30 de jun de 2010

Vice de Serra será jovem deputado carioca do DEM

ELEIÇÕES 2010
Vice de Serra será jovem deputado carioca do DEM
Finalmente os Tucanos e os Democratas chegara a um consenso e escolheram como o vice na chapa de José Serra, o deputado carioca Índio da Costa (DEM-RJ), tendo para tanto sido descartado o senador Alvaro Dias (PR), que anteriormente havia sido anunciado e que resignadamente e até com bom humor, aceitou a substituição colaborando com a pacificação dos Tucanos e Democratas

Foto: Renato Araujo/ABr

O presidente do PSDB e coordenador da campanha Sérgio Guerra, o candidato a vice Indio da Costa e o presidente dos DEM deputado Rodrigo Maia (RJ), na convenção dos Democratas em Brasília

Toinho de Passira
Fontes: Reuters , Portal Terra, Agência Brasil

Intensas reuniões entre as cúpulas do DEM e do PSDB, com a participação de Serra, levaram à escolha de Indio da Costa no mesmo dia da convenção do DEM, realizada em um hotel de Brasília. O evento teve que ser adiado por algumas horas, antes de oficializar o apoio do partido a Serra e ao deputado vice.

"A gente traz um nome novo para o processo, um nome que não estava sendo cogitado, uma pessoa jovem, integrante de uma nova geração de políticos brasileiros", disse a jornalistas o deputado ACM Neto (DEM-BA) sobre Indio.

O Democratas não aceitou o nome de Alvaro Dias alegando que não foi consultado. O episódio provocou uma crise que aparentou abalar a união das duas legendas.

Serra foi a Brasília e no começo da noite disse não ter ficado sequela no processo e nem admitiu crise na campanha. "Não vamos alavancar novamente. A campanha está alavancada", afirmou.

Sobre o companheiro de chapa, disse que "ele é alguém que pode trazer uma nova geração... Hoje estamos apresentando aqui uma novidade."

De seu lado, Aécio Neves, ex-governador mineiro, que participou de reunião para a escolha do substituto de Alvaro Dias, admitiu equívocos por parte do PSDB.

"Houve equívocos. Se eles são insanáveis? Longe disso", afirmou em Belo Horizonte. A negativa de Aécio em assumir o posto de vice de Serra teria deflagrado a dificuldade de escolha da vice-candidatura tucana.

Foto: Renato Araujo/ABr

Antônio Pedro de Siqueira Indio da Costa entrou para a política por meio do ex-prefeito do Rio de Janeiro Cesar Maia, um dos caciques do DEM e pai do presidente da legenda, deputado Rodrigo Maia (RJ), mas já haviam se distanciado.

Relator do projeto Ficha Limpa, que torna inelegíveis políticos com condenação em órgão colegiado da Justiça, Indio da Costa tem 39 anos, é advogado e foi vereador no Rio pelo antigo PFL, hoje DEM, por três mandatos.

Ele admite só ter conversado com Serra uma única vez durante a estreia do Brasil na Copa contra a Coreia do Norte, neste mês, quando os dois falaram das necessidades do Estado do Rio.

"Vou procurar atingir o eleitorado jovem, agregar na comunicação virtual, o que o Serra já vem fazendo muito bem", respondeu ele à Reuters quando questionado sobre sua missão nesta campanha. "Posso agregar todo um pessoal que está muito chateado com a política", afirmou.

ACM Neto disse ainda que o nome surgiu nas últimas horas. "Não tem abalo nenhum, não tem crise nenhuma e acho que agora a gente está com o clima que precisava para construir a vitória de Serra", completou o deputado baiano.

Também aliado de Serra, Roberto Freire, presidente do PPS, aprovou a escolha. "É uma excelente escolha. É um jovem, mas, apesar de ser jovem, tem uma boa experiência no Executivo e no Legislativo. É um homem sério, foi relator do projeto Ficha Limpa e, mais importante, tem ficha limpa", disse ele à Reuters.

Freire não admitiu que houve uma crise na chapa. "Tinha havido uma falta de comunicação, mas não uma falta de unidade."

Já o ex-deputado Roberto Jefferson, presidente do PTB, o pivô da crise sobre o candidato a vice na chapa serrista, ao vazar, via Twitter, o nome do senador Alvaro Dias para o posto, jogou mais um pouco de veneno no microblog Twitter: "Foi oportunismo do DEM forçar a vice. Quis lavar a cara no prestígio de Serra".

Foto: Renato Araujo/ABr

Alvaro Dias, que sempre disse que o lançamento do seu nome, nunca seria obstáculo para o partido buscar um acordo como os Democratas, esteve na convenção e buscou o bom humor. "O DEM é muito mais importante do que eu. O PSDB decidiu assim, e eu assino embaixo", disse encerrando a questão.

Matt Monro canta “From Russia With Love” de Lionel Bart do filme “MOSCOU CONTRA 007”

Matt Monro canta “From Russia With Love”
de Lionel Bart do filme britânico “MOSCOU CONTRA 007” de 1963




USA - RUSSIA - Não é ficção: o FBI prendeu dez espiões russos

USA - RUSSIA
Não é ficção: o FBI prendeu dez espiões russos
Não era uma propaganda de um filme de espionagem dos anos 60, a notícia de que o Departamento de Justiça dos Estados Unidos havia prendido, nesta segunda-feira, dez pessoas, residente no país, acusadas de serem espiões russos, deixou o mundo perplexo, ainda mais por ser o momento em que a Casa Branca e o Kremlin fazem um esforço desmedido para melhorar as relações bilaterais

Foto: Face Book

ESPIÃ QUE VEIO DO FRIO - Anna Chapman, 28, cabelos ruivos flamejantes e olhos verdes: uma jovem russa que desembarcou recentemente em Nova York, uma das espiãs presas, pela sua beleza e sensualidade está causando furor nos tablóides. Em sua página no Facebook, Anna escreveu: "Se você puder imaginar, pode realizar. Se puder sonhar, pode se transformar".

Toinho de Passira
Fontes: The New York Times, BBC Brasil, New York Post, Publico, Portal Terra, Ultimo Segundo

Nem um roteirista ousaria imaginar, nos dias de hoje, por ser demasiadamente inverossímil, uma história que envolvesse casais de espiões russos morando há dez anos nos Estados Unidos, clandestinamente, passando-se por americanos, para eventualmente, no futuro, serem utilizados como agentes capazes de enviar informações ou atuarem em operações para o seu governo dentro do território americano.

Mas na vida real isto estava acontecendo: nesta segunda-feira o Departamento de Justiça dos Estados Unidos prendeu, dez pessoas residentes em Nova York, Massachusetts, Nova Jersey e Virgínia, mais um 11.º suspeito detido em Chipre, como espiões a serviço da Rússia. Pelo menos dois deles, são de nacionalidade peruana e canadense.

Formalmente, os detidos, foram acusados diante de um juiz pelos crimes de conspiração por agir como agentes de um governo estrangeiro, o que pode levar a uma pena máxima de cinco anos de prisão, somando-se a lavagem de dinheiro para as atividades de espionagem, cuja pena máxima de prisão chega a 20 anos.

Especificamente a acusação fala em "missões de longo prazo e infiltração profunda nos Estados Unidos em nome da Federação Russa, com provas colhidas numa investigação que durou pelo menos sete anos.

Foto:Reuters

(Da esquerda para a direita), suspeitos de espionagem russa, Anna Carvalho, Vicky Pelaez, Richard Murphy, Murphy e Cynthia Juan Lazaro, são vistos neste desenho feito no tribunal, onde é proibido fotografar, durante uma audiência no Tribunal Federal de Manhattan em Nova Iorque

Até agora os prisioneiros foram identificados com seus nomes falsos, trata-se do casal Richard Murphy e Cynthia Murphy - presos na cidade de em Montclair, no Estado de Nova Jersey; Vicky Pelaez e Juan Lazaro, em Yonkers, no Estado de Nova York; e Anna Chapman, na cidade de Nova York.

Outras três pessoas, Michael Semenko e o casal Michael Zottoli e Patricia Mills, foram presos em suas casas no condado de Arlington, no Estado da Virgínia.

Mais duas pessoas, Donald Howard Heathfield e Tracey Lee Ann Foley, foram presas em Boston, Massachusetts.

O suspeito detido em Chipre é conhecido como Christopher R. Metsos.

Segundo o “The New York Times”, eles viveram por mais de uma década em cidades norte-americanas de Seattle e subúrbios de Nova York, onde parecia ser casais comuns trabalhando em empregos comuns, convivendo com as comunidades locais, sem fazerem nada que despertassem qualquer suspeita entre os vizinhos.

Segundo as investigações do FBI os agentes foram orientados a recolher informações sobre as armas nucleares, a política americana em relação ao Irã, a CIA, liderança política do Congresso e muitos outros temas.

Os espiões russos chegaram a fazer contato com um ex-oficial de segurança de alto nível nacional americano e um investigador de armas nucleares, entre outros, mas ao que parece não chegaram a obter nenhuma informação importante que pudesse prejudicar os Estados Unidos.

Na verdade eles apenas americanizavam-se para uma possível operação futura. Um projeto de longo prazo, sem claras chances de sucesso, dispendioso e embaraçoso, que demonstra o novo estilo sofisticado, mas um tanto quanto “debilóide” estabelecido pela SVR, o Serviço de Inteligência Exterior, a agencia de espionagem sucessora da antiga KGB.

Foto: Associated Press

A operação foi lançada alguns dias depois de uma calorosa reunião entre Obama e Medvedev, que dividiram hamburgers e batatinhas, na qual ambos os lados fizeram elaborados esforços para enterrar quaisquer tensões dos tempos da Guerra Fria

Diplomaticamente inconveniente, soa estranho que depois de anos de vigilância, os investigadores do FBI tenham decidido fazer as detenções, nesta semana, exatamente nos dias seguintes da visita aos Estados Unidos, do presidente russo, Dmitri Medvedev.

A imprensa informa que o presidente Barack Obama, soube antecipadamente da ocorrência das prisões, lamentou que acontecessem logo após a visita de Dmitri, mas os investigadores, por algum motivo, acreditavam que se a operação não fosse deflagrada imediatamente, alguns dos suspeitos poderiam fugir.

À proporção que se tem conhecimento de como eles operavam, narrado nas provas públicas apresentada no Tribunal Distrital Federal em Manhattan, a história arremete a um enredo cinematográfico ultrapassado.

Há, por exemplo, relatos de troca de pacotes idênticos, espiões trocam bolsas laranja idênticas ao se cruzar em escadarias de estações ferroviárias, uma identidade sacada de um morto canadense, passaportes falsos, mensagens enviadas por transmissão de ondas curtas, textos escritos com tinta invisível e mala de dinheiro enterrado, durante anos, na zona rural de Nova York.

Mas a rede de espiões também utilizava tecnologia da era cibernética, incorporando textos codificados em imagens de aparência comum publicadas na internet, além de dois deles possuírem laptops contendo software que criptografava a comunicação secreta entre eles.

Foto: Daniel Barry/ The New York Times

Vizinhos em Montclair, Nova Jersey, onde o casal de que se chamavam Richard Murphy e Cynthia residiam ficaram boquiabertos quando uma equipe do FBI apareceu no domingo e levou o casal algemado

As acusações estão cheias de detalhes curiosos reunidos ao longo de anos de vigilância discreta - incluindo o monitoramento de telefones e emails, com a colocação de microfones secretos nas casas dos supostos agentes russos e realização de numerosas buscas clandestinas.

Há narrativa de que as autoridades também seguiram um grupo de agentes com base em Yonkers em viagens a um país sul-americano não identificado (Será o Brasil?), onde foram filmados recebendo sacos de dinheiro e passando mensagens escritas com tinta invisível para outros agentes russos, em um parque público.

Os russos a principio negaram a veracidade da existência dos espiões, mas agora, com os panos quentes posto pela Casa Branca, o ministério russo das Relações Exteriores expressou, nesta quarta-feira, seu desejo de que a prisão de supostos espiões russos nos Estados Unidos não tenha efeitos negativos nas relações entre os dois países. Como não ter?

Foto: Reuters

Reparando bem, e conferindo datas, se a operação começou há dez anos, pode se verificar que o todo poderoso da Rússia, na ocasião, era Vladímir Vladímirovitch Putin (foto), que atualmente ocupa o cargo de primeiro ministro do país, e que à época era presidente e anteriormente havia sido o chefe do Serviço Secreto da Russia, a KGB.


29 de jun de 2010

HOMENAGEM A KAKÁ - Rita Lee canta "Ovelha Negra”

HOMENAGEM A KAKÁ
Rita Lee
canta "Ovelha Negra”

de Rita Lee




COPA 2010 - Estilo Dunga

COPA 2010
Estilo Dunga
São 125 gols na era Dunga. São 41 contra-atacando.

Foto: Getty Images

PAULO VINICIUS COELHO (PVC)
Fonte: Folha de São Paulo

O primeiro contra-ataque surgiu aos 4min e, para quem tinha dúvidas se seria imprudência o Chile atacar o Brasil, ficou a certeza: era imprudente mesmo. Mas Bielsa lançou Isla e Sánchez no setor de Michel Bastos, que deu conta do recado. Marcou por pressão, e Ramires e Gilberto Silva fizeram a preocupação com a saída de bola parecer susto de torcedor. De tão preciso, o passe na defesa chegava a Kaká e a Robinho. Virava contra-ataque.

Luis Fabiano desperdiçou aos 4min, mas eles continuaram aparecendo. O primeiro tempo teve saídas em velocidade para todos os gostos. Pela esquerda, com Kaká em largas arrancadas de que só ele é capaz.

O passe cioso na defesa era um pouco afoito no ataque. Pois da defesa Ramires abriu o jogo para Maicon cruzar, e a bola, desviada, resultou em um escanteio. Não importa que as bolas paradas sejam responsáveis por apenas 22% dos gols do time de Dunga. Juan escorou de cabeça o cruzamento de Maicon e marcou seu sétimo gol pela seleção, o quarto contra os chilenos.

Era a senha para atrair um pouco mais a equipe de Bielsa, colocar ainda mais velocidade no jogo.

Quando, aos 37min, o contra-ataque nasceu de novo para o Brasil, Bielsa deu um salto à frente de seu banco de reservas. Saltou mais alto do que fazia Dunga a cada passe errado contra Portugal. Bielsa sabia que as arrancadas do Brasil muitas vezes acabam em gol. Kaká deu o último toque para Luis Fabiano e se tornou o líder de assistências da Copa, com três, ao lado do alemão Thomas Müller.

E o contra-ataque voltou a ser o item que mais gols dá à seleção quando Ramires roubou a bola e a entregou para Robinho fazer seu primeiro gol em Copas do Mundo. São 125 gols com Dunga. São 41 contra-atacando.


COPA 2010 - Como era previsto

COPA 2010
Como era previsto
Nos contra-ataques e na jogada aérea, a seleção brasileira definiu a partida contra o Chile

Foto: Getty Images

Robinho, Kaká e Lúcio comemoram o gol de Luiz Fabiano

TOSTÃO
Fonte: Folha de São Paulo

Antes de a bola rolar, vejo no telão do estádio os jogadores no túnel se preparando para entrar em campo.

O que sente um atleta nesse momento decisivo e importante de sua carreira? Medo, principalmente. Medo de dar errado. Por causa da ansiedade, aumenta a transpiração, o batimento cardíaco, o rosto se contrai, e o jogador vai várias vezes ao banheiro para urinar de medo.

Antes de entrar em campo, como os jogadores dos dois times estão lado a lado, alguns não resistem e olham para os adversários, em uma mistura de curiosidade e apreensão.

É famosa a cena do filme da Copa de 1994, com Roberto Baggio olhando para Romário. Baggio deve ter pensado: "Como joga esse baixinho".

Gosto de assistir à partida em silêncio. De vez em quando, anoto alguma coisa. No final do jogo, tento explicar o inexplicável. Nenhum texto é suficiente para compreender a partida.

Como na vida, o jogo de futebol tem muitos acasos, mistérios e estranhezas. Além disso, como dizia o filósofo Garrincha, o problema é que nada foi combinado com o adversário.

Tudo o que ocorreu no jogo era o mais esperado. Foi uma repetição das duas vitórias anteriores do Brasil sobre o Chile.

O time chileno foi para o ataque, como era previsto, e o Brasil, como também era previsto, em dois belos lances de contra- -ataque e em uma jogada pelo alto, de escanteio, definiu a partida. O goleiro do Chile tem apenas 1,83 m, e o outro mais alto mede 1,81 m. É uma equipe muito baixa para enfrentar os grandalhões da seleção brasileira.

Nessa partida, o Brasil mostrou suas três grandes virtudes: o contra-ataque, a grande qualidade de seus defensores e a jogada aérea.

Todos atuaram bem, principalmente Lúcio e Juan, dois monstros, como disse Paulo Cobos. Daniel Alves, que tinha jogado mal contra Portugal, mostrou, ao lado de Kaká e Robinho, que tem mais talento do que Elano. Ramires também jogou bem, mas está suspenso no próximo jogo.

Brasil e Holanda farão um jogo igual. Qualquer resultado será normal. A vantagem do Brasil é ter mais tradição. Isso aumenta a pressão para vencer. É positivo. Se o Brasil perder, será uma tragédia para o torcedor brasileiro. Se a Holanda perder, no máximo, vai diminuir o consumo da cerveja.


CHARGE: JEAN - Folha São Paulo (SP)



JEAN - Folha São Paulo (SP)


CANADÁ - Protestos violentos contra cúpula de líderes mundiais

CANADÁ
Protestos violentos contra cúpula de líderes mundiais
Um fenômeno mundial: “pacifistas” violentos e depredadores acompanham as reuniões de líderes mundiais do G8 e do G20 onde quer que eles se reúnam. Exibicionistas, vândalos, drogados e perigosos, alguns celerados aproveitam a ingenuidade da maioria de manifestantes de boa fé, para provocar tumultos e atrair a fúria da polícia. Na maioria das vezes, são os pacifistas que pagam o pato, das desordens praticadas pelos bandidos e do deboche porralouco dos anarquistas

Foto:Reuters

Sob estranho efeito, o cantor country improvisa uma balada diante do carro da polícia em chamas

Toinho de Passira
Fontes: Estadão, Ultimas Notícias, Gipfeosoli, O Globo, EPA

Parece ser uma epidemia planetária: onde quer que os líderes mundiais se reúnam para discutir os problemas econômicos do planeta surgem grupos de protestos que se dizem inicialmente pacifistas, mas não tardam a exibir suas faces de violência e vandalismo, tornando esses encontros em custosas dores de cabeças para os anfitriões.

Foto: Getty Images

No Canadá não foi diferente, a marcha deste sábado, dita pacifista, virou uma batalha quando grupos de pessoas mascaradas se juntaram à multidão e passaram a quebrar vitrines de lojas e bancos e incendiar veículos, inclusive e principalmente os da polícia.

Cerca de 20 mil policiais atuam no esquema de segurança armado especialmente para o G-8 e o G-20, segundo a polícia.

A maior parte dos estabelecimentos comerciais num raio de quilômetros onde se reunião os chefes de estados estiveram fechados e o acesso a algumas ruas bloqueado, para tornar quase impossível algum tipo de acesso, dos manifestantes, aos líderes visitantes.

Os bueiros da rede de esgoto também foram selados, depois que vários manifestantes saíram de um deles, dentro do perímetro isolado pela polícia.

O Canadá teve que gastar US$ 1 bilhão para reforçar a segurança durante a realização da cúpula, dinheiro que bem poderia ser usado em outra direção da combalida economia canadense.

Foto: Getty Images


Mais de 850 pessoas foram presas e serão processadas. Os últimos confrontos ocorreram num protesto diante do centro de detenção temporária. Alguns manifestantes, mais ousados, acabaram presos quando protestavam em defesa dos companheiros que haviam sido detidos pela polícia. A fumaça de pneus queimados era visível, no domingo, no luxuoso hotel no centro da cidade onde os líderes mundiais estavam reunidos.

Resumindo o ocorrido o porta voz do governo canadense, Dimitri Soudas, disse:

"O que vimos no sábado é uma série de vândalos que queriam expressar pela violência sua diferença de opinião com a Polícia".

Fotos: Getty Images











28 de jun de 2010

COPA 2010 - Pausa na catástrofe

COPA 2010
Pausa na catástrofe
A paixão do brasileiro pelo futebol supera qualquer dificuldade

Foto: Felipe Dana/Associated Press

Toinho de Passira

A Associated do Press divulgou essa foto, de torcedores brasileiros, desalojados de suas residências, devido às inundações, num abrigo, em União dos Palmares, assistindo o modorrento Brasil 0X0 Portugal, na última sexta-feira.

O pessoal mesmo sem mantimentos, nem águas, dava graças a Deus terem salvado a televisão e a energia elétrica ter sido restaurada no município, poucas horas antes do jogo. Só depois voltaram para a triste e difícil realidade.

Hoje tem mais, Brasil e Chile a partir das 15h30, onde você estiver.


Leilão de Raio-X de Marilyn alcança US$ 45 mil

ESTADOS UNIDOS
Leilão de Raio-X de Marilyn alcança US$ 45 mil
A venda de objetos pessoais e bugigangas da atriz falecida há 48 anos viraram uma febre junto aos colecionadores que estão inflando o mercado


Toinho de Passira
Fontes: R7, MSBC, Metro, "thepassiranews"

Esse raio-X, ao lado, é da atriz americana Marilyn Monroe (1923-1962) um dos maiores símbolos de beleza de todos os tempos, que depois de muitas vezes anunciado foi finalmente leiloado, ontem.

Após sua morte, muitos itens pessoais da estrela de Hollywood viraram artigos colecionáveis que valem milhares de dólares. Algumas coisas, no entanto, parecem exagero.

Uma casa de leilões dos Estados Unidos, por exemplo, conseguiu vender por R$ 80 mil (US$ 45 mil) um conjunto de três raios-x de tórax de Marilyn. Aparentemente, um admirador muito rico queria muito ver a beleza interior da atriz, literalmente.

De acordo com a empresa Julien's Auctions, que vendeu os itens, Marilyn tirou as chapas durante uma visita ao hospital em 1954.

Os donos da casa de leilões, que estimavam vender as peças por apenas R$ 5.000 (R$ 3.000) durante evento em um cassino de Las Vegas, disseram estar impressionados com a devoção do fã anônimo que levou a coleção.

Fotomontagem Toinho de Passira

CENTRAL DE FUTILIDADES - Ao divulgar a primeira notícia mostramos o que os peritos do “thePassiranews” fizeram para comprovar se o raio-X era mesmo da estrela. Pela superposição as chapas coincidiam, o que já é meio caminho andado para comprovação de autenticidade. Concluímos na ocasião que apesar de ser uma perda de tempo, para desocupados, as imagens superpostas ficaram interessantes, bem mais interessantes que as chapas sem Marilyn que o colecionador levou.


27 de jun de 2010

CHARGE: FRANK - A Noticia (PR)



FRANK - A Noticia (PR)


ELEIÇÕES 2010: Jefferson, o aliado que dispensa adversários

ELEIÇÕES 2010
Jefferson, o aliado que dispensa adversários
O presidente dos Democratas, deputado Rodrigo Maia (RJ) e a cúpula do partido perderam de vez a paciência, por terem sabido em primeira mão, pelo Twitter de Roberto Jefferson, como decisão pronta e sacramentada, a indicação de um vice “puro sangue”, Alvaro Dias, para a candidatura de José Serra. Irritado, com a reação dos Democratas, Jefferson twittou, para piorar as coisas que o DEM é um partido de merda

Photoshop Toinho de Passira

JEFFERSON COMENTANDO A SACANAGEM: “Ontem eu fui mais blogueiro e ttro [tuiteiro] do que político. Penso que desagradei. Volto hoje a condição de político".

Toinho de Passira
Fontes: Blog do Noblat, Portal Terra, Veja

O minúsculo PTB, liderado pelo deputado cassado, Roberto Jefferson, que foi, ou é, da base aliada do governo do presidente Lula, resolveu apoiar a candidatura de José Serra para Presidente da República, sem, contudo, garantir, que todos os seus integrantes vão seguir a orientação da cúpula nacional.

Um dos seus líderes, o senador Fernando Collor, candidato a governador por Alagoas, por exemplo, dará palanque para a candidata de Lula.

Pois foi Roberto Jefferson que criou a maior saia justa na candidatura oposicionista, ao divulgar no seu twitter uma informação, que lhe foi passada, reservadamente, como consulta, pela cúpula tucana, que sondava ainda os partidos que os apóiam, antes de fazer uma divulgação oficial.

Os Democratas ainda não haviam sido consultado, e até então davam sinais claros que pretendiam compor a chapa da candidatura de José Serra como vice, daí o senador Sérgio Guerra, coordenador da campanha de Serra, ter procurado primeiro se assegurar do apoio dos outros partidos, para chegar pondo o nome de Álvaro Dias, já com algum respaldo.

Com a noticia twitada por Jefferson, dizendo como certa e acabada que o vice seria Alvaro Dias, desarranjou-se perigosamente o casamento tucanos-democratas.

Coube ao candidato José Serra confirmar que realmente o escolhido era Álvaro Dias, para demonstrar firmeza na sua decisão e tentar por o caso como favas contadas.

Os líderes democratas com a mesma fúria e desdém que costumam se dirigir as lideranças do governo Lula, começaram a atacar os tucanos e Álvaro Dias e ameaçam apresentar outro vice, na convenção de quarta-feira.

Assim José Serra, que ate recentemente não tinha nenhum, a partir de então terá dois vices. Como só na Venezuela e na CBF existem mais de um vice-presidente, na candidatura de Serra, apenas um sobreviera.

Para a candidata de Lula, toda essa trapalhada não poderia acontecer em melhor momento, do que esse em que anda se sobresaindo nas pesquisas.

Como teoria da conspiração, perguntamos: Será Roberto Jefferson um agente infiltrado?


CLÁSSICOS DOS QUADRINHOS: CHRIS BROWNE - Hagar, o horrível

CLÁSSICOS DOS QUADRINHOS
CHRIS BROWNE - Hagar, o horrível
006

Veja arquivo das publicações anteriores de HAGAR


26 de jun de 2010

A origem do tsunami que varreu o Nordeste

ENCHENTES
A origem do tsunami que varreu o Nordeste
VEJA.com percorreu 250 km da região e encontrou várias barragens destruídas

Foto: Leo Caldas/Veja.com

Barragem destruída na cidade de Rio Largo, em Alagoas

Fernando Mello e Marco Túlio Pires
Fontes: VEJA

Passaram um rádio para avisar que poderia vir água para cá. Começamos a guardar as coisas, mas não deu tempo", contou Enildo Bras Oliveira, morador de São José da Laje (AL).

Uma das cenas mais impressionantes registradas da devastação causada pela chuva no Nordeste mostra uma espécie de tsunami varrendo a cidade de Rio Largo (AL), a 29 quilômetros de Maceió. Porém, esse avanço desenfreado das águas - flagrado por um cinegrafista amador - não corresponde ao que se vê em um padrão normal de inundação.

"Essa quantidade de chuva não seria capaz de provocar uma vazão tão grande", explica Ricardo Sarmento Tenório, professor de meteorologia da Universidade Federal de Alagoas e coordenador do Sistema de Radar Metereológico de Alagoas (Sirmal).

Ninguém sabe afirmar com exatidão o que aconteceu, mas a primeira hipótese que surge é a de que a violência da enxurrada foi motivada pelo rompimento de barragens, situadas ao longo de rios que cortam Pernambuco e Alagoas. "É a única explicação possível", enfatiza Tenório.

VEJA seguiu o caminho das águas que arrasaram os estados nordestinos e comprovou o rompimento das barragens, ao longo de mais de 250 quilômetros.

Enildo Bras Oliveira e a Barragem de Serra Grande, que também foi destruída.
Foto: Leo Caldas
Primeira parada - Por volta de 18h de sexta-feira passada, Enildo Bras Oliveira, 40 anos, recebeu a informação de que uma barragem se rompera na cidade de Canhotinho (PE), a 186 quilômetros de Recife.

"Passaram um rádio para a usina e avisaram que poderia vir água para cá. Começamos a guardar as coisas, mas não deu tempo", contou Oliveira. Ele mora em São José da Laje (AL), cidade a 97 quilômetros de Maceió que fica às margens do rio Canhoto, próximo à usina Serra Grande, onde trabalha. Naquele momento, secava as peças de seu computador, aberto sob o sol.

O rio que passa por Canhotinho é o Mundau. Até aí tudo bem. Isso não seria motivo de preocupação para os moradores de São José da Laje. Mas a água veio e se acumulou na barragem da própria usina. Naquela região, muitas usinas têm suas próprias barragens para produzir energia ou acumular água para resfriar máquinas utilizadas na produção de açúcar. Para se ter uma ideia, a estimativa do governo de Pernambuco é de que existam, em todo o Nordeste, cerca de 100.000 pequenas barragens.

Trajeto de destruição - Naquela sexta-feira, uma das duas barragens construídas na Serra Grande acumulou água durante horas. Até que não aguentou e cedeu. O rio desceu com força, carregando árvores enormes, pedaços de pau, folhagens. Tudo isso ficou sob uma ponte a poucos metros dali. Ou seja, a água novamente foi represada e retornou para as casas que já haviam sido atingidas. Horas depois, a ponte também não aguentou e cedeu, liberando ainda mais as águas do rio.

Depois de São José da Laje, as águas do Canhoto se juntaram às do rio Mundaú, que arrasou cidades como União dos Palmares, a 77 quilômetros de Maceió, e Branquinha, a 67 quilômetros de distância da capital. Enildo Oliveira contou que a maior tromba d´água atingiu sua casa por volta das 21h. "Meu irmão, que mora em União dos Palmares, me contou que a água chegou lá com mais força duas horas depois", afirmou.

Com as águas vindas de outros rios, assim como árvores e outros objetos, o rio Mundaú seguiu seu trajeto de destruição. A última parada foi a cidade de Rio Largo, colada à capital Maceió, a apenas 29 quilômetros. Lá, as águas destruíram a lateral de uma barragem, deslocando toda a linha do trem e derrubando uma ponte. "A água veio com muita força e arrancou a parede lateral. Nunca tivemos nada assim", afirmou o aposentado Claudionor Gomes.

 

Lei das águas não pegou - Sancionada em 1997, a lei 9.433, conhecida como ‘Lei das águas’, criou a Agência Nacional de Águas e teoricamente deveria regulamentar o uso dos rios para geração de energia, saneamento e abastecimento.

Não faltam planos, comitês e conselhos para fiscalizar e planejar o uso racional das águas. Mas nada disso impediu que os rios da Zona da Mata de Pernambuco e Alagoas se tornassem armadilhas para a população que habita suas margens.

“Caberia aos órgãos fiscalizadores, como as secretarias do Meio Ambiente, de Recursos Hídricos e de Infraestrutura, impedir a ocupação urbana desordenada nos rios. As enchentes refletem essa falta de planejamento”, diz João Clímaco Soares, membro do Conselho Nacional de Recursos Hídricos.

De acordo com a lei, não deveria ser fácil conseguir autorização para construir uma barragem. É preciso ter um projeto, que é encaminhado para o estado. O órgão ambiental avalia a questão dos impactos e a secretaria avalia o consumo de água existente na região (por exemplo, a quantidade de água disponível existente e o percentual já captado). Decide, então, se confere ou não a outorga. Se for um rio estadual, quem aprova é a Secretaria de Recursos Hídricos. S for federal, é a Agência Nacional de Águas.

Mas existem os casos chamados de insignificantes, barragens pequenas que não precisam de autorização oficial para serem implantadas. “Para cada situação existe uma abertura legal, tão pequena que não precisa pedir a ninguém. Os chamados casos insignificantes são os de abastecimento humano e agricultura familiar, por exemplo”, afirma Almir Cirilo, secretário de recursos hídricos de Pernambuco.

As barragens insignificantes são aquelas com capacidade de até 10.000 metros cúbicos. Porém, a definição varia de lugar pra lugar, conforme a região. “Isso depende de cada legislação, não trabalhamos com volume. Trabalhamos com a vazão aproveitada. Onde tem mais água, a vazão insignificante é maior. O critério é ter mais ou menos água”, diz Cirilo.

Além dos casos insignificantes, barragens de grande vazão construídas antes da lei, ou seja, antes de 1997, não foram devidamente planejadas. “Havia uma concepção que não levava em conta o uso múltiplo que hoje as barragens devem possuir. Não se pensava em barragens para o controle de enchentes naquela época, elas serviam só para acumular água”, afirma Soares. “Hoje em dia é preciso levar em conta itens como o volume de água, o tamanho, o impacto ambiental, controle de vazão. Caso contrário, elas podem potencializar as enchentes.”

Outro item previsto na lei, a cobrança pelo uso das águas dos rios, seja para abastecimento ou para geração de energia, também não pegou. Hoje, 13 anos e meio depois da aprovação da lei, apenas dois rios em São Paulo cobram das empresas situadas em sua margem pelo uso dos recursos hídricos, segundo Soares. “Este ano foi aprovada a cobrança também no Rio São Francisco.”

FIM DE LULA ESTÁ PRÓXIMO: A última festa junina na Granja do Torto

FIM DE LULA ESTÁ PRÓXIMO:
A última festa junina na Granja do Torto
Começamos aqui a série comemorativa de coisas odiosas que estamos vendo pela última vez.

Foto de José Cruz/ABr com photoshop de Toinho de Passira

Toinho de Passira
Fonte: Agência Brasil

O presidente Lula, pela última vez, encena essa palhaçada da festa junina na Granja do Torto. O número de bajuladores reduziu-se em muito. De agora em diante a solidão de fim de mandato começa a se estabelecer. A partir do dia 01 de janeiro de 2011, o Brasil estará livre de Lula. Neste sábado, 26, faltam exatos 188 dias. Parece longínquo, mas nos chegaremos lá.

Tempo vai e tempo vem,
O tempo que levou Collor,
Levará Lula também!


(Parodiando verso popular de domínio público)


COPA 2010: Portugal 4, Brasil 3, cartões amarelos

COPA 2010
Portugal 4, Brasil 3, cartões amarelos
Acabou empatado e sem gols o jogo Brasil e Portugal, no Durban Stadium. Uma monótona pelada de segunda classe, com os dois times só se defendendo. O destaque foi Lúcio não deixando Cristiano Ronaldo jogar, Luis Fabiano jogando apenas com os pés e a descoberta que as costas do goleiro Júlio César ainda estão machucadas. Muito pouca emoção para 90 minutos de jogo

Foto: Getty Images

ABRINDO ESCALA - Daniel Alves tenta pegar a jabulani com a pontinha da chuteira, marcado por Simão e Coentrão, que podem ser uma rima, mas não uma solução

Foto: Getty Images

TRAMPOLIM - O técnico da Seleção Brasileira Sr Carlos Caetano Bledorn Verri, mais conhecido por Dunga, mandando o time mergulhar no jogo

Foto:Associated Press

O SEGREDO - Quando a camisa de Júlio César levantou e todo mundo viu que ele tinha um protetor de costas, foi um suspense. São segredos assim que Dunga não quer que a imprensa saiba. Isso porque ninguém viu ainda o protetor Adidas que Kaká usa no púbis.

Foto: Reuters

AMARELANDO - O árbitro mexicano Benito Archundia, tascou cartão amarelo em quatro portugueses : Duda, Pepe, Tiago e Fábio Coentrão e em três brasileiros - Juan, Felipe Melo e Luís Fabiano

Foto: Getty Images

ASA DELTA- O italo-alemão-brasileiro Dunga, técnico da Seleção Brasileira, mandando o time voar, como Cristiano Ronaldo de Portugal

Foto:Getty Images

SEGUNDO ANDAR - Cristiano Ronaldo saltando por cima de Gilberto Silva, que tem 1,84 m de altura.

Foto: Getty Images

DE JOELHOS - Isolado na frente, como única opção de ataque, Cristiano Ronaldo foi impedido de jogar pelo capitão Lúcio, que antecipou-se a cada tentativa de ataque do lusitano.

Foto: Getty Images

ELEITO - A FIFA preferiu eleger como o melhor jogador em campo Cristiano Ronaldo (?) um crime contra o brasileiro Lúcio. Desarmar, sem fazer falta, também é uma arte.

O Brasil saiu do jogo classificado, em primeiro lugar com sete ponto. O proximo jogo será contra o Chile, na segunda-feira, às 15h30m (20h30m no horário sul-africano), em Joanesburgo, já nas oitavas de finais. Quem perder volta para a casa.


25 de jun de 2010

OPINIÃO: Os sinos da igreja anunciaram a tempestade

OPINIÃO
Os sinos da igreja anunciaram a tempestade
A defesa civil brasileira ainda depende dos campanários para alertar a população como o registrado no poema de Manuel Bandeira, “Evocação ao Recife”, onde relembra que eram os sinos que anunciavam os incêndios no capital pernambucana no início do século passado

Foto: Adelmo de Medeiros/Blog Roteiros da Fé Catolica

A Igreja de Barreiros que tem como padroeiro São Miguel, teve a construção iniciada 1849. Originalmente em estilo barroco sofreu uma reforma em 1913 que a descaracterizou. Um grande cruzeiro de madeira sobre um pedestal de alvenaria, erigido originalmente em frente à igreja, não mais se vê, pois foi levado pelas águas de uma grande enchente em junho de 1859.

Maria Helena Rubinato Rodrigues de Sousa
Fontes: Blog do Noblat, Diário de Pernambuco, Blog Roteiro da Fé Católica, Guia Local Web

Não me peçam para garantir em qual dos jornais li essa manchete. Acho que foi na Folha de São Paulo. Li jornais daqui, de Pernambuco, de São Paulo, todos que pude ler. Li as notícias postadas aqui, no Blog do Noblat. Assisti aos noticiários da TV, falei com amigos e parentes.

Os sinos da igreja, que o padre em boa hora tocou para avisar seus paroquianos, anunciaram a tempestade, o que salvou muita gente em Barreiros, Pernambuco. Doze pessoas perderam a vida. São doze as famílias enlutadas, por isso é leviano dizer que teria sido pior, pois para essa dúzia de famílias, foi pior.

Mas fatos são fatos e se não fosse o padre, homem atento ao aviso distribuído aos municípios poucas horas antes da tragédia que se aproximava, tudo teria sido pior.

Os habitantes de Barreiros com certeza são muito gratos ao padre, o que é justo e bom. Mas depois de demonstrar sua gratidão ao pároco, deveriam demonstrar sua ira contra os governos que não têm, em 2010, um sistema moderno de alerta e prevenção de acidentes em áreas sujeitas a terem seus rios inundados; cidades onde as tempestades são anuais deveriam ter um sistema de alerta mais moderno que um sino!

Na tarde do dia anterior às chuvas torrenciais, já se sabia que a madrugada seguinte seria tenebrosa. Mas como na Londres dos tempos elizabetanos, dependemos ainda de um homem que grite à noite. Está tudo bem!Ou de um padre com força suficiente para badalar um sino!

Alagoas tem radar meteorológico para detectar o risco de chuva forte, mas não tem Defesa Civil; Pernambuco tem Defesa Civil mas não tem radares para prever tempestades. Agora, depois da porta arrombada, os governadores certamente comprarão radares e organizarão Defesas Civis impecáveis. Mas saberão manter o que for feito neste momento, ou daqui um tempinho tudo ficará como dantes no quartel desse abominável Abrantes?

Uma cidade alagoana, com um nome encantador, foi varrida do mapa. Branquinha era seu nome. Não sobrou nada. Com Quebrangulo, onde nasceu Graciliano Ramos, e São José da Laje, forma as três cidades onde nesta época do ano chove muito, com conseqüências sérias. Nem sempre as águas vêm com a força deste ano, mas sempre vêm... Não deveriam surpreender ninguém...

Fico tentando imaginar qual a sensação de perder tudo, menos a vida, numa situação dessas. O alívio de se ver vivo, e aos seus. O medo do amanhã. O pavor das doenças. O desespero ao saber que outros não tiveram a mesma felicidade: perderam o bem mais precioso, a vida.

Penso nas mil coisas que me custariam muito perder: os retratos, as cartas, as lembranças de pessoas queridas, a roupinha que meu filho vestiu quando nasceu, os livros. De repente, o coração dá uma paradinha: e perder tudo? A geladeira, o fogão, a cama, as roupas, as panelas? E ficar literalmente sem nada, do teto aos sapatos?

E olhar para os lados e ver lama, miséria, luto, choro, destruição?

E olhar para o amanhã e não saber como será?

Para que servem os impostos municipais, estaduais e federais? Onde está esse dinheiro? À mão, naturalmente, já que o presidente Lula, comovido com o que viu, depositou nas contas de Pernambuco e de Alagoas mais de 200 milhões para cada um.

Se depositou, é porque tinha esse dinheiro em caixa. Se tinha, por que essa verba não foi usada para urbanizar e prevenir? Por que nós só agimos depois e nunca antes?

Dizem que essa foi uma chuva histórica. A de 66 aqui no Rio também foi histórica. Aliás, quando a natureza vem zangada, é sempre um evento histórico...

Outra tragédia histórica foi a de Santa Catarina, há uns dois anos, se não estou enganada. Agora leio que fortes chuvas castigam de novo o Vale do Itajaí. Já há estado de emergência em seis municípios, há centenas de desabrigados. O rio Itajaí-Açu estava ontem com 8m44.

Segundo a Defesa Civil de Santa Catarina, a qualquer momento o rio pode transbordar. Fala-se que uma frente fria pode provocar temporais com granizo e vendavais. Teremos condições de atender ao Nordeste e ao Sul?

No Brasil todo existem poucos sistemas de radares meteorológicos ou de alertas de risco. Os poucos sistemas que temos não atendem às necessidades de monitoramento e alerta de tempo, afirma a especialista Ana Maria Held, diretora do Instituto de Pesquisas Meteorológicas da Unesp de Bauru.

São poucos os radares meteorológicos? Também? Mais um item que vem se juntar à lista do que temos (ou às vezes nem temos) em muito pouca quantidade: hospitais, creches, escolas, estradas e transportes baratos, seguros, decentes e de qualidade. Sem luxos. Nós não somos ricos. É pouca coisa. Com dez reis de mel coado se faz isso tudo. Precisa ter fé. E desistir de querer exibir o que não temos, de ser o que não somos.

Mas o que por enquanto não pode faltar são padres dispostos e bons campanários. No Brasil do século XXI, isso ainda é fundamental!


*Acrescentamos subtítulo, foto e legenda.
**Veja Post abaixo


PERNAMBUCO: Porque tocavam os sinos da Igreja de Barreiros?

PERNAMBUCO
Porque tocavam os sinos da Igreja de Barreiros?
O jornalista Rafael Dias, de forma peculiar, conta a história de pequenos heróis que ajudaram a reduzir a tragédia em Pernambuco, uma delas foi a do Padre José Gusmão, que tocou o sino da Igreja e alertou a população da tragédia que se aproximava e salvou muitas vidas

Padre José Gusmão, 55 anos, pároco de Barrreiros:"Não fui eu que os salvei, foi Deus"
Foto: Alcione Ferreira/DP/D.A Press

Tânia Passos
Fonte: Diário de Pernambuco

Barreiros deveria beijar os pés do padre José Gusmão. Por meio deste gesto humilde, a população reconheceria o esforço do titular da Igreja Matriz São Miguel. Não fosse por ele, toda a cidade teria sido, provavelmente, dizimada. Foi o padre que, a partir das 12h da sexta-feira passada, começou a dar alertas sobre o que viria a ser a pior enchente da história recente da cidade.

Assim que soube das notícias que ressoavam das paróquias de Cupira e Palmares sobre a elevação rápida do leito do Rio Una, o pároco fez de tudo para que os moradores saíssem às pressas, sobretudo aqueles que moram nas áreas ribeirinhas, em rota de fuga para as áreas mais altas. Ele nem se incomodou de ser rotulado de o "profeta do apocalipse".

Badalou os sinos da igreja, deu flashes na rádio comunitária da cidade (principalmente depois que a rádio local Cultura FM saiu do ar) e até bateu de porta em porta. Apesar de estar na paróquia há 17 anos, ninguém acreditava nele.

"Eu dizia aos moradores que não adiantava se refugiar no primeiro andar das casas, que as águas estavam vindo fortes demais", lembra o religioso, que, mesmo com o desdém inicial dos fieis, continuou na sua missão de mensageiro. Naquela noite a população não dormiu apreensiva com as chuvas.

De manhã cedo no sábado passado, dia 19, foram percebendo a força das águas e puderam fugir a tempo. "Eles não acreditaram na hora. Mas acho que o alerta foi útil porque ficaram de sobreaviso", especula, de forma modesta, o padre José Gusmão. Ele próprio rechaça o título de salvador de uma cidade. "Não fui eu que os salvei, foi Deus", afirmou, em tom firme.

Foi essa matéria que Maria Helena Rubinato Rodrigues de Sousa leu e escreveu a matéria para o Blog do Noblat, que está reproduzido no post acima.

CHARGE: SAMUCA – Diário de Pernambuco (PE)



SAMUCA - Diário de Pernambuco (PE)


Michael Jackson, um ano do adeus

ESTADOS UNIDOS
Michael Jackson, um ano do adeus
Como homenagem ao astro morto há um ano, postamos o artigo de André Forastieri, publicada na Folha de São Paulo, no dia seguinte a morte do rei do Pop intitulado Michael Jackson, o querubim endiabrado

André Forastieri
Fontes: Blogs r7

Michael Jackson aprendeu a cantar como um anjo e dançar como um cafetão fazendo shows em puteiros aos oito anos de idade.

Levava surra do pai, Joseph, se não se apresentasse bem, se não ensaiasse o suficiente - qualquer razão era boa. Os irmãos Jackson entravam todos no couro.

Michael, o sétimo filho e óbvia estrela do grupo, apanhava mais. Na casa dos Jackson era Deus no céu -Jeová, eram Testemunhas- e Joseph na terra.

O pai tinha tentado se dar bem como artista. Acabou metalúrgico e empresário e feitor dos filhos. Devemos a esta figura detestável o maior artista que a música jamais teve. Contra números não há argumentos. São 750 milhões de discos vendidos até agora.

O Jackson 5 estreou em 1967, mas foi em 1968 que passaram a fazer parte do elenco da mais eficiente máquina de produção de hits em série da música pop.

A Motown Records foi fundada por Berry Gordy em 1959. Seu primeiro hit foi composto pelo próprio Gordy, "Money (That's What I Want)". Declaração de princípios, ou falta de. A Motown fazia qualquer coisa por um sucesso. Emplacou muitos -Supremes, Marvin Gaye, a lista é imensa.

Os primeiros singles do Jackson 5 na Motown foram "I Want You Back", "ABC", "The Love You Save" e "I'll Be There". Já mereciam os livros de história. Os programas de TV da época não mentem. Michael era endiabrado. Requebrava como James Brown, cantava como Stevie Wonder e era fofo como um anjo.

O primeiro disco solo chegou aos 17 anos, "Got to Be There".

De 1976 a 1984, Jackson seria não só o frontman do Jackson 5 - depois rebatizado como The Jacksons - mas seu principal compositor.

Em 1978, com 20 anos, Jackson encontrou uma outra figura paterna. O experiente jazzista Quincy Jones, diretor musical do filme "The Wiz" -em que Michael encarnava o Espantalho do mundo de Oz- produziria com Jackson "Off The Wall" e "Thriller". "Thriller" fez a ponte entre o soul dos 60, a disco dos 70 e o novo rock dos 80. Era new wave. Era pop.

O melhor do pop de três décadas. E popular. Vendeu entre 50 milhões e 104 milhões de cópias. O mínimo já é recorde para sempre imbatível.

Jackson tinha 37% do preço de cada disco vendido. Os anos seguintes foram de esquisitice crescente -parte marketing, parte verdadeira.

Em 1987, Michael lançaria "Bad", uma tentativa de repetir "Thriller". Vendeu menos. Soava quase sempre histérico, equivocado e pior, velho. Aos 29 anos, o superastro estava ultrapassado. Era uma anedota bilionária.

O que veio depois é menos importante musicalmente. Em alguns casos, constrangedor. A música piorou. Ficou impossível dissociar Michael, o artista, de Michael, o homem cada vez mais distante de sua humanidade. Com sua morte, tudo será perdoado, como foi a seu ídolo, James Brown.

Agora não é mais um slogan vazio: Michael Jackson será para sempre o rei do pop.

Veja a incrível exibição de Michael Jackson MTV Music Awards 1995, ao vivo apresentando “Dangerous” em HD

- Escutem.
- Obrigado
- Eu amo você
- Alguns gostam de não se arriscar e viver um dia por vez, outros gostam de viver perigosamente, então para os que gostam de viver perigosamente,
essa é para vocês...

Tradução fórum Number Ones

24 de jun de 2010

PERNAMBUCO - Chuvas e inundações já provocaram 16 mortes no estado

PERNAMBUCO
Chuvas e inundações já provocaram 16 mortes no estado
Em inúmeras cidades do interior de Pernambuco e região metropolitana do Recife e no vizinho estado de Alagoas o cenário é de um terremoto. As fortes chuvas que caíram sobre o estado, associadas às inundações com o aumento do volume das águas dos rios, desalojaram 53.518, desabrigaram 26.797, além dos 16 óbitos. Até agora, foram destruídas ou danificadas 11.407 casas e 79 pontes e 2.103 quilômetros de estradas estão comprometidos.

Foto: Hélia Scheppa/JC Imagem

Essa é a praia de Boa Viagem, ontem de manhã. A Prefeitura do Recife já retirou 145 toneladas de lixo, entulhos, mobília e animais mortos, trazidos pelos rios da Zona da Mata, que acabam sendo depositados no litoral pelas correntes marinhas. Arrisca-se a contrair doenças quem tomar banho de mar na orla do Recife e região metropolitana

Toinho de Passira
Fontes: O Globo, Jornal do Comércio, Agência Brasil, BBC Brasil

As fortes chuvas que atingiram Pernambuco desde o dia 16 superaram o volume esperado para todo o mês de junho na região. Em Recife, choveu 456,7 mm até a manhã desta quarta-feira (23), enquanto eram esperados 388,9 mm em todo o mês.

Nos município pernambucano de Surubim, o volume chegou a 216,5 mm, superior ao previsto (106 mm). Em Garanhuns (PE), foram registrados 222,4 mm, enquanto eram esperados 39,2 mm. As chuvas mais fortes foram registradas entre os dias 16 e 18 deste mês. No momento o tempo está firme e segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe)“O tempo continua instável, mas a intensidade das precipitações diminuiu.

Foi constatado que as fortes precipitações pluviométricas nas cabeceiras dos rios Paraíba (AL), Camaragibe (AL), Una (PE), Sirinhaém (PE) e Mundaú (AL e PE) levaram ao transbordamento e provocaram grande destruição em inúmeras cidades e povoados localizados às margens desses rios.

As chuvas também deixaram mais de 17 mil desabrigados (pessoas que perderam suas casas) e desalojaram (forçaram a deixar suas casas) mais de 24 mil pessoas no Estado, que teve 54 municípios afetados, sendo que 30 deles estão em situação de emergência e outros nove em estado de calamidade pública.

Segundo o governo de Pernambuco, mais de 266 toneladas de donativos foram distribuídas nas cidades atingidas, entre elas, 191 toneladas de alimentos e outras 60 de água. Também foram distribuídos colchões, cobertores, roupas e remédios.

Alguns desabrigados estão sem água, energia elétrica e serviços médicos, por dificuldades de acessos.

Já em Alagoas, o número total de vítimas fatais das chuvas é de 29. Além disso, há mais de 800 pessoas que ficaram feridas ou tiveram outros problemas de saúde relacionados às enchentes.

De acordo com a Defesa Civil de Alagoas, 7.649 casas foram danificadas pelas chuvas em todo o Estado, sendo que a maioria delas fica no município de União dos Palmares.

Já as casas que foram destruídas somam 11.515, sendo que a maior parte delas fica no município de Murici.

Segundo o governo do Estado, o número de desabrigados pelas chuvas passa de 26 mil.

As imagens falam por si só.

Foto: Reuters

Cidade de Barreiros - PE

Foto: Associated Press

Cidade de Barreiros - PE

Foto: Associated Press

Cidade de Água Preta - PE

Foto: Antonio Cruz/Ag Brasil

BR - 101

Foto: Reuters

União dos Palmares - AL

Foto: Ricardo Stuckert/PR

Nesta quinta-feira, o presidente Lula e o governador Eduardo Campos sobrevoaram as áreas atingidas pelas enchentes no estado de Pernambuco