30 de set de 2009

Charge - Michael Ramirez - USA



MICHAEL RAMIREZ- USA


Marisa Monte canta "O xote das Meninas" de Luiz Gonzaga e Zé Dantas

Marisa Monte canta "O Xote das Meninas”
de Luiz Gonzaga e Zé Dantas


Vídeo de 1995. Marisa Monte apresenta uma versão espetacular de "Xote das Meninas", ao vivo no Palácio das Artes de Bruxelas, com direito a um solo de Waldonys na sanfona!


Lei Joanna Maranhão aprovada em comissão do Senado

Lei Joanna Maranhão aprovada em comissão do Senado
A lei que leva o nome da nadadora pernambucana, prorrogando prazo para prescrição de crime sexual contra criança, foi aprovada por unanimidade pela Comissão de Justiça do Senado Federal

Foto: José Cruz/Agência Senado

O senador Magno Malta (PR-ES), diz que esse é um momento histórico em defesa da criança molestada no Brasil, ao seu lado Joana Maranhão, seguida do senador Demóstenes Torres (DEM-GO), presidente da Comissão de Justiça do Senado

Fontes: Congresso em Foco, Agência Senado, Diga não a erotização infantil

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou nesta quarta-feira (30) o projeto de lei que altera os prazos prescricionais de crimes sexuais cometidos contra crianças e adolescentes. O projeto (PLS 234/09) foi batizado de Lei Joana Maranhão, em homenagem à nadadora brasileira que denunciou seu ex-técnico por abuso sexual. A nadadora esteve presente na votação.

Joana denunciou o seu ex-técnico Eugênio Miranda, mas não pode levar o processo adiante, porque o Código Penal em vigor prevê que o jovem que completa 18 anos e seis meses não pode mais fazer a denúncia por ato pregresso. Na época, a nadadora tinha 21 anos.

“Esse é um momento histórico e importante para a família brasileira. São vários casos que chegam a CPI de crianças que engravidaram. A lei de maneira equivocada diz que ao fazer 18 anos a pessoa tem seis meses para denunciar e acabando esse prazo o crime prescreve. São centenas de casos que chegam as nossas mãos e não podemos fazer nada”, disse o presidente da CPI da Pedofilia, senador Magno Malta (PR-ES).

O projeto de lei, apresentado pela CPI da Pedofilia, propõe que o prazo para a denúncia passe a correr a partir do dia em que vítima completar 18 anos, a não ser que já se tenha sido proposta a ação penal. O relator do projeto, senador Aloysio Mercadante (PT-SP), defendeu que por várias razões as providências legais contra o abuso sexual nem sempre são tomadas, o que leva à necessidade de mudanças dos prazos.

“Os crimes sexuais contra crianças e adolescentes nem sempre são levados às barras da Justiça porque o agente muitas vezes é o próprio pai, padrasto, ou pessoa da família, que exerce verdadeiro temor reverencial sobre a vítima, o que a impede de externar os abusos que sofre”, disse o relator da proposta, senador Aloysio Mercadante (PT-SP), ao defender a aprovação da matéria.

Ao final da votação, a pernambucana Joana Maranhão, 22, deu declarações emocionadas e agradeceu aos senadores pela aprovação da proposta. A nadadora disse que, desde quando fez a denúncia por abuso sexual, tem recebido diversos e-mails de crianças e outras mulheres que também sofreram com abuso cometido.

“Na minha vida inteira sempre procurei tirar o bom do que passei, exceto essa experiência. Mas agora tudo está fazendo sentido. Se precisei ser processada por calúnia, tudo isso não importa mais, pois o bem está sendo feito”, declarou a nadadora. “Não estou aqui para me fazer de vítima. Eu dei a volta por cima e estou cuidando da minha vida. Depois que dei esse caso a tona recebo e-mail de crianças e mulheres até casadas que passaram por isso. Quem sofre muito com isso são os pais, que se sentem culpados. Quero dizer que minha mãe não teve culpa de nada”, e é a melhor mãe do mundo, concluiu emocionada.

O projeto que aumenta o prazo de prescrição de crimes sexuais contra crianças e adolescentes terá ainda que passar pelo plenário do Senado, antes de ser encaminhado à Câmara.

Em nome da liderança do governo, o senador Romero Jucá prometeu ajudar para agilizar a tramitação do projeto tanto no Plenário do Senado, quanto na Câmara.

Os pernambucanos devem se orgulhar de Joana Maranhão não apenas pelos seus feitos atléticos, mas, sobretudo pela coragem de ter exposto o seu drama, no que acabou se materializando nesse fato concreto, a Lei Joana Maranhão, um instrumento dos mais importantes na defesa da criança brasileira abusada sexualmente.

Toffoli será aprovado hoje para ser ministro do STF

Toffoli será aprovado hoje para ser ministro do STF
Apesar dos senões, das suspeições, dos comprometimentos partidários, da incestuosa relação com o presidente Lula, sem o saber jurídico necessário e com a moral ilibada contaminada pela dúvida, o Advogado Geral da União, Antônio Toffoli terá sua indicação para o Supremo Tribunal Federal homologada pelo Senado, sem problemas

Fotomontagem Toinho de Passira

Lamentavelmente Antonio Toffoli será o novo Ministro do Supremo Tribunal Federal

Fontes: Blog do Reinaldo Azevedo, Blog Democratas, Portal Terra

Toffoli será aprovado hoje para ser ministro do STF Apesar dos senões, das suspeições, dos comprometimentos partidários, da incestuosa relação com o presidente Lula, sem o saber jurídico necessário e com a moral ilibada contaminada pela dúvida, o indicado do presidente será aprovado e bajulado no senado federal O advogado-geral da União, José Antônio Dias Toffoli, será sabatinado e aprovado hoje, pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado e depois pelo plenário, depois da indicação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para ministro do Supremo Tribunal Federal.

Na semana passada, os parlamentares pediram vista do relatório do senador Francisco Dornelles (PP-RJ) sobre o assunto. Toffoli tem sido criticado pela oposição por ter sido advogado do PT nas campanhas presidenciais de Lula. A base governista com ampla maioria defende a indicação e alega que, ao assumir a vaga no STF, cessam-se as filiações partidárias e estão mobilizadas para aprovar o protegido do presidente.

Toffoli também chegou a ser condenado pela Justiça do Amapá a devolver R$ 420 mil aos cofres do estado porque seu escritório de advocacia foi contratado irregularmente para defender uma ação de interesse do estado. Os efeitos da condenação foram suspensos depois que ele recorreu da decisão.

O Blog Democratas complementa dizendo que o advogado José Antônio Dias Toffoli, para ser membro do Supremo Tribunal Federal, o indicado pelo governo tem que comprovar perante os senadores, notório saber jurídico e reputação ilibada para ser aprovado pela Comissão e pelo plenário para assumir o STF.

O Blog Democratas, para contribuir com a sabatina, apresenta cinco perguntas que deveriam ser respondidas por Toffoli, segundo sugere o Blog Reinaldo Azevedo:

: 1) O senhor atuou como advogado de alguém naquele caso que ficou conhecido como “dossiê dos aloprados”?

2)O senhor coordenou a operação para arrumar advogados para os petistas envolvidos naquele episódio?

3)Quando o senhor deixou a Casa Civil, voltou a ser advogado do PT e teve outros clientes. O senhor foi advogado de uma companhia aérea?

4)Caso tenha sido advogado dessa companhia, foi um trabalho individual, pessoal, ou o escritório a que o senhor pertencia foi o contratado? Houve um contrato assinado?

5)Pouco mais de um ano separa a sua saída da Casa Civil de sua nomeação para a Advocacia-Geral da União. O senhor certamente teve muitos clientes nesse período. Havia entre eles quem tivesse demandas relacionadas ao estado e ao governo?

Vamos ouvir o que ele responderá.


Charge - Humberto - Jornal do Comercio (PE)



HUMBERTO- Jornal do Comércio (PE)


Disputa Olímpica: Obama versus Lula

Disputa Olímpica: Obama versus Lula
Temos que confessor que as chances do brasileiro vencer são maiores, que o Americano, que está jogando tudo para levar as Olimpiadas 2016 para Chicago

Fotomontagem “thepassiranews”

A disputa entre os Obamas e os Silvas pelas Olimpíadas, alguém vai perder a viagem

Fontes: G1, CBN, Abril Notícias, Estaadão

A disputa entre os Obamas e os Silvas pelas Olimpíadas, alguém vai perder a viagem O lobby das construtoras brasileiras e a Globo vendem a idéia que uma Olimpíada no Rio de Janeiro é o inicio do paraíso, da mesma maneira que venderam os Jogos Pan Americano e a Copa do Mundo de Futebol para 2014.

A grande rival do Rio pela disputa da escolha da cidade sede dos Jogos Olímpicos de 2016 é Chicago, nos Estados Unidos, apesar de concorrerem também Madrid e Tóquio.

Uma pesquisa feita pelo jornal Chicago Tribune, 87% dos entrevistados votaram contra as Olimpíadas na cidade. "Chicago sem jogos" é um grupo formado por moradores da cidade. Martin Macias, um dos líderes desse grupo, diz que o país precisa se recuperar da crise econômica antes de pensar em Olimpíadas.

Uma pesquisa no Rio diz exatamente o contrário, o carioca quer ganhar a escolha, com 80% de adesão.

A reação do Comitê Organizador de Chicago foi imediata. Kurt Summers, chefe de equipe do comitê, diz que foi feito um seguro para cobrir o equivalente a R$ 1 bilhão, caso haja um estouro no orçamento.

O Brasil está anestesiado pela propaganda das redes de televisão e a carência nacional de sempre querer ganhar qualquer disputa, pelos complexos de inferioridade, sem avaliar os resultados, nem as conseqüências.

Nosso país tão carente de tudo, gasta energia com esses eventos que não contribuem para a melhoria da vida da cidade, e não tem seguro de estouro de orçamento (como Chicago), nem seguro corrupção para nos defender dos políticos envolvidos.

O Rio diz apresentar como um de seus trunfos o legado dos Jogos Pan-Americanos, o que, no entanto, traz também a lembrança do orçamento estourado e de muitas promessas não cumpridas -- como a expansão do metrô e a despoluição da Baía de Guanabara, entre outras obras.


Logotipo dos jogos das quatro cidades finalista na escolha da sede olímpica de 2016

Além disso, apenas 29 por cento das instalações esportivas construídas para o evento de 2007 estão prontas para a Olimpíada, e a maioria delas praticamente não foi usada desde então.

Desta vez, as promessas incluem um novo sistema de transporte rápido interligando as regiões dos Jogos, a reforma da zona portuária e do aeroporto internacional, o aumento da oferta de acomodação, e, outra vez, a limpeza da baía e das lagoas da cidade.

Para tanto, a proposta prevê um gasto total de 28,8 bilhões de reais, dos quais quase 25 bilhões provenientes dos cofres públicos, o maior orçamento de todas as outras cidades que disputam. Mesmo se não ganhar, a candidatura do Rio já terá custado aos cofres públicos mais de 100 milhões de reais, parte destinada a alavancar a proposta brasileira no exterior.

Para uma cidade com a chaga das favelas e da poluição ambiental, já é um desperdício imperdoável, tanto dinheiro promocional.

Foto: Getty Images

A iatista Isabel Swan, medalha de Ouro nos Jogos de Beijing, o prefeito Eduardo Paes e o , Governador do Rio de Janeiro Sergio Cabral e o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro Carlos Arthur Nuzman, falando para a imprensa em Copenhague

Resta o show de megalomania dos nossos governantes. Em Copenhague, a capital da Dinamarca, o governador do Rio, Sergio Cabral e o prefeito Eduardo Paz, que era secretario de esporte, quando da realização dos dispendiosos jogos pan-americanos. Abandonam seus postos de trabalho, no Rio, parecem estarem empenhados em defender a honra nacional, quando estão em busca de popularidade e sonhando com as volumosas verbas federais que passarão pelas suas mãos suspeitas.

Foto: AP

Edson Arantes (foto) está por lá no papel de Pelé, também à custa do erário em busca de manter popularidade e a obtenção de contratos de publicidade. Se não disser alguma bobagem pode até ajudar o presidente Lula que chega com Dona Marisa e uma delegação estranha que inclui o escritor Paulo Coelho, na quinta-feira, véspera da decisão do Comitê.

Foto: Getty Images

O prefeito de Chicago Richard Daley acompanhado de atletas campões olímpicos americanos, fala a imprensa em Copenhague

Para enfrentar o lobby brasileiro, a Casa Branca confirmou que o presidente americano, Barack Obama, deixa os grandes problemas americanos, para comparecer com a esposa, Michelle Obama, a cerimônia do Comitê Olímpico internacional, para respaldar a candidatura de Chicago. A delegação americana inclui ainda celebridades como o jogador de basquete Michael Jordan e a apresentadora de televisão Oprah Winfrey.

Juca Kfouri no seu comentário na rádio CBN perguntou:

“Você acha que Obama iria até lá se tivesse algum receio de voltar para casa de mãos abanando?”

“Na candidatura brasileira há quem jure que o homem mais poderoso do mundo só está indo porque sentiu que o Rio está muito forte.”

“Mas há também quem diga que o marketing carioca está mais forte do que a candidatura propriamente dita, ao contrário do que acontece com Chicago”.

De repente, pode não ser nem o Rio, nem Chicago, pois ninguém pode esquecer que Tóquio e Madrid estão também no páreo.

Na verdade gostaríamos muito de ver Lula voltar para casa, na próxima sexta-feira com os dezenove dedos das mãos abanando.

Foto: Getty Images

MADRID CONFIANTE: No último fim de semana, a prefeitura de Madrid realizou um monumental ato público, com milhares de pessoas nas ruas defendendo a escolha da cidade com sede olímpica em 2016


29 de set de 2009

MISSÃO IMPOSSÍVEL: Marqueteiro de Obama para alavancar Dilma

MISSÃO IMPOSSÍVEL:
Marqueteiro de Obama para alavancar Dilma

Charge de Sponholz

Fonte: Portal Terra

Desesperado com o desempenho da sua candidata, o PT contratou a peso de ouro, o guru americano que pôs a campanha de Obama na internet para tentar realizar o milagre de fazer a candidata de Lula decolar.

O americano Ben Self dono da empresa Blue State Digital foi contratado pelo Partido dos Trabalhadores para a impossível missão de alavancar a campanha da candidata Dilma Rousseff.

Self é especialista em ciência da computação e ao se uniu à equipe de Barack Obama revolucionou o mundo das campanhas eleitorais ao usar a internet como principal ferramenta para promover o candidato democrata à Casa Branca.

A sua empresa, a Blue State Digital, consagrou-se por levantar mais de US$ 500 milhões online para a campanha do primeiro presidente americano negro, o que representou 66% do capital total arrecadado.

Aos 32 anos, o especialista em ciência da computação ficou conhecido mundialmente como o mais eficaz e mais caro marqueteiro para os políticos que precisam quebrar tabus.

O seu próximo desafio será desenvolver uma estratégia com base na internet para tentar colocar a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, com possibilidades de ser a primeira mulher presidente do Brasil.

Ben Self vai fracassar e não será culpa dele, não existe photoshop político que consiga melhorar a arrogante, mentirosa e vacilante candidata.


Irã ameaça com misseis de longo alcance

Irã ameaça com misseis de longo alcance
As Forças Armadas do Irã lançaram nesta segunda-feira (28) “com sucesso” o míssil Shahab-3, de longo alcance, culminando a série de lançamentos considerados provocativos, pela Casa Branca

Foto: Reuters

“Ghadr 1 classe Shahab 3”, míssil de longo alcance preparado para o lançamento durante um teste em um local desconhecido na região central do Irã, capaz de atingir Israel e bases E.U. no Golfo Pérsico

Fontes: Los Angeles Time, Correio da Manhã, Correio Braziliense, Jornal do Brasil

Em um momento de intensa pressão do Ocidente a respeito de seu programa nuclear, o Irã anunciou ontem que a Guarda Revolucionária, elite do Exército iraniano, realizou "com sucesso" testes com mísseis de longa distância das classes Sejil-2 e Shahab-3, com alcance de até 2 mil quilômetros, podendo atingir Israel e bases americanas no Oriente Médio.

A salva de ontem completou os dois dias de testes de mísseis do exercício militar batizado de "O grande profeta IV", iniciado no domingo, com lançamentos de projéteis de curto e médio alcance.

O Sejil-2 é um dos foguetes de duas fases mais modernos do Irã e é alimentado inteiramente por combustível sólido, o que aumenta a precisão para localizar e atingir o alvo.

Foto:AP

Não foi preciso interpretar o significado dos testes. O chefe das Forças Armadas da Guarda, general Hosein Salami (foto), foi bastante claro.

"A mensagem do exercício para alguns países arrogantes que pretendem intimidar é que nós somos capazes de dar rapidamente a devida e forte resposta à sua hostilidade", avisou, citado pela emissora estatal em língua inglesa TV Press.

"Responderemos à qualquer ação militar de maneira esmagadora e não faz diferença de qual país ou regime partiu o ataque", ameaçou Salami.

As manobras do programa de mísseis aconteceram poucos dias após a descoberta da construção secreta de uma usina de enriquecimento de urânio no Irã e das advertências dos Estados Unidos e aliados para que o país abra as portas para a inspeção da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) ou se prepare para sanções mais severas.

Foto: Reuters

A preparação e lançamento do “Ghadr 1 classe Shahab 3” mais perigoso e quase impossível de localizar, pois, sua base de lançamento é móvel

As potências ocidentais acreditam que o argumento de produção de energia nuclear para fins civis é na verdade um disfarce para a fabricação de armas de destruição em massa.

Foto: Reuters

O secretário de imprensa Robert Gibbs, durante a conferência de imprensa diária na Casa Branca, chamou o teste de míssil de "provocação" e pediu que o acordo para permitir acesso imediato e irrestrito a fábrica de combustível nuclear do Irã

A revelação redobrou a importância da reunião de quinta-feira em Genebra, na Suíça, na qual os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), China, Estados Unidos, França, Grã-Bretanha e Rússia mais a Alemanha, o chamado "5 + 1", tentarão persuardir a República Islâmica a abandonar seu programa nuclear.

Foto: Reuters

Na semana passada, Israel, única potência nuclear do Oriente Médio, afirmou que não descarta a opção de um ataque áereo caso ao Irã. Ontem, o ministro da Defesa iraniano, Ahmad Vahidi (foto), reiterou as ameaças de retaliação caso o "regime Sionista", termo usado para se referir à Israel, lance ofensivas contra seu país.

"Se isso [um ataque israelense] acontecer, o que logicamente não prevemos, seu resultado último seria o último suspiro do regime Sionista.


Glenn Miller Orchestra executa "Tuxedo Junction" de Birmingham, Erskine Hawkins e Bill Johnson

Glenn Miller Orchestra executa "Tuxedo Junction"
de Birmingham, Erskine Hawkins e Bill Johnson




28 de set de 2009

Charge - Humberto - Jornal do Comercio (PE)



HUMBERTO- Jornal do Comércio (PE)


HONDURAS: Americanos tiram apoio a Zelaya

HONDURAS:
Americanos tiram apoio a Zelaya
Na hora em que o governo de fato de Honduras, decretou suspensão das liberdades individuais e limitou a imprensa, na reunião para discutir crise, na Organização dos Estados Americanos, o representante dos Estados Unidos condena a ida do ex-presidente a Tegucigalpa

Foto: Getty Images

Militar hondurenho diante da emissora de TV fechada pelo governo por divulgar as propostas de Zelaya “incitando o ódio e à violência”

Fontes: G1, Estadão, El Heraldo, La Prensa, The New York Times

O embaixador dos Estados Unidos na Organização dos Estados Americanos (OEA), Lewis Amselem (foto), qualificou hoje como "irresponsável" a volta do presidente deposto, Manuel Zelaya, a Honduras. "O retorno do presidente Zelaya, sem um acordo, é irresponsável e não serve nem aos interesses do povo hondurenho nem àqueles que buscam o restabelecimento pacífico da ordem democrática em Honduras", afirmou.

Lewis Amselem exortou o governo de fato a conduzir a segurança com "moderação e cautela" e pediu que Zelaya "exerça liderança" e inste seus partidários a manifestar seus pontos de vista de forma pacífica.

Ele disse que os EUA pediram em diversas ocasiões para que Zelaya não voltasse a Honduras antes de um acordo político por causa da possibilidade de agitação.

"Tendo escolhido, sem ajuda externa, voltar sobre seus termos, o presidente Zelaya e aqueles que facilitaram a sua volta guardam responsabilidade particular pelas ações de seus apoiadores", afirmou a autoridade norte-americana.

O presidente dos EUA, Barack Obama, vem sendo criticado pelos conservadores americanos, por pressionar o governo de Micheletti e apoiar um aliado do presidente da Venezuela, Hugo Chávez.

Foto: Divulgação OEA

Reunião do Conselho Extraordinário da OEA para discutir crise em Honduras

A Organização dos Estados Americanos convocou nesta segunda-feira, 28, uma reunião urgente do Conselho Extraordinário para discutir a crise em Honduras.

No domingo, o presidente Roberto Micheletti não permitiu a entrada de uma missão diplomática da OEA no pais, disse que não era o momento oportuno para permitir a entrada dos diplomatas em Honduras.

O secretário-geral da OEA, José Miguel Inzulza, condenou a atitude de Micheletti. A missão dos diplomatas do órgão era preparar uma visita de diversos chanceleres e do próprio Inzulza ao país para discutir a crise.

"Decisões como esta dificultam seriamente os esforços para promover a tranquilidade social em Honduras e a busca para soluções desta crise", disse o secretário-geral.

Ministros do governo hondurenho, disseram que com esse governo não foi reconhecido pela OEA, e o seu embaixador foi expulso da última reunião agora não se sente obrigado a aceitar determinações e acompanhamento da Organização destinada a coordenar as atividades das nações americanas.

Foto: Getty Images

Soldados apagam as pichações feitas pelos partidários de Zelaya, nas proximidades da embaixada brasileira

O governo de Micheletti resolveu sair da defensiva diplomática e partir para o ataque e considerou corretamente que devido a situação de pré guerra civil que se encontra o país, utilizar-se de dispositivos constitucionais, pondo a nação em Estado de Sitio.

Assim ficaram suspensas as liberdades individuais e a imprensa pode ser censurada. Uma rádio oposicionista foi invadida e tirada do ar. Tropas do Exército patrulham vários pontos de Tegucigalpa. O direito de reunião e de habeas-corpus foi suspenso.

No domingo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva rejeitou firmemente o ultimato dado pelo governo de Honduras para que o Brasil defina em dez dias o status do presidente deposto Manuel Zelaya, abrigado há oito dias na embaixada do Brasil em Tegucigalpa.

"O governo brasileiro não acata o ultimato de um golpista, usurpador de poder", disse Lula, irritado, em entrevista na Ilha de Margarita, durante a reunião de cúpula de 65 países da América do Sul e da África.

Em um comunicado, a chancelaria do governo hondurenho afirmou, no sábado, que seriam tomadas "medidas adicionais conforme o direito internacional" se o ultimato não for atendido. Ontem, o chanceler Carlos López explicou, numa entrevista em Tegucigalpa, que, nesse caso, os diplomatas brasileiros serão expulsos do país.

"O prédio que hoje é a embaixada do Brasil passará a ser apenas um escritório", disse López. Ele também anunciou que as embaixadas da Espanha, da Argentina, do México e da Venezuela - que, como o Brasil, retiraram seus embaixadores de Honduras - terão de retirar imediatamente seus emblemas e escudos, das fachadas dos prédios e os documentos emitidos pelo governo que lhe dá imunidade diplomática perderam a validade.

Foto: Getty Images

Cerca de 300 soldados encapuzados cercaram o edifício Rádio Globo que apoiava Zelaya, derrubaram a porta principal, no terceiro andar e confiscaram os equipamentos da emissora. Os funcionários saltaram pelas janelas para escapar da prisão

Forças de segurança leais ao governo de facto de Honduras invadiram e fecharam nesta segunda-feira, 28, a Rádio Globo de Tegucigalpa, um dos poucos veículos de comunicação do país favoráveis ao presidente deposto, Manuel Zelaya. A TV Cholusat Sur, que também mantinha uma linha opositora está cercado por militares e saiu do ar. No domingo, o governo de Roberto Micheletti decretou um estado de sítio que proibiu liberdades individuais e limitou a imprensa.

De acordo com o decreto do estado de sítio, o governo pode suspender meios de comunicação que "atentem contra a paz e a ordem pública". A rádio Globo e a TV Cholusat Sur, únicos veículos que não apoiaram o golpe, foram tirados do ar em várias ocasiões nos últimos três meses. As duas emissoras têm divulgado declarações de Zelaya e convocam seus partidários às manifestações.

Foto: Getty Images

Isolado na embaixada do Brasil, Zelaya não tem mais como transmitir mensagens aos seus partidários, depois que a emissora de TV e o Rádio que lhes dava apoio, foram tirados do ar

O ministro do Interior do governo, Oscar Matute, disse que a liberdade de expressão pode ser restringida para preservar a segurança nacional. "Não se trata de coibir a liberdade de expressão, mas sim de que, se há um meio que está incitando ao ódio e à violência, é um dever impor-lhe um basta", disse em entrevista telefônica à Reuters.

"Há um par de meios de comunicação (...) que o que têm feito é semear a discórdia (...). Isso nos parece que deve ser regulado", disse Matute.

Há uma forte presença militar nas ruas da cidade.

Foto: Reuters

Partidários de Zelaya proibidos de fazer passeatas pela cidade, hoje a tarde, fazem manifestações, sentados no meio da rua

Muitos caminhões do Exército patrulham os principais pontos de Tegucigalpa. Partidários de Zelaya se concentram na Universidade Pedagógica Nacional Francisco Morazán, de onde deve sair uma manifestação contra o governo. A polícia ainda não interviu, mas se teme que quando a manifestação avance haja repressão. Ontem, o comissário Orlin Cerrato disse que eles iriam usar toda força de dissuasão contra qualquer ato político.


Livro de Marco Maciel reúne oposição em Pernambuco

Livro de Marco Maciel reúne oposição em Pernambuco
O lançamento do livro “Política das Ideias, escrita pelo senador pernambucano, hoje, no Passo Alfândega, no Recife antigo, transformou-se num ata político importante, com presenças de lideranças do DEM, do PSDB e do PMDB, locais e nacionais

Foto: Wilson Dias/ABr

Marco Maciel é continua sendo a maior liderança pernambucana, dentro e fora do estado

Fontes: Blog do Jamildo, Diário de Pernambuco

O lançamento do livro “Política das Ideias” do senador Marco Maciel (DEM), será muito mais do que um evento literário. Articulado pelos correligionários locais do senador, o ato será o momento dos Democratas reunirem grande número de admiradores em torno do principal nome da legenda rumo à disputa eleitoral de 2010.

Maciel não enviou convites oficiais, mas políticos próximos a ele trataram de articular as convocações. Atuaram dessa forma o ex-ministro Gustavo Krause e sua filha, a vereadora Priscila Krause, o deputado federal André de Paula, o deputado estadual Augusto Coutinho e o ex-governador Mendonça Filho, todos filiados ao Democratas.

No âmbito nacional, já confirmaram presença o ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso (PSDB) - que se hospedará em um hotel em Boa Viagem e retorna para São Paulo amanhã -, o senador José Agripino Maia (DEM-RN) e o presidente nacional do DEM, o deputado federal Rodrigo Maia (RJ). Ainda são aguardadas as presenças do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), e do governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (DEM). Governador de São Paulo e favorito da oposição para disputar a presidência do País, José Serra (PSDB aterrissar em Recife no mesmo avião que traz FHC.

Nome elevado à prioridade na legenda, Marco Maciel também será prestigiado pelos senadores Jarbas Vasconcelos (PMDB) e Sérgio Guerra (PSDB), com quem pode reeditar no próximo ano a chapa vitoriosa em 2002, marcada pelo jingle “É Jarbas, Marco Maciel e Sérgio Guerra”. De acordo com Gustavo Krause, Maciel presta contas do seu mandato com o lançamento da obra. “Ele coloca à disposição o seu pensamento, a sua forma de encarar a política”, disse.

O hoje senador da República já foi deputado estadual, deputado federal, secretário de estado, ministro e vice-presidente da República. Ele foi eleito, por duas vezes, na chapa liderada por Fernando Henrique Cardoso.

"Com o livro, nosso objetivo é contribuir para o debate nacional", afirmou o senador. São 132 páginas, reunindo 42 artigos e discursos do democrata durante o atual mandato no Senado.

Entre outros temas, Maciel disserta, por exemplo, sobre “Moralidade e democracia” e “Metrô do Recife: uma prioridade esquecida”. “Ele é um homem que, muitas vezes de forma silenciosa, trabalha sem parar pelo Estado”, ressaltou Mendonça Filho. O evento é aberto ao público.


27 de set de 2009

Roman Polanski é preso por pedofilia

Roman Polanski é preso por pedofilia
O diretor franco polonês, alcançado na Suiça, é fugitivo da justiça americana há 31 anos

Foto: Reuters

Polanski realizou muitos filmes importantes como A Dança dos Vampiros (1967) "O Bebê de Rosemary" (1968), "Chinatown" (1974), "Tess" (1979), “Lua de Fel” (1992) ,"O Pianista" (2002)

Fontes: Veja Abril, O Globo, AFP, BBC Brasil, The Mirror

O premiado diretor de cinema Roman Polanski foi detido na Suíça por um mandado de prisão emitido há 31 anos nos Estados Unidos.

Polanski, 76, foi preso no sábado quando viajava para a Suíça para o Festival de Cinema de Zurique, que está realizando uma retrospectiva de sua carreira.

Em 1977, nos Estados Unidos, ele admitiu ter mantido relações sexuais com uma garota de 13 anos, Samantha Geimer (foto), mas fugiu para a França antes de receber a sentença final.

Sem pisar em terras americanas desde então, o diretor recebeu à distância o Oscar de melhor filme pela obra O Pianista, de 2002, que conta as memórias de um músico judeu em plena ocupação nazista de Varsóvia durante a Segunda Guerra Mundial.

Inicialmente indiciado por seis delitos sexuais, entre os quais pedofilia, o diretor pode ter de enfrentar o resto da vida na prisão se condenado.

Polanski foi detido em 1977 em Los Angeles após denúncia apresentada pelos pais da adolescente, de 13 anos, acusado de oferecer drogas e álcool a uma adolescente de 13 anos e de fazer sexo com ela em uma sessão fotográfica na casa do ator Jack Nicholson.

Foto: Arquivo

Polanski saindo de uma das audiências de julgamento em 1977

À época, o diretor alegou que a menor não era mais virgem e que não havia sido forçada.Ele passou 42 dias na prisão. No final de janeiro de 1978, no dia seguinte a uma reunião entre seus advogados e um juiz, na qual este deu a entender que voltaria a ordenar sua prisão, Roman Polanski embarcou em um avião para a Europa, onde vive desde então.

A vítima do caso, hoje a Sra. Samantha Geimer, (foto) casada e com filhos, já pediu que as acusações contra o diretor sejam retiradas.

Ela diz que a insistência da Justiça para que Polanski compareça diante de um juiz americano é uma "piada cruel".

No início deste ano, um magistrado americano afirmou que houve má conduta do juiz original do caso, hoje falecido, mas determinou que Polanski deveria retornar aos Estados Unidos para pedir a anulação do caso.

Por medo de ser enviado à Justiça americana, o diretor já evitou inclusive rodar suas obras na Grã-Bretanha, que, como a Suíça, tem acordos de extradição com os EUA.

O departamento de Justiça dos Estados Unidos confirmou o pedido de captura contra o cineasta e nada mais impede que ele seja transferido para uma prisão americana.

Polanski e a atriz Emmanuelle Seigner, com quem é casado desde 1989
O governo francês e polonês estão unidos em defesa do cineasta Roman Polanski. O ministro de Cultura Frederic Mitterrand divulgou um comunicado informando que tanto ele quanto o presidente Nicolas Sarkozy querem ver o diretor voltar rapidamente para sua família.

Radoslaw Sikorski, ministro das Relações Exteriores da Polônia - para onde Polanski foi durante a Segunda Guerra Mundial, quando sua mãe foi morta por nazistas -, disse que pode apelar diretamente para as autoridades americanas sobre o caso.

- Estou considerando a possibilidade de solicitar ao presidente dos Estados Unidos (Barack Obama) a proclamação de um ato de clemência que resolva a questão de uma vez por todas - afirmou Sikorski.

Bernard Kouchner, ministro das Relações Exteriores da França, também emitiu uma declaração na qual diz estar em contato com as autoridades suíças para exigir que os direitos de Polanski sejam plenamente respeitados e que uma solução "favorável" seja encontrada rapidamente. 

O presidente da Associação dos Produtores de Cinema, Jacek Bromski, está perplexo com a atitude dos suíços.

- Não entendemos porque eles convidaram Polanski para um festival de cinema, onde era para ter recebido um prêmio por uma vida de realizações, e ao invés disso o prenderam – argumentou revoltado.

Micheletti dá 10 dias para o Brasil definir situação de Zelaya

HONDURAS:
Micheletti dá 10 dias para o Brasil definir situação de Zelaya

Foto: Getty Images

Micheletti, o presidente de Honduras, dando prazos ao governo brasileiro, ameaçando com "medidas adicionais"

Fonte: El Heraldo, Zero Hora

O presidente de Honduras Roberto Micheletti deu um prazo de 10 dias ao Brasil, a contar deste sábado, para que defina o status do presidente hondurenho deposto, Manuel Zelaya que está na Embaixada do Brasil como "hóspede oficial" desde segunda-feira passada, quando retornou a Honduras, quase três meses após ter sido deposto, por desobediência da Constituição do país.

— Novamente solicitamos ao governo do Brasil que defina o status do senhor Zelaya, dentro de um prazo não maior de 10 dias. Se não for assim, nos veremos obrigados a tomar medidas adicionais —, disse na sexta-feira o Ministério de Exteriores do governo hondurenho em comunicado lido por rádio e televisão para todo o país.

Foto: Getty Images

O diplomata brasileiro Lineu Pupo Paula, chega para assumir a embaixada e aguarda autorização dos zelaystas para entrar, no interior do prédio da representação brasileira

Além disso, pede ao Brasil que "imediatamente tome medidas para assegurar que o senhor Zelaya deixe de utilizar a proteção que lhe oferece a missão diplomática do Brasil para instigar a violência em Honduras", embora não especifique em que consistirão as "medidas adicionais".

Foto: Getty Imagens

Em território brasileiro, no centro de Tegucigalpa, a capital de Honduras, Zelaya prega a revolta popular, e desobediência ao governo Micheletti, sem que sofra qualquer sanção, por parte das autoridades brasileiras. O Brasil não tem o controle do prédio nem de Zelaya, nem dos mais 80 capangas armados, que o ex-presidente tem consigo. Segundo funcionários da representação diplomática brasileira, cerca de 17 pistolas foram recolhidas e guardadas numa sala, longe dos seguidores do ex-presidente, mas obviamente com facilidade de acesso.

A questão tem conseqüências da maior gravidade, pois esse posicionamento pode transformar as ruas de Tegucigalpa numa área de conflito armado a qualquer momento.

Vai ficar dificil o governo brasileiro dizer qual a situação de Zelaya, pois não se tem notícia de circunstancia parecida na historia do relacionamento entre as nações. As definições de asilado, refugiado, não se incorpora totalmente a situação. Mas Micheletti espera que haja uma denominação, para que diga que está pronto a fornecer salvo conduto para que o Brasil tire do país essa figura incomoda.

Caso o Brasil não informe, que é o previsível, o governo de Honduras, pode considerar a situação como um ato hostil, do governo brasileiro, e expulsar a representação diplomática do seu território, obviamente dando garantias a todos os que estão sob a proteção da embaixada no país.

Foto: Reuters

Partidários de Zelaya em passeata neste domingo

Claro que tudo isso pode levar a uma tensão elevada, e ficará muito dificil ao governo de hondurenho executar essa expulsão, pois Zelaya não vai sair pacificamente, e o cumprimento a força, geraria tal situação, que a aí a ONU poderia intervir com uma tropa de paz para garantir o suposto direito de Zelaya se manter no governo.

Um barril de pólvora com estopim acesso é a imagem que nos acorre ao analisamos a situação de Honduras, nesse momento.


HONDURAS; Zelaya transforma embaixada em casa de mãe Joana

HONDURAS:
Zelaya transforma embaixada em casa de mãe Joana
Relato do enviado da Folha de São Paulo Fabiano Maisonnave:

Foto: Reutes

O retrato de Lula emoldurando o gabinete de Zelaya

Fontes: Folha de São Paulo

Teoricamente território brasileiro, a embaixada do país em Honduras está praticamente sob a administração de Manuel Zelaya e de seus seguidores. São eles que têm a chave do portão de entrada, que controlam o acesso às salas onde está o presidente deposto e que determinam a função de quase todos os cômodos da casa.

Para entrar na embaixada, instalada numa ampla casa de dois pisos, a reportagem da Folha foi escoltada até a entrada por um policial. Ali, entregou o passaporte a um dos militantes que, com o rosto coberto por lenços, vigiavam de cima de uma laje. Cerca de cinco minutos depois, outro militante devolveu o passaporte e afirmou que a entrada "não estava autorizada no momento".

Foto: Getty Images

Depois da insistência do repórter em afirmar que era cidadão brasileiro e de uma consulta ao encarregado de negócios, Francisco Catunda, a porta foi finalmente aberta. Dentro, uma mulher hondurenha que não quis se identificar disse que "era a encarregada de segurança" e novamente requisitou o passaporte.

Foto: AP

Do telhado da embaixada brasileira partidário de Zelaya instiga militares

No quintal, em meio ao cheiro de gás, militantes e até um jornalista subiam em duas escadas para insultar policiais que ocupam as casas vizinhas.

"Eu estou no Brasil, vocês estão em Honduras", gritava aos policiais, em tom irônico, o americano Andrés Conteris, do site esquerdista "Democracy Now", um dos jornalistas que estão dormindo na embaixada: estão ali uma equipe da Telesur, canal controlado pelo governo Hugo Chávez, três agências de notícias, uma TV salvadorenha e a rádio hondurenha Globo, pró-Zelaya.

Foto: Getty Images

Quase ninguém respeita a orientação de Catunda de não insultar policiais e de não andar com o rosto encoberto.

"Vocês não podem aceitar a provocação e reagir. Eu entendo o entusiasmo, mas não podem", disse Catunda a dois militantes. A resposta de um deles foi a gritos: "Mas esses policiais são assassinos, matam a nossa gente nas ruas!".

A conversa se deu numa sala que se transformou numa espécie de escritório de Zelaya. A entrada é controlada por um militante ao lado de um aviso, pregado na parede: "Área reservada. Favor não entrar".

Foto: Getty Images

Outro momento tenso entre Catunda e os militantes foi na hora de montar a mesa para a entrevista coletiva: militantes de Zelaya tiraram a bandeira brasileira e a foto do presidente Luiz Inácio Lula da Silva da sala do embaixador e as dependuraram atrás da mesa onde o presidente deposto se sentaria.

Catunda ordenou que os dois objetos fossem devolvidos imediatamente ao escritório. Os militantes concordaram. No lugar da foto de Lula, colocaram um quadro de propaganda turística do Brasil.

Foto: Getty Images

Zorra Total: banho de cuia dos zelaystas, quando faltava água na embaixada


* “Zelaystas tomam controle total de missão brasileira” – titulo original do texto na Folha de São Paulo
**Acrescentamos fotos e legendas

Vincent Lecoeur e Christianne Gout dançam em “Salsa 1999”

Vincent Lecoeur e Christianne Gout dançam em “Salsa 1999”
Filme dirigido por Joyce Bunuel




26 de set de 2009

Charge - Thomate - A Cidade (Rio Preto)



THOMATE-A Cidade (Rio Preto)


Mais 8 mil vereadores vão salvar o Brasil?

Mais 8 mil vereadores vão salvar o Brasil?
O Congresso aprova emenda constitucional que amplia em quase 8 000 o número de vagas para novos vereadores. Adivinha quem vai pagar a conta?

Fotos: Ed Ferreira/AE e Chico Nelson

ALEGRIA, SENHORES! - O cargo de vereador foi criado para aproximar o cidadão da administração de sua cidade. O tempo, porém, transformou as Câmaras em templos de corrupção, desperdício e inutilidade

Diego Escosteguy
Fonte: Veja

No Brasil, toda cidade tem pelo menos uma praça, uma igreja, um bar – e uma câmara de vereadores. Nenhum político é tão presente na vida do brasileiro quanto o vereador: existem hoje quase 52 000 representantes nas câmaras municipais.

O vereador é tão tradicional na política brasileira que remonta ao longínquo ano de 1532, quando o primeiro deles foi eleito na vila de São Vicente. Cabe a ele encaminhar demandas da população ao governo local, cobrar resultados dos prefeitos e fazer leis municipais.

No papel, uma boa ideia. Ficou na intenção. O projeto degenerou numa pálida e triste sombra do que poderia ser.

Com o nascimento da República, em 1889, e a consequente concentração de poderes nas mãos de presidentes e governadores, os vereadores entraram num longo crepúsculo de irrelevância. Os gastos com as câmaras municipais passaram a crescer na mesma proporção dos escândalos que delas surgiam.

Aos poucos, o posto de vereador perdeu sua nobre função democrática, transfigurando-se num mero carguinho, um meio de atender aos interesses políticos e, não raro, financeiros de seus ocupantes. A Constituição de 1988 consagrou esse duvidoso modelo, que hoje nos custa 6 bilhões de reais por ano – e, na semana passada, os congressistas conseguiram piorá-lo.

Foto: José Cruz/Abr

Vereadores erguem os braços comemorando a aprovação das novas vagas, mais quem está sendo assaltado somos nós

Sem resistências de nenhum partido, os parlamentares aprovaram uma emenda à Constituição que aumenta o número de vereadores em cerca de 8.000. Os deputados e senadores ainda deixaram uma sorrateira brecha na emenda, pela qual os atuais suplentes podem ocupar imediatamente essas vagas. Esse é o motivo para a efusiva comemoração estampada na foto acima.

A reação ao casuísmo, no entanto, não tardou. O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Carlos Ayres Britto, referindo-se à possibilidade de posse desse pequeno exército, lembrou que a corte já havia estabelecido o dia 30 de junho deste ano como data-limite para qualquer alteração no cálculo do número de vereadores. Em outras palavras, Ayres Britto deixou claro que o tribunal não permitirá a farra:

"A emenda atual chegou tarde para entrar em vigor na corrente legislatura". As novas regras, portanto, só valem a partir das eleições de 2012 – se as cortes superiores não as derrubarem até lá, o que é provável.

A decisão dos parlamentares configura um retrocesso de cinco anos. Antes das eleições de 2004, o TSE havia cortado mais de 8 000 vagas, por entender que os municípios estavam extrapolando o limite constitucional de número de vereadores.

Desde então, os congressistas tentavam aprovar a emenda que multiplicaria novamente os assentos municipais. Não há razões republicanas que justifiquem as novas vagas.

Eis o que escreveu na sua proposta o deputado Arnaldo Faria de Sá, do PTB de São Paulo, relator da emenda:

"As câmaras de vereadores é (sic) a escola dos políticos estaduais e nacionais. O vereador procura... trazer melhorias àqueles que o rodeiam, bem como ainda (sic), a melhoria num todo". (Registre-se que a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara aprovou esse texto.)

Não é preciso ter ido à escola para perceber que não foram os argumentos bem construídos do deputado Arnaldo Faria de Sá que conquistaram os parlamentares.

Tanto empenho para aprovar a emenda explica-se pela importância eleitoral dos vereadores, especialmente nas pequenas cidades do país. Nesses lugares, o apoio político dos vereadores é essencial para assegurar votos aos candidatos à Presidência, ao governo estadual, ao Senado, à Câmara, a prefeito...

Foto: José Cruz/Abr

O Presidente do Senado José Sarney e da Câmara Michel Temer, numa sessão conjunta das duas casas, festivamente comemoram a assinatura da PEC dos Vereadores

Sob uma perspectiva puramente política, portanto, os deputados e senadores ganharam 8.000 cabos eleitorais – pagos com o nosso dinheiro. Diz o cientista político Octaciano Nogueira, da Universidade de Brasília:

"Para que tantos vereadores? Não há dúvida de que se trata de um número exagerado. Eles deveriam ser meros síndicos das comunidades". A figura desses síndicos existe na maioria das democracias ocidentais, como Estados Unidos, França e Inglaterra.

É uma tradição que remonta aos edis da Roma antiga. Nesses países, contudo, considera-se o cargo um serviço público, voltado para o bem da comunidade – e que, como tal, prescinde de remuneração.

Nesse quesito, o Brasil inovou, e hoje paga salários aos vereadores de todas as cidades. A figura do vereador, apesar de aperfeiçoada aqui, é uma herança portuguesa, que persiste nos países colonizados pela antiga potência ultramarina.

Até a independência do Brasil, em 1822, os vereadores detinham a primazia da ação política no país. Para ser vereador, contudo, era preciso ter nacionalidade portuguesa – uma maneira que os colonizadores encontraram para controlar as atividades políticas do Brasil. Cabia a esses homens cuidar dos interesses da coroa no país.

Hoje, tantos anos depois, a emenda aprovada pela Câmara demonstra que o patrão realmente mudou. Deveria ser o povo – mas são eles mesmos, os políticos.


*“Mais 8 000 vereadores nas câmaras” é o título original do texto na Revista Veja
**Acrescentamos fotos e legendas

VIOLÊNCIA URBANA: Refém é salva em ação bem sucedida da PM do Rio

VIOLÊNCIA URBANA
Refém é salva em ação bem sucedida da PM do Rio
Acabou morto o bandido que ameaçava jovem com uma granada, alvejado por um atirador de elite da PM

Foto: Blog Caso de Polícia/Extra

Ana Cristina Garrido, a refém, com a família:
”- Eu não queria que ele tivesse morrido... Mas era eu ou ele.”

Texto de Camilo Coelho , Clarissa Monteagudo e Paulo Carvalho
Fonte: Blog Casos de Polícia – Jornal Extra

Sexta-feira, 25 de setembro, 9h30m. Ana Cristina Garrido, de 42 anos, está trabalhando no escritório da farmácia Viva Mais, na Rua Pereira Nunes, em Vila Isabel. Oficial há 16 anos, o major João Jacques Busnello, atirador de elite da Polícia Militar, está à paisana no 6 BPM (Tijuca).

Mas uma sequência de acontecimentos marcará a história dos dois para sempre. Em liberdade há cinco meses, Sérgio Ferreira Pinto Junior, de 24 anos, rende o motorista de uma Kombi dos Correios. É descoberto pela polícia e, na fuga, invade a farmácia com granada nas mãos. Nesse momento, as três vidas se encontram.

Foto: Gustavo Azeredo/Extra

Sérgio faz Ana refém. A polícia cerca o local, mas Busnello é o último a chegar. Ficou no batalhão vestindo a farda da PM. Quando chega, escolhe o melhor ponto: a janela de um prédio em frente. A família fica assustada, mas aceita colaborar com a polícia. Busnello fica posicionado atrás de uma cortina, esperando o momento certo.

Foto: Pablo Jacob/Extra

A granada usada pelo bandido

Enquanto isso, o coronel Fernando Príncipe comanda a negociação. Desesperada, Ana Cristina passa mal e quase desmaia algumas vezes. Sérgio tira o pino da granada e, nervoso, diz que vai explodir todo mundo. Na primeira oportunidade, quando Ana abaixa para pegar uma garrafa de água, Busnello não atira. Espera um momento melhor. Às 10h40m, Ana quase desmaia e abaixa.

Foto: Gustavo Azeredo/Extra

Major Busnello faz o disparo certeiro, que mudou para sempre a história dos três.

Foto: Pablo Jacob/Extra

Major João Jacques Busnello, o atirador de elite

— Fiquei posicionado, de olho na luneta, esperando a determinação do comandante. Quando ele estava na iminência de detonar a granada, recebi a ordem de atirar, assim que possível.

Foto: Pablo Jacob/Extra

A violência é tal, que a gente tem que comemorar a morte violenta de um ser humano

Não podia errar. Guardei o boné e a cápsula como lembrança de um tiro certeiro — explica o major Busnello, aplaudido após o desfecho do sequestro. O disparo pôs fim a uma trajetória pontuada por passagens pela polícia.

Foto: Pablo Jacob/Extra

A refém já sã e salva retirada do local, por policiais

Sergio já havia cumprido pena por porte de arma, desobediência, estelionato e furto. Nascido no Méier, morava no Engenho Novo. Ano passado, foi preso em uma boate no Leblon após furtar uma bolsa. Em nove meses de prisão, nunca recebeu visita da família. É solto pela Justiça em caráter de urgência em fevereiro, pois estava preso desde agosto sem ser julgado. Só deixa o presídio em abril.

Foto: Pablo Jacob/Extra

Até a noite de ontem, ninguém apareceu para reconhecer seu corpo de Sérgio Ferreira Pinto Junior

Foto: Blog Caso de Polícia/Extra

O major João Jacques Busnello visitou neste sábado a comerciante Ana Cristina Garrido. Na chegada dele, Ana se emocionou:

“- Você salvou a minha vida. Muito obrigada” - disse ela, chorando.