram mantidos nos cargos.

E citou nomes em entrevista na Folha de São Paulo:

"Se fosse assim, o Fernando Bezerra tinha sido demitido; o Fernando Pimentel [Desenvolvimento] tinha sido demitido; o Paulo Bernardo [Comunicações] tinha sido demitido. Mas não. Apresentaram suas explicações, convenceram, com nosso apoio inclusive, e ficaram", disse Alves.

Ele se referia a ministros contra os quais pesaram suspeitas de irregularidades. Bezerra, de favorecer parentes e seu Estado na liberação de verbas da pasta, entre outros pontos; Pimentel, por suspeitas em consultorias de sua empresa; Bernardo, por suposto uso de jato particular.

Alves acrescentou: "Eu quero o mesmo tratamento ao representante do meu partido no Dnocs. Por que com o PMDB o tratamento é diferente? Não pode se explicar."

O PMDB é o principal aliado do PT na coalizão de Dilma Rousseff e foi um dos fiadores do governo em votações polêmicas de 2011, como a do Código Florestal.

Apesar da aliança, nos bastidores peemedebistas manifestam insatisfação. O partido avalia que não irá ganhar espaço na reforma ministerial e que o governo tenta enfraquecer Alves na disputa pelo comando da Câmara.

Apesar do acordo para a candidatura do peemedebista, setores do PT trabalham para que isso não aconteça.

Foto: Renato Araujo/Agência Brasil

Bezerra Coelho, com a cara de pau que Deus lhe deu, exonerando o subordinado, Elias Fernandes, por ter centralizou os projetos da sua diretoria no seu estado de origem.

A demissão de Fernandes já havia sido pedida à Casa Civil pelo ministro Fernando Bezerra em dezembro.

O vice-presidente Michel Temer (PMDB), porém, interferiu na última quinta ao convocar o ministro para uma conversa em seu gabinete.

A Folha apurou que Bezerra foi lembrado nesse encontro que também enfrenta suspeitas de irregularidades e que foi defendido pelo PMDB.

Nessa conversa, o ministro foi convencido em rever sua posição e encaminhar para o TCU (Tribunal de Contas da União) o relatório da CGU, inclusive avalizando a defesa do Dnocs.

As declarações ontem do ministro de que a faxina no Dnocs será feita, porém, surpreenderam o PMDB.

Por essa razão, Alves teria feito a citação explícita a Pimentel, ministro mais próximo de Dilma, e Paulo Bernardo, marido de Gleisi Hoffmann (Casa Civil), a quem compete operar a demissão.

O próximo foco de conflito com o PMDB será a Petrobras. Segundo peemedebistas, o ministro das Minas e Energia, Edison Lobão (PMDB), já foi informado da exoneração do presidente da Transpetro, o ex-senador Sérgio Machado, indicado por Renan Calheiros (AL), líder do PMDB no Senado.

"Isso seria acertar o coração de Renan", disse Alves.

A bravata de Eduardo Alves, tentado envolver o PMDB com os seus interesses pessoais, não adiantou e até tenha sido determinante para a saída do apadrinhado.

Mas para que tudo não fique parecendo sério, o deputado Eduardo após aceitar “a decisão de se exonerar” do afilhado Elias Fernandes, segundo ele relatou, no Twitter, recebeu uma ligação do ministro Bezerra Coelho, esclarecendo os fatos e pedindo a ele uma "indicação urgente" para a direção do Dnocs.

"Peço alguns dias para sugestão de novo nome para representar o RN e o PMDB na direção do Dnocs.” – disse o deputado Eduardo Alves, evidenciando que perdeu a batalha, mas não a guerra. Já a moralidade pública... ?


Cristina volta da licença atacando Reino Unido sobre Malvinas

ARGENTINA
Cristina volta da licença atacando Reino Unido sobre Malvinas
Após 21 dias de convalescença da cirurgia para retirada da tireóde – diagnosticada erroneamente como câncer - Cristina Kirchner fez um discurso inflamado, nesta quarta-feira, na Casa Rosada, atacando as declarações do governo britânico a respeito das Ilhas Malvinas. Aifirmou que um milagre a curou do câncer e no final ironizou o jornal o Clarín, dizendo que resolveu exibir a cicatriz para eles não dizerem que ela não se operou.

Foto: Maxi Failla/AFP/Getty Images

Cristina volta com um discurso inflamado, de luto pelo marido e exibindo a cicatriz da cirurgia de retirada da tireoide

Postado por Toinho de Passira
Fonte:BBC Brasil

A presidente Cristina Kirchner retornou ao cargo, nesta quarta-feira, 21 dias após a cirurgia para a retirada da tireoide – informada a princípio como sendo um câncer. No regresso, a líder da Argentina atacou as declarações do governo do Reino Unido a respeito das ilhas Malvinas.

Vestida de negro, Cristina deixou visível a marca da cirurgia no pescoço diante das câmeras de televisão. Apesar das especulações, a presidente não abandou o luto, que mantem desde a morte do do marido, o ex-presidente Néstor Kirchner, em 2010.

Em um evento na Casa Rosada, Cristina respondeu as declarações do primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, a respeito das ilhas Malvinas.

"Nestes dias (de sua licença médica) nos acusaram de colonialistas. O comitê de descolonização das Nações Unidas tem dezesseis causas de lugares que são colônias, das quais dez são da Inglaterra e uma das mais emblemáticas são nossas ilhas Malvinas", disse.

Na última semana, Cameron, acusou a Argentina de "colonialismo" em relação às Malvinas (chamadas pelos ingleses de Falklands), após Buenos Aires persuadir os países do Mercosul a fechar os portos a navios com a bandeira das ilhas.

"O que a Argentina tem dito recentemente parece ser colonialismo, porque o povo (das ilhas) quer permanecer britânico, e os argentinos querem que eles sejam outra coisa", disse Cameron.

Cristina contestou Cameron e disse que mais cidadãos britânicos vivem hoje na Argentina do que nas ilhas Malvinas.

"Ninguém está pedindo a eles que deixem de ser ingleses (...). Esses argumentos caem por si só. Vamos seguir com nossa política de sempre e que seja cumprida a resolução das Nações Unidas de se sentar, dialogar e negociar a questão. Não esperem da nossa parte gritos ou gestos de xenofobia. Isso deixamos para outros", afirmou Cristina.

A defesa da soberania das Malvinas foi o assunto que mais tempo ocupou o discurso de mais de uma hora de Cristina, transmitido pelas principais emissoras de televisão do país.

"Querem nos converter em garotos maus, ou violentos. Mas não fazemos parte de nenhuma força invasora em nenhum país. Nossas Forças Armadas participam somente de missões de paz", disse.

"Nós vamos continuar da mesma maneira que fizemos até agora, com muito rigor jurídico, político e diplomático, reunindo apoio", afirmou.

Cristina também criticou o regime militar da Argentina, que ocupou o arquipélago do Atlântico Sul, em abril de 1982, provocando uma guerra com o Reino Unido.

"Eles quiseram esconder a tragédia de trinta mil desaparecidos (durante a ditadura militar) e uma economia em crise. E não tiveram melhor ideia do que mandar jovens a uma guerra suicida, jovens que não estavam preparados", atacou.

A presidente anunciou a criação de uma comissão para a abertura de documentos do chamado “informe Rattenbach”, que seria mantido como segredo militar por cinquenta anos.

Cristina afirmou ainda que em 2013 se completará “cento e oitenta anos da usurpação das Malvinas cometida pelo governo do Reino Unido em 1833”.

Cristina também atacou as prospecções para exploração de petróleo nas Malvinas.

"Estão depredando nossos recursos naturais. E não escutei nenhuma ONG ambientalista criticar o Reino Unido pelo que estão fazendo com os recursos naturais e internacionais. Uma exploração petroleira sem controle. Pode ocorrer um derrame, o setor da pesca pode ser afetado", afirmou.

Em 2010, a Argentina acusou a Grã-Bretanha de descumprir regras internacionais por perfurar as águas das ilhas, em busca de petróleo.

A presidente detalhou ainda como soube do resultado do exame que indicou que não tinha câncer, como chegou a ser anunciado inicialmente.

"O médico não quis dizer, mas eu digo. Foi um milagre. Quero agradecer a todos que rezaram pela minha saúde".

A presidente contou que mais um nódulo foi encontrado, também sem sinais de câncer.

Cristina também voltou a atacar o Grupo Clarín, em mais um capítulo da ferrenha disputa entre o governo e o principal conglomerado de imprensa do país.

"Pensei em vir com lenço (para esconder a cicatriz), porque sei que não está muito estético. Mas aí, amanhã, o Clarín diria que 'essa' (ela) não operou".


*Acrescentamos subtítulo, foto e legenda ao texto original